"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

8- Quais são as características ideais de um professor para crianças e adolescentes com TDAH?

Para lidar com uma criança com TDAH, antes de mais nada, o professor precisa conhecer o transtorno e diferenciá-lo de “má-educação”, “indolência” ou “preguiça”.
Ele terá de conseguir equilibrar as necessidades dos demais alunos com a dedicação que uma criança com TDAH necessita, o que pode ser difícil com uma turma numerosa. Turmas pequenas são preferíveis. Ele tem que percebê-la como uma pessoa que tem potencial (que poderá ou não se desenvolver, como com todo mundo), interesses particulares, medos e dificuldades e tem que estar realmente interessado em ajudá-la. Embora existam várias “dicas” (muitas das quais veremos neste livro), não existe uma única técnica ou abordagem pedagógica que possa melhorar a atenção e o desempenho de uma criança com TDAH.
Não vejo sentido, por outro lado, em se pedir a um professor que faça a tarefa hercúlea de ensinar a uma criança que não está sob tratamento.
É freqüente que me perguntem sobre isso, contando de casos em que os pais “eram contra medicamentos”. Na minha humilde opinião (é o Dr. Paulo Mattos que fala), nenhuma escola é obrigada a receber alunos cujos pais se recusem a fazer o tratamento indicado pelas principais sociedades médicas do mundo, mas há quem pense diferente.
O professor ideal tem mais “jogo de cintura” e criatividade para gerar uma variedade de alternativas, avaliando qual delas “funcionou melhor” para aquela situação em particular. Ou seja, ele tem que ser capaz de modificar as estratégias de ensino, de modo a adequá-la aos estilos de aprendizagem e às necessidades da criança. Se ela aprende matemática melhor com jogos, então o professor ideal será aquele que consegue produzir uma variedade de jogos matemáticos interessantes.
O professor deverá entender bem o fato de a criança prestar atenção e se dedicar apenas àquilo que a interessa ou motiva. Essa é uma das características do transtorno que mais facilmente se confunde com uma série de outras coisas, geralmente malvistas pelos professores. Outro aspecto muito importante é saber distinguir “incapacidade para atender a regras” (o caso do TDH) com “falta de vontade de atender a regras” (problemas comportamentais). Às vezes o TDAH pode coexistir com problemas comportamentais, o que complica as coisas.
Do livro No Mundo da Lua, do Prof. Dr. Paulo Mattos - ABDA - pg.95

Nenhum comentário:

Postar um comentário