"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

domingo, 31 de julho de 2011

125- Ajudando Pré-Adolescentes com TDAH a Ter Sucesso: Estratégias Paternas Para Neutralizar as Brigas Pelo Poder

Se o seu pré-adolescente com TDAH estiver com problemas na escola, enturmado com gente errada, ou tentando ter mais controle sobre sua vida, os anos entre a infância e a adolescência podem ser turbulentos. Como os pais podem evitar e resolver conflitos. Por Larry Silver, M.D., e Carol Brady, Ph.D.

Ryan, de doze anos de idade, foi diagnosticado com TDAH e Dificuldade de Aprendizagem no terceiro ano. Com ajuda de tutor e um estimulante, ele tem ido bem na escola. Mas as coisas começaram a ficar um pouco difíceis na pré-adolescência.
Ele parou de fazer as tarefas escolares e recusava a ajuda na escola. Em alguns dias, ele não tomava sua medicação para o TDAH – ou ele fingia tomar e, depois, cuspia. Os problemas do TDAH se intensificaram. Ele era expulso da sala e se metia em confusão nos corredores.
Foi nesse ponto que os pais de Ryan – muito frustrados e preocupados com seu filho e com seus problemas de comportamento – procuraram minha ajuda.
A pressão dos colegas está pondo seu filho contra você?
Os problemas que Ryan estava apresentando, eu disse aos pais, não são incomuns para crianças de 10 a 12 anos de idade. Esses pré-adolescentes – nem crianças, nem adolescentes – deixam de se preocupar com o que os adultos pensam deles. Agora estão preocupados com o que seus colegas pensam deles.
Adolescentes ficam tão preocupados em fazer como os outros que evitam fazser qualquer coisa que os faça parecer diferentes dos seus colegas e amigos. Ele vestem-se igual, falam igual, e adotam o mesmo penteado. Tomar remédios para o TDAH? Esqueça. Aceitar as acomodações para o TDAH na escola? Estudar com um tutor? Nem pensar. “Não tem nada errado comigo!” esses jovens dizem a seus pais. “Por que você quer que eu aprenda isso? Nunca vou usar esta coisa”.
Como os adolescentes recusam a ajuda que aceitaram até a pouco tempo, os sintomas do TDAH explodem e suas notas caem. Como é que aquele seu doce estudante de escola elementar virou essa... coisa? O que você pode fazer para endireitar as coisas novamente?
Se o seu pré-adolescente se recusar a tomar a medicação para o TDAH, torne a sua privacidade uma prioridade. Faça-o saber que você entende que pode ser embaraçoso ser visto tomando remédios. Explore as maneiras que podem ser usadas para tomar a medicação com privacidade. Quando ele sair para dormir fora, por exemplo, explique a situação para os pais hóspedes. (Deixe seu filho pular uma dose, se necessário, para manter sua privacidade).
O que fazer se o seu filho estiver em más companhias... É normal que os adolescentes façam novos amigos. Mas e se você achar que a influência deles é parcialmente culpada pelos problemas do TDAH do seu filho? Dizer a ele que você os desaprova pode dar errado; ele provavelmente vai querer ficar mais tempo ainda com eles.
Em vez disso, fique atento para onde o seu filho vai e para o que ele faz. Encoraje-o a cumprir todas as suas atividades extracurriculares. Ele pode decidir que prefere seus velhos amigos.
Se o seu pré-adolescente com TDAH comporta-se mal na escola...
Entenda o que motiva seu filho. Alunos da escola elementar se esforçam para obter boas notas, em parte, para agradar os pais e os professores. Mas, na escola média, o principal objetivo de muitos pré-adolescentes é ser aceito como membro do grupo. Agradar os mais velhos já não é tão importante.
Os professores devem saber que o seu filho pode recusar as acomodações porque elas o fazem sentir-se diferente. Pergunte se ele pode obter ajuda de modo mais discreto. Por exemplo, em vez de ser tirado da classe para ir ao tutor ou ao fonoterapeuta, ele pode se encontrar com o tutor ou o fonoterapeuta em casa.
Não seja o disciplinador. Encontre-se com os professores no início do ano para sugerir alternativas de consequências para os compromissos não cumpridos, etc. Pode ser que o professor peça ao seu filho para usar o tempo de almoço na classe, para então fazer sua tarefa – ou para ficar depois das aulas para fazer a tarefa. Depois disso, não se envolva a não ser que você sinta que a abordagem da escola esteja sendo incorreta. Depois disso, você provavelmente descobrirá que brigas por causa das tarefas escolares somente farão seu filho ficar ressentido com você – e a tarefa ainda não será feita. Se você e seu filho não forem adversários, as linhas de comunicação permanecerão abertas.
Dê menos importância às notas. Não é fácil ver uma criança ir mal na escola – especialmente uma que estava indo bem. Mas criticar seu desempenho acadêmico somente intensificará o estresse que sua família já está sofrendo. E, antes do ensino médio, as notas são menos importantes do que adquirir sólidas habilidades de estudo.
Contrate um tutor de adolescentes. Sua criança pode aceitar melhor a ajuda acadêmica de um estudante mais velho em vez da ajuda de um tutor profissional. Se ela precisar de ajuda, ache um aluno de nível médio inteligente (do mesmo sexo) que esteja querendo ganhar alguns dólares, para vir depois das aulas e ver se as tarefas são feitas e se o seu filho entendeu a matéria.
Controle a medicação para o TDAH na escola de modo discreto – seu filho deverá ter permissão de parar com as visitas na hora do almoço à enfermeira da escola. Use um estimulante que tenha 8 ou 12 horas de ação, para cobrir todo o dia escolar.
Continue a fazer suas próprias avaliações à noite, caso seu filho peça sua ajuda. Mas não o force a aceitar a sua ajuda.
O desejo de ter mais controle está fazendo seu pré-adolescente ficar contra você?
Muitos conflitos são originados no desejo emergente do adolescente de controlar as coisas. Mas os pais estão tão acostumados a vigiar as crianças em suas rotinas que eles se recusam a ceder terreno. Em troca, crianças com TDAH revidam.
Resolva os problemas em conjunto para ajudar seu filho a ter mais controle de sua vida, sem você perder o seu controle. A melhor maneira de evitar confrontos e formar uma equipe. Em vez de ditar ordens, veja se pode resolver os problemas juntos. Dia após dia, o pai de Joe falava para ele parar de jogar no computador. Joe respondia “OK”, mas continuava a jogar. O pai começava a gritar. Joe explicava que não parava em seguida porque estava tentando terminar um nível. Ele concordava em parar, quando os pais falassem, assim que terminasse o nível. O pai dele concordou em não insistir. Obedecendo ao combinado, Joe ganhou um tempo extra no computador.
Regras básicas para negociar regras com seu pré-adolescente
1. Corrija os problemas de comportamento do seu pré-adolescente calmamente. Seja claro sobre as suas expectativas, não crítico.
2. Não fale demais quando for se comunicar. A regra deve ser que você dê mais tempo de fala ao seu pré-adolescente do que a si mesmo.
3. Encontre meios de ajudar seu filho a se sentir poderoso. Peça a ele para ajudar na solução dos problemas. Solicite seu conselho na compra de brinquedos para os irmãos.
4. Ensine-o a discordar sem ser desagradável. Dê o exemplo não aumentando a voz quando você se encontrar em conflito.
5. Tenha uma rotina estruturada. Se o seu filho sabe que se ele acordar e se fizer sua tarefa de casa todos os dias nos horários marcados, haverá menos motivo para brigas. Manejar seu próprio horário o ajudará a sentir-se como um adulto.
6. Seja claro sobre o que não é negociável. Usar o cinto de segurança no carro e outros itens de segurança não são.
Apesar de todos os seus melhores esforços, você pode se achar mergulhado em uma briga pelo poder quando estiver cansado. Se for assim, saia da sala. Depois da raiva, volte com novas ideias e um lembrete que você ama seu filho.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

124- Sete soluções para os problemas de sono do TDAH

Como se cuidar quando os sintomas do TDAH causam problemas de sono. Por Nancy Ratey

Muitos adultos com TDAH se queixam de noites inquietas e exaustão matinal. Às vezes, a medicação do TDAH causa reações colaterais, outras vezes um cérebro com velocidade turbinada mantém você aceso. Do mesmo modo que não há somente uma razão para os distúrbios do sono relacionados com o TDAH, também não há só uma solução que funcione para todo mundo. Aqui estão algumas das soluções que os especialistas em TDAH indicam.
1-    Ajuste a medicação do TDAH
A medicação do TDAH pode desencadear problemas de sono em alguns adultos. Se você acha que este é o seu caso, fale com seu médico sobre o ajuste fino do tratamento.
Por outro lado, alguns especialistas em TDAH acreditam que um estimulante tomado 45 minutos antes de se deitar pode desligar cérebros muito ativos. “Cerca de dois terços dos meus pacientes adultos tomam uma dose completa da medicação para o TDAH toda noite, para iniciar o sono”, diz William Dodson, M.D., um psiquiatra de Denver, Colorado.
2-    Apague a luz
A luz ativa o cérebro TDAH e mantém você acordado por mais tempo. Prepare-se para dormir apagando ou diminuindo as luzes lá pelas 9 da noite.
Você pode cobrir a lâmpadas ou usar um dimer para diminuir gradualmente a intensidade da iluminação, e não ficar vendo TV muito luminosa ou no computador depois das 9 da noite.
3-    Alenteça seu cérebro
Já na cama, com as luzes apagadas, use ferramentas que ajudam quem tem TDAH a relaxar, como aparelho de ruído branco, protetores de ouvido ou música suave para enfrentar os pensamentos competidores. Relaxe um músculo de cada vez, começando pelo seu pé e subindo, respire cada vez que atingir um novo grupo muscular.
4-    Crie rotinas de acordar e de se acalmar
Acordar na hora certa depende de ir dormir na hora certa, e ter uma noite completa de sono reparador. Desenvolva rotinas para ajuda-lo a acordar mais feliz e mais rapidamente pela manhã e para se acalmar à noite.
Essas fáceis rotinas de ir dormir e de acordar podem ser simples – tomar banho de chuveiro e assistir ao noticiário a cada noite, tomar café e ler o jornal a cada manhã
5-    Mantenha o esquema de sono
Deitar-se e levantar-se todos os dias no mesmo horário. Isto aumentará a qualidade do seu sono por fazer seu corpo pegar um ritmo diário, algo que beneficia particularmente adultos e crianças com TDAH. Nem todos precisam da mesma quantidade de sono, mas a consistência é a chave, então trabalhe com sua família para estabelecer uma rotina de sono e fixe-se nela.
6-    Evite as armadilhas do sono
Conheça as armadilhas do sono do TDAH e evite-as. Se falar ao telefone, ver TV ou checar a correspondência do e-mail mantém você acordado além do horário de ir dormir, pregue avisos que o lembrem de observar as regras. Peça à sua família para ajuda-lo, de modo que eles saibam como não distraí-lo do seu objetivo.
7-    Ajuste um despertador
Programe um relógio de pulso com alarme, ou ajuste um relógio despertador para uma hora antes da hora de ir dormir, de modo que você tenha tempo para se preparar para ir deitar-se. Se você frequentemente fica grudado na TV, coloque o despertador em outro cômodo, porque assim você será forçado a ir até ele para desligá-lo.

123- É uma dificuldade de aprendizagem ou TDAH forma desatenta?

Problemas com organização, atenção e gerenciamento do tempo apontam geralmente para o tipo desatento do TDAH. Porém, às vezes, as Dificuldades de aprendizagem são esquecidas. Como descobrir o que há por trás dos sintomas...  Por Larry Silver, M.D.

Uma criança ou um adulto com TDAH pode ser diagnosticado em três subgrupos:
TDAH – Tipo Combinado: significa que o indivíduo é hiperativo, desatento e impulsivo.
TDAH – Tipo Hiperativo-Impulsivo: significa que o indivíduo é hiperativo e impulsivo.
TDAH – Tipo Desatento: significa que o indivíduo é somente desatento.
Não é difícil de entender os comportamentos observados no tipo hiperativo ou impulsivo. Mas o que significa “desatento”?
Os critérios listados no Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais - DSM-IV, usados para estabelecer se uma criança ou adulto é desatento, requerem que o clínico identifique ao menos seis comportamentos em um conjunto de nove (veja a lista no fim do artigo).
Um dos nove comportamentos listados refere-se a ser distraído por estímulos externos (estímulos sonoros ou visuais). Outro refere-se à dificuldade de manter a atenção. Os sete restantes descrevem as dificuldades relacionadas no contexto da função executiva – a capacidade de imaginar uma tarefa, planejar como fazê-la, e completá-la no tempo correto. (Estes problemas também podem ser imaginados como dificuldades com organização e planejamento do seu tempo). Assim, uma criança ou adulto que tenha dificuldades somente com a função executiva poderá preencher os critérios e ser identificado como tendo desatenção.
Quando a medicação não funciona
Algumas vezes as dificuldades com a desatenção melhoram significativamente com o uso de um estimulante para o TDAH.
Frequentemente, entretanto, os medicamentos não resolvem completamente esses problemas de organização e de gerenciamento do tempo, a será necessária uma ajuda adicional: apoio de educação especial para a criança ou, para um adulto, trabalhar o TDAH com um coach especializado em organização.
Essas dificuldades com organização e planejamento do tempo podem ser causadas pelo TDAH – ou podem resultar de uma Dificuldade de Aprendizagem  (DA). Algumas vezes essas dificuldades podem ser devidas aos dois problemas, TDAH e DA.
É importante para os pais de uma criança com desatenção, assim como para um adulto que sofra do mesmo problema, o entendimento das causas potenciais e de como elas indicam o tratamento mais eficaz.
Os pais devem entender  como os sintomas do TDAH desatento impactam seu filho. Por exemplo, os problemas de organização e de planejamento do tempo podem também causar dificuldades acadêmicas – na retenção do que foi lido e para organizar os pensamentos para serem escritos no papel.
Estudo de Casos
Quando pedi a Jane, mãe de três filhos, que achava que sofria de TDAH, para falar sobre seus sintomas, ela me contou a seguinte história. “ Subo as escadas para pegar a roupa suja”, disse. “No alto das escadas, olho para o quarto e vejo algo que precisa ser feito. Eu o faço. Então, me lembro da roupa suja, mas noto alguma outra coisa e paro para fazê-la. A roupa suja nunca é recolhida.”
Após algumas perguntas, Jane descreveu sua história de desatenção. Ela se distraía com qualquer coisa que visse ou ouvisse. Não conseguia controlar as tarefas de casa e os seu três filhos. Nunca era pontual e frequentemente esquecia o que tinha de ser feito a cada dia.
Confirmei o diagnóstico de TDAH tipo desatento, e receitei um estimulante. Sua vida mudou. Sob a medicação, ela podia fazer as tarefas sem se distrair com outras atividades. Sua vida ficou organizada.
Jessica, uma estudante do décimo grau, era um caso mais complicado. Ela tinha tido dificuldades na escola desde o oitavo grau e, agora, estava com graves problemas acadêmicos. Depois de uma avaliação psicoeducacional, na escola, foi achado que ela tinha capacidade intelectual acima da média, mas que sua velocidade de processamento e sua memória de trabalho estavam abaixo da média.
A escola suspeitou que ela tivesse o TDAH tipo desatento. Jessica consultou seu pediatra e começou a usar um estimulante. Sua atenção melhorou, mas seu desempenho acadêmico não. Então, os pais de Jessica pediram para que eu a avaliasse.
Descobri que Jessica tinha sido boa aluna até o sétimo grau. Ela tinha mais dificuldade de cumprir os compromissos e de terminar seu trabalho a cada ano. Embora ela entendesse a matéria, ela não guardava o que tinha lido. Parecia entender as aulas, mas não conseguia organizar seus pensamentos bem o suficiente para passa-los para o papel.
“Eu ficava olhando para a página e nada acontecia”, disse ela. Além dessas dificuldades, havia o fato de que ela frequentemente esquecia-se de escrever os compromissos. Reli a avaliação psicoeducacional de Jessica. Suas dificuldades educacionais não foram resolvidas na conferência da escola. Em vez disso, a maioria dos profissionais concluiu que ela tinha TDAH. Ainda assim, os testes educacionais mostravam que ela tinha dificuldade com a retenção do que lia e de organizar seus pensamentos. Não estava claro para mim que ela tinha TDAH. Estava claro que ela tinha dificuldades de aprendizagem. Sugeri o apoio da educação especial, e encorajei a escola a fazer as acomodações. A medicação foi interrompida. Suas notas melhoraram lenta mas constantemente.
Lições aprendidas
O que estas duas histórias revelam? Ambas as meninas tinha problemas de organização e de planejamento do tempo. Os problemas de Jane eram secundários ao TDAH tipo desatento. Ela respondeu maravilhosamente a um medicamento estimulante. Jessica, por ouro lado, tinha problemas de organização que resultavam de dificuldades de aprendizagem. Ela necessitou de intervenções de educação especial. Algumas crianças ou adultos têm ambos os problemas, e requerem medicação e um tutor ou serviços especiais
O auxílio correto
Alguns profissionais da escola são muito rápidos na interpretação dos sintomas de desatenção e dos problemas com a função executiva (especificamente, organização e planejamento do tempo) como TDAH.
De fato, muitas avaliações escolares focalizam nos achados que apoiam o diagnóstico de TDAH. Seu médico de família pode usar esses resultados como evidência para receitar medicação. Isto é correto e bom, se a medicação melhorar significativamente os sintomas de desatenção da criança. Mas, e se isso não acontecer? Fique atento para a possibilidade de que os sintomas sejam os de dificuldades de aprendizagem, que requerem um plano de tratamento diferente.
E sobre os adultos?  Digamos que você tenha sido diagnosticado como tendo o TDAH do tipo desatento, que esteja tomando um estimulante e que trabalhe com o auxílio de um coach para organização. Se essas coisas não estão ajudando, é possível que você tenha uma dificuldade de aprendizagem. Pense nos seus anos escolares: você tinha dificuldades acadêmicas? Algumas tarefas acadêmicas – matemática ou um relatório sobre gastos, digamos – complicavam sua carreira e sua vida? Se foi assim, você pode se beneficiar de uma intervenção de educação especial focalizada. Nunca é tarde para obter ajuda.
TDAH desatento em resumo
Frequentemente fracassa em prestar atenção a detalhes, ou comete erros por falta de
cuidado na escola e no trabalho
Frequentemente tem dificuldade de manter a atenção em tarefas e atividades  de lazer
Frequentemente parece não ouvir o que se lhe fala diretamente
Frequentemente não segue instruções e fracassa em terminar os trabalhos da  escola ou
as obrigações
Frequentementetem dificuldade de se organizar para as tarefas e as atividades
Frequentemente evita, não gosta, ou é relutante em se engajar em tarefas que requeiram esforço mental sustentado (trabalho de casa ou trabalho escrito)
Frequentemente perde as coisas necessárias para os trabalhos ou as atividades
Frequentemente é facilmente distraído por estímulos externos
Frequentemente é esquecido nas atividades diárias

quinta-feira, 28 de julho de 2011

122- É Ansiedade ou TDAH?

O que você precisa saber quando avalia os sintomas e procura por um diagnóstico para o seu filho. Por Larry Silver, M.D.

Nem sempre é fácil analisar os sintomas de uma criança para fazer o diagnóstico correto.
Cerca de metade de todas as crianças com TDAH também têm uma dificuldade de aprendizagem. Depressão, transtorno obsessivo-compulsivo, dificuldades de controle da raiva, transtorno de tiques motores, transtorno bipolar ou transtorno de ansiedade. Os sintomas também podem parecer semelhantes.
Uma criança que parece ter TDAH – ela é hiperativa, impulsiva, desatenta – pode ter, em vez disso, um transtorno de ansiedade. Crianças que exibem os sintomas clássicos do transtorno de ansiedade podem ter TDAH. Distinguir entre TDAH e transtorno de ansiedade requer uma avaliação completa por profissional que esteja disposto a cavar fundo para encontrar as pistas.
Ainda, mesmo os profissionais podem interpretar mal os sintomas. Se uma criança não consegue ficar parada, não continua as tarefas, fala alto em sala de aula, ou faz comentários impróprios, eles pensam que deve ser TDAH. Se uma criança tem medos excessivos ou preocupações, deve ser transtorno de ansiedade.
O problema é que nós às vezes vemos a fumaça e não enxergamos o fogo. Ou vemos a fumaça e concluímos incorretamente o que está causando o fogo. Comportamentos são mensagens, não são diagnósticos. È tarefa do profissional clarificar as razões para os comportamentos.
Foco e Problemas de Medos
Veja Mônica, uma menina do terceiro ano, por exemplo. Sua inquietação em classe e sua incapacidade de prestar atenção no trabalho em classe levou sua professora a acreditar que ela tivesse TDAH. O seu pediatra receitou uma medicação estimulante para TDAH, mas os sintomas não melhoraram.
Recentemente, ela começou a demonstrar sinais de ansiedade: Ela tem dificuldade de pegar no sono por si mesmo, e tem medo de ficar sozinha em qualquer lugar de sua casa.
Minha avaliação informal mostrou que ela tem as habilidades de linguagem e de escrita no nível inicial do segundo grau. Mônica me disse que, se ela não sabia o que escrever ou se tinha dificuldades em sala de aula, ela ficava com medo de que a professora ficaria brava com ela.
Estudos formais confirmaram que ela não tem TDAH, mas na verdade tem uma dificuldade de aprendizagem que causou seu estado de ansiedade em casa e na escola.
Facilmente distraído e intimidado
José tinha 16 anos quando veio ao meu consultório. Seus pais o descreveram como quieto, tímido, “com medo de sua sombra”. Ele não tinha amigos e evitava esportes e outras atividades em grupo.
José ficava nervoso com pessoas que ele não conhecesse ou quando tinha de falar frente a classe. Tinha também medo de elevadores e de espações pequenos e fechados.
Seus pais disseram que José mostrava sinais de ansiedade desde a infância. Sua mãe disse que tinha comportamentos semelhantes quando era criança – e que ainda tinha. Fiquei sabendo que José ia mal na escola.
Ele se distraia com objetos e barulhos na sala de aula. Ele sonhava acordado e perdia a noção do que estava acontecendo. Também descobri que ele tinha dificuldade com organização. Meu diagnóstico foi de transtorno de ansiedade e TDAH sem tratamento, ou seja, ainda não tratados.
A Sra. Garcia, graduada por faculdade e que tinha uma posição importante em firma de consultoria, tomava medicação para ansiedade por três anos. Mas não tinha melhora: Ainda precisava de um lugar silencioso para ficar prestando atenção no que fazia. Pareceu-me que sua ansiedade e o estresse na faculdade e no trabalho vinham da desatenção.
Suspendi sua medicação para ansiedade e receitei medicação para o TDAH. Em uma semana ela podia prestar atenção e terminar seus projetos no trabalho. Sua ansiedade havia cessado.
Ansiedade: A causa ou o efeito?
O estresse e a ansiedade são parte normal de vida de crianças e de adultos. A ansiedade moderada ajuda as crianças a se esforçarem para serem bem sucedidas em casa, com os amigos e na escola.
É normal ficar ansioso quando se faz uma prova ou se participa de uma peça de teatro na escola. Espera-se que crianças e adolescentes fiquem nervosos no médico e no dentista, ou quando enfrentam situações novas. Quando o nível de ansiedade é maior do que o esperado, suspeitamos que haja um transtorno de ansiedade.
Ainda, simplesmente diminuir os sintomas proeminentes pode levar os pais e os profissionais a tomar o caminho errado. A ansiedade pode causar inquietação que pode ser interpretada como hiperatividade. Ou pode trazer preocupações e dúvidas que provocam a desatenção da criança. Conforme aumente o nível de ansiedade, a criança pode parecer estar agindo rapidamente ou irracionalmente, para diminuir o estresse. Um pai pode rotulála como impulsiva. Uma avaliação superficial pode sugerir que a criança tenha TDAH, quando o que ela realmente tem é um transtorno de ansiedade.
Um diagnóstico correto é crítico para o desenvolvimento de um plano de tratamento. Um médico ou um profissional deve determinar se a ansiedade é primária ou secundária.
Se uma criança tem dificuldade de regular o estresse e a ansiedade desde pequena, e sua ansiedade é prejudicial, ela é primária. Se um ou os dois pais se lembram de que eram ansiosos desde a infância, ou se ainda são, um diagnóstico de ansiedade é quase certo. Os transtornos de ansiedade são frequentemente genéticos.
Por outro lado, um transtorno de ansiedade pode ser secundário a dificuldades sentidas por uma criança que tenha TDAH ou uma dificuldade de aprendizagem. A ansiedade secundária ocorre em certas circunstâncias.
Mônica tornou-se ansiosa a respeito de tudo relacionado com a escola. Sua ansiedade desapareceu em semanas. Algumas crianças se tornam ansiosas depois de passarem por eventos estressantes, tais como mudar de uma cidade para outra, ou seus pais iniciarem um processo de divórcio. Na ansiedade secundária não há nenhuma história familiar do transtorno.
Qual deles você trata primeiro?
A resposta depende da descoberta das causas dos comportamentos observados. Quando uma criança mostra sinais de ansiedade, um pai ou profissional deve não assumir que ela esteja sofrendo de transtorno de ansiedade.
Eles devem tentar ir até a raiz do comportamento ansioso. Pode ser que a criança (ou adulto) tenha TDAH, e sua ansiedade seja secundária às frustrações, fracassos e feedback negativo que ela recebe na escola ou no trabalho, em casa, e com os colegas. Em tal caso, um profissional deveria tratar o TDAH enquanto trabalha nos problemas sociais, emocionais e familiares associados com o transtorno de ansiedade.
Outra possibilidade é a de que a criança tenha TDAH e transtorno de ansiedade. Se for assim, um profissional deve tratar ambos os problemas para aumentar a chance de sucesso. Se a criança estiver recebendo tratamento para a ansiedade, mas os sintomas persistem e o médico começa a suspeitar de que são causados por um TDAH não diagnosticado, ele deve tratar o TDAH e ver se os sintomas de ansiedade desaparecem.
O tratamento precisa incluir medicamentos, terapia comportamental, terapia individual, grupos de habilidades sociais e/ou aconselhamento familiar. Os pais devem lembrar-se de que o plano de tratamento eficaz sempre decorre de um diagnóstico correto.
As dúvidas do diagnóstico
Os pais precisam entender que o processo de diagnóstico pode ser ainda mais complicado durante a fase de tratamento. Foi assim para Roberto, de 10 anos de idade.
Ele foi diagnosticado como tendo TDAH e recebeu um estimulante. Dois dias depois, sua mãe ligou, dizendo que seu filho estava muito ansioso. Não dormia sozinho e chamava a sua mãe da escola, para saber se ela estava bem. Suspendi a medicação e sua ansiedade desapareceu.
Enquanto algumas crianças com TDAH podem ter um transtorno de ansiedade ou outra condição comórbida, algumas vezes o transtorno é tão pequeno que não há nenhum sintoma. Chamamos isto de subclínico. Entretanto, ao tomar um estimulante, essa condição subclínica, de nível baixo, pode ser exacerbada. Quando isto acontece, é importante lidar com o transtorno de ansiedade em primeiro lugar. Depois que ele estiver sendo tratado, geralmente será seguro reintroduzir o estimulante sem causar um surto de ansiedade.

121- É Depressão ou TDAH?

A depressão é surpreendentemente comum entre os adultos com TDAH. Felizmente, não há necessidade de sofrer em silêncio. Por Carl Sherman, Ph.D.

Primeiro, as notícias ruins: A depressão é 2,7 vezes mais prevalente entre os adultos com TDAH do que entre a população adulta em geral.
Agora, as boas notícias: Remédios eficientes para a depressão estão disponíveis, e funcionam tão bem para adultos com TDAH como para os outros adultos. Se você acha que tem esse problema, não há necessidade de sofrer.
Depressão primária versus depressão secundária
Alguns adultos com TDAH tornam-se deprimidos sem nenhuma razão aparente – a doença surge mesmo na ausência de acontecimentos ou circunstâncias desagradáveis na vida (dificuldades no trabalho, na escola, perda de emprego, problemas de relacionamento, doença crônica etc.). O risco para esta forma de depressão, conhecida como depressão primária, parece ser altamente herdado.
Cuidando da depressão secundária
Em outros casos, a depressão surge como consequência direta da frustração crônica e do desapontamento de viver com o TDAH mal ou não tratado. Algumas estimativas apontam 25% dos adultos como portadores do transtorno sem tratamento apropriado. Tais casos de depressão são chamados de secundários ao TDAH.
“Frequentemente vejo depressão em adultos cujo TDAH não foi reconhecido e tratado na sua juventude”, diz Yvonne Pennington, Ph.D., psicóloga de Atlanta, que se especializou em TDAH do adulto. “Por terem sofrido tantos golpes em sua autoestima, eles aceitaram a ideia de que são preguiçosos e estúpidos – ou não bons o suficiente para terem sucesso profissional e social”.
Separando o TDAH da depressão
Para complicar as coisas, os médicos podem confundir o TDAH como depressão. Pode ser difícil diferenciar as condições porque amos os transtornos trazem problemas de humor, esquecimento, dificuldade de prestar atenção e falta de motivação. Entretanto, há distinções sutis entre os sintomas induzidos pelo TDAH e os causados pela depressão.
EMOÇÕES  - O TDAH pode causar humores sombrios, mas eles geralmente estão ligados a revezes específicos. Os sentimentos ruins tender a ser transitórios. Em contraste, os problemas de humor associados à depressão são geralmente invasivos e crônicos, frequentemente durando semanas ou meses.
Diferente dos maus sentimentos causados pelo TDAH (que frequentemente começam a surgir na infância), a depressão tipicamente não se desenvolve até a adolescência ou mais tarde.
MOTIVAÇÃO  - Com o TDAH, parece impossível terminar qualquer coisa, porque você está “num vácuo e não pode decidir o que fazer primeiro”, diz Roberta Tsukahara, Ph.D., psicóloga de Austin. “Com a depressão, é mais do que estar letárgico e não poder iniciar qualquer atividade”.
DIFICULDADES DE SONO – Com o TDAH, o problema geralmente acontece quando se inicia o sono; a mente se recusa a “desligar”, e mantém a adição de coisas à lista de coisas a fazer no dia seguinte. Em contraste, as pessoas deprimidas adormecem rapidamente, mas acordam repetidamente durante a noite (e logo de manhã cedo). A cada despertar, a mente está cheia de pensamentos negativos e ansiosos.
O que você deve tratar primeiro
“Eu não cuido do TDAH e da depressão primária ao mesmo tempo”, diz  Lenard Adler, M.D., diretor do programa para TDAH adulto do NYC Langone Medical Center, em Nova Iorque. “Trabalho primeiro na condição que estiver causando o maior prejuízo. Os problemas causados pelo TDAH são reais, mas a depressão pode ser um risco à vida”.
Antidepressivos que são destinados a aumentar o nível dos neurotransmissores serotonina e/ou norepinefrina são o tratamento de escolha para a depressão grave. Seu médico também pode prescrever um antidepressivo se persistir uma depressão de leve a moderada, apesar das mudanças de estilo de vida e do tratamento correto par o seu TDAH.
Muitos antidepressivos funcionam bem junto com a medicação estimulante para o TDAH, assim como o não estimulante Strattera (Atomoxetina), embora pequenos ajustes  precisem ser feitos. Wellbutrin (bupropiona) é um antidepressivo que também pode ser útil no TDAH.
Na maior parte das vezes, a depressão melhora substancialmente com o primeiro antidepressivo receitado. Se ele não funcionar, um segundo provavelmente funcionará. Cerca de metade dos que tomam antidepressivos atingem um alívio completo dos sintomas depressivos.
Obtenha o alívio você mesmo
Quando a depressão é secundária ao TDAH, pouca medicação e ajustes do estilo de vida podem ser tudo o que é necessário para sair do buraco. E se a depressão persistir apesar da aderência a um medicamento para o TDAH? Os médicos reconhecem que as mudanças de estilo de vida ajudam a melhorar. Exercícios aeróbicos “têm um efeito profundo no nível de humor das pessoas com TDAH”, diz William Dodson, M.D., um psiquiatra de Denver. “Se você não consegue motivar-se por si mesmo, o exercício pode normalizar seu humor”.
Muitos portadores de TDAH sentem que seu humor piora quando eles não têm nada para fazer. “O sistema nervoso dos TDAH se alimenta de curiosidade e desafio”, diz Dodson. Para se prevenir do ócio, ele recomenda a criação de uma “caixinha de curiosidades”: Sempre que você encontrar algo interessante – um bom livro, por exemplo, ou um projeto de trabalho – ponha-o na caixinha. Na próxima vez que você estiver procurando por algo para fazer, sempre haverá algo esperando por você.
Meditação e Psicoterapia
A meditação também tem o seu lugar no tratamento da depressão. Sente-se em silêncio, com os olhos fechados, e focalize-se na sua respiração. Cada vez que você expirar, repita silenciosamente uma palavra de uma sílaba – “um” ou “paz” ou “om”. Faça isto por um minuto ou mais, ou tente isto por 10 a 20 segundos sempre que tiver dificuldade de mudar de uma atividade para outra.
Junto com, ou em vez da meditação e medicação, uma forma de psicoterapia conhecida como terapia cognitiva comportamental (TCC) demonstrou ser altamente eficiente contra a depressão. A primeira meta da TCC é permitir que o paciente identifique e reduza os pensamentos negativos intensos e frequentes – “Isto é muito difícil de fazer”, por exemplo.
O próximo passo é substituir esses pensamentos e crenças destruidores da autoestima por pensamentos mais realistas e construtivos – “Sim, é difícil. Como eu poderia tornar isso mais factível?”  Você está reconhecendo a dificuldade, mas não afundando nela. Você está se dirigindo na direção de uma ação positiva.
O objetivo é reduzir a frequência e a intensidade dos sintomas. Não espere eliminá-los completamente. Mas, você poderá controlar os sintomas que já teve, no caminho para uma vida feliz.

terça-feira, 26 de julho de 2011

120- É Transtorno Bipolar ou TDAH? (BMD or ADHD?)

Os sintomas do TDAH e do Transtorno Bipolar são frequentemente confundidos – e geralmente coexistem na mesma pessoa. Como fazer a distinção, e sugestões para o tratamento do transtorno bipolar associado ao TDAH, a seguir. Por William Dodson, M.D.

Pode ser bastante difícil obter-se um diagnóstico de TDAH, mas para complicar as coisas ainda mais, o TDAH geralmente coexiste com outros transtornos físicos e mentais. Uma revisão de adultos com TDAH demonstrou que 42% tinham outro transtorno psiquiátrico importante. Assim, a questão diagnóstica não é “é um ou o outro?”, mas sim “São ambos?”
Talvez o diagnóstico diferencial mais difícil a ser feito esteja entre o TDAH e o Transtorno Bipolar do Humor (TBH), porque eles apresentam muitos sintomas em comum, incluindo a instabilidade do humor, os surtos de energia e de inquietação, de falar sem parar, e de impaciência. Estima-se que cerca de 20% dos que são diagnosticados com TDAH também sofrem de um transtorno de humor do espectro bipolar – e o diagnóstico correto é crítico no tratamento do transtorno bipolar junto com TDAH.
TDAH
O TDAH é caracterizado por níveis significativamente mais altos de desatenção, distração, impulsividade e de inquietação física do que seria esperado em pessoa de idade e desenvolvimento semelhantes. Para o diagnóstico do TDAH, tais sintomas precisam estar consistentemente presentes e serem prejudiciais. O TDAH é cerca de 10 vezes mais comum do que o TBH na população em geral.
TBH
Por definição diagnóstica, os transtornos do humor são “transtornos do nível ou da intensidade do humor nos quais o humor tem vida própria, separado dos eventos da vida da pessoa e fora de sua vontade e do controle consciente”. Em pessoas com TBH, sentimentos intensos de felicidade ou de tristeza, de alta energia (chamada “mania”), ou de baixa energia (chamada “depressão”) mudam sem razão aparente em período de dias ou de semanas, e muitos persistem por semanas ou meses. Comumente, há períodos de meses a anos durante os quais o indivíduo não apresenta problemas.
Fazendo o diagnóstico
Por causa das várias características compartilhadas, há um risco elevado de um diagnóstico errado ou da falta de diagnóstico. Não obstante, o TDAH e o TBH podem ser distinguidos um do outro com base nestes seis fatores:
1- Idade de início: O TDAH é uma condição de toda a vida, com os sintomas aparentes (embora não necessariamente com prejuízos) pela idade de sete anos. Embora agora reconheçamos que as crianças possam desenvolver TBH, isso ainda é considerado raro. A maioria das pessoas que desenvolvem TBH tem seu primeiro episódio de doença afetiva depois dos 18 anos, co0m a média de 26 anos para o diagnóstico.
2- Consistência do prejuízo: O TDAH é crônico e está sempre presente. O TBH vem em episódios que se alternam com níveis mais ou menos normais de humor.
3- Fatores desencadeantes: As pessoas com TDAH são passionais, e têm reações emocionais intensas a eventos ou a fatores precipitantes, em suas vidas. Eventos felizes resultam em felicidade intensa e humor excitado. Eventos infelizes – especialmente a experiência de ser rejeitado, criticado ou provocado – promovem intensos sentimentos de tristeza. Com o TBH, as mudanças do humor vão e vêm sem nenhuma conexão com os eventos da vida.
4- Rapidez da mudança de humor: Como as mudanças de humor no TDAH quase sempre são precipitadas por eventos da vida, as mudanças parecem instantâneas. Eles têm humor normal em todos os aspectos, exceto na intensidade. São geralmente chamadas de crises ou explosões, por causa do início repentino. Em contraste, as mudanças de humor não precipitadas do TBH levam horas ou dias para ir de um estado ao outro.
5- Duração dos humores: embora as respostas a perdas graves e a rejeições possam durar semanas, as mudanças de humor do TDAH geralmente são medidas em horas. As mudanças de humor do TBH, pela definição do DSM-IV, precisam ser mantidas por ao menos duas semanas. Por exemplo, para apresentar o transtorno bipolar “de ciclo rápido”, uma pessoa precisa ter somente quatro mudanças de humor, de alto a baixo ou de baixo a alto, no período de 12 meses. Muitas pessoas com TDAH têm estas muitas mudanças de humor num só dia.
6- História familiar: Os dois transtornos aparecem em famílias, mas os indivíduos com TDAH quase sempre tem uma árvore familiar com múltiplos casos de TDAH. Os que têm TBH provavelmente terão menos ligações genéticas.
Tratamento combinado do TDAH e do TBH
Poucos artigos foram publicados sobre o tratamento de pessoas com TDAH e TBH. Minha experiência clínica, tendo visto mais de 100 pacientes com os dois transtornos, mostra que a coexistência do TDAH e do TBH pode ser tratada muito bem. É importante sempre diagnosticar e tratar o TBH em primeiro lugar, porque o tratamento do TDAH pode precipitar mania ou piorar o TBH.
Os resultados dos meus pacientes tratados tanto para o TDAH quanto para o TBH têm sido muito bons. A maioria foi capaz de retornar ao trabalho. Talvez o mais importante, eles relataram que se sentiam mais “normais” em seu humor e em sua capacidade de desempenhar seu papel de esposos, pais e empregados. É impossível determinar se esses resultados significativamente bons foram devidos ao aumento da estabilidade do humor, ou se o tratamento do TDAH auxilia na melhor aderência ao uso dos medicamentos. A chave é o reconhecimento de que ambos os diagnósticos estejam presentes e que os transtornos responderão de modo independente, mas coordenado, ao tratamento.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

119- É TDAH ou Menopausa?

Como a menopausa afeta a memória, atenção e os relacionamentos, conforme a mulher envelhece. Mais, os sintomas que você tem são relacionados ao TDAH, à menopausa, ou a ambos?   Por Edward Hallowell M.D.

Você “tem certa idade” e repentinamente sua memória tem tantos furos que você a chama de “cérebro de queijo suíço”. Você perde as coisas mais frequentemente, e se perde nos próprios pensamentos, distraída num segundo. As mulheres diagnosticadas com TDAH às vezes entram em pânico, preocupadas com a piora dos seus sintomas. As mulheres que ainda não foram diagnosticadas com TDAH e que sentem esses sintomas, às vezes debilitantes, perguntam aos seus médicos, “O que está acontecendo? Eu tenho TDAH ou Alzheimer?”
Não importando se você tem TDAH ou não, a menopausa influencia tudo!  Após “a mudança”, o nível de estrogênio das mulheres cai cerca de 65%, o que afeta a captação de dopamina e de outros neurotransmissores. Menos estrogênio significa menores níveis de dopamina e serotonina, causando o aparecimento de sintomas parecidos aos do TDAH: aumento da dificuldade de concentração, disfunção da memória e problemas cognitivos, e menos clareza mental. Se você tiver TDAH, a maior queda de dopamina, da qual você já tem níveis baixos, significa que os sintomas existentes vão piorar e novos sintomas vão surgir.
Esses sintomas são da menopausa ou do TDAH?
Algumas mulheres que tenham o TDAH não diagnosticado por toda a sua vida percebem que a piora dos sintomas as encaminha ao médico, procurando por respostas. Mas os sintomas parecidos com os do TDAH nem sempre indicam a presença do transtorno. Se você tiver apenas recentemente desenvolvido esses sintomas (e eles não estando presentes desde a infância), então a menopausa provavelmente será a culpada. Fale com seu médico sobre o alívio dos sintomas.
Se você tiver sido diagnosticada com TDAH, os efeitos da menopausa sobre o transtorno geralmente requerem ajustes no tratamento. Trabalhe com seu médico no aumento da dosagem da medicação, ou tente uma medicação com duração de efeito mais longa, faça mais exercício (que pode melhorar o foco e, no processo, reduzir as chances de desenvolver osteoporose), e pense na terapia hormonal. Para muitas mulheres, o melhor tratamento é o estrogênio, por três a quatro meses, seguido por 10 dias de progesterona.
O problema é que 85% das mulheres apresentam alguma disfunção sexual após a menopausa. Logo quando poderiam usar o humor e o apoio do seu parceiro para conviver com o “cérebro de queijo suíço”, você pode achar que seu relacionamento se torna mais tenso.
Trate os seus sintomas
É importante, a cada etapa de sua vida, manter sob controle os sintomas do TDAH. Isto pode significar trabalhar com vários profissionais – um psicólogo, um clínico e um ginecologista. Instrua-se sobre o TDAH e sobre o que está acontecendo com o seu corpo, mantenha uma lista de medicamentos e faça uma tabela dos seus sintomas. Os médicos raramente pensam nas flutuações hormonais quando estão planejando um tratamento.
Se você tiver problemas em prestar atenção, em manter-se organizada, em manter sua vida num ritmo constante, um profissional poderá prescrever um estimulante, mesmo na ausência de um diagnóstico de TDAH. Mas isso deve ser feito no contexto de um plano multimodal e abrangente, que inclua tudo, desde as mudanças nutricionais e os exercícios, até a psicoterapia e a terapêutica de reposição hormonal. Para os problemas das mudanças sexuais, ajudar o seu parceiro a entender que elas são normais é um bom ponto para o início.

118- É TDAH ou envelhecimento? (Is it ADHD or Aging?)

Por Linda Roggli
Foi a história das luvas de lã dela que me convenceu que minha velha mãe, de 85 anos, tinha TDAH não diagnosticado.
“Quando eu estava no colegial, queria fazer um suéter”, minha mãe me contou. “Então a tia Laura comprou uns lindos novelos de lã cor de rosa, com a condição de que eu tricotasse o suéter. Quando eu saí de casa para estudar na faculdade, ainda estava tricotando as luvas. O suéter e o resto dos novelos ficaram na cesta de vime por nove anos, até que eu engravidei de você. Eu provavelmente deveria ter feito um par de sapatinhos de lã, mas desmanchei o suéter e fiz um par de luvas para mim mesmo. Afinal, eu não mais precisava terminar o suéter!”
Ajuda para os idosos
Um psiquiatra reconheceria num instante os sintomas do TDAH de procrastinação, falta de continuidade e falta de gerenciamento. Porém, os critérios atuais de diagnóstico requerem que todos os sintomas estejam presentes antes dos sete anos de idade. Não tenho certeza de que minha mãe possa lembrar-se o suficiente da sua infância para poder ser diagnosticada. E não tenho certeza de que os médicos dela estão considerando a possibilidade de TDAH diante de problemas médicos mais urgentes: diabetes, colesterol alto, artrite, depressão crônica. Quanto mais ela vive, mais cresce a lista dos seus problemas.
Mesmo que pudéssemos por de lado os seus problemas médicos, é difícil definir se o seu esquecimento e desatenção são TDAH ou parte do “processo normal de envelhecimento”. (Detesto esta frase. Parece inevitável, como se a nossa cognição fosse determinada pela longevidade.)
O TDAH dela foi ignorado por todos esses anos? E se ela fosse diagnosticada agora, quais opções de tratamento haveria?
A resposta curta é que não há respostas. Há somente um estudo na literatura médica sobre o tratamento do TDAH na velhice. Foi publicado em 2008 e mostrou que o metilfenidato (Ritalina e Concerta) foi eficaz no tratamento de uma senhora de 67 anos. Uma mulher. Só isso.
Minha psiquiatra descreve a pesquisa em adultos idosos como “patética”, e eu concordo. Ela disse que os estudos e pesquisas excluem os sujeitos mais velhos do que 45 anos porque, como a minha mãe, eles não devem ter histórias da infância para suportar o diagnóstico de TDAH.
Pior, as opções de tratamento se estreitam significativamente na população  TDAH idosa. (Há uma população TDAH idosa? – ainda não sabemos.) Por exemplo, tome o exercício. Os estudos mostram que ele melhora significativamente os sintomas na criança e nos adultos. Mas minha mãe tem os joelhos tão doloridos, e o seu equilíbrio é tão difícil, que ela não pode fazer os exercícios aeróbicos que poderiam trazer os benefícios.
Tenho certeza de que os estimulantes ajudariam minha mãe; o médico dela prescreveu remédio para emagrecimento (anfetaminas) em 1970, e ela foi capaz de limpar a casa, de cima embaixo! Mas os estimulantes podem provocar ou piorar a pressão alta e os problemas cardíacos. E a Atomoxetina, um não estimulante, pode aumentar o risco de glaucoma.
O treinamento da memória de trabalho é eficiente para o TDAH e para as dificuldades de aprendizagem, e é promissor para as demências leves. Mas quase todos os treinamentos de memória são baseados no computador; muitos adultos acima dos 70 anos de idade não sabem lidar com computador, e muitos não têm acesso a um computador.
Abraçando uma nova causa
Estou frustrada porque não posso ajudar minha mãe, e não estou sozinha. Recentemente, recebi um e-mail de uma mulher com TDAH, que estava desesperada para encontrar auxílio para sua mãe de 80 anos, que exibia grave prejuízo das funções executivas. “Ela evita tomar decisões e fica satisfeita em  sentar-se na cama o dia todo e ser atendida”, disse sua filha. “Não sei o que fazer.”
A solução temporária, eu penso, é estabelecer estruturas para nossos parentes que estão envelhecendo, como eles fizeram por nós quando éramos crianças. Limpei e organizei o closet de minha mãe, de modo a que ela tenha menos roupas para lidar. Arrumei reposição automática das medicações receitadas. Comprei um timer barulhento para que ela vá ao banheiro a cada par de horas. Falei com seu médico para mudar o antidepressivo por um que melhorasse especificamente a sua dopamina.
Em seu benefício (e no meu, como a ligação genética do TDAH é um fato), assumi uma nova causa: advogar para a pesquisa do TDAH no idoso. Talvez um dia estaremos aptos a responder à pergunta: É TDAH, ou é a idade?
ADDitude – 2011 número de primavera (spring issue)

sábado, 23 de julho de 2011

117- Transtornos do processamento auditivo central (TPAC) e TDAH

Tudo que você precisa saber sobre os transtornos do processamento auditivo central (CAPD – Central Auditory Processing Disorders)(TPAC em potuguês) – incluindo uma lista de checagem de sintomas e informação sobre diagnóstico e tratamento. Mais, como adultos com TPAC e TDAH podem usar atividades de processamento auditivo e estratégias para melhorar a comunicação. Por Gina Pera – ADDitude

“Deturpada”. É assim que Diane descreve a comunicação com seu noivo George. Uma vez ela o encontrou na porta de entrada com um sorriso caloroso, viu que tinha lama nos sapatos, e pediu a ele que os deixasse nos degraus (stairs). Confuso, ele disse, “Seu terno encara? O quê? (Your suits stare? What?)”.
Apesar da explicação de Diane, George insistiu que ela tinha dito exatamente aquilo – e em tom de voz desaprovador.
Diante da conversa confusa, e do costume de George de ver TV a todo volume, Diane pensou que ele tivesse um problema de audição, mas os testes afastaram esta hipótese. O terapeuta do casal sugeriu que George tinha uma sólida resistência em ouvir Diane, então ele bloqueava a sua fala. Diane não aceitou essa explicação: “Não é que ele não ouvisse ou que não quisesse ouvir. Ele estava olhando direto para mim, prestando atenção. Mas a mensagem foi picada e repicada no trajeto da minha boca até a sua compreensão do que eu tinha falado.” Diane estava certa.
Quando a comunicação entre eles atingiu um estado febril, George foi diagnosticado com TDAH. O casal ficou aliviado quando o terapeuta cognitivo explicou a eles que o TDAH tem uma condição comórbida comum, chamada Transtorno do Processamento Auditivo Central (Central Auditory Processing Disorder) (TPAC). Simplesmente dito, o TPAC faz com que a pessoa interprete mal o que alguém está dizendo e o tom de voz em que está falando.
Transtorno do Processamento Auditivo Central e TDAH
O terapeuta deu a Diane e George estratégias para melhorar a comunicação. O casal também descobriu que a medicação estimulante podia corrigir o desentendimento por meio do “reforço do sinal” da via neuroquímica do ouvido (onde o som penetra) até o córtex processador auditivo cerebral (onde os sons são interpretados e ganham significado). “Nunca mais tivemos alguma mensagem deturpada depois que George começou a tomar a medicação para o TDAH”, conta Diane.
“Não há nenhum pequeno alto-falante dentro do seu cérebro que transmita as mensagens do exterior”, explica o neurologista Martin Kutscher. M.D., autor de “Kids in the Syndrome Mix of ADHD, LD, Asperger´s, Tourette´s, Bipolar, and More! “O que você pensa que ouve é uma recriação virtual da realidade de sons que atingem seu tímpano e, daí em frente, existem como impulsos elétricos silenciosos.”
Eis aqui o que acontece numa troca entre quem fala e quem escuta:
As pregas vocais do falante produzem uma sequência de vibrações que viajam invisivelmente pelo ar e batem no tímpano do ouvinte.
O tímpano do ouvinte vibra, causando a movimentação de três pequenos ossinhos que, por sua vez, estimulam a cóclea e o nervo coclear. É aqui que o som termina
Deste ponto em diante, o que o ouvinte pensa que escuta é na verdade uma série de estímulos elétricos silenciosos transportados pelos fios neuronais.
“O cérebro processa esses impulsos elétricos em som, daí em palavras, e então em sentenças e ideias com significado”, diz Kutscher. “A maioria de nós faz isso sem esforço. Alguns adultos têm problemas na conversão desses impulsos elétricos neuronais em significado. Nós chamamos esses problemas de Transtornos do Processamento Auditivo Central”.
TDAH ou Transtorno do Processamento Auditivo?
Ouvimos muita coisa sobre crianças de têm TPAC ou Transtorno do Processamento Auditivo (APD). Mas os psicólogos e os psiquiatras raramente usam esses termos, que são originados nas profissões da fala e da linguagem. Evidência limitada sugere que o TPAC é, às vezes, uma condição separada do TDAH. Ainda, como um trabalho de revisão resumiu: “Para a criança (ou adulto) receber o diagnóstico de TPAC ou de TDAH, pode depender dela ter sido avaliada primeiro por um audiólogo ou um psicólogo”.
Uma leitura rigorosa da literatura aponta um “vício de disciplina” – a condição é diagnosticada de maneira diferente, dependendo da especialidade do profissional. A diferença reside no tipo de tratamento disponível – uma importante distinção, porque a pesquisa nesta área sugere que o metilfenidato (nome genérico dos medicamentos Ritalina e Concerta) pode melhorar os sintomas do TPAC, geralmente de modo dramático.
Em contraste, as intervenções não médicas para o TPAC são limitadas a estratégias tais como o uso de aparelhos eletrônicos e a mudança no ambiente de aprendizado (menos barulho no ambiente).
As seguintes características do TPAC, segundo o National Institute on Deafness and Other Communication Disorders (Instituto Nacional de Surdez e Outros Transtornos da Comunicação), parecem semelhantes às do TDAH:
Tem dificuldade de prestar atenção e de lembrar-se da informação apresentada oralmente
Tem problemas de seguir ordens com várias etapas
Tem fraca capacidade de ouvir
Precisa de mais tempo para processar a informação
Tem problemas de comportamento
Tem dificuldade com a leitura, compreensão, soletração e com o vocabulário.
Crianças com TDAH podem ser mal diagnosticadas com CAPD, mas se um adulto tem capacidade auditiva menor do que um parceiro, ele pode ser visto como passivo-agressivo, oposicionista, emocionalmente introvertido, ou briguento, em vez de ser visto como um indivíduo com déficit de atenção.
Identificando os sintomas do TPAC
E sobre o tom de voz que George se queixou de ter ouvido de Diane? O problema pode começar no lobo temporal direito, de acordo com o neurocientista clínico Dr. Charles Parker, fundador do CorePsych Blog. O lobo temporal não dominante (geralmente o direito) processa as expressões faciais, os tons verbais e as entonações dos outros, assim como a audição de ritmos e de música.
Parker cita o exemplo de um esquiador olímpico que sofreu uma grave queda durante o treinamento. Tendo sofrido um traumatismo craniano e uma concussão, seu lobo temporal direito mostrou uma função significativamente diminuída. Ele apresentava negação (também chamada de baixa consciência) em relação à comunicação deteriorada que tinha com sua mulher e colegas, afirmando firmemente que ele não tinha nenhum problema. Assim, ele tinha muito em comum com aqueles adultos com TDAH que não têm nenhuma  noção de seus desafios. Para essas pessoas, é importante saber que a terapia enfatizando estratégias de melhor comunicação pode não resolver os problemas.
Após ver o SPECT do esquiador, Parker disse a ele, “Você é o tipo de gente que não entende e não admite que não entenda”. O paciente deu um profundo suspiro e, com um ar confuso, respondeu rapidamente, “Não, eu entendo”. Parker apontou que ele tinha feito isso novamente – dado uma resposta correta que não refletia compreensão – e pediu ao paciente para repetir o que Parker havia acabado de dizer. Ele murmurou uma resposta inteligente, mas cheia de jargões. Sua esposa interrompeu: “É isso que acontece o tempo todo”.
Comenta Parker: “Ultimamente ele compreende, por causa do SPECT e dos problemas com os outros, que não podem ser negados. A medicação e suplementos dirigidos melhoraram suas habilidades de comunicação”.
Não é preciso que alguém tenha uma lesão cerebral para sofrer de TPAC, afirma Parker. “Muitos fatores contribuintes podem criar uma diminuição da função do lobo temporal”, ele diz, “de forma geral, de mudanças sutis na sensibilidade ao glúten até medicamentos para dormir. Qualquer dessas agressões ao cérebro, amplificadas pelo TDAH coexistente, trarão problemas de comunicação a um relacionamento”.
Estratégias de audição para o TPAC e TDAH
Os sinais centrais do TDAH – distração, desatenção e memória de trabalho fraca – além do TPAC, podem contribuir para uma Torre de Babel a dois. Estas práticas estratégias podem desatar os nós da comunicação.
Para os parceiros de adultos com TDAH:
Elimine os barulhos que distraem (desligue a TV ou o computador) antes de falar com seu par.
Toque seu par no braço ou no ombro antes de falar, permitindo a ele um tempo para mudar seu foco do que estava fazendo para a conversa que você está iniciando.
Peça ao seu par para que ele repita o que você disse, para ter certeza que ele entendeu.
Fale concisamente, eliminando os detalhes supérfluos.
Para adultos com TDAH:
Reconheça que ouvir de perto o seu par significa que você o valoriza.
Primeiro ouça, depois responda. Deixe de lado o que você estava fazendo ou pensando em fazer, quando seu par terminar de falar, ou mudar de assunto. Se você precisar de um tempo para dar uma resposta, peça-o.
Use técnicas de relaxamento para clarear sua mente antes de conversas importantes.
Para casais:
Para alguns assuntos, o e-mail funciona melhor. Um adulto com TDAH precisa de tempo para formular uma resposta, sem sentir a pressão de ter de responder imediatamente.
Não insista no contato pelo olhar quando estiver falando sobre algo importante.
O contato pelo olhar distrai alguns portadores de TDAH.
Fale e ande. O exercício reduz o estresse e aumenta o fluxo de sangue para o cérebro.
Quando essas estratégias fracassam, pense em tomar um estimulante, se você ainda não o estiver usando.  “Os estimulantes geralmente ajudam a transmitir as mensagens de maneira mais confiável”, diz Kutscher, “assim como permitem que a pessoa preste atenção na informação que estiver sendo passada”. Ambas são essenciais para manter um relacionamento.