"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

4- Listas de checagem do TDAH - Sandra Rief


1- O que quer dizer TDA/TDAH?

TDA significa Transtorno de Déficit de Atenção. É o nome que tem sido usado há alguns anos, e que muitas pessoas têm ouvido e associado a crianças e adolescentes que têm problemas importantes nas áreas de atenção, hiperatividade e impulsividade.

TDAH significa Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade. TDAH é o nome oficial que é usado para descrever esta doença. Nos livros e artigos atuais você pode vê-lo escrito como TDAH(ADHD em inglês) ou como TA/TH (AD/HD em inglês). Isso ainda significa “Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade” e inclui todos os subtipos da doença: O Tipo Predominantemente Desatento do TDAH, o Tipo Predominantemente Hiperativo e Impulsivo, e o Tipo Combinado.

Para muitos, o termo TDA não explicava todo o quadro. A principal dificuldade da criança não era a falta de atenção, mas os comportamentos associados à hiperatividade e impulsividade. Atualmente, o termo TDAH é equivocado e confuso para alguns. Há crianças com TDA que não são hiperativas ou impulsivas. Compreenda que o novo termo TDAH (que facilmente poderá mudar novamente em poucos anos) inclui o tipo não hiperativo/não impulsivo em sua abrangência.

Uma criança ou adolescente com o tipo predominantemente desatento de TDAH (ou TDA sem hiperatividade/impulsividade) não chama facilmente a nossa atenção.

Os comportamentos não são desagregadores, de modo que elas podem não ser descobertas ou ser mal interpretadas e mal diagnosticadas. Assim, ter esse transtorno, pode ser muito problemático para a criança, resultando em significantes problemas acadêmicos e insucessos. 
Para simplicidade, e na minha tentativa de usar o rótulo de diagnóstico mais atual, eu (Sandra Rief) geralmente usarei o termo TDAH ( não TDA/TDAH). O termo TDAH tem significado inclusivo, referindo-se a todos os tipos do transtorno.

A criança com o tipo predominantemente hiperativo e impulsivo do TDAH tem uma chance muito maior de ser identificada mais cedo e de receber um diagnóstico e uma intervenção, porque os comportamentos são frequentemente muito desagregadores e notáveis. Essas crianças chamam a nossa atenção! Tem havido muito mais pesquisa sobre esse tipo de TDAH no decorrer dos anos; consequentemente, nós sabemos mais sobre os tratamentos mais eficientes para as crianças e adolescentes hiperativos/impulsivos. (Veja a Lista de Checagem 4 sobre as Características do Tipo de TDAH Predominantemente Hiperativo/Impulsivo.)

2. DEFINIÇÕES E DESCRIÇÕES DO TDAH

O que vem a seguir são algumas descrições do Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) conforme definidas por algumas das autoridades e pesquisadores de renome no assunto. Como o TDAH continua a ser estudado intensivamente, com mais e mais informação aprendida a cada ano, estas descrições terão de ser refeitas no futuro.
O TDAH é uma doença do desenvolvimento caracterizada por graus impróprios de desatenção, hiperatividade e impulsividade. O TDAH é uma ineficiência da área do cérebro que controla impulsos, que ajuda na seleção dos estímulos sensoriais aferentes e que focaliza a atenção.
O TDAH é uma doença neurológica caracterizada por problemas em sustentar a atenção e o esforço mental, problemas de excessivo nível de atividade e problemas de inibir os impulsos.
O TDAH é uma doença da execução – um problema de ser capaz de produzir ou agir sobre o que se conhece.
O TDAH é uma doença da produção. Não é um problema de aprendizado per se. Uma pessoa com o TDAH pode saber bem a informação ou a matéria; mas é um problema de ser capaz de executar ou produzir aquela informação (especialmente a produção escrita), e de fazer isso com alguma consistência. Essas crianças são frequentemente descritas como “consistentemente inconsistentes” – porque, em um dia, podem fazer bem uma tarefa e em outro, não. O TDAH é uma doença fisiológica que causa dificuldades com a inibição do comportamento e dos impulsos, com o autocontrole e com o comportamento dirigido a um objetivo.
O TDAH é uma doença neurobiológica que causa um alto grau de variabilidade e inconsistência na execução e na produção.
O TDAH é uma doença do desenvolvimento que resulta de uma atividade diminuída do centro cerebral inibidor e da atenção – cujas características aparecem no início da infância e são de natureza relativamente crônica.
Com o TDAH, o centro cerebral da atenção não está trabalhando bem, o que leva a problemas na execução e na produção.
O TDAH é uma doença que causa um nível excessivo de atividade, excessiva distractibilidade, e excessivas responsividade e reações emocionais.

3. O QUE SABEMOS E O QUE NÃO SABEMOS SOBRE O TDAH

Nós sabemos o seguinte:

Nos Estados Unidos, aproximadamente 2 milhões de crianças têm o TDAH. Calcula-se que de 3 a 5% da população estudantil têm TDAH. Muitas crianças com esse transtorno escapam ao diagnóstico. Elas não foram identificadas ou não recebem os tratamentos eficazes.
O TDAH é diagnosticado 3 a 9 vezes mais frequentemente em meninos que em meninas. Acredita-se que muito mais meninas têm realmente o TDAH e não são diagnosticadas porque exibem poucos dos comportamentos desordeiros associados à hiperatividade e impulsividade. Muitas meninas têm o tipo predominantemente desatento do transtorno e igualmente não são identificadas e diagnosticadas.
Os comportamentos desafiadores que são exibidos pelas crianças com o TDAH são derivados de seu transtorno fisiológico e neurobiológico.
Os comportamentos não apropriados que elas podem exibir geralmente não são desejados ou planejados. Tipicamente seus comportamentos e como eles impactam os outros não são percebidos por elas.
As crianças com TDAH têm maior chance do que as outras de serem suspensas ou expulsas da escola, de repetir de ano ou de sair da escola, têm problemas de fundo emocional e social e sofrem rejeição, ridicularização e punição.
Apesar das dificuldades, as crianças e adolescentes com TDAH podem também ter muitas aptidões e alto potencial. Frequentemente são criativas, inteligentes e dotadas em certas áreas (por exemplo, artisticamente, musicalmente, atleticamente, verbalmente).
O TDAH é um problema para toda a vida. Geralmente continua na adolescência, e até 70% continuam a exibir sintomas na idade adulta. Entretanto, os sintomas mudam conforme a pessoa amadurece. Os comportamentos hiperativos das crianças menores (correr dentro da classe, saltar das cadeiras) são vistos como movimentos de esfregar as mãos, caminhar e comportamentos menos intensos como adolescentes e adultos. A impulsividade vista em crianças mais novas parece diferente nos adolescentes e adultos (isto é, mudar de planos e de carreira frequentemente, tendência a comportamento de alto risco). Muitos dos adolescentes e adultos são capazes de compensar ou de contornar as dificuldades que tiveram quando crianças porque têm profissão e estilo de vida que lhes permite fazer assim. Eles utilizam suas áreas de poder e de interesse, e se apoiam em mais alguém em suas vidas (por exemplo, secretária, esposa/o, assistente) para ajuda nas tarefas que ainda são difíceis, tais como as habilidades de organização.
As crianças com TDAH se dão muito melhor quando lhes dão atividades que são interessantes, novas e motivadoras.
As crianças com TDAH se dão muito melhor quando são capazes de trabalhar para obter recompensas que são mais imediatas. Elas são tipicamente incapazes de manter o esforço quando trabalham para atingir objetivos e recompensas a longo prazo. Esta é uma característica da impulsividade.
Nós sabemos que o TDAH não é um mito, não é o resultado de falta de atenção dos pais e não é uma falta de cuidados, esforço e disciplina.
Nós sabemos que não é preguiça, comportamento proposital ou falha de caráter.
Uma grande porcentagem de crianças, adolescentes, adultos com TDAH tem transtornos adicionais coexistentes (comorbidade). O TDAH é um dos transtornos mais comuns da infância.
Há graus de TDAH, variando desde leve até grave.

O TDAH não é novo. Ele sempre esteve presente, reconhecido pela ciência clínica e documentado na literatura desde o início do século 20, renomeado várias vezes (por exemplo, disfunção cerebral mínima, doença hipercinética da infância).
O TDAH tem sido objeto de uma tremenda quantidade de estudos. Há literalmente milhares de estudos e artigos científicos publicados (nacional e internacionalmente) sobre o TDAH.
O TDAH é de natureza neurobiológica.
Há diferentes tipos de TDAH, com uma variedade de características. Ninguém tem todos os sintomas ou exibe a doença exatamente da mesma maneira.
O prognóstico do TDAH é alarmante quando não tratado. Sem intervenções, ele pode resultar em graves problemas sociais, emocionais, comportamentais e acadêmicos.
Quando tratado, o prognóstico para o TDAH é muito positivo e esperançoso. Com intervenção, muitas crianças diagnosticadas e recebendo a ajuda de que elas necessitam, serão capazes de administrar com sucesso a doença.
Não há um conserto rápido para o TDAH.
Não há cura para o TDAH.
Há muitos problemas ou doenças (por exemplo, de aprendizado, médicos, de saúde, sociais, emocionais) que podem causar sintomas que se parecem com TDAH, mas que não são TDAH.
O TDAH causa problemas com o desempenho e a produção no trabalho.
Vários fatores podem intensificar os problemas de alguém com TDAH ou levar a uma significativa melhora (tais como a estrutura do ambiente, os sistemas de suporte disponíveis, o nível de estresse)
Medicamentos estimulantes, que afetam os neurotransmissores no sistema nervoso central são reconhecidos como redutores dos sintomas do TDAH.
Há um número incontável de indivíduos bem sucedidos com TDAH em cada profissão ou ramo de vida.
Crianças com TDAH geralmente podem ser alunas de classes normais de ensino (com ensino adequado, gerenciamento, apoios e estratégias de assistência).
O TDAH pode ser mais bem administrado por um tratamento multimodal e por uma abordagem em equipe.
Nós sabemos que é necessário um esforço em conjunto dos pais, do pessoal escolar e dos profissionais de saúde e de saúde mental para se ter mais eficiência na ajuda às crianças com o TDAH.
Nenhuma intervenção isolada será eficiente no tratamento e controle do TDAH.

Vigilância , tratamento continuado e planos de intervenção, revisão de planos e voltar à “prancheta de desenho” frequentemente são itens necessários.
Nós sabemos muito sobre quais técnicas de controle de comportamento e quais estratégias são eficazes no lar e na escola para as crianças com TDAH.
Nós sabemos bastante sobre quais intervenções em sala de aula, acomodações e estratégias de ensino são mais eficientes para estudantes com TDAH.
As técnicas de ensino e as estratégias que são necessárias para o sucesso da criança com TDAH são boas práticas de ensino e úteis para todos os estudantes na classe.
Nós sabemos quais as técnicas dos pais que são mais eficientes com crianças que têm o TDAH ( por exemplo, controle positivo do comportamento, estruturação do ambiente).
Nós sabemos muito sobre as intervenções médicas que são eficientes para ajudar as crianças e os adolescentes com TDAH. (Veja a lista de checagem 16 sobre os Medicamentos Mais Comumente Prescritos Para o Tratamento do TDAH.)
Nós sabemos de muitas outras intervenções que tratam das habilidades sociais, do controle da raiva, das estratégias de relaxamento, do gerenciamento da organização e do tempo, dos modelos de aprendizagem, da autoestima e outras que são úteis para os indivíduos com TDAH.
Há muitos recursos disponíveis para ajudar as crianças, os adolescentes e os adultos com TDAH, assim como os que vivem com eles e os que trabalham com os indivíduos com TDAH.
Nós estamos aprendendo mais e mais a cada dia devido aos esforços de muitos pesquisadores e profissionais (educadores, profissionais de saúde mental, médicos) comprometidos com a melhora da vida dos portadores de TDAH.

O que não sabemos sobre o TDAH:

Ainda há muita coisa que não sabemos sobre o TDAH, incluindo entre elas:
- Outras causas possíveis
- Como prevenir ou “curar” os sintomas do TDAH
- Um diagnóstico fácil e conclusivo sobre o TDAH
- O que provem ser os melhores tratamentos e
  estratégias para ajudar os indivíduos com TDAH.
Felizmente, com toda a pesquisa e estudos sobre o TDAH, nós aprenderemos mais, em breve.

3- TDAH - Dicas para a sala de aula



Segundo Sandra Rief (2001), especialista em Educação Especial e Recursos de Aprendizagem, algumas condições pré-existentes podem desencadear problemas para portadores de TDAH na sala de aula, essas condições podem ser:

Físicas: fatores internos como fadiga, fome, desconforto físico etc.
Meio ambiente: barulho, posição da carteira, localização da sala, etc.
Atividade ou evento específico: alguma coisa frustrante, tediosa, inesperada, superestimulante.
Tempo específico: hora do dia, dia da semana.
Demonstração de habilidade ou necessidade de atuação: no comportamento nas relações sociais na produção acadêmica (expectativa de fazer algo difícil, desagradável ou que provoque ansiedade).
Outras: interação negativa com alguém ser alvo de brincadeiras ou provocações etc.
Com o objetivo de prevenir problemas na sala de aula, o professor deve procurar alterar essas condições pré-existentes. Algumas sugestões:
Criar um ambiente “seguro”, reduzindo o medo e o stress.
Aumentar a estrutura.
Estabelecer uma rotina previsível (são difíceis de se adaptarem a novas situações).
Ajustar os fatores ambientais (temperatura, iluminação, móveis, estímulos visuais etc.).
As regras, limites e procedimentos a serem seguidos devem ser claramente definidos, ensinados e praticados.
O ensino do sucesso de todos.
Estrutura as lições de modo a permitir participação ativa e resposta interessada.
Proporcionar mais escolhas e opção a fim de provocar interesse e motivação.
Proporcionar mais tempo e mais espaço; se necessário, mudar o tempo e o espaço.
Proporcionar ritmo adequado.
A supervisão deve ser mais frequente.
Aumentar as oportunidades de movimentação física.
Ensinar estratégias de autocontrole (relaxamento, visualização, respiração profunda, resolução de problemas, auto monitoramento).
Utilizar as estratégias de “cantinho para pensar”, “tempo para se acalmar”, “pausa para descanso”, como medida preventiva.
Utilizar tática de redirecionamento e preparar para as transições.
Trabalhar as dificuldades acadêmicas, sociais e comportamentais.
Proporcionar acomodações e adaptações segundo a necessidade.
Proporcionar maior encorajamento e retorno positivo.
Aumentar o número de dicas e incentivos, especialmente os “toques” visuais e sinais não verbais.
Usar voz calma, bem como uma tranquila linguagem corporal - requisitar, redirecionar e corrigir de maneira eficiente e respeitosa.

PERFIL ACADÊMICO COMUM DOS PORTADORES DE TDAH

Leitura:
Fluência média, identificação das palavras;
Compreensão desigual;
Perde-se na leitura frequentemente;
Precisa ler oralmente, não consegue ler silenciosamente;
Esquece o que lê;
Tem baixo desempenho em trechos longos;
Desempenho médio em trechos curtos;
Evita ler.

Linguagem escrita:
Ideias criativas;
Problemas de planejamento e organização;
Não consegue começar;
Caligrafia imatura;
Fraco em ortografia;
Velocidade lenta;
Produção mínima;
Mecânica fraca (letra maiúscula/pontuação).

Matemática:
Altamente inconsistente;
Erros por desatenção;
Conceitos matemáticos médio/forte;
Execução lenta com lápis/papel;
Lembrança fraca de fatos;
Alinhamento numérico fraco

Habilidades de estudo/organização:
Perde coisas frequentemente;
Fraco em anotações;
Esquece matérias e tarefas;
Fraco em priorizações e planejamentos;
Má administração de tempo;
Tarefas incompletas;
Precisa de esclarecimentos e lembretes frequentes.

TALVEZ NÓS PRECISÁSSEMOS MODIFICAR:
Materiais;
Métodos;
Ritmo;
Ambiente;
Tarefas;
Exigências de tarefas;
Notas;
Testes / Avaliação;
Feedback;
Reforço;
Entrada de ideias / Rendimento;
Nível de suporte;
Grau de participação;
Tempo distribuído;
Tamanho / Quantidade.

SETE ELEMENTOS CHAVE PARA O SUCESSO

1º - Conseguindo e mantendo atenção:
Uso de novidades e objetos;
Técnicas eficazes de questionamento;
Uso de organizadores gráficos;
Sinais auditivos;
Uso de retroprojetores (para uma melhor visualização);
Respostas escritas associadas com atividades auditivas.

2º - Administração na sala de aula:
Clareza na comunicação e expectativas;
Uso de monitores;
Regras e consequências expostas;
Uso de controle por proximidade;
Alunos repetem instruções;
Sinais, elogios e reforço para períodos de transição;
Revisão de regras e auto monitor em situação de grupo.

3º - Aprendizado participativo e oportunidades de respostas:
Aprendizado cooperativo:
- uso de parceiros;
- membros do grupo têm papéis determinados;
- responsabilidade e auto monitoria.
Resposta em grupo (quadro de giz).

4º - Organização e habilidades de estudo:
Uso de programas e expectativas da escola;
Uso de cadernos e calendários de tarefa;
Tarefas esclarecidas e expostas;
Sistema de estudo entre parceiros (por tutor).

5º - Instrução multissensorial e acomodação para estilos de aprendizado:
Uso de melodia e ritmo;
Apresente instrução visualmente / auditivamente;
Fazer uso de computadores;
Ambiente físico adequado ao trabalho dos alunos;
Ofereça escolhas de onde trabalhar;
Áreas privativas e escritórios para estudo;
Áreas de sala formal / informal;
Uso de fones antirruídos e outros artifícios como, por exemplo, luz local e não luz difusa;
Intervalo para alongamento e exercícios.

6º - Modificação na produção escrita:
Testes orais e transcrição escrita;
Rubricar trabalhos / tarefas menores;
Habilidades de processador de textos e digitação;
Uso de opções de papel (ex.: computador ou folha milimétricas).

7º - Práticas de colaboração
Equipes de estudo (equipes de consulta);
Ênfase em parcerias com os pais;
Ensinar em equipe para facilitar a instrução e a disciplina;
Uso de monitores de idades diferentes;
Necessidade de tempo para planejamento e apoio administrativo.

O QUE MANTER EM MENTE COM ALUNOS QUE SÃO UM DESAFIO

Planeje uma resposta e evite “reagir”;
Elogie, encoraje gratifique o desenvolvimento da melhora;
Mude o que você pode controlar... Você mesmo (atitude, linguagem do corpo, voz, estratégia / técnicas, expectativas, foco);
Seja firme, justo e estável;
Permaneça calmo;
Evite bater de frente (medir forças).

ESTRATÉGIAS PARA ATRAIR A ATENÇÃO E PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS

Faça uma pergunta interessante e especulativa, mostre uma figura, conte uma pequena estória ou leia um poema relacionado para gerar discussão e interesse para a próxima lição.
Tente um pouco de brincadeira ou tolice, drama (use objetos e estórias) para conseguir a atenção e estimular interesse.
Mistério. Traga um objeto relevante a lição em uma caixa, sacola ou fronha. Isto é uma maneira excelente de gerar especulação e pode levar a criança a ótimas discussões e atividades escritas.
Mostre animação e entusiasmo sobre a próxima lição.
Diminua o tempo que o professor fala. Faça o máximo de esforço para aumentar mais as respostas dos alunos (dizendo ou fazendo alguma coisa com a informação que está sendo ensinada).
O uso de parceiros (duplas) é talvez o método mais eficaz de maximizar o envolvimento do aluno. O formato, de parceiros assegura que todos estejam envolvidos ativamente não apenas alguns. “Vire-se para seu vizinho/parceiro e...” Os formatos de parceiros são ideais, para previsão, compartilhar ideias, esclarecer instrução, resumir informações / treinar / praticar (vocabulários, ortografia, operações matemáticas), compartilhar atividades escritas. Exemplos: “Junte-se a seu colega e dividam suas ideias sobre...”. Depois de dar um tempo para as duplas responderem, peça voluntários para compartilhar com a turma toda. “Quem gostaria partilhar o que você e seu parceiro pensam sobre...”.
Formule as lições usando um ritmo animado e uma variedade de técnicas de questionamento que envolva a classe toda, parceiros e respostas individuais.
Antes de pedir uma resposta oral, faça uma pergunta e peça que os alunos anotem primeiro o que eles acharem que seja correto. Depois peça que voluntários respondem oralmente.
Permita que os alunos usem quadros brancos individuais durante a lição, é motivador e ajuda a manter a atenção. Se usado corretamente, é também eficaz para checar a compreensão dos alunos e determinar quem precisa de reforço.
Varie a maneira que você chama o aluno. Por exemplo, “Todos que estão usando brinco, levantem-se esta pergunta é para vocês”. (Alunos deste grupo podem responder ou ter a opção de passar).
Utilize cartões de resposta já preparados para os alunos praticar áreas de conteúdo com uma ferramenta de uso individual. Estes cartões podem ser subdivididos em aproximadamente 3-5 categorias, com respostas escritas naquelas seções (ponto final, interrogação, exclamação). Quando o professor faz a pergunta (lê uma frase), o aluno coloca um pregador de roupa na resposta correta (neste exemplo qual a pontuação é necessária na fase lida); leques de respostas é outra opção (um leque é feito com vários cartões de resposta com um furo e segurado por uma argola).
Quando feito uma pergunta os alunos escolhem o cartão que melhor responde a pergunta.
Faça uso frequente de respostas em grupo ou ao mesmo tempo quando há uma única resposta curta. Quando estiver explicando, pare com frequência e peça aos alunos para voltar atrás e repetir uma ou duas palavras.
Use folhas de resumo que são resumos parciais enquanto você explica a lição ou dá uma palestra, os alunos preenchem as palavras que estão faltando baseado em o que você está dizendo ou escrevendo no quadro.
Uma técnica de instruções direta e outros métodos de questionamento que permitam oportunidade de grande participação (Exemplo: respostas em uníssono, resposta em dupla).
Use a estrutura apropriada para cooperação em grupos de aprendizagem (ex.: designação de papéis, tempo limitado, responsabilidade). Não é apenas trabalho em grupo, alunos com TDAH (e muitos outros) não funcionam bem sem as estruturas e expectativas claramente definidas.
Sinalize alunos através da audição: toque de campainha ou sino, bata palmas, toque um acorde de piano / violão, use um sinal verbal.
Use sinais visuais: pisque as luzes, levante as mãos indicando que os alunos levantem as mãos e fechem a boca até que todos estiverem quietos e atentos.
Sinalize claramente: “todo mundo”... “Pronto...”
Cor é muito efetivo para chamar atenção. Use pincéis coloridos no quadro branco e para transparência no retroprojetor.
Contato com os olhos. Os alunos devem estar virados para você quando você está falando, especialmente quando instruções estão sendo dadas. Se os alunos estiverem sentados em grupos, peça aqueles que não estão diretamente voltados para você que virem suas cadeiras e corpos quando sinalizados a fazer isso projete sua voz e certifique-se estar sendo ouvida claramente por todos. Esteja consciente de outros barulhos na sala de aula como ar condicionado e aquecedores barulhentos.
Chame o aluno para perto de você para explicação direta.
Posicione todos os alunos para que possam ver o quadro. Sempre permita que os alunos reposicionem suas carteiras e suas carteiras e sinalizem para você se a visão estiver bloqueada.
Use recursos visuais. Escreva palavras chave ou figuras no quadro enquanto estiver explicando. Use figuras, diagramas, gestos, demonstrações e materiais de alto interesse.
Ilustre, ilustre, ilustre: não importa se você não desenha bem durante suas explicações. Dê a você mesmo e aos alunos permissão e encorajamento para desenhar, mesmo que não tenha talento. Desenhos não precisam ser sofisticados e exatos. Aliás, geralmente quanto mais tolo melhor.
Aponte para o material escrito que você quer enfocar com um apontador ou laser. Nota: retro projetores estão entre as melhores ferramentas para prender a atenção na sala de aula. No retro projetor o professor pode modelar facilmente e destacar informações importantes. Transparências podem ser preparadas com antecedência, poupando tempo. As transparências podem ser parcialmente cobertas, bloqueando qualquer estímulo visual que possa distrair.
Bloqueie material. Cubra ou retire do campo visual aquilo que você não quer que os alunos foquem, removendo as distrações do quadro ou tela.
Ande pela sala – mantendo sua visibilidade.
Esteja bem preparado e evite atrasos nas explicações.
Ensine tematicamente quando possível – permitindo integração de ideias / conceitos e conexões.
Use técnica de nível mais elevado para perguntas. Faça perguntas abertas, que requerem raciocínio e estimulam pensamentos abertos, que requerem raciocínio e estimulam pensamentos críticos e discussão.
Use programas de computador motivadores para construção de habilidades específicas e para fixação (programas que fornecem feedback e autocorreção).

ESTRATÉGIAS E SUPORTES PARA LIDAR COM PROBLEMAS SOCIAIS E EMOCIONAIS

Tente variar a organização de assentos para proporcionar uma situação em que o aluno sinta-se confortável.
Dê ao aluno responsabilidade na sala de aula / escola.
Reduza o número de tarefa ou modifique para possibilitar um maior índice de sucesso nos alunos.
Tente identificar o que está causando estresse e frustração ao aluno.
Reduza tarefas com papel / lápis e permita outros meios de produção.
Amplie o tempo para completar a tarefa.
Use instruções curtas acompanhadas por demonstração ou exemplo visual.
Use um cronômetro para determinar o tempo a ser gasto em uma tarefa específica.
Forneça atividades que o aluno possa ter sucesso (academicamente e socialmente).
Envolva os alunos em atividades de monitoria com crianças menores.
Arranje mensagens para o aluno levar outras salas de aula ou para secretarias.
Descubra o interesse dos alunos e proporcione atividades que correspondam a esses interesses.
Tente envolver os alunos em atividades extracurriculares.
Chame atenção para as potencialidades dos alunos e demonstre os talentos dele /dela, suas ilhas de competência.
Dê responsabilidades ao aluno de ser um assistente do professor, monitor, modelo, líder do grupo, etc.
Converse com professores, funcionários de apoio, orientadores, assistente sociais sobre esta criança.
Aumente a comunicação com os pais.
Aumente as oportunidades de encontrar com o aluno individualmente e estabelecer um relacionamento de apoio.
Dê a esta criança um monitor que possa lhe dar suporte e ser tolerante.
Ensine habilidades sociais apropriadas, estratégias de lidar com situações e resolver problemas.
Ensine habilidades sociais apropriadas, estratégias de lidar com situações.
Forme pares de alunos com monitores de séries mais avançadas ou um amigo especial, entre a equipe.
Aumente significativamente as interações positivas, frequência de elogios e feedback.

ENCORAJAMENTO E APRECIAÇÃO

Eu aprecio o esforço que você usou nesta tarefa.
Continue pensando nessas boas ideias.
Esse B+ reflete seu esforço. Você deve estar orgulhoso de si mesmo.
Marcos, eu percebi que você estava bem preparado para a aula de hoje. Realmente ajudou você ter arrumado sua carteira e em ordem o seu caderno.
Eu gosto da maneira que você lidou com aquele problema.
Você deve sentir-se bem em ver o progresso que você está fazendo. Seu esforço está sendo compensado.
É isso mesmo..., continue praticando e logo você saberá tudo.
Aposto que você se dedicou muito nesta questão.
Eu percebi que os alunos da mesa 2 realmente se ajudaram e trabalharam como equipe. Meus parabéns.
Liane, você seguiu as instruções rapidamente. Eu aprecio sua cooperação.
Eu percebi que você realmente se dedicou a melhorar sua caligrafia. Posso ver uma melhora na sua letra.
Eu agradeço a maneira que você ajudou a Mariana com o que ela perdeu ontem por ter faltado a aula. Você realmente é um companheiro responsável.
Olha que melhora! Realmente mostra que você se dedicou com tempo e esforço.
Eu estou confiante que você fará uma boa escolha.
Você consegue fazer isto!
Você está ficando melhor em...
Essa é difícil. Mas eu tenho certeza que você pode entender.
João, você está mostrando um grande autocontrole esta manhã. Você se lembrou de levantar a mão quando quer falar e está respeitando o espaço dos outros alunos.
Vanda Rambaldi - Psicóloga
Autora Consultada: Sandra Rief