"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

9- O que os professores devem esperar do desempenho acadêmico dos alunos com TDAH?

Todas as possibilidades de resultados. Algumas crianças com TDAH conseguem ter bom desempenho acadêmico ( e profissional, no futuro), mas muitas delas apresentam desempenho abaixo do esperado em relação aos seus pares e ao seu potencial, não sendo raras as repetições. O TDAH ocorre em toda a faixa de inteligência, qualquer QI pode ser encontrado em quem tem o transtorno, desde alunos com inteligência limítrofe até os superdotados.

A inteligência do portador de TDAH é provavelmente o maior determinante de quanto ele vai conseguir vencer na vida apesar do transtorno.

Além da inteligência, outros fatores podem modificar o prognóstico de quem tem TDAH:

1- A presença de outros problemas associados ao TDAH, algo comum, em geral leva a um pior desempenho acadêmico ou a uma pior adaptação na escola. muitos alunos diagnosticados com TDAH apresentam outros problemas (como já foi dito anteriormente) e são justamente estes últimos que causam a maior parte das dificuldades. São estes os casos que vão parar nos consultórios e nos centros especializados de diagnóstico e tratamento. Inúmeros médicos têm uma idéia equivocada do que seja TDAH justamente por isso: acabam vendo apenas os casos complicados pela existência de problemas associados (Transtorno Desafiante de Oposição e Transtorno de Conduta, por exemplo). Muitos casos de TDAH passam “despercebidos” porque os alunos têm boas notas e bom comportamento, e neste caso as crianças são consideradas normais;

2- Problemas familiares significativos, famílias caóticas ou com muitos problemas de relacionamento interpessoal podem comprometer o desempenho da criança ou do adolescente;

3- Presença de quadros de depressão ou ansiedade significativos em co-morbidade com o TDAH se associam a pior desempenho acadêmico;

4- Abuso de álcool e/ou drogas que, por si só, já traz muitos problemas.

Quanto àqueles alunos que apresentam dificuldades e elas são exclusivamente secundárias aos sintomas do TDAH, observamos que são crianças e adolescentes que:

• Vivem no mundo da lua. Dessa forma, “perdem” boa parte da explicação do professor na sala de aula ou daquilo que estão lendo no livro;

• Fazem erros por “bobagem”, isto é, por mera distração. Acabam tendo notas inferiores ao que realmente poderiam ter;

• Parecem estar prestando atenção a outra coisa (em geral, um ou vários outros pensamentos, isto é, “distratores internos”) quando se fala com elas. Isso causa um freqüente mal-estar no interlocutor, que passa a ver o aluno “com outros olhos”;

• Esquecem de algo que haviam estudado previamente. Isso ocorre porque a atenção era superficial enquanto estudavam e, assim, o material não é levado corretamente para os armazéns da memória. A atenção é o portal da memória;

• Respondem antes de ler ou de ouvir a pergunta até o final. Com freqüência, acabam fornecendo respostas inadequadas ou incorretas;

• Evitam tarefas muito longas, monótonas ou que exijam concentração. Acabam dando a impressão de serem alunos indolentes ou preguiçosos.

As dificuldades para completar tarefas individuais (em grupo é mais fácil), em prestar atenção nas instruções das tarefas e nas explicações do professor e a dificuldade para estudar em casa podem resultar em notas baixas. Apesar disso, com as necessárias adaptações, é possível melhorar o desempenho nas provas.

É importante diferenciar “dificuldades em se adaptar ao sistema educacional” de “impossibilidade de aprendizagem”. Muitas crianças com TDAH são muito inteligentes e se lhes dermos uma chance elas poderão ser bem-sucedidas.
Extraído de No Mundo da Lua, pg. 96

Nenhum comentário:

Postar um comentário