"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

terça-feira, 28 de setembro de 2010

28- Acabe com a distração: Melhorando o foco do TDAH em casa e na escola

Alunos com TDAH podem facilmente se distrair, perder o foco e ter devaneios em classe. Descubra como auxiliar as crianças com TDAH a evitar as distrações e permanecer focalizadas na tarefa indicada. Dos editores de ADDitude

O problema: O aluno com TDAH parece que não escuta ou presta atenção na matéria escolar. Ele pode se distrair, ficar olhando pela janela, ou focalizado em barulhos irrelevantes ou outros estímulos. Como resultado, ele perde as lições, as instruções e as orientações.

A causa: O TDAH não é apenas uma incapacidade de prestar atenção – é uma incapacidade de controlar a atenção. Crianças com TDAH têm um nível mais baixo de despertar cerebral, que por sua vez diminui a capacidade de filtrar as distrações, tais como barulhos no corredor, a movimentação fora da sala ou até mesmo seus próprios pensamentos e sentimentos internos. Crianças com TDAH têm uma dificuldade especialmente severa em desligar as distrações quando a atividade não é suficientemente estimulante.

Os obstáculos: Crianças com TDAH lutam por permanecerem focalizadas na leitura ou em qualquer tarefa que exija esforço mental sustentado. Às vezes, a distração pode parecer intencional e perturbadora – o que trabalha contra o estudante com TDAH para obter a ajuda de que ele necessita. Críticas como “Acorde fulano” ou “Por que você nunca escuta?” não corrigem este déficit de atenção. Se a criança pudesse prestar mais atenção, ela o faria.

Leia para descobrir as soluções para por fim às distrações em sala de aula e em casa.

Soluções na Sala de Aula

-- Selecione as carteiras sabiamente. Manter as crianças com TDAH perto do professor e longe das portas e das janelas ajudará a diminuir o potencial de distração e propiciará os melhores resultados para manter o foco.

-- Permita que todos os estudantes usem bloqueadores de distração. Para prevenir a exclusão das crianças com TDAH, deixe que todos usem os divisores de privacidade, fones de ouvido, ou protetores de ouvidos para bloquear as distrações durante o trabalho sentado ou nos testes.

-- Mantenha as coisas interessantes. Alterne entre atividades de alto e baixo interesse e, quando possível, mantenha curtos os períodos de lição ou varie o ritmo de uma lição para a outra.

-- Acomode os diferentes estilos de aprendizagem. Use uma variedade de estratégias e de técnicas de ensino para atender aos múltiplos estilos de aprendizagem na sala de aula. Assim, todos os alunos terão oportunidade de abordar as lições da maneira que eles aprendem melhor.

-- Inclua facetas visuais, auditivas, e cenestésicas para todas as aulas. Dê, também, aos estudantes as oportunidades de trabalhar cooperativamente, individualmente e em grupo.

-- Redirecione em vez de reprimir. Em vez de castigar um aluno que se torna distraído, redirecione-o de modo que não cause problemas. Algumas vezes, perguntando à criança uma coisa que você sabe que ela pode responder, ou dando dicas não verbais, tais como permanecendo perto e tocando-a no ombro, poderá trazer a criança de volta ao foco.

Soluções em Casa

-- Estabeleça uma rotina diária de tarefas de casa. Algumas crianças necessitam de uma pausa entre a escola e as tarefas de casa, ou precisam de frequentes paradas entre os trabalhos. Descubra o que funciona melhor para o seu filho para ajudá-lo a evitar as distrações e a procrastinação.

-- Ajude seu filho com TDAH a produzir um ambiente livre de distrações. Algumas vezes o melhor ambiente de aprendizagem pode ser a mesa da cozinha, com música tocando ao fundo. Experimente até que encontre o lugar certo de aprendizagem.

-- Faça seu filho começar. Sente-se com sua criança e tenha certeza de que ela entende o que é solicitado em cada trabalho.

-- Supervisione conforme necessário. Muitas crianças com TDAH precisam de significativa supervisão adulta para se manter na tarefa. Conforme a situação melhore e a criança amadurece, você poderá sair da supervisão constante para freqüentes checagens para ter certeza de que sua criança esteja em ação.

-- Permita pequenas pausas entre as tarefas. Faça sua criança alongar ou ter um lanche após ter completado uma tarefa. Isto poderá ajudá-la a sentir sua sobrecarga mais suportável.

-- Quebre as tarefas grandes. Divida as grandes tarefas em “bocados”, cada um com um objetivo claro. Se sua criança sente que uma tarefa é factível, ela terá menor probabilidade de se distrair.

27- Estratégias amigáveis, aprovadas pelos pais, para ajudar crianças com TDAH a fazerem seu trabalho de casa

Ajude seu filho com TDAH a completar seus deveres de casa – e a aprender como trabalhar de modo independente – seguindo essas ótimas dicas dos leitores. Dos Editores de ADDitude – primavera de 2010

ADDitude perguntou: Como você garante que seu filho com TDAH faça seu dever de casa? E os leitores apresentaram estas cinco orientações.

1- Estabeleça rituais amigáveis para o portador de TDAH

"Aprenda os ritmos do seu filho – quando ele precisa relaxar, quando ele precisa de atividade. Nós temos pausa e um trabalho em períodos curtos. Sempre confira o trabalho do seu filho – ele está mais interessado em terminar de fazê-lo do que em fazê-lo corretamente” – Kathy Zimovan, Carolina do Sul.

"Eu deixo meu filho fazer exercícios com uma bola. Ser capaz de se mexer e caminhar por perto enquanto faz o trabalho ajuda as crianças com TDAH a se concentrar melhor. Eu não tenho de importuná-lo com o trabalho de casa e ele não se queixa da necessidade de se levantar e andar um pouco" - Diane Spriggs, Virginia

"Eu dou à minha filha um pedaço de cenoura ou de pepino a cada 10 minutos. Ela adora a diversão e fica motivada a continuar no trabalho". - Eve, New York

"Eu dou um monte de avisos. E uma hora antes do meu filho começar a fazer o trabalho, eu digo, 'Hora de ligar seu cérebro no trabalho de casa!' Digo a mesma coisa meia hora antes. Descobri que isso realmente ajuda em fazer uma transição suave." - Kimberly Forness Wilson, North Dakota

Você sabe qual é o estilo de aprendizagem do seu filho? Ajude o seu aluno com TDAH a alcançar o sucesso escolar pela focalização nos métodos de estudo que brincam com os modos visuais, auditivos ou tácteis de aprendizado.

2- Aprenda quando parar de fazer o trabalho dele

"Fiz o meu filho responsável pelas suas notas. Ele tem de enfrentar as conseqüências das notas baixas e ganha prêmios pelas boas notas. Se ele quer que eu o ajude com sua tarefa de casa, ele tem de pedir" - May Beth Thomas, Michigan

"Se o seu filho está no ensino médio, deixe-o responsável por terminar o trabalho de casa. Quando eu era jovem, levar-me à escola era uma guerra. Mamãe acabava dizendo: ‘Ótimo. Se você não fizer o seu dever de casa, eu não vou escrever uma desculpa para você’. Tradução: Eu ficava com um grande problema com minha professora – e quando voltava para casa, ficava pior ainda com o meu pai. Aprendi do modo mais difícil, uma vez” - Ed, Arizona

3- Divida as responsabilidades com seu parceiro... antes de sofrer de burnout

"Meu marido e eu temos recorrido a formar uma equipe com nosso filho para fazer seu dever de casa”. LOL – Uma leitora de ADDitude

4- Obtenha ajuda da escola

"Deveres mais curtos. Pedi aos professores do meu filho que passassem uma página de exercícios de gramática, em vez de duas; 20 problemas de matemática, em vez de 40. ele sentiu-se bem menos oprimido." - Lisa, Florida

"Juntar-se a um clube de trabalhos de casa foi uma benção. Meu filho tem ajuda logo após sair da escola, enquanto os remédios ainda estão funcionando. Ele então pode vir para casa e descansar, e eu não tenho de ficar gritando com ele!" -Sheri, California

5- Elimine todas as distrações

"Nada de televisão, e um lugar de trabalho limpo, limpo. A menor coisa, um lápis extra ou uma folha de papel, pode distrair o meu filho." – Uma leitora de ADDitude

"Faça a tarefa logo após a escola, num lugar o mais quieto possível. Tente ser paciente com seu filho, mesmo que isso seja muito difícil!" - Amy, Florida

"Desliguei o MSN dos meus filhos" - Kay, Colorado

26- Minimize as brigas sobre trabalhos de casa e estudo criando rotinas para seu filho com TDAH.

por Vicki Siegel - ADDitude Magazine
Elogie seu filho quando ele faz as tarefas, trabalha com atenção, é criativo e assim por diante.

Volta à escola significa trabalho de casa. Também significa brigas, lágrimas e frustração, porque o trabalho de casa exige mais disciplina e consistência do que as crianças com TDAH (ou qualquer criança!) podem controlar. Mas você pode tornar a tarefa de casa mais fácil criando uma rotina baseada em três questões chave: Quando? Onde? Como?

1. Quando?

• Determine um horário do dia para o trabalho de casa. Baseado no temperamento do seu filho. Talvez ele esteja em sua fase melhor logo após a escola, ou talvez uma hora depois de anoitecer. Evite a noite, porque para a maioria das crianças é hora de apagar.

• Seja consistente no dia-a-dia. Se for impossível fazê-lo após as atividades escolares, afixe um plano diário, ou um calendário semanal, na sua cozinha, que inclua o horário de início e do fim do trabalho de casa, para cada dia.

• Escale tempo suficiente para terminar as obrigações sem correrias, baseado no nível do seu filho e na história relativa ao modo dele completar as obrigações.

• Dê avisos adiantados sobre a hora do trabalho de casa. Isto é importante, porque as crianças com TDAH não mudam facilmente de uma atividade para outra – especialmente de uma brincadeira para o trabalho. Você deve dizer “Você pode brincar por mais 15 minutos, então venha para fazer a lição de casa.”

2. Onde?

• Ajude seu filho a escolher um lugar em casa para o trabalho. Tente a mesa da cozinha, onde ele pode espalhar o seu material. Ou, talvez, seu filho gostará de se sentar junto a uma escrivaninha, num cantinho silencioso.

• Fique longe de eletrônicos (TV, CD player). Mas se seu filho concentra-se melhor com algum ruído suave, experimente música suave de fundo.

• Fique por perto (se possível). Crianças com TDAH se concentram melhor quando elas sabem que você está por perto. Se a sua criança necessita usar o banheiro, lembre-a de voltar logo em seguida. Depois que ela sair do banheiro, lembre-a de voltar ao trabalho.

3. Como?

• Estabeleça regras. Desenhe e imprima uma folha que especifique: horário de início e de fim do trabalho de casa; local; quando e como são os intervalos; e que você estará por perto para ajudar a compreender as obrigações, a se organizar, e para oferecer apoio – mas não faça o trabalho de casa para seu filho. Evite discussões – calmamente encaminhe-o para ler as Regras de Trabalho de Casa.

• Ajude-o a começar. Certifique-se de que o seu filho sabe quais são as tarefas e como proceder. Ofereça assistência que seja adequada para o estilo de aprendizagem dele. Para um processador verbal, leia as instruções para ele e faça-o ler em voz alta; para um aprendiz visual, mostre-lhe como usar os delineadores e os marcadores coloridos para ressaltar as palavras chave e as sentenças importantes.

• Mantenha-o no trabalho. Se o seu filho pára antes de terminar a tarefa, encoraje-o a ir um pouco mais longe, e lembre-o que haverá uma pausa logo a seguir.

• Faça uma pausa. Crianças com TDAH e com Dificuldades de aprendizagem podem tornar-se fatigadas devido à distração, aos desafios da concentração, frustração e inquietação. Ajude seu filho a recarregar sua energia fazendo curtas e freqüentes pausas.

• Confira ao final. Revise o trabalho do seu filho para ver se está completo. Se ele consistentemente demora mais tempo do que deveria, fale com o professor e veja se ele poderá ajustar a quantidade de trabalho.

• Elogie. Cumprimente seu filho quando ele permanece no trabalho, trabalha com atenção, é criativo, e assim por diante. Seja específico. Diga, por exemplo, “Gosto da maneira como você se concentrou neste problema e ficou nele até que o resolveu.” Dê a ele uma tapinha de aprovação ou um abraço de metade de trabalho, também.

• Dê recompensas. É correto oferecer um “prêmio” para motivar. Para uma criança pequena, tente um tempo extra para brincar, um lanche ou jogo favorito, ou uma leitura especial; para uma criança maior, um programa favorito de TV, um tempo a mais no computador ou no telefone.

• Fique do lado dele. Uma nova rotina de trabalho de casa requer um comprometimento sólido. Demora de um a três meses para que uma rotina se torne um hábito – até mesmo um pouco mais para alguém com TDAH. Mas a recompensa é a disciplina, o autocontrole e as habilidades que levam ao sucesso.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

25- Pai de criança com TDAH? Cinco segredos para uma disciplina melhor

Dr. Peter Jaksa compartilha suas estratégias comprovadas para o controle do seu amado filho com transtorno de déficit de atenção com hiperatividade.

Toda criança ocasionalmente resiste às regras e obrigações que lhes são impostas. Crianças com TDAH tendem a resistir mais do que as outras. Para dominar crianças rebeldes, impulsivas, sem criarem uma luta pelo poder ou sem ficarem malucos, os pais devem ser pacientes, persistentes e criativos nas suas respostas à resistência. Eis aqui cinco problemas comuns de disciplina enfrentados pelos pais de crianças com TDAH, e as soluções para cada um deles.

1. “Meu filho se recusa absolutamente a fazer o que lhe digo”

Às vezes, os pais e os filhos caem em um padrão no qual as tarefas diárias (trabalho de casa, aprontar-se para ir dormir) provocam brigas. Em muitos casos, a criança eventualmente obedece, mas o conflito deixa todo mundo alterado.

Qual é a melhor solução em longo prazo? Estabelecer rotinas. Por exemplo, os pais devem estabelecer e obrigar – com calma, mas firmemente – horários regulares de estudo para cada criança.

Pode levar semanas, ou mesmo meses, até que a criança com TDAH aceite essas rotinas e as siga de modo consistente. Não importa quanto demore, não desista. E não se deixe envolver em conflito desnecessário com seu filho. Quando o humor se inflama, os pais devem permanecer calmos e manter o controle da situação.

2. "Meu filho não se importa com as conseqüências."

Tanto a retirada dos privilégios com a TV, quanto a proibição de ir a uma festa, as conseqüências são o modo mais eficaz quando são impostas tão logo quanto possível depois da infração. Se você demora na imposição de conseqüências, estará abrandando seu impacto emocional. Às vezes, conseqüências que eram eficazes param de o ser após o uso por um tempo. Como acontece com muitas coisas envolvendo o TDAH, a repetição leva ao aborrecimento. Estabeleça uma variedade de conseqüências e mude-as de tempos em tempos.

As conseqüências devem ter limites de tempo: longas o suficiente para ensinar uma lição, mas curtas o suficiente para dar à criança uma chance de mudar para coisas mais positivas. A punição deve ser de acordo com o crime. Conseqüências exageradamente duras encorajarão sua criança a ofender-se com suas regras e sua autoridade – e irão gerar mais raiva e rebeldia.

3. “Meu filho não me leva a sério.”

Por que seu filho não mostra respeito por você ou por suas regras? As regras estão claras para o seu filho? Regras importantes devem ser escritas.

A criança não aceita as regras porque as considera injustas? Nesse caso, as objeções da criança e as razões dos pais para as regras precisam de mais discussão.

Se você quer que seu filho respeite as regras, imponha-as consistentemente. Isso significa não se esquecer das regras ou suspendê-las ocasionalmente porque você se sente culpado ou porque seu filho (ou cônjuge) pressionou-o a fazer assim. Se você blefa ou faz ameaças falsas, estará sacrificando sua credibilidade e enfraquecendo sua autoridade de pai.

4. "Meu filho reage exageradamente a quase tudo."

Emotividade exaltada é uma característica do TDAH. Para crianças com déficit de atenção, o fracasso não apenas desencoraja, ele arrasa. Enquanto a maioria das crianças protesta um pouco ao serem disciplinadas, as crianças com TDAH geralmente reagem com indignação ou raiva intensas. Disciplinar uma criança que reage excessivamente é arriscado; pode desencadear a Terceira Guerra Mundial.

Reação exagerada crônica à disciplina – particularmente quando sentimentos intensos de raiva e frustração estão envolvidos – pode não ser causada pelo TDAH sozinho. A criança está reagindo excessivamente porque ela se sente criticada? Não amada? Inadequada? Desamparada? Oprimida? Suas expectativas são muito altas?

5. “Meu filho não me escuta.”

Sempre há um pai, em algum lugar, que tenha tentado manter uma conversa séria com um filho e que encontrou a indiferença. “Quem você pensa que é e por que fica me aborrecendo com esse assunto?” Se tal conversa envolve disciplina, sua mensagem não está chegando ao destino.

Se o seu filho o ignora de modo regular, faça uma autochecagem. Você se tornou muito negativo ou critico? Você focaliza muito nos problemas e não tanto nas soluções? Suas conversas se transformaram em aulas, em vez de diálogo? A criança se sente afastada do processo de tomada de decisões?

Não importa a idade do seu filho, você pode envolvê-lo no processo de estabelecer as regras e as conseqüências por sua quebra. Uma criança que está incluída no ato de estabelecer as regras da família estará mais apta a respeitá-las.
Traduzido de ADDitude Magazine outono/2009

terça-feira, 14 de setembro de 2010

24- Doze dicas para ajudar crianças com TDAH a ler, escrever e em matemática

Estudantes com TDAH geralmente têm dificuldades de leitura, de escrita e em matemática, por causa de sua incapacidade de controlar a atenção e o foco. Experimente estas estratégias com seu filho que tem déficit de atenção, para ajudá-lo a adquirir habilidades de linguagem e matemática.

por Karen Sunderhaft

As crianças com TDAH não são mais espertas ou mais lentas do que seus colegas de classe. Elas somente pensam de modo diferente. Algumas vezes, elas necessitam de dicas pessoais de aprendizagem, para traduzir em boas notas seu modo peculiar de entender a matéria escolar nas áreas de leitura, escrita e em matemática.

O professor do seu filho pode não ter tempo, paciência ou conhecimento para oferecer ao seu filho com TDAH os tópicos específicos e as estratégias que ele necessita para aprender esses assuntos. É aí que você entra em cena. Você pode auxiliar seu filho a usar a leitura e a escrita criativas, e os truques de aprendizagem de matemática, do modo que funcionam melhor para ele. Experimente as seguintes dicas, que já foram testadas por professores, e observe o seu sucesso na escola, em qualquer idade.

LEITURA

- Seguir com o dedo. Estimule seu filho a ler com um “dedo-guia” – o indicador dele, que vai sublinhando as palavras conforme ele as lê. Esta pode ser uma boa estratégia de leitura se ele costuma perder o ponto, se pula linhas e se omite ou repete palavras.

- Cole etiquetas. Faça seu filho marcar as passagens importantes com anotações coladas, de modo que ele possa encontrá-las depois. Use um símbolo para cada tópico, por exemplo, uma face sorridente para informações sobre o caráter, uma casa para organização e uma estrela para idéias importantes, etc.

- Ler em voz alta, pausadamente. Sugira que seu filho inspire rapidamente a cada vírgula e que respire normalmente no final de cada frase. Isto fará melhorar seu ritmo de leitura e a sua compreensão.

- Faça as 5 perguntas. Pense em “quem”, “o que”, “quando”, “por que” e “como”, quando estiver lendo. Ajude seu filho com uma tabela.

- Veja. Ajude seu filho a visualizar a história, imaginando-a como se fosse um filme em sua mente. Conforme ele lê, o filme muda. Isto ajudará para que ele se lembre dos personagens, dos fatos e dos conceitos.

ESCRITA

- Mapeie. Faça seu filho verbalizar o que ele pensa escrever, e faça um desenho ou um fluxograma, ou um mapa mental do assunto. Sugira que ele ponha o assunto principal num círculo no centro da folha de papel. Então, desenhe os outros círculos e os ligue ao círculo principal com traços. Isto lhe permitirá articular as idéias e ligá-las de maneira correta, não importa a ordem em que ele pense nelas.

- Utilize um organizador da história. Organizadores funcionam tanto para a leitura quanto para a escrita. Seu filho deve fazer, numa folha de papel, uma lista que inclua o seguinte: personagens, locação (tempo e lugar), o problema, o alvo da ação, e a solução. Peça-lhe, então, que preencha os detalhes sob cada item, para organizar seu pensamento.

- Desenhe. Use diagramas ou desenhos para apresentar e contar uma história.

MATEMÁTICA

- Pratique jogos de matemática. Eis aqui um exemplo, para a multiplicação prática do 9: Deixe as mãos abertas sobre a mesa, com as palmas para baixo, e marque cada dedo de 1 a 10, da esquerda para a direita. Para 5x9, dobre o dedo número cinco para baixo. Os números antes dele serão as dezenas, os dedos depois dele serão as unidades. Com quatro dedos no lado esquerdo do dedo dobrado e cinco dedos à sua direita, você terá 45. 5 x 9 = 45.

- Seja manipulador. Use blocos, azulejos, pastilhas, até mesmo cartas de baralho para fazer os cálculos visualmente.

- Desenhe uma imagem. Por exemplo, se o problema for dividir 48 bolachas entre 12 alunos, desenhe um prato para cada aluno e divida as bolachas entre os pratos. Ver o problema, literalmente, ajuda os alunos que têm dificuldade a aprender matemática do modo tradicional.

- Veja o sinal. Faça o seu filho marcar (com marca-texto) os sinais das operações (+, -, x, ÷) para cada problema, antes de começar a fazer os cálculos. Isto o ajudará a se lembrar do tipo de cálculo que deverá fazer.
ADDitude magazine summer/2010

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

23- Vinte e cinco (25) Coisas Boas do TDAH

por Bob Seay - “Living whith ADD”, dos editores de ADDitude magazine

1- A insônia, que deixa mais tempo para ficar surfando na net!

2- A vantagem do hiperfoco.

3- A resiliência

4- A personalidade efervescente.

5- A generosidade com dinheiro, tempo e recursos

6- A engenhosidade.

7- O forte senso do que é correto.

8- A disposição para assumir riscos.

9- A capacidade de fazer analogias tão sutis que ninguém entende.

10- A espontaneidade.

11- Possuir a mente de um Pentium, mas ter só 2 MBs de RAM

12- Freqüentes e agradáveis surpresas por achar roupas (ou dinheiro ou o    cônjuge) que havia esquecido.

13- Ser engraçado.

14- Ser o último dos românticos.

15- Ser bom de conversa.

16- Ter maior entendimento inato de tecnologias intuitivas, tais como    computadores e PDAs.

17- Acreditar honestamente que tudo é possível.

18- Estar raramente contente com as coisas como elas estão (status quo).

19- Compaixão.

20- Persistência.

21- Fazer parte da turma dos artistas, músicos, apresentadores e outros tipos criativos.

22- Estar sempre a postos para dar uma perspectiva diferente.

23- A disposição para lutar por aquilo em que acredita.

24- A excelência na motivação dos outros.

25- Ser muito organizado, pontual e geralmente responsável (OK, brincadeirinha... nessa eu menti).

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

22- Dicas para os pais

Como pai você pode estar ciente destas várias técnicas a serem usadas, mas leia-as e poderá aprender algo novo. Afixe-as em lugar bem visível em sua casa e dê uma cópia para os avós e outros cuidadores (babás, etc.), para que eles possam segui-las também.

1- Quando você estabelece regras, torne-as bem simples, específicas, e faça por escrito, para que seu filho possa vê-las facilmente.

2- Recompensas que sejam claras e significativas para o seu filho geralmente funcionam melhor – e elas não têm de ser pródigas.

3- Dê retornos (feed-back) freqüentes para que seu filho saiba o que ele está fazendo.

4- Ajude seu filho a fazer transições suaves antecipando e planejando o que virá em seguida.

5- Mantenha o senso de humor e seja paciente.

6- Aproveite cada oportunidade para oferecer elogios e reforço positivo. Mas tenha cuidado para não exagerar por pequenas conquistas, porque seu filho provavelmente verá como você.

7- Quando chegar a hora de disciplinar, não fale muito e não crie caso, responda com comentários claros e pertinentes à ação.

8- Espere que seu filho terá dias bons e dias ruins.

9- Lembre, culpar seu filho, a si mesmo, ou ao seu cônjuge não ajudará em nada. Vocês todos estão juntos e todos estão tentando fazer o melhor.

21- O que os pais podem fazer para ajudar no tratamento?

Muita coisa. O primeiro passo é informar-se sobre o que exatamente é o TDAH, suas causas e como ele se manifesta nas diferentes situações do dia-a-dia e nos diferentes locais que a criança freqüenta. É importante aceitar o TDAH como um problema real que merece cuidados especiais e não como resultado de um “temperamento difícil” ou “teimosia”. É importante também que procurem se orientar como devem se comportar com seu filho, tornando-se verdadeiros “especialistas” no assunto.

Os pais devem manter diálogo franco, ajudando a criança ou o adolescente a:

1- Entender as dificuldades dele próprio. Lembre-se de que no TDAH o portador não tem boa crítica sobre seu próprio comportamento e o impacto dele nos outros;

2- Descobrir as atitudes necessárias para diminuir o impacto do TDAH. O transtorno não tem cura, porém pode ser “administrado”.

Escute também as opiniões de seu filho sobre aqueles aspectos do seu comportamento que facilitam ou dificultam as coisas para ele.Diga a ele que vocês podem formar um “time” e descobrir coisas em comum.

As normas sobre os comportamentos precisam ser sempre claramente estabelecidas. Ou seja, ele precisa de um meio familiar que tenha rotinas, que seja previsível e que especifique exatamente o que é esperado dele.

Estas regras devem fazer sentido e ser constantes para todas as pessoas que se relacionem com o portador do TDAH.

1- O modo como as pessoas se comportam sempre tem um sentido, uma razão de ser. Explique por que as pessoas devem se comportar desta ou daquela maneira, pois isto não é muito evidente na maioria das vezes. Fale das conseqüências de se comportar de modo diferente daquilo que é esperado pelas demais pessoas. Dê exemplos;

2- Procure se comportar sempre do mesmo modo em situações semelhantes quando estiver com seu filho. Não faça de um jeito em uma ocasião e de outro completamente diferente em outra. É importante que o mesmo comportamento que você o incentiva a ter em casa seja incentivado em todos os outros locais.

Qualquer norma só deve ser implementada se todos os responsáveis que lidam com a criança ou o adolescente concordarem com ela (entenderam, mamãe e papai?). Portanto, todos os castigos e prêmios também devem ser conhecidos por todos. Mas, atenção, qualquer discussão acerca das regras não deve acontecer na frente da criança! - No Mundo da Lua, pág. 60.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

20 - Quando o seu filho é o culpado pelo bullying

Você pode estar acostumado com o fato do seu filho ser vítima do bullying, mas e quando seu filho é o agressor na escola? Eis aqui o que os pais podem fazer para auxiliar seus filhos com TDAH a se acalmarem.

Muitos pais de crianças com o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) se preocupam com o fato de seus filhos serem vítimas de bullying na escola. Mas algumas crianças com TDAH são os agressores. De acordo com um estudo recente, uma criança com TDAH tem 3 vezes mais chance de importunar outras crianças do que uma criança sem o transtorno. A seguir, algumas maneiras de parar com o bullying em sua vida.

Não acuse seu filho de bullying.

Evite a tentação de gritar. Em vez disso, diga calmamente, “Era a sua professora ao telefone, e ela disse que viu você agredir seu colega João no pátio. Qual é a sua versão da história?” Não se surpreenda se ele não admitir nada e não demonstrar nenhum remorso. “Você deve lembrá-lo de como ele se sentiu da última vez que alguém foi mau com ele”, diz Robert Sege, MD., Ph.D., professor de pediatria na Tufts University School of Medicine.

Dê alguma coisa construtiva para ele fazer.

O doutor Sege diz que “os que praticam o bullying são líderes naturais”. Fale com o professor sobre dar ao seu filho um trabalho para fazer, quando ele geralmente apronta alguma arte. Exemplos: Formar uma equipe de limpeza do pátio ou entregar papéis à diretora.

Previna o bullying antes que ele comece.

Pergunte à professora onde o bullying acontece. Se for no ônibus da escola, tente o assento determinado, pondo seu filho perto do motorista do ônibus e longe de sua vítima. Se for no recreio, arranje para que seu filho brinque somente em área bem vigiada.

Ajude seu filho a controlar suas emoções.

Se o seu filho se descontrola quando outros o provocam, utilize a técnica de desempenhar o papel para regular seus sentimentos. Diga, “Eu te amo e te acho maravilhoso, mas eu vou te provocar como parte de um jogo”. “Não importa o que eu diga, você vai me ignorar e não vai ficar agressivo”. Então, você pode dizer “Você é estranho”. Se o seu filho não responder, elogie-o. Então diga, “Vou chama-lo de mais nomes, e você vai sair de perto”. Se ele fizer isso, elogie-o novamente.

Não se sinta como se fosse um mau pai.

Se um professor ligar se queixando sobre o comportamento agressivo do seu filho, você pode querer arrumar desculpas para os atos dele. Não faça isso! Obtenha informações – quem, o que, quando e onde – assim você poderá ajudar seu filho e terminar com a queixa por meio de uma carta.

Quanto mais seguro se sentir o seu filho, menos provável que ele vá importunar os outros. Laura Flynn McCarthy – ADDitude 8/09/10 (Vejam a postagem no. 65, sobre as consequências legais do bullying)

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

19- Dicas para ajudar os pais com TDAH a se manterem organizados

Você é uma mãe com TDA que tem um filho com TDAH? Os desafios quanto à organização são muitos quando tanto um pai quanto o filho têm déficit de atenção. Descubra aqui as dicas para conseguir e manter em ordem os cuidados com a casa, com a vida escolar e com a disciplina. Por Eunice Sigler.

Quando adultos com TDA também são pais de crianças com déficit de atenção, pode ser especialmente desafiador manter a família organizada. Use essas dicas para estabelecer sistemas para organizar os cuidados com a casa, com a disciplina do seu filho, para apoio do seu filho na escola e para manter as coisas sob controle.

Organize os cuidados com a casa

Escreva tudo. Tudo que pode ser esquecido ou negligenciado por qualquer membro da família – recados por telefone, listas do que fazer, encontros – deve ser escrito. Adultos com TDA devem manter papel e caneta ao lado de cada telefone da casa e datar cada anotação para manter as coisas em dia.

Mantenha uma escala da família. Arrume um calendário grande de parede e afixe-o para que todos o vejam, com códigos coloridos para cada membro da família. Se as crianças forem grandes o suficiente, elas podem colar seus próprios compromissos, datas limites etc. Quanto mais envolvidas no processo de escalação, mais provável que se mantenham em dia.

Crie um ritual matutino. Estabeleça uma rotina de modo que as crianças saibam exatamente o que fazer em cada manhã: vestir-se, tomar o café da manhã, escovar os dentes, etc. Se o seu filho tiver problemas para se lembrar da sua rotina suave de sair de casa, crie um pôster que mostre o que tem de ser feito em seqüência. Se o seu filho toma remédio, considere acordá-lo meia hora mais cedo para dar-lhe a medicação.

Acorde 30 minutos mais cedo. Use o tempo antes que as crianças estejam prontas para o café da manhã, verifique as mochilas, etc., para prevenir as crises de última hora. Se você é uma pessoa que dorme tarde, faça essas coisas antes de ir dormir.

Faça as refeições nos horários marcados. Estabeleça horários regulares para a alimentação (café da manhã, almoço, jantar) até mesmo para os finais de semana. Ocasionalmente, terá de mudar os horários por causa de eventos esportivos ou outras atividades, mas faça todo o esforço para alimentar seu filho que tem TDAH de modo consistente.

Simplifique a compra de comida. Mães com TDA têm dificuldade com o planejamento das refeições, esquecendo o que comprar, ou se sentem confundidas com todas as escolhas que pode fazer no supermercado. Faça cartões com a lista das refeições que você quer preparar e inclua os ingredientes. Mantenha os cartões na sua bolsa ou sacola, para que eles estejam à mão quando você estiver no supermercado. Quando fizer compras, mantenha-se focada e não faça compras por impulso. Compre somente o que estiver anotado nos cartões.

Arrume uma pessoa que não tenha TDA para ajudar. Que seja o cônjuge, arrumadeira contratada, um amigo ou um vizinho de confiança, peça a alguém para ajudar para que as coisas sejam feitas. Sinta-se livre para tirar uma folga sempre que se sentir sobrecarregada, assim você poderá se focar novamente.

Organize sua disciplina

Não seja um ditador. Deixe seu filho dizer algo sobre as regras estabelecidas para os cuidados com a casa e os limites. As crianças geralmente sugerem castigos mais estritos do que os que você gostaria de aplicar; então, trabalhem juntos para descobrir o que é melhor para a sua família.

Explique suas expectativas. Seja claro sobre o que você espera do seu filho, e, se ele não atingir suas expectativas, discipline-o por tirar algum dos seus privilégios. Explique exatamente o que ele fez de errado e como ele pode recuperar o privilégio.

Escolha suas brigas. Seja tão consistente quanto possível, mas não tenha medo de deixar passar algumas coisas.

Esteja de acordo com seu esposo. Tenha certeza de que vocês concordam sobre quando e como disciplinarão, para que seu filho não receba mensagens conflitantes. Seu companheiro entendeu as mudanças que você fez? Se não entendeu, a terapia familiar poderá ajudar.

Organize a vida escolar

Esteja por dentro. Trabalhe com o professor e fique em contato por e-mail. Estabeleça uma rotina de enviar por e-mail estas quatro perguntas toda semana: Fale-me sobre a semana do meu filho. Meu filho vai precisar de algum material especial na próxima semana? Meu filho tem deixado de fazer algum trabalho? qual é o estado atual de notas do meu filho?

Você também pode se comunicar por meio de um notebook ou pasta que vai e vem da escola. Peça que os papéis importantes da escola sejam colocados na pasta (permissão de saída, avisos de reuniões e etc.) para que você se livre da bagunça de papel e fique seguro de que vai ver e assinar todos os formulários necessários. Adicione logo todos os eventos relativos à escola no calendário da família.

Estabeleça uma rotina para trabalho de casa. As crianças geralmente são menos resistentes ao trabalho de casa se elas tiverem primeiro um tempo livre. Ofereça ao seu filho um lanche saudável que contenha proteína, que ajuda a melhorar o humor e o foco mental. Se as guerras sobre os trabalhos de casa persistirem, considere a possibilidade de um aluno mais velho vir e prestar ajuda.

Prepare-se para os encontros de pais e professores. Faça uma lista dos tópicos que você quer discutir e envie Poe e-mail para o professor, com uma semana de antecedência. Para uma reunião melhor, coloque todos os trabalhos completados que seu filho trouxe para casa numa pasta que você possa carregar. Desse modo, você e o professor terão exemplos do trabalho dele para construir um quadro mais claro sobre o progresso do seu filho.

Fale com os professores logo no início do ano escolar. Uma carta de apresentação pode ser usada para explicar os desafios que sua família enfrenta, ou tenha uma reunião com o professor para discutir como esses problemas poderão ser enfrentados na escola.

Permaneça otimista.

Elogie o bom comportamento. Lembre o seu filho de suas potencialidades e elogie seu filho com TDAH quando ele por pego fazendo o que for certo (terminando o trabalho de casa, guardando os brinquedos, etc.). Se os seus comentários negativos superam os positivos, é hora de uma mudança. Afinal, crianças com TDA já escutam muitos comentários negativos fora de casa.

Elimine a conversa interior pessimista. Se você se queixa sobre o seu próprio TDA, seu filho ouvirá isso e aplicará a si próprio. Cesse a sua negatividade e focalize nos seus aspectos positivos.

Descubra o que funciona para você. Você não tem de ser pai por meio de um livro. Use um sistema que funcione melhor para sua família.

Traduzido da revista ADDitude. agosto/2010

sábado, 4 de setembro de 2010

18- TDAH - Sintomas em adultos

- A existência da forma adulta do TDAH foi oficialmente reconhecida apenas em 1980 pela Associação Psiquiátrica Americana. E, desde então, inúmeros estudos têm demonstrado a presença do TDAH em adultos. Passou-se muito tempo até que ela fosse amplamente divulgada no meio médico e ainda hoje, observa-se que este diagnóstico é apenas raramente realizado, persistindo o estereótipo equivocado de TDAH: um transtorno acometendo meninos hiperativos que têm mau desempenho escolar. Muitos médicos desconhecem a existência do TDAH em adultos e, quando são procurados por estes pacientes, tendem a tratá-los como se tivessem outros problemas (de personalidade, por exemplo). Quando existe realmente um outro problema associado (depressão, ansiedade ou drogas), o médico só diagnostica este último e “deixa passar” o TDAH.
- Atualmente acredita-se que em torno de 60% das crianças com TDAH ingressarão na vida adulta com alguns dos sintomas (tanto de desatenção quanto de hiperatividade-impulsividade) porém em menor número do que apresentavam quando eram crianças ou adolescentes.
- Para se fazer o diagnóstico de TDAH em adultos é obrigatório demonstrar que o transtorno esteve presente desde criança. Isto pode ser difícil em algumas situações, porque o indivíduo pode não se lembrar de sua infância e também os pais podem ser falecidos ou estar bastante idosos para relatar ao médico. Mas em geral o indivíduo lembra de um apelido (tal como “bicho carpinteiro”, etc.) que denuncia os sintomas de hiperatividade-impulsividade e lembra de ser muito “avoado”, com queixas freqüentes de professores e pais.
- Os adultos com TDAH costumam ter dificuldade de organizar e planejar suas atividades do dia a dia. Por exemplo, pode ser difícil para uma pessoa com TDAH determinar o que é mais importante dentre muitas coisas que tem para fazer, escolher o que vai fazer primeiro e o que pode deixar para depois. Em conseqüência disso, quem TDAH fica muito “estressado” quando se vê sobrecarregado (e é muito comum que se sobrecarregue com freqüência, uma vez que assume vários compromissos diferentes), pois não sabe por onde começar e tem medo de não conseguir dar conta de tudo. Os indivíduos com TDAH acabam deixando trabalhos pela metade, interrompem no meio o que estão fazendo e começam outra coisa, só voltando ao trabalho anterior bem mais tarde do que o pretendido ou então se esquecendo dele.
- O portador de TDAH fica com dificuldade para realizar sozinho suas tarefas, principalmente quando são muitas, e o tempo todo precisa ser lembrado pelos outros sobre o que tem para fazer. Isso tudo pode causar problemas na faculdade, no trabalho ou nos relacionamentos com outras pessoas. A persistência nas tarefas também pode ser difícil para o portador de TDAH, que freqüentemente “deixa as coisas pela metade”.
ABDA - tdah.org.br

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

17- Os Sintomas do TDAH

O TDAH se caracteriza por uma combinação de dois grupos de sintomas:

• desatenção

• hiperatividade e impulsividade

Os sintomas listados abaixo são aqueles descritos no DSM – IV (Diagnostic and Statistical Manual, 4ª. edição), um manual preparado pela Associação Psiquiátrica Americana, que lista todos os sintomas de todas as enfermidades psiquiátricas existentes, tornando os diagnósticos mais padronizados, mais homogêneos entre os profissionais.

Módulo A: Sintomas de DESATENÇÃO (devem ocorrer freqüentemente)

1- Prestar pouca atenção a detalhes e cometer erros por falta de atenção;

2- Dificuldade de se concentrar (tanto nas tarefas escolares quanto em jogos e brincadeiras);

3- Parecer estar prestando atenção em outras coisas numa conversa;

4- Dificuldade em seguir as instruções até o fim ou deixar tarefas e deveres sem terminar;

5- dificuldade de se organizar para fazer algo ou planejar com antecedência;

6- Relutância ou antipatia em relação a tarefas que exijam esforço mental por muito tempo (tais como estudo e leitura);

7- Perder objetos necessários para realizar as tarefas ou atividades do dia-a-dia;

8- Distrair-se com muita facilidade com coisas à sua volta ou mesmo com seus próprios pensamentos. É comum que pais e professores se queixem de que estas crianças parecem “sonhar acordadas”;

9- Esquecer-se de coisas que deveria fazer no dia-a-dia.

Módulo B: Sintomas de HIPERATIVIDADE e IMPULSIVIDADE (devem ocorrer freqüentemente)

1- Ficar mexendo as mãos e pés quando sentado ou se mexer muito na cadeira;

2- Dificuldade de permanecer sentado em situações em que isso é esperado (sala de aula, mesa de jantar, etc.)

3- Correr ou escalar coisas, em situações nas quais isso é inapropriado (em adolescentes ou adultos pode se restringir a um sentir-se inquieto por dentro);

4- Dificuldades para se manter em silêncio em atividades de lazer (jogos, brincadeiras);

5- Parecer ser “elétrico” e a “mil por hora”;

6- Falar demais;

7- Responder perguntas antes de elas serem concluídas. É comum responder a pergunta sem ler o final;

8- Não conseguir aguardar a sua vez (nos jogos, na sala de aula, em filas, etc.);

9- Interromper os outros ou se meter nas conversas dos outros.

No Mundo da Lua, pág. 20