"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

6- TDAH - Preocupado? Leia isto:

ADDitudeMag.com

TDAH e ansiedade freqüentemente andam de mãos dadas. Eis aqui dez maneiras de enfrentar o problema.
por SANDY MAYNARD

Muitos clientes que me procuram estão em transição ou no processo de fazer alguma coisa completamente nova, e eles trazem suas diversas preocupações.
O velho conselho “Não se preocupe,... as coisas darão certo” já não ajuda. Eles precisam mais do que a minha garantia de que o trabalho árduo e a paciência darão bons resultados, e que seus pensamentos negativos não são necessários.
Para eles, é reconfortante ouvir que 95% das coisas sobre as quais nos preocupamos nunca chegam a acontecer, mas isso não é o suficiente. Alguns ainda vivem com esses pensamentos pessimistas que são provocadores de desatenção e que limitam seus esforços para seguir em frente.
Como um conselheiro em TDA/TDAH, quero sugestões positivas para os meus clientes, e as encontrei no livro “Worry” (Preocupação), do Dr. Edward Hallowell. O Dr. Hallowell dá 50 dicas para controlar a preocupação, e fornece valiosos ensinamentos sobre o “toxic worry” (intoxicação por preocupação). Seu livro ajuda os conselheiros a determinar a quantidade de preocupação que é excessiva ou o tipo que é patológico, e se é necessário um encaminhamento para terapia. Ele explica como a preocupação se relaciona com a depressão, com o transtorno obsessivo-compulsivo, com o transtorno do pânico, com a fobia social, paranóia, e com o transtorno da ansiedade generalizada, todas condições que excedem o trabalho do conselheiro e que requerem tratamento por um profissional da área da saúde mental.
Surpreendentemente, o livro também descreve como a preocupação pode ser benéfica. Quando nos preocupamos, isso nos avisa do perigo, de modo que podemos adotar a atitude corretiva antes que seja muito tarde. Por pensarmos em todas as coisas que podem não dar certo, podemos adotar passos que previnem a ocorrência de um desastre e nos armar dos elementos para o sucesso. Em 1908, Yerkes e Dodson estudaram a ansiedade e o desempenho, e determinaram que o desempenho melhorava conforme o nível de ansiedade aumentasse, mas somente até certo ponto. Nesse nível, o aumento da ansiedade começava a ter um efeito deletério, e o desempenho despencava.
Agora, tenho 50 sugestões em um livro que posso indicar aos meus clientes para quando esgotar minha capacidade de ajudar. Muitas das dicas usam as técnicas de gerenciamento do estresse que eu encorajo meus clientes a usar, mas é bom contar com alternativas à mão para aqueles dias em que não estou tão focalizado como deveria estar! A seguir estão as dez dicas mais importantes do livro do Dr. Hallowell. Algumas são minhas velhas favoritas, que tenho usado com grande sucesso, e outras são as que tenho começado a sugerir aos meus clientes, e que eu pessoalmente também uso, mais e mais. Elas são:

1- Veja os fatos – Não imagine nem faça adivinhações. A imaginação pode promover o desastre com a espiral de preocupação.

2- Reze ou medite – Se você já faz isso, sabe o quanto a meditação pode ser eficaz para combater a preocupação, e se você não estiver usando, chegou a hora de descobrir.

3- Não veja muito TV ou leia muitos jornais e revistas – Essa é uma das recomendações do Dr. Andrew Weil, e dever ser boa.

4- Use o humor – Se eu não utilizasse o humor, há dias em que teria problemas sérios.

5- Toque e se deixe tocar – Não há nada como um abraço para fazer as preocupações desaparecerem.

6- Tenha fé – Há um ditado antigo que diz “quando o medo bate à porta e a fé a abre, não há ninguém lá fora.

7- Não se esgote por coisas pequenas – Esta esteve na minha lista de eliminadores de estresse por muitos anos. Se você vai ficar preocupado, e nada pode detê-lo, ao menos se preocupe com algo realmente muito sério.

8- Contrate especialistas para guiá-lo – Como um conselheiro para o TDA/TDAH, sou contratado para ajudar, mas meus clientes freqüentemente necessitam de recursos adicionais para reduzir sua preocupação, como um contador ou um consultor financeiro.

9- Não beba em excesso nem use drogas como meio de se livrar das preocupações – As preocupações pioram quando você altera o estado de sua mente com álcool ou drogas.

10- Nunca fique preocupado sozinho – Bons amigos são de importância capital. Quando você divide seus sofrimentos com um amigo, você os corta pela metade, e quando você divide sua alegria, você a dobra. Quando divide sua preocupação, ela quase desaparece.

Há apenas mais uma dica que eu gostaria de acrescentar à lista do Dr Hallowell, e é a seguinte: Escreva três coisas pelas quais você se sente agradecido exatamente neste momento. É difícil se preocupar quando você tem uma atitude de gratidão, mas mesmo a gratidão necessita de etapas para ser alcançada. Pare agora e escreva três coisas pelas quais se sente agradecido pelo dia de hoje, e note como isso faz com que se sinta tão bem!.
http://www.additudemag.com

Um comentário:

  1. Sou grata por ter a oportunidade de ler coisas como essa, por ter condições de me informar a respeito do TDAH e obter mais autoconhecimento e pela tolerância que as pessoas tem comigo, sabendo ou não que eu tenho limitações.
    Ótimo post, obrigada!

    ResponderExcluir