"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

165- A solução alimentar para o TDAH: Como combater os sintomas do TDAH com dieta e suplementos

Estudos mostram que uma dieta com alto teor de proteína, pouco açúcar e sem aditivos, combinada com suplementos bons para o TDAH, como óleo de peixe e zinco, pode melhorar drasticamente, sem nenhum efeito colateral, os sintomas do TDAH em crianças. Aqui, um especialista em TDAH conta como você pode começar.

Por Sandy Newmark, M.D.

A boa nutrição pode fazer uma diferença significativa na vida das crianças que foram diagnosticadas com TDAH.

Tenho utilizado intervenções nutricionais em centenas de crianças com TDAH ao longo dos últimos 24 anos. Em muitos casos, as mudanças na dieta não somente melhoraram os sintomas de hiperatividade, concentração e impulsividade, mas também acalmaram o comportamento oposicionista.

Muitos pais ficam tentados a testar alimentos e suplementos para ajudar seus filhos a controlar os sintomas do TDAH, mas geralmente eles não sabem por onde começar. A seguir, estão várias mudanças de dieta – alimentos a acrescentar à dieta do seu filho e coisas a eliminar – que, eu descobri, promovem o maior alívio dos sintomas.

Pare com os picos sanguíneos de açúcar

Alimentos ricos em proteínas – carne bovina, carne de porco, aves, peixes, ovos, feijão, nozes, soja e laticínios com pouca gordura – podem ter efeitos benéficos nos sintomas do TDAH.

O cérebro usa os alimentos ricos em proteína para fabricar os neurotransmissores, asa substâncias químicas liberadas pelas células cerebrais para se comunicarem umas com as outras. As proteínas podem prevenir os aumentos da taxa de açúcar no sangue, que aumentam a hiperatividade. Dar proteína ao seu filho no desjejum o ajudará a produzir os neurotransmissores que despertam o cérebro.

Combinando as proteínas com alimentos ricos em fibras e pobres em açúcares ajudará seu filho a controlar melhor os sintomas do TDAH durante o dia, não importando se ele estiver tomando medicamentos ou não. A única coisa mais importante que recomendo aos pais é a diminuição da quantidade de açúcar na dieta do seu filho com TDAH.

O que muitas pessoas não sabem é que a ingestão de carboidratos simples processados, como pão ou bolachas, é quase a mesma coisa que alimentar seu filho com açúcar! Seu corpo digere em glicose esses carboidratos processados tão rapidamente que o efeito é virtualmente o mesmo que comer uma colher de açúcar.

Um desjejum consistindo de sucrilhos e um copo de suco, ou uma panqueca com melado, provoca aumento muito rápido do açúcar do sangue. O corpo responde produzindo insulina e outros hormônios que abaixam o açúcar para níveis mais baixos, causando a liberação de hormônios do estresse. O resultado? Na metade da manhã, a criança estará hipoglicêmica, irritada e estressada. Isto pode piorar os sintomas do TDAH ou fazer com que crianças sem TDAH agirem como se tivessem o transtorno. Almoçar um simples carboidrato, com pouca proteína, pode causar os mesmos sintomas à tarde.

Em vez disso, experimente servir desjejuns e almoços ricos em proteínas, carboidratos complexos e fibras – como aveia e um copo de leite, ou manteiga de amendoim em um pedaço de pão integral. Os açúcares desses carboidratos são digeridos mais lentamente, por causa da proteína, das fibras e se comidos juntos resultam em liberação mais suave e sustentada de açúcar no sangue. O resultado? A criança pode se concentrar e se comportar melhor na escola.

Experimente o óleo de peixe

Os ácidos ômega-3 podem melhorar vários aspectos do comportamento do TDAH: hiperatividade, impulsividade e concentração. Como resultado, recomendo que todas as crianças com TDAH tomem os ácidos graxos ômega-3.

Os ácidos ômega-3 são gorduras essenciais importantes para o funcionamento normal do cérebro. São chamados gorduras “essenciais” porque o corpo precisa obtê-los da dieta; nosso corpo não pode fabricá-los. A pesquisa sugere que crianças com TDAH têm níveis sanguíneos mais baixos de ômega-3 do que as crianças sem o TDAH. Assim, a não ser que seu filho seja um dedicado comedor de peixe, você tem de suplementar, geralmente com óleo de peixe, para atingir os níveis salutares.

Vários estudos com ômega-3 e com TDAH sugerem um efeito positivo. Em 2009, um estudo feito na Suécia, 25 por cento das crianças que tiveram uma dose diária de ômega-3 sofreram um significante decréscimo nos sintomas depois de três meses; com seis meses, quase 50 por cento tiveram melhor controle dos sintomas. Isto é um resultado expressivo para um suplemento nutricional não tóxico, com poucos efeitos colaterais.

Quanto de ômega-3 e de que forma seu filho pode obtê-lo? É um pouco complicado. Os dois principais ácidos graxos ômega-3 contidos nos suplementos são o ácido eicosapentaenoico (EPA) e o ácido docosaexaenoico (DHA). Parece que os maiores benefícios derivam dos produtos ômega-3 que contêm mais EPA do que DHA. Eu recomendo uma dose de 700 a 1.000 mg por dia para as crianças menores, e 1.500 a 2.000 mg para as maiores.

Os ômega-3 vêm em cápsulas, líquido, ou na forma mastigável. As gomas e os mastigáveis, infelizmente, não têm muito óleo de peixe neles, então é caro e demorado dar a dose correta ao seu filho. A maioria das crianças, que são muito pequenas para engolir as cápsulas, pode tomar o líquido, embora você tenha de ser criativo para fazer com que elas o tomem (gosto de peixe). Você pode misturá-lo com qualquer coisa. Suco de laranja e cremes são uma dupla de favoritos.

Vi algumas crianças melhorarem em poucos dias, enquanto outras não mostraram nenhuma melhora em poucos meses. Meu conselho aos pais é sempre ser paciente e não desistir do regime de ômega-3 muito depressa.

Mantenha os níveis de ferro

Muitos pais e profissionais desconhecem a importância do papel  que o ferro tem no controle dos sintomas do TDAH.

Um estudo feito em 2004 mostrou que a média do nível de ferro nas crianças com TDAH (medido como ferritina) era de 22, comparado com 44 nas crianças sem TDAH. Outro estudo mostrou que aumentando os níveis de ferro das crianças com TDAH melhoravam os sintomas tanto quanto como com o uso de estimulantes. As crianças nesses estudos não eram anêmicas. O fato de que seu filho tenha um hemograma normal nãos significa que o nível de ferritina dele seja normal. Como muito ferro é perigoso, não recomendo dar ferro sem antes checar o nível de ferritina. Peça a seu pediatra para testá-lo.

Se os níveis de ferro estiverem baixos, abaixo de 35, digamos, fale com seu médico sobre iniciar um suplemento com ferro ou aumentar o consumo de alimentos ricos em ferro, os quais incluem carne vermelha, peru e frango, crustáceos e feijão. O nível de ferritina deve ser checado em poucos meses.

Cheque os níveis de zinco e de magnésio

Zinco e magnésio são dois outros minerais que têm papel importante no controle dos sintomas do TDAH. Ambos são essenciais para a saúde e um número surpreendente de crianças, com e sem TDAH, não obtém a quantidade suficiente deles. O zinco regula o neurotransmissor dopamina, e pode tornar o metilfenidato mais eficaz, melhorando a resposta do cérebro à dopamina.

O magnésio é também usado para fazer os neurotransmissores envolvidos com a atenção e concentração, e tem efeito calmante sobre o cérebro. Peça ao seu médico para checar o nível de magnésio e do zinco do seu filho, quando fizer o teste da ferritina. Encontrei ao menos 25 por cento de crianças com níveis baixos de zinco.

Embora tenham sido feitos estudos sob os efeitos de ambos os minerais no TDAH, os resultados não são tão esclarecedores como nos estudos sobre o ômega-3 e o ferro.

Elimine os produtos químicos

Vários estudos sugerem que aditivos artificiais tornam as crianças sem TDAH mais hiperativas, e fazem piorar as que têm TDAH. A União Europeia determina um rótulo no pacote de alimento que contenha aditivos: “Este alimento pode ter um efeito adverso sobre a atividade e a atenção em crianças”.  Gatorade, queijinhos e balas são exemplos típicos de alimentos que contêm corantes artificiais e conservantes, mas aditivos e corantes podem ser encontrados em outros alimentos.

O primeiro passo para evitar os aditivos é ler a tabela de ingredientes do alimento, até que você encontre uma ampla  lista de alimentos livres de aditivos. Em muitos casos, alimentos frescos, não processados, são a melhor escolha, porque contêm poucos aditivos.

Entretanto, atualmente, você pode encontrar pão, cereais, biscoitos, pizza e quase tudo o mais feitos sem aditivos. Evite cereais muito coloridos e muito açucarados. Substitua os refrigerantes por sucos naturais.

Preste atenção na alergia a alimentos

Alguns estudos mostraram que muitas crianças com TDAH são sensíveis a certos alimentos da dieta. Essas sensibilidades fazem piorar significativamente os sintomas do TDAH. Em estudo recente, 50 crianças foram submetidas a uma dieta restrita por 5 semanas, e 78 por cento delas tiveram melhora significativas dos seus sintomas!

Em minha experiência, tenho visto melhoras em muitas crianças quando elas param de comer alimentos aos quais são sensíveis. Os culpados mais frequentes são laticínios, trigo e soja.

É importante saber que as crianças com TDAH não necessariamente têm “alergia alimentar” em senso médico, estrito. Os resultados dos testes para alergia a alimentos são geralmente negativos nessas crianças. A única maneira de saber se a sensibilidade a alimentos afeta o seu filho é remover certos alimentos de sua dieta e observar a reação. Uma criança pode ter sensibilidade a alimentos se ela apresenta sintomas de alergia, tais como febre do feno, asma, eczema, ou problemas gastrointestinais. Mas tenho visto crianças sem nenhum destes problemas responderem bem à mudança da dieta.

Se há um ou dois alimentos que você suspeita que podem estar piorando os sintomas de TDAH do seu filho, elimine um deles por duas ou três semanas. Observe os sintomas do TDAH do seu filho durante este tempo. Se você estiver pensando em começar uma dieta restritiva, encontre um profissional para guiá-lo. Você sabe que mudanças na dieta são difíceis de empreender em crianças com TDAH, mas muitas famílias o fizeram com sucesso e estão felizes com os resultados.

Tente ervas benéficas

Várias ervas foram recomendadas para o controle dos sintomas do TDAH, incluindo o ginkgo, a erva de São João, a rhodiola e o ginseng. A maioria não foi testada, com duas exceções.

Em um grande estudo europeu sobre hiperatividade e problemas de sono, uma combinação de valeriana e erva cidreira ajudou a relaxar as crianças com TDAH, por meio da redução da ansiedade. Eu utilizo estas ervas regularmente para crianças que sofram desses problemas. Consulte um médico naturalista para encontrar a dose correta para o seu filho.

Para melhorar a atenção, um novo produto herbário, chamado Nature & Clarity, foi desenvolvido, e cuidadosamente testado por um time de médicos de Israel. As crianças que tomaram tiveram significativa melhora, conforme medida pelo seu desempenho no Test of Variables Attention, que é uma medida computadorizada da atenção. Não faço recomendações definitivas com base em um estudo, mas este produto merece ser avaliado. Você pode ler sobre ele em adhd-clarity.com

Finalmente, o picnogenol, que é um extrato feito da casca do pinheiro marítimo francês, tem sido ligado a melhora dos sintomas do TDAH em um número limitado de pesquisas. Encontrei relatos de que este produto ajuda a melhorar a concentração em algumas crianças.

Um último pensamento: Produtos herbários variam muito em qualidade, e alguns contêm contaminantes. Você deve encontrar um profissional reconhecido que o ajude a identificar fontes  confiáveis de ervas puras e padronizadas. ADDitude 2011.

(Com o devido respeito ao autor, tenho lá minhas dúvidas quanto à metodologia empregada nesses “estudos” que foram citados, sem as devidas referências. Continuo como São Tomé... – Dr. Menegucci)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

164- Encontrando a alegria no trabalho, com TDAH adulto (3a. Parte)

Glen
Tendo tudo em Honolulu
Nos últimos três anos, Glen P. viveu bem como massagista. Residente em Honolulu, diz que o trabalho atual é mais gratificante do que todos os anteriores, os quais incluíram garçom e diretor de uma imobiliária. “Quando eu faço massagem, tenho cem por cento de retorno positivo de cada interação com o cliente”, diz ele.
Glen sempre gostou de fazer massagem, desde que tentou pela primeira vez há 15 anos. Mas, até recentemente, sua vida fora do trabalho era uma bagunça. “Quando não estava fazendo massagem, tudo desmoronava”, lembra-se. “Eu perdia coisas – meu livro de compromissos, telefone, carteira de dinheiro – e isso acabava sendo muito perturbador”.
Glen tinha medo de que tivesse um tumor cerebral. Mas um médico identificou o problema dele como sendo TDAH. “O diagnóstico me deu esperança”, diz. “Eu tinha a energia para fazer alguma coisa a respeito”. Ele começou a tomar um estimulante, e, embora tenha sentimentos conflitantes sobre o tratamento medicamentoso, ele chama o remédio de “uma ferramenta que me permite aprender e exercer novos comportamentos”.
Um problema que Glen enfrentou foi o burnout: Ele estava de plantão dia e noite por 27 dias no mês – e não tinha férias há anos. Glen também estava metido em uma situação financeira desesperadora. “Eu tinha um jeito de ser explosivo”, diz. “Estava com quase 12 meses de atraso nos meus reembolsos, e não tinha nada para depositar no banco depois de ter feito seis massagens por dia. Isso era desencorajador”.
Com o auxílio da minha coach de Nova Iorque, Jennifer Koretsky (ADDManagement.com), Glen reorganizou sua agenda e seu sistema de cobrança. Seis meses mais tarde, ele se sentia menos estressado e seus reembolsos tinham subido 50 por cento. Devido ao aumento da renda, ele teve segurança para tirar umas férias e ir à praia e a lições de Yoga. Ele até mesmo tirou um mês de passeio dos sonhos na Itália – uma gratificação que ele continua a se proporcionar uma vez ao ano. “Agora sei que se eu mando um cartão postal da Itália para os meus clientes, meu negócio estará de novo “bombando” quando eu voltar”.
“Eu tinha um calendário de papel” explica, “mas nunca conseguia encontrá-lo quando o telefone tocava”. Para resolver o problema, ele comprou um PDA e começou a fazer uso contínuo do seu calendário, codificando seus compromissos com cores para que pudesse num relance quais sessões seriam no seu local de trabalho e quais iriam requerer seu deslocamento. O PDA provou ser útil de outro modo: para gravar os frequentes relâmpagos de inspiração que ele tem. “Antes, quando eu conseguia encontrar a caneta ou o papel, os pensamentos já tinham sumido. Então, comecei a escrever no meu Palm Pilot, que sempre tenho em mão.”
As mudanças ajudaram Glen a ter a sensação que ele dá aos seus clientes: felicidade. “Na massagem, cliente e terapeuta focalizam na mesma coisa por uma hora – isso cria uma sinergia maravilhosa”, ele diz. “Agora, eu tenho ainda mais energia emocional ao final do dia do que tinha no começo”.
Publicado em ADDitude

163- Encontrando a alegria no trabalho, com TDAH adulto (2ª. Parte)

Daniel

Sucesso – Depois de 34 empregos diferentes

Nos dois anos depois que ele aparou suas arestas como um escritor sob encomenda, Daniel G. fez um sucesso notável, ganhando 3 e meio milhões de dólares de várias organizações da comunidade. Mas a trajetória da carreira de Daniel nem sempre foi suave. “Minha vida de trabalho foi como vagar no deserto”, diz este residente da parte rural de Southeast, de 43 anos.

Isto é contar a história com suavidade. Antes de se tornar autônomo, Daniel tentou 34 trabalhos diferentes, incluindo vendedor, administrador, faxineiro, auxiliar de repórter e paisagista. O que fez com que ele trocasse tanto de profissão? Principalmente o tédio. “Eu reconheci que nos meus trabalhos anteriores eu era bom no início mas não no final dos projetos”, ele diz. “Ser escritor autônomo, sob encomenda, é um modo de superar isso, porque há projetos definidos com um tempo determinado para eles”.

Quando ele ainda não havia se encontrado, Daniel leu o livro “Driven to Distraction, de John Ratey, M.D. Ele descobriu de cara que tinha muitos dos trraços descritos no livro. Consultou um médico e, de fato, foi diagnosticado com TDAH. Daniel sempre pensou que isso fosse algo que afetasse apenas crianças, mas começou a tomar a medicação estimulante e descobriu que ela o ajudava a se concentrar. Começou também a analisar seus hábitos de trabalho – os bons e o s não tão bons. “Minha falta de persistência sempre me chateou”, ele admite. “Eu me sentia como um fracassado moral. Não sabia que o TDAH era a razão de me aborrecer tão rapidamente”.

Agora, Daniel está convencido de que o TDAH o tornou um melhor escritor sob encomenda. “Ter TDAH ajuda-o a fazer ligações entre as coisas que os outros não conseguem ver”, ele diz. “Estou constantemente observando o ambiente, e sempre noto oportunidades de trabalho”. Como a Katherine, Daniel gosta de ver seu trabalho traduzido em benefícios reais para a comunidade. “Não é somente o dinheiro”, ele diz.  “Meu trabalho tem de estar de acordo com os meus princípios”.

Com o apoio do seu coach de TDAH, Bonnie Mincu, de Nova Iorque (ThriveWithADD.com), Daniel começa cada dia de trabalho estabelecendo metas. Primeiro, ele diz, era muito otimista sobre o que poderia conseguir. Isto o levou a assumir muito trabalho – e a perder prazos. Bonnie ajudou-o a descobrir quanto tempo deveria reservar para cada tarefa. Ela também o ensinou a a dividir projetos de várias etapas em seus componentes e a prever os obstáculos que poderia encontrar. A melhora da sua  capacidade de gerenciamento do tempo evita que ele assuma muitos projetos de uma só vez.

Além de Bonnie, Daniel emprega alguém para manter seus arquivos. A cada sábado, Daniel se encontra com seu “parceiro de confiabilidade”, um amigo que o ajuda a manter sua carreira nos trilhos. “Sou honesto com ele, contando sobre minhas falhas e explicando onde preciso melhorar”, explica Daniel.

Daniel diz que um dos melhores aspectos de ser autônomo é ser capaz de manipular sua agenda. A meta é tirar vantagem da hora do dia em que sua concentração está no máximo. Como ele afirma, “Finalmente, me dei permissão para não começar a trabalhar às 8 horas da manhã”.  Ele geralmente trabalha até tarde da noite, quando o silêncio ajuda-o a focalizar. Quando fica preso num determinado problema, ele sai para correr. Se tiver um “instante eureka” enquanto está correndo, grava a ideia num gravador  que carrega consigo. Quando chega em casa ele transfere seus pensamentos para o papel, para que possa trabalhar neles.

Além do gravador e de um PDA, Daniel usa um software Mindjet e um Relógio Invisível, um gadget que bipa ou vibra em intervalos determinados. “Eu jogo ´Beat the Clock´”, ele explica. “Digo a mim mesmo que posso fazer uma tarefa em 15 minutos, e, então, ligo o relógio. Depois que começo, geralmente fico nela. É um jeito de me controlar”.

Daniel está atualmente trabalhando para assegurar uma bolsa de 1 milhão de dólares e não pensa em desacelerar tão cedo. “Sou estimulado pelo aprendizado”, ele diz, “e escrever sob encomenda é como estar na escola – você está aprendendo o tempo todo”.

(a seguir, a terceira parte, Glen)

domingo, 20 de novembro de 2011

162- Encontrando a alegria no trabalho, com TDAH adulto

Ainda está à procura de um trabalho que funcione para você? Deixe suas potencialidades e paixões abrirem o caminho para uma carreira de sucesso – como estes três adultos com TDAH fizeram. Por Blythe Grossberg, Psy. D.
No mundo do trabalho, o transtorno de déficit de atenção pode apresentar alguns obstáculos desencorajadores para uma carreira de sucesso. Não é fácil estabelecer e atingir as metas se há uma luta constante para manter a atenção, estabelecer prioridades e evitar as distrações que os outros facilmente dão conta. Como poder fazer as coisas se você não consegue dar conta da bagunça da sua própria mesa de trabalho? Como prosseguir em um trabalho e em projetos complicados se a sua mente automaticamente se volta para outra coisa?
Não é surpresa que os trabalhadores com TDAH geralmente ficam aquém das expectativas – das suas e das do chefe.
Mas a luta com os prazos finais ou com a organização é só a metade da história. Porque, além de criar obstáculos para o sucesso, o TDAH propicia traços e habilidades que os empregadores admiram – entusiasmo, extraordinária criatividade, um espírito empreendedor, e, naturalmente, a energia sem limite pela qual os portadores de TDAH são conhecidos. Trabalhadores que aprendem a capitalizar essas potencialidades se dão muito bem, de verdade.
Neste artigo, encontraremos três pessoas que – pelo trabalho sério, abertura a novas ideias, e com a ajuda de outros – superaram os obstáculos relacionados com o TDAH, para forjar carreiras produtivas e gratificantes. Seus nomes foram mudados, mas suas histórias marcantes brilham, servindo de inspiração para cada portador de TDAH, que sempre batalhou para fazer dele um estímulo no trabalho.
(Primeira Parte ): Katherine
De uma estudante com dificuldades a uma advogada de sucesso
Se você vir Katherine L. agora, você nunca adivinharia que esta advogada articulada, e 40 e poucos anos, quase desistiu de tentar a faculdade. Crescida numa área de classe média de Los Angeles, Katherine teve muitas dificuldades na escola. Suas habilidades de leitura e de memória eram fracas, e ela era terrivelmente inquieta. Os professores eram incapazes, ou não queriam ajudar. “Ninguém pensava que eu pudesse fazer qualquer coisa”, ela diz. “Eu ficava aborrecida se ficasse sentada mais do que 30 minutos”.
Depois de receber o diploma do colegial, Katherine começou a trabalhar como cabeleireira. Ela gastou vários anos pulando de um trabalho para outro, e então se matriculou numa faculdade de sua cidade, onde suas dificuldades acadêmicas reapareceram. Finalmente, com a cobrança de um dos seus professores, ela foi avaliada para problemas de aprendizagem e lhe disseram que sua dificuldade tinha um nome: dislexia.
Seguindo seu diagnóstico, Katherine começou a reservar mais tempo para a leitura e para escrever o que era requerido pelos seus cursos. Suas notas melhoraram. De fato, ela se deu tão bem que foi capaz de se transferir para uma faculdade de quatro anos. Ela venceu as provas de admissão e, com a ajuda de acomodações da escola, entrou numa faculdade de direito de prestígio. Logo depois, foi diagnosticada com TDAH adulto e começou a tomar uma medicação estimulante.
Apesar da medicação, Katherine temia que pudesse fracassar. Após as aulas, todos os dias, ela fazia um trabalho de abelhinha em casa, estudando horas seguidas. O tempo extra de estudo ajudou. Assim como a substituição dos livros por fitas gravadas dos livros de texto normais. Além disso, ela começou a fazer apresentações do PowerPoint que resumiam suas leituras. Isso ajudou a melhorar sua compreensão.
Depois de sua formatura na faculdade de Direito, em 1998, Katherine ganhou uma bolsa que lhe permitiu desenvolver um programa que fornecia serviços legais para crianças com TDAH e Dificuldades de Aprendizagem. Hoje, ela ajuda centenas de famílias de renda baixa a obter os serviços para suas crianças – o tipo de ajuda que a ela foi negada. Além do seu trabalho no centro, Katherine realiza workshops sobre os direitos legais das crianças com dificuldades.
Qual é o segredo do sucesso de Katherine? A medicação ajudou, é claro. Assim como também suas estratégias de estudo adaptadas para o TDAH. E Katherine foi sábia o bastante para reconhecer que ela se daria melhor num trabalho que era mais – em vez de menos – exigente. (Isto frequentemente é o caso com os TDAH). Ela inicialmente pensou em trabalho para legal, mas duvidou que seria capaz de dar conta de organizar toda a papelada. Sendo uma advogada, deu certo para ela, porque “é mais ver com amplitude, em vez de detalhes. As leis combinam com a maneira como eu penso, em cinco níveis ao mesmo tempo. Eu criei o programa e um trabalho para mim mesmo. Posso fazer 10 coisas de uma vez, e faço com prazer”.
Assim que um caso é passado para ela, Katherine divide a tarefa em passos distintos. Isto a mantém livre de opressão. “Há procedimentos que eu devo seguir para ter as coisas feitas”, ela explica. “Tenho de começar os projetos com tempo suficiente, e não posso tomar um atalho”. Ela ainda estuda até depois da meia-noite – mas somente porque é quando seu escritório está mais silencioso.
Katherine continua a brigar com a leitura e a escrita. Mas ela se controla com a ajuda de um aparelho Kurzweil 3000, que lê em voz alta os papéis legais – assim como com a ajuda dos colegas, que conferem seus trabalhos escritos.
Katherine é apaixonada pelo seu trabalho, e obtém grande recompensa por ajudar crianças. “É inspirador para uma criança que tem problemas descobrir que eu me formei em uma faculdade de direito depois de quase ser reprovada no colegial”, ela diz.
(a seguir, a segunda parte – Daniel)


sábado, 19 de novembro de 2011

161- Ajude seu filho com TDAH a fazer amigos

Crianças com TDAH às vezes têm dificuldade com as habilidades sociais e pode ser difícil conquistar amigos. Mas os pais podem ajudar. Eis aqui 17 maneiras! Por Gay Edelman

Às vezes, crianças com TDAH precisam de ajuda para fazer e manter amizades. Os pais podem fazer uma grande diferença, sem ficar na ponta dos pés, ao ajudar uma criança com TDAH a começar uma conversa ou por “ficar vigiando da janela”.

Descubra outras maneiras de tornar-se o coach do seu filho com TDAH para amizade e para guiar seu desenvolvimento social.

Observe a situação

Vá à raiz do problema. Crianças com TDAH geralmente têm pouco senso de como percebem seu colegas, e cometerão erros sociais sem dar por conta deles. Ajude-as discutindo o que deu errado, por  que aconteceu, e o que seu filho poderá (ou não)  fazer da próxima vez. Seja tão sensível com seu filho que tem TDAH como seria com um amigo adulto íntimo – muita repressão pode causar dano à autoestima do seu filho.

Por outro lado, quando seu filho tiver uma interação bem sucedida, elogie-o.

Vigie seu filho de perto. Sempre que ele estiver brincando com outras crianças, tenha certeza que você possa ver e ouvir o que está acontecendo. Esteja pronto para intervir se ele começar uma briga, se começar a contar mentiras, ou se fizer alguma coisa perigosa, somente para impressionar os outros.

Encontre grupos e equipes

Pense em esportes coletivos. Juntar-se a um time pode ajudar crianças com TDAH a perceber tudo que se passa com elas. As lições aprendidas nos esportes podem extravasar para sua vida social e você pode ver seu filho começar a desenvolver amizades benéficas.

Não se precipite. Chame o técnico de esportes do time antes da primeira prática. Faça perguntas a ele para descobrir se o seu filho e seu transtorno de déficit de atenção serão benvindos. Se você decidir enfrentar o desafio, vá com seu filho a um encontro com o técnico ou com os colegas de time, antes do primeiro jogo. Lembre-se, transições são difíceis para as crianças com TDAH.

Cuidado com seu espírito competitivo. Crianças com TDAH podem ter alguma dificuldade com jogos competitivos – exultantes quando vencem e furiosas quando perdem. De o seu filho tem dificuldade com essas situações, encoraje-o a desenvolver habilidades atléticas que não requeiram trabalho em equipe, como, por exemplo, corrida, natação ou artes marciais.

Tenha a atitude correta

Saiba que eles vão encontrar seu caminho. Muitas crianças socialmente isoladas eventualmente aprenderão a manejar melhor os seus comportamentos e a entender como as amizades funcionam. Quando chegam à adolescência, tendem a agir com a poderosa necessidade de se “encaixar”.

Não há nada de errado em ter poucos amigos. Uma criança, para ser feliz, não precisa estar no grupo mais famoso ou ser convidada para um monte de festas. De fato, os estudos mostram que ter apenas um amigo é tudo o que basta para uma criança desenvolver a autoconfiança social.

Seja um incentivador

Encontre um mentor. Uma criança com TDAH pode mais facilmente aceitar um conselho ou uma instrução de um irmão maior ou de uma irmã maior, do que de você. Peça ao irmão maior de um dos colegas de classe do seu filho se ele poderia ser um mentor informal para ele. Muitas escolas que entendem a importância dos mentores têm programas para unir as crianças.

Siga o amor. Se o seu filho é um fã de videogames, procure outro fã que seja possivelmente um amigo dele. Um interesse compartilhado ajudará seu filho a sentir confiança e a se engajar.

Comece com um jogo de um com outro. Jogos de um contra o outro geralmente funcionam melhor para as crianças com TDAH. Com três, seria fácil para seu filho sentir-se deixado de lado ou excluído.

Procure parceiros mais novos. Crianças com déficit de atenção tendem a ser mais imaturas do que seus colegas (e dolorosamente conscientes disto). Conforme seu filho cresça, é bom que ele desenvolva amizade com crianças de um a dois anos mais jovens – assim, ele não se sentirá excluído.

Estimule a competição positiva

Dê o bom exemplo. Mostra ao seu filho como agir em situações sociais fazendo um esforço para construir amizades com os pais dos colegas do seu filho. Fique ligado também à comunidade por meio de clubes, organizações religiosas etc.

Encare as gozações de modo altaneiro. Gozações, bullying e brincadeiras de mau gosto são parte inevitável da infância, mas as crianças com TDAH geralmente não sabem como responder. Os pais devem encorajá-las a enfrentar as gozações, mas não reagir com exagero, o que pode aumentar o problema.

Mantenha curtos os encontros para brincar. Para crianças menores de 10 anos, três horas ou menos será provavelmente o melhor. Ensine seu filho como se comportar, antes, e fale sobre como as coisas foram depois que tudo terminar.

Deixe as crianças à vontade, mas não completamente. Os especialistas recomendam que os pais deixem os adolescentes escolham as situações sociais por conta própria. Um estudo recente do sétimo ao décimo segundo grau (nos Estados Unidos) sugere que os adolescentes que têm relacionamento estreito com seus pais – os que geralmente conversam, compartilham atividades e são afeiçoados um ao outro – também tendem a ter boas amizades.

A medicação pode ajudar.

Considere medicar. Se o comportamento impulsivo – dominar a brincadeira, interromper, pular de uma coisa para outra – afasta as outras crianças, provavelmente os medicamentos serão necessários. De fato, seu filho pode precisar da proteção dos remédios mesmo depois do final do ano letivo.

Certifique-se de que as doses estão corretas. A puberdade, quando todos os hormônios mudam, é uma boa época para verificar a medicação ou sua dosagem. Geralmente, o que funcionou antes da puberdade pode já não fazer o mesmo efeito.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

160- Comece Pequeno: O controle do dinheiro para os TDAH

“Preciso de uma estratégia detalhada para manter o controle do meu dinheiro e me manter dentro do orçamento. As sugestões padronizadas, que funcionam para o restante das pessoas , não ajudam aqueles de nós com TDAH”.

Por Stephanie Sarkis, PH.D.

Como as pessoas com TDAH tendem a ser impulsivos gastadores e a ter dificuldade de se manter em dia com suas finanças, isso pode causar muita discórdia em casa.

Divida e Conquiste

Eu recomendo que os casais tentem manter contas separadas. Isto pode reduzir o conflito sobre cheques não anotados nos canhotos, ou num programa de gerenciamento do dinheiro, e as compras por impulso.

Chame os Profissionais

Eu também recomendo a procura de um profissional da área financeira – e isto inclui contadores e planejadores financeiros.

Muitas vezes, as pessoas com TDAH ouviram dizer ao longo de suas vidas, “Você deveria ser capaz de fazer isto por sua própria conta”. Isto pode levar as pessoas que têm dificuldade  a procurar apoio. Entretanto, é importante lembrar que saber que você precisa de ajuda é um sinal de força. Obtenha as recomendações do profissional financeiro por meio de amigos de confiança e de membros da família. Faça uma consulta com um médico para ajudar a determinar se um profissional seria bom para você.

Simples é melhor do que nada

Em relação ao orçamento financeiro, no meu livro “ADD and Your Money” (TDAH e seu dinheiro), eu apresento um esquema de orçamento e instruções.

Criar um orçamento tende a ser uma tarefa orientada por detalhes, o que é um desafio para as pessoas com TDAH. Um orçamento simplificado, tal como o que pode ser encontrado no meu livro, é um tipo com número limitado de itens divididos em “necessidades” e “desejos”. Um orçamento simplificado exige números arredondados ou estimativos, em vez de gastar tempo com a procura por números com exatidão até de centavos. Mesmo seguindo um orçamento simplificado, você poderá ser ajudado a atingir sua meta – economizar mais dinheiro do que você gasta.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

159- O sofrimento diário em mães de crianças com TDAH

www.helpforadd.com/2011/november.htm

Os pais de crianças com TDAH sofrem de níveis elevados de estresse e de desconforto, segundo múltiplos estudos. Isto não é surpreendente devido aos grandes desafios associados à criação de criança que consistentemente exibe altos níveis de sintomas de TDAH.
Estudos do estresse de crianças com TDAH e de seus pais tipicamente se baseiam nas medidas globais e estáticas dos problemas de comportamento das crianças, por exemplo, dando aos pais escalas para que eles deem notas e relatórios sobre estresse e desconforto. A correlação desses relatórios fornece informação útil sobre como os sintomas de TDAH das crianças se relacionam com a média dos níveis de desconforto dos pais, mas dizem pouco sobre as flutuações de momento a momento do estresse dos pais, que pode ocorrer em resposta às flutuações do comportamento de seus filhos. Este aspecto dinâmico do relacionamento dos pais com os filhos somente pode ser capturado pelo relacionamento do estresse dos pais ao comportamento das crianças conforme ele ocorra em tempo real.
Examinar o vai e vem do desconforto dos pais em relação ao comportamento das crianças foi o foco de um interessante estudo recentemente publicado no Journal of Family Psychology [Whalen et al., (2011). Dissecando o estresse diário em mães de crianças com TDAH: Um estudo eletrônico diário. Journal of Family Psychology, 25, 402-411. Os participantes foram 51 crianças de 8 a 12 anos com TDAH e suas mães (cerca de 70% meninos) e 58 duplas para comparação, nas quais a criança não tinha TDAH. Os autores tentaram incluir os pais mas foram incapazes de recrutar um número suficiente. Todas as crianças com TDAH estavam sendo tratadas com medicação de longa ação durante o estudo e foram avaliadas por suas mães como estando beneficiadas pela medicação.
Durante um período de sete dias, nas horas fora da escola, mães e crianças avaliaram seu humor e comportamento usando Assistentes Pessoais Digitais, isto é, PDAs, mais ou menos a cada 30 minutos, quando avisadas por um bip do aparelho. A cada instante em que o bip ocorria, as mães avaliavam o nível de atenção e de concentração, o comportamento hiperativo e impulsivo, e o comportamento oposicionista da criança. Elas também avaliavam o quão estavam estressadas, preocupadas, preocupadas com seu filho, e diziam o que estavam sentindo naquele instante. Essas avaliações (notas) foram computadas e uma média foi obtida para se medir o desconforto total materno em cada ponto de medida.
As crianças usavam seu eDiary para avaliar seu humor e comportamento, indicando o quão bravas, inquietas, impacientes e focalizadas elas estavam se sentindo a cada instante em que eram bipadas.
Mães e crianças foram instruídas a completar seus diários de modo independente e privadamente, sem um consultar o outro, para não influenciar na avaliação. A obediência foi excelente com as mães e crianças no grupo com TDAH e no controle, com avaliações completadas em 90% dos bips. Assim, os pesquisadores foram capazes de obter dados que forneceram uma visão refinada de como o desconforto das mães variava diretamente em relação ao comportamento da criança no curso de uma semana típica.
Medidas adicionais
Os pesquisadores também obtiveram a medida do “risco materno” na linha de base, usando uma composição dos relatos dos sintomas do TDAH feitos pelas mães, da depressão e da intensidade dos estressores relacionados com a criança que ela experimentou nos 6 meses anteriores. Obter uma estimativa do risco materno na linha de base permitiu aos pesquisadores testar se as mães que sofriam risco maior estavam mais negativamente reativas aos comportamentos de suas crianças no momento.
Resultados
Características de linha de base das mães
Não surpreendentemente, as notas de risco de base foram substancialmente mais altas para as mães de crianças com TDAH, quando comparadas com as outras mães, Essas mães eram mais deprimidas, relatavam mais comportamentos de TDAH em si mesmas, e estavam sofrendo estresse significativamente maior relacionado a seus filhos.
Questão 1: Os comportamentos correntes da criança e o desconforto materno flutuam juntos
Como esperado, a resposta a esta questão foi claramente sim. E, ambos os grupos de mães, níveis elevados de desconforto foram relatados durante os momentos em que a mãe percebia que seu filho estava hiperativo, oposicionista ou com falta de concentração. De modo semelhante, o desconforto materno era mais alto quando a criança relatava que estava brava, impaciente ou inquieta,
Questão 2: As mães de crianças com TDAH são mais reativas aos comportamentos negativos de seu filho?
Novamente, a resposta foi sim. O aumento do desconforto materno relatado pelas mães cujos filhos tinham TDAH era significativamente maior quando a criança apresentava humor e comportamentos negativos, em comparação com as outras mães. Então, mesmo que o desconforto aumentasse durante esses momentos para todas as mães, o desconforto das mães do grupo TDAH era negativamente afetado em um grau muito maior.
Questão 3: A ligação entre comportamento negativo da criança e desconforto materno é mais forte nas mães com risco maior?
A resposta a esta questão também foi claramente sim. Mães com notas maiores do índice de risco na linha de base relataram maiores aumentos do desconforto quando seus filhos apresentavam comportamentos negativos do que as mães com notas menores do índice de risco. Isto era verdadeiro para ambos os grupos de mães, mas lembre-se de que mães de crianças com TDAH têm notas substancialmente mais altas logo de início. Então, isto foi especialmente problemático para estas mães.
Resumo e implicações
Os resultados deste estudo vão além das pesquisas já existentes,  demonstrando que as mães de crianças com TDAH têm estresse paternal mais elevado pela documentação de como esta associação opera durante o vai e vem da vida diária. Quando as crianças apresentam comportamentos negativos ou estados de humor negativo, por exemplo, comportamento oposicional, hiperatividade, raiva, os níveis de desconforto materno aumentam significativamente. E, esses aumentos são maiores nas mães cujas crianças têm TDAH e que relatam níveis mais elevados de sintomas de TDAH, depressão e de estresse relacionado à criança já desde o início da pesquisa. Essas mães parecem ser especialmente sensíveis aos comportamentos negativos dos seus filhos e tenderem mais a responder com sensação de desconforto aumentado.
Os resultados deste estudo têm várias implicações importantes. Primeira, a linha de base de risco mais elevada nas mães do grupo TDAH, e a maior reatividade dessas mães ao comportamento de seus filhos realçam a importância de reconhecer o impacto que o TDAH tem sobre os pais e de propiciar aos pais o tratamento e apoio necessários. Geralmente, as crianças são o único foco do tratamento do TDAH e problemas importantes com que os pais estão lutando não recebem a atenção suficiente.
Segunda, estes resultados ressaltam as dificuldades particulares que as mães sofrem para lidar eficazmente com os comportamentos negativos que ocorrem mais frequentemente nas crianças com TDAH. Como esses comportamentos desencadeiam aumentos significativos no que já podem ser níveis elevados de desconforto, responder consistentemente, nos modos que geralmente são discutidos nos programas de treinamento de comportamento dos pais, pode ser especialmente difícil. Isto sugere que seria de importante valia ajudar as mães a desenvolverem habilidades para controlar seu desconforto no momento, e a aprenderem a reconhecer os gatilhos particulares de aumento do desconforto. Isto poderia diminuir a “carga emocional cumulativa de criar uma criança com uma doença crônica”. E, diminuindo as reações emocionais negativas que desafiam o comportamento da criança, poderia tornar mais fácil para as mães seguir consistentemente as estratégias de comportamento que elas estão tentando aplicar.  
Em trabalho futuro, seria importante incluir os pais para que os processos aqui estudados possam ser investigados também nos pais. Também seria valioso incluir um número maior de meninas, para que as potenciais diferenças nas reações das mães a filhos e filhas pudessem ser investigadas. Usar esses achados para desenvolver meios para ajudar as mães a manejar seu desconforto no momento, também seria importante.
Em suma, os resultados deste estudo acentuam as ligações entre o desconforto materno e os comportamentos negativos das crianças e o fato de que essas ligações são mais fortes nas famílias com criança com TDAH. Como o autor conclui “Este tipo de informação pode ajudar a guiar não somente intervenções destinadas a melhorar a qualidade de vida das famílias de crianças com TDAH, mas também a melhorar programas para ajudar todos os pais a reconhecer e a manejar os estressores diários da criação de um filho”
Os pais de crianças com TDAH sofrem de níveis elevados de estresse e de desconforto, segundo múltiplos estudos. Isto não é surpreendente devido aos grandes desafios associados à criação de criança que consistentemente exibe altos níveis de sintomas de TDAH.
Estudos do estresse de crianças com TDAH e de seus pais tipicamente se baseiam nas medidas globais e estáticas dos problemas de comportamento das crianças, por exemplo, dando aos pais escalas para que eles deem notas e relatórios sobre estresse e desconforto. A correlação desses relatórios fornece informação útil sobre como os sintomas de TDAH das crianças se relacionam com a média dos níveis de desconforto dos pais, mas dizem pouco sobre as flutuações de momento a momento do estresse dos pais, que pode ocorrer em resposta às flutuações do comportamento de seus filhos. Este aspecto dinâmico do relacionamento dos pais com os filhos somente pode ser capturado pelo relacionamento do estresse dos pais ao comportamento das crianças conforme ele ocorra em tempo real.
Examinar o vai e vem do desconforto dos pais em relação ao comportamento das crianças foi o foco de um interessante estudo recentemente publicado no Journal of Family Psychology [Whalen et al., (2011). Dissecando o estresse diário em mães de crianças com TDAH: Um estudo eletrônico diário. Journal of Family Psychology, 25, 402-411. Os participantes foram 51 crianças de 8 a 12 anos com TDAH e suas mães (cerca de 70% meninos) e 58 duplas para comparação, nas quais a criança não tinha TDAH. Os autores tentaram incluir os pais mas foram incapazes de recrutar um número suficiente. Todas as crianças com TDAH estavam sendo tratadas com medicação de longa ação durante o estudo e foram avaliadas por suas mães como estando beneficiadas pela medicação.
Durante um período de sete dias, nas horas fora da escola, mães e crianças avaliaram seu humor e comportamento usando Assistentes Pessoais Digitais, isto é, PDAs, mais ou menos a cada 30 minutos, quando avisadas por um bip do aparelho. A cada instante em que o bip ocorria, as mães avaliavam o nível de atenção e de concentração, o comportamento hiperativo e impulsivo, e o comportamento oposicionista da criança. Elas também avaliavam o quão estavam estressadas, preocupadas, preocupadas com seu filho, e diziam o que estavam sentindo naquele instante. Essas avaliações (notas) foram computadas e uma média foi obtida para se medir o desconforto total materno em cada ponto de medida.
As crianças usavam seu eDiary para avaliar seu humor e comportamento, indicando o quão bravas, inquietas, impacientes e focalizadas elas estavam se sentindo a cada instante em que eram bipadas.
Mães e crianças foram instruídas a completar seus diários de modo independente e privadamente, sem um consultar o outro, para não influenciar na avaliação. A obediência foi excelente com as mães e crianças no grupo com TDAH e no controle, com avaliações completadas em 90% dos bips. Assim, os pesquisadores foram capazes de obter dados que forneceram uma visão refinada de como o desconforto das mães variava diretamente em relação ao comportamento da criança no curso de uma semana típica.
Medidas adicionais
Os pesquisadores também obtiveram a medida do “risco materno” na linha de base, usando uma composição dos relatos dos sintomas do TDAH feitos pelas mães, da depressão e da intensidade dos estressores relacionados com a criança que ela experimentou nos 6 meses anteriores. Obter uma estimativa do risco materno na linha de base permitiu aos pesquisadores testar se as mães que sofriam risco maior estavam mais negativamente reativas aos comportamentos de suas crianças no momento.
Resultados
Características de linha de base das mães
Não surpreendentemente, as notas de risco de base foram substancialmente mais altas para as mães de crianças com TDAH, quando comparadas com as outras mães, Essas mães eram mais deprimidas, relatavam mais comportamentos de TDAH em si mesmas, e estavam sofrendo estresse significativamente maior relacionado a seus filhos.
Questão 1: Os comportamentos correntes da criança e o desconforto materno flutuam juntos?
Como esperado, a resposta a esta questão foi claramente sim. E, ambos os grupos de mães, níveis elevados de desconforto foram relatados durante os momentos em que a mãe percebia que seu filho estava hiperativo, oposicionista ou com falta de concentração. De modo semelhante, o desconforto materno era mais alto quando a criança relatava que estava brava, impaciente ou inquieta,
Questão 2: As mães de crianças com TDAH são mais reativas aos comportamentos negativos de seu filho?
Novamente, a resposta foi sim. O aumento do desconforto materno relatado pelas mães cujos filhos tinham TDAH era significativamente maior quando a criança apresentava humor e comportamentos negativos, em comparação com as outras mães. Então, mesmo que o desconforto aumentasse durante esses momentos para todas as mães, o desconforto das mães do grupo TDAH era negativamente afetado em um grau muito maior.
Questão 3: A ligação entre comportamento negativo da criança e desconforto materno é mais forte nas mães com risco maior?
A resposta a esta questão também foi claramente sim. Mães com notas maiores do índice de risco na linha de base relataram maiores aumentos do desconforto quando seus filhos apresentavam comportamentos negativos do que as mães com notas menores do índice de risco. Isto era verdadeiro para ambos os grupos de mães, mas lembre-se de que mães de crianças com TDAH têm notas substancialmente mais altas logo de início. Então, isto foi especialmente problemático para estas mães.
Resumo e implicações
Os resultados deste estudo vão além das pesquisas já existentes,  demonstrando que as mães de crianças com TDAH têm estresse paternal mais elevado pela documentação de como esta associação opera durante o vai e vem da vida diária. Quando as crianças apresentam comportamentos negativos ou estados de humor negativo, por exemplo, comportamento oposicional, hiperatividade, raiva, os níveis de desconforto materno aumentam significativamente. E, esses aumentos são maiores nas mães cujas crianças têm TDAH e que relatam níveis mais elevados de sintomas de TDAH, depressão e de estresse relacionado à criança já desde o início da pesquisa. Essas mães parecem ser especialmente sensíveis aos comportamentos negativos dos seus filhos e tenderem mais a responder com sensação de desconforto aumentado.
Os resultados deste estudo têm várias implicações importantes. Primeira, a linha de base de risco mais elevada nas mães do grupo TDAH, e a maior reatividade dessas mães ao comportamento de seus filhos realçam a importância de reconhecer o impacto que o TDAH tem sobre os pais e de propiciar aos pais o tratamento e apoio necessários. Geralmente, as crianças são o único foco do tratamento do TDAH e problemas importantes com que os pais estão lutando não recebem a atenção suficiente.
Segunda, estes resultados ressaltam as dificuldades particulares que as mães sofrem para lidar eficazmente com os comportamentos negativos que ocorrem mais frequentemente nas crianças com TDAH. Como esses comportamentos desencadeiam aumentos significativos no que já podem ser níveis elevados de desconforto, responder consistentemente, nos modos que geralmente são discutidos nos programas de treinamento de comportamento dos pais, pode ser especialmente difícil. Isto sugere que seria de importante valia ajudar as mães a desenvolverem habilidades para controlar seu desconforto no momento, e a aprenderem a reconhecer os gatilhos particulares de aumento do desconforto. Isto poderia diminuir a “carga emocional cumulativa de criar uma criança com uma doença crônica”. E, diminuindo as reações emocionais negativas que desafiam o comportamento da criança, poderia tornar mais fácil para as mães seguir consistentemente as estratégias de comportamento que elas estão tentando aplicar.  
Em trabalho futuro, seria importante incluir os pais para que os processos aqui estudados possam ser investigados também nos pais. Também seria valioso incluir um número maior de meninas, para que as potenciais diferenças nas reações das mães a filhos e filhas pudessem ser investigadas. Usar esses achados para desenvolver meios para ajudar as mães a manejar seu desconforto no momento, também seria importante.
Em suma, os resultados deste estudo acentuam as ligações entre o desconforto materno e os comportamentos negativos das crianças e o fato de que essas ligações são mais fortes nas famílias com criança com TDAH. Como o autor conclui “Este tipo de informação pode ajudar a guiar não somente intervenções destinadas a melhorar a qualidade de vida das famílias de crianças com TDAH, mas também a melhorar programas para ajudar todos os pais a reconhecer e a manejar os estressores diários da criação de um filho”.

domingo, 13 de novembro de 2011

158- Ajude o estudante com TDAH a se preparar para a faculdade

Adolescentes com déficit de atenção estarão preparados para a faculdade se aprenderem estas cinco habilidades no ensino médio.

Por Ben Mitchell

Seu filho adolescente com TDAH quer fazer faculdade? Ele está pronto para a transição a partir do ensino médio? De acordo com a estatística do Departamento de Educação (dos Estados Unidos), somente 54 % de todos os estudantes que iniciam a faculdade recebem o diploma de formatura em seis anos. De acordo com o National Longitudinal Transition Study-2, somente 28% dos estudantes que começam a faculdade com dificuldades diagnosticadas, incluindo dislexia e TDAH, completam o curso. Embora boas notas no ensino médio e no vestibular sejam indícios de sucesso, outros fatores são cruciais para ir bem na faculdade.

O Landmark College identificou cinco áreas que parecem influenciar o sucesso acadêmico na faculdade.

1- Habilidades acadêmicas: A capacidade de ler e de escrever com pouca assistência.

Sua criança deve ser capaz de ler um número de páginas em um livro de texto e compreender o que o autor quis dizer. Ela deve ser capaz de escrever um trabalho organizado usando duas ou mais fontes. Ela também deve ter um sistema para tomar notas em classe e na preparação para as provas. Crianças que tenham sido diagnosticadas com uma dificuldade devem receber testes psico-educacionais no primeiro ou no último ano do ensino médio, para avaliar seu potencial acadêmico.

2- Advogar em causa própria

É a capacidade de pedir e lutar por serviços e apoios. Estudantes de faculdade são adultos, e, assim, precisam advogar para si mesmos e pedir os serviços de apoio e as acomodações de que precisam. Um estudo mostra que 75% dos estudantes que se qualificam nunca fazem uso dos serviços oferecidos pelas faculdades.

3- Funções executivas: A capacidade de dar conta das obrigações, organizar livros e matérias, e gerenciar o tempo.

De acordo com uma avaliação feita em 2007 pelo Landmark College, em associação com a Association on Higher Education and Disability, um estudante que tem dificuldade de função executiva tem menor chance de ser bem sucedido na faculdade do que um estudante que não consegue ler.

Função executiva é o processo que organiza os pensamentos e as atividades, dá prioridade a tarefas, gerencia eficazmente o tempo e toma decisões. Um coach para TDAH pode ajudar os estudantes a estabelecer estruturas e estratégias para gerenciar projetos e determinar as ações requeridas para tocar cada projeto para frente.

4- Auto entendimento

Auto entendimento é a consciência das potencialidades e desafios da aprendizagem. Estudantes neurotípicos se beneficiarão do entendimento de seu perfil de aprendizagem, mas isso é essencial para os estudantes com dificuldades de aprendizagem ou TDAH. Você e seu adolescente devem se encontrar com o psicólogo ou neurofisiologista que conduz o teste – ou outro provedor qualificado – para ter uma explicação dos resultados do teste psicoeducacional, assim como das estratégias para o aprendizado.

5- Motivação e confiança

Habilidade de desenvolver metas claras e acreditar que elas podem ser alcançadas. Muitos estudantes que fracassam ou que abandonam a faculdade são incapazes de visualizar o término da educação superior. Estudantes de faculdade que devem estar em outro lugar – trabalhando, estudando em escola de comércio, ou viajando para o exterior – terão menos probabilidade de aproveitar os recursos necessários para conquistar o grau superior. Estudantes que lutam com a insegurança e falta de confiança, ou que não acreditam que possam fazer o trabalho, desistem.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

157- Sobre os alunos superdotados (com ou sem TDAH)

Por Anthony S. Colucci

Você pode imaginar ter um jovem Mark Zuckerberg na sua classe? E sobre Lady Gaga na sua pré-adolescência? Ambos participaram de programas de talentosos e superdotados quando eram estudantes.

Hoje, a National Association of Gifted Children (Associação Nacional de Crianças Superdotadas) calcula que aproximadamente três milhões de estudantes americanos são superdotados ou talentosos. Ensinar a essas crianças pode ser gratificante. Elas geralmente aprendem rapidamente novas habilidades, absorvem uma montanha de informação, assumem papel de liderança e empregam entusiasticamente habilidades de pensamento de ordem mais superior. Mas, para realmente atingir as necessidades dos estudantes superdotados, especialmente os que, como Mark Zuckerberg e Lady Gaga, podem ter uma índole independente – pode ser um desafio. Aqui vão algumas dicas práticas para ajudá-lo a dar conta.

Descubra o que “dotado” significa no seu distrito ou no seu estado.

Estados e distritos (nos Estados Unidos) não são obrigados a usar a definição do governo federal para “dotados e talentosos” , assim, há uma considerável diversidade em como esses estudantes são avaliados para os programas de dotados. Alguns estados focalizam em estudantes que têm boas notas nos boletins e em testes padronizados; alguns se apoiam em testes de QI e outros têm avaliações mais sofisticadas.

Ajude a identificar estudantes que se qualifiquem para “programas para dotados e talentosos” – e os que não, mas que precisam de apoios individualizados.

Saber a definição que o seu distrito tem sobre “dotados e talentosos” ajudará a dar aos estudantes o apoio de que eles necessitam. Não se acanhe de recomendar um estudante para uma avaliação – geralmente é um processo fácil e pode ser uma mudança de vida para alguns alunos. Se o seu estado for um dos que adotam outras medidas além de notas e testes padronizados, rever a lista de características de estudantes dotados pode ajudar na sua identificação. Tenha em mente que um estudante dotado pode vir de qualquer cultura, grupo étnico ou grupo socioeconômico!

Conforme você aprende mais sobre os critérios para os programas para dotados do seu distrito, você também identificará os que não oficialmente se qualificam mas que se beneficiariam de estratégias e desafios individualizados em sua sala de aula.

Use os dados para diferenciar a instrução e criar desafios apropriados.

Atualmente, os professores têm uma abundância de dados sobre nossos estudantes – e se nós não os temos, podemos obtê-los. Analise os dados de desempenho para determinar o que o seu aluno dotado já sabe e o que ele ainda precisa aprender. Se os estudantes sabem a matéria, eles devem aprender alguma outra coisa.

No início deste ano, eu fiz uma avaliação de leitura básica e de matemática com os meus alunos. Não foi surpresa que alguns dos meus alunos fizeram 90 por cento ou mais do total... um deles chegou a 100 por cento! Os dados me mostraram áreas em que estudantes individuais precisavam de instrução própria do nível e áreas em que eles estavam prontos para receber conceitos e habilidades mais avançados. Posso fazer um trabalho melhor para ensinar meus alunos quando sei a situação deles.

Mantenha expectativas realistas sobre o que seus alunos sabem e podem fazer.

Este é o comentário mais cruel que um educador pode fazer para um aluno dotado: “Você compreendeu isso... você é dotado”.  Estudantes dotados ainda precisam ser ensinados. Embora muitos sejam capazes de absorver uma grande quantidade de informação de modo independente, eles ainda precisam de nossa experiência e orientação. Ainda estou para ver um aluno que possa entender uma longa divisão sem instrução.

Não fique intimidado pela inteligência dos seus alunos.

Estou quase convencido de que todos os meus alunos têm QIs mais altos do que o meu. Se eu falo uma palavra incorretamente, eles me corrigem. Se o meu sotaque de Nova Iorque escapa, eles comentam. Meus alunos do terceiro ano me falam as definições de palavras que eu não conheço. Ao mesmo tempo, eu tenho alguma vantagem sobre eles: muitos anos de educação, experiência de vida e capacidade de ensinar. Seus estudantes podem ensinar-lhe coisas novas todos os dias – se você tiver uma atitude receptiva. Mas você ensinará a eles muito mais coisas se você ajudá-los a construir seu conhecimento, cultivar seu talento e fazer conexões entre a escola e o “mundo real”.

Apoie o aprendizado social e emocional dos seus alunos.

Você já notou que algum dos seus alunos não gosta de trabalhar em grupo ou que tem uma estranha capacidade de “pegar no pé” dos seus colegas? Cerca de duas vezes mais alunos dotados, em comparação com os não dotados, têm dificuldades sociais e emocionais (aproximadamente 20 a 25%), de acordo com a National Association for Gifted Children.

Trabalhe com colegas para identificar os apoios próprios para esses alunos, tais como programas de tutores, instrução direta de habilidades sociais, ou aconselhamento. Achei que o tutoramento é particularmente eficaz para trabalhar com alunos com QI alto, uma vez que esses alunos geralmente preferem a companhia de adultos à de crianças de sua idade. Uma vez ligados a um tutor, podem ocorrer poderosas transformações.

Ria!

Ter um bom senso de humor e ser generoso são traços importantes para qualquer professor – e eles são especialmente críticos quando ensinam alunos dotados e talentosos, que geralmente têm eles mesmos senso de humor apurado. Quando este humor aparece na hora errada (como às vezes acontece), eu recomendo corrigir o comportamento com gentileza.

Focalize o aprendizado – não as notas.

Alguns professores falam aos alunos que as notas não importam, desde que eles tentem o seu melhor, mas esperam que os alunos dotados tirem todos os As em cada matéria acadêmica. Tenha em mente que alunos dotados não são necessariamente dotados em todas as áreas... e tendem a ter melhor desempenho nos assuntos que mais os interessam.

Também é muito importante lembrar que estudantes dotados e talentosos são geralmente marcados pelo perfeccionismo e um medo do fracasso. Ensinando-os sobre notas pode apenas exacerbar esses problemas – ou levar a uma disputa pelo poder. Mantenha o foco no esforço e no aprendizado, não nas notas.

Apoie todos os programas para dotados e talentosos que sua escola ofereça.

Muitos dos meus alunos gostam das aulas de enriquecimento dos dotados que eu leciono. Gosto de me gabar um pouco – mas sei que não sou eu. Esses alunos apreciam os desafios que eu lhes dou e a camaradagem de estar com outros alunos dotados e talentosos. Quando alunos dotados retornam das aulas de enriquecimento e dizem que foi “legal”, por favor entendam que “legal” não significa “farra”. Significa que eles experimentaram uma dose concentrada de instrução – numa velocidade que é natural para eles. A educação de dotados e talentosos não é sobre um grupo de alunos “obtendo algo extra”. É sobre um grupo de alunos obtendo o que eles precisam.

Estas sugestões não são “estratégias tipo bala de prata” para apoiar seus alunos dotados e talentosos, mas elas oferecem um ponto de início. Pense em obter desenvolvimento profissional para aprofundar sua capacidade nesta área, ou ao menos se aproxime do staff de enriquecimento de sua escola para aprender mais. E, se como eu, você se especializar em ensinar alunos dotados, procure oportunidades para compartilhar sua capacidade com seus colegas, mais além de um trabalho sobre algum aluno em particular.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

156- Recomendações atualizadas para o TDAH incluem faixas de idade revisadas

Contexto clínico

O transtorno neurocomportamental pediátrico da infância mais comumente diagnosticado é o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), que tem repercussão significativa no desempenho escolar, no bem estar e nas interações sociais das crianças atingidas. Em 2000, a Academia Americana de Pediatria publicou pela primeira vez as recomendações clínicas para avaliação e diagnóstico do TDAH, e em 2001, publicou as recomendações para o tratamento.

Esta nova revisão leva em conta informações e evidências recentes em relação ao diagnóstico e manejo do TDAH que se tornaram disponíveis depois que aquelas primeiras recomendações foram publicadas. Embora as primeiras recomendações discutissem o diagnóstico e tratamento do TDAH em crianças de 6 a 12 anos, as evidências que apareceram suportam um alargamento da faixa de idade das recomendações para 4 a 18 anos. As recomendações atuais também têm um objetivo ampliado, porque os autores reconheceram que as intervenções comportamentais podem ajudar as famílias de crianças com comportamentos hiperativos e impulsivos que não preenchem completamente os critérios diagnósticos para o TDAH.

Resumo do estudo e perspectiva

Pela primeira vez em uma década, a Academia Americana de Pediatria publicou uma atualização de recomendações para o diagnóstico e tratamento do TDAH que, agora, incluem crianças mais novas, pré-escolares e adolescentes.

As recomendações, “ADHD: Clinical Practice Guidelines for the Diagnosis, Evaluation and Treatment of Children and Adolescents with Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder," foram liberadas pela “American Academy of Pediatrics National Conference & Exhibition” e simultaneamente publicadas online em 16 de outubro na “Pediatrics”.

“Escrevemos as recomendações originais em 2000 e em 2001, e elas foram escritas para crianças com idade entre 6 e 12 anos porque esta era a evidência disponível na época”, disse Mark Wolraich, M.D., professor de pediatria CMRI/Shaun Walters e chefe da   Section of Developmental and Behavioral Pediatrics do University of Oklahoma Health Sciences Center, Oklahoma City.

“Ao longo dos anos, ouvimos falar sobre a preocupação quanto às crianças pré-escolares e adolescentes, e sobre o que deveria ser feito com eles. Expandimos o grupo de idade para incluir crianças de 4 a 18 anos, porque há certamente novas evidências para apoiar as recomendações para um grupo mais amplo”, disse o Dr. Wolraich, o autor principal das recomendações.

Aumento dos medicamentos aprovados

Os últimos 10 anos também viram um aumento do número de medicamentos que foram aprovados pela US Food and Drug Administration, para o tratamento do TDAH, e as novas recomendações refletem isso. Elas também enfatizam a natureza crônica do transtorno.

“Nós apoiamos a ideia de que o TDAH era uma doença crônica nas recomendações iniciais, e que os médicos precisavam usar os princípios de doenças crônicas para trata-lo, e isso foi posteriormente enfatizado”, disse o Dr. Wolraich.

Outras recomendações chave incluem:

Avaliar as crianças para outras condições que podem coexistir com o TDAH, tais como os transtornos de oposição e desafio, de conduta, de ansiedade e de depressão;

Ter certeza de que os critérios do DSM-IV tenham sido preenchidos;

Obter informação principalmente dos relatos de pais ou guardiães, professores e outros profissionais da escola ou de saúde mental envolvidos nos cuidados da criança;

A primeira linha de tratamento para crianças pré-escolares de 4 a 5 anos deveria ser a terapia comportamental aplicada pelos pais ou professores, baseada em evidências;

Aumento gradual das doses dos medicamentos para atingir o benefício máximo com os menores efeitos adversos; e

Para adolescentes, o clínico geral, que dá o atendimento primário, deveria prescrever medicamentos aprovados pelo FDA, com o consentimento deles.

“O desafio com adolescentes é você não ter mais professores individuais como bons informantes dos seus comportamentos, porque eles vão de classe em classe e não os seguem por um longo período de tempo. Há tendência a ficar difícil de obter boa informação”, disse o Dr. Wolraich.

Ele acrescentou que é importante iniciar o tratamento das crianças em idade baixa.

“Quando podemos identificar mais cedo e proporcionar o tratamento adequado, podemos aumentar suas chances de sucesso escolar. Com nossa maior vigilância atualmente em relação ao TDAH e as melhores maneiras de diagnosticar e de tratar este transtorno, mais crianças estão sendo ajudadas”.

O julgamento clínico não é suficiente

Peter Jensen, MD, codiretor da Division of Child and Psychology na Mayo clinic, Rochester, Minessota, contou a Medscape Medical News que as recomendações revisadas dão instruções mais detalhadas para ajudar os médicos de primeiros cuidados a controlar esses pacientes.

“O que é bom em relação às atualizações das recomendações é que elas propiciam orientação adicional e especificidade sobre as que foram publicadas entre 2000 e 2001”, disse o Dr. Jensen.

“Algumas dessas crianças têm problemas muito complexos; muitas também têm ansiedade e depressão. As recomendações cuidam disso, e elas também enfatizam o uso de escalas de medida pelos professores e pelos pais. Elas nos colocam um passo a frente”, ele acrescentou.

Propiciar orientação mais detalhada sobre o diagnóstico e o tratamento de crianças com TDAH é importante., disse ele.

“Muitos médicos tratam o TDAH com preguiça”, disse ele. “Eles são bem intencionados, mas quando estamos no meio de um dia com o consultório movimentado e pais histéricos, e com poucos auxiliares, nosso julgamento clínico não é o suficiente, e ficamos inclinados a cometer erros. Se a mãe sorri, pensamos que está tudo bem. Mas, isto não é tão correto como verificar as escalas de avaliação dos pais, dos professores e falar com a criança”.

“O julgamento clínico não é suficiente para substituir esses tipos de ferramentas, e as recomendações acrescentam mais daquele tipo de detalhe e terão maior probabilidade de nos ajudar a não cometer erros por omissões e por instruções equivocadas”.

Dr. Jensen disse que suspeita de que o TDAH possa estar aumentando porque muitas cobranças por atenção sustentada estão sendo postas no dia das crianças.

“Queremos que nossas crianças aprendam mais, que façam mais, queremos que elas não apenas vão à escola, mas que tenham 3 ou 4 outras atividades que fazem à tarde e que façam rapidamente o trabalho de casa, e as expomos a muitos estímulos diferentes.”

“Elas veem TV e vão a jogos. Todas essas coisas são competidoras com a atenção. Se você tivesse uma sociedade na qual o trabalho de casa não importante, quase por definição, você teria menos pais se queixando sobre a falta de atenção dos seus filhos”, disse o Dr. Jensen.

Dr. Wolraich declarou que foi consultor de Shire, Lilly, Shinogi e Nextwave, todos produtores de medicamentos para o TDAH.

Dr. Jensen declarou que não tem nenhum relacionamento financeiro relevante.

American Academy of Pediatrics National Conference & Exhibition 2011. Apresentado em 16 de outubro de 2011.

Destaques do estudo

Toda criança de 4 a 18 anos que apresente problemas acadêmicos ou de comportamento e sintomas de desatenção, hiperatividade ou impulsividade deve ser avaliada para o TDAH (qualidade de evidência B/ forte recomendação).

As recomendações para o controle de TDAH variam de acordo com a idade do paciente.

O tratamento de primeira linha para o TDAH de crianças pré-escolares (idade de 4 a 5 anos) deveria ser terapia comportamental baseada em evidências fornecidas pelos pais e/ou pelos professores (qualidade de evidência A/forte recomendação). Metilfenidato pode ser prescrito se as intervenções comportamentais fracassarem.

Em áreas nas quais o tratamento comportamental baseado em evidências não estiver disponível, os riscos de iniciar a medicação muito cedo deveriam ser pesados em contraste com o risco de atrasar o diagnóstico e o tratamento (qualidade de evidência B/recomendado).

Crianças da escola elementar (idade de 6 a 11 anos) com TDAH deveriam receber medicamentos aprovados pela FDA (qualidade de evidência A/forte recomendação) e/ou terapia comportamental baseada em evidências, administrada pelos pais e/ou professores, e de preferência por ambos (qualidade de evidência B/forte recomendação).

Evidências para a farmacoterapia com estimulantes em crianças de 6 a 11 anos são fortes e suficientes, mas são menos fortes para a atomoxetina, guanfacina de liberação estendida e clonidina de liberação estendida, nesta ordem (qualidade de evidência A/forte recomendação).

Adolescentes (12 a 18 anos de idade) deveriam aceitar e receber medicamentos para o TDAH aprovados pela FDA (qualidade de evidência A/forte recomendação) e/ou terapia comportamental (qualidade de evidência C/recomendado) e, preferivelmente, ambos.

O Manual de Diagnóstico e Estatística das Doenças Mentais, quarta edição (DSM-IV) tem os critérios que devem ser preenchidos para o diagnóstico, e qualquer causa alternativa deve ser afastada (qualidade de evidência B/forte recomendação).

Estes critérios incluem a documentação do prejuízo em mais de um local. A informação deve ser obtida primariamente de relatos dos pais, guardiães, professores e outros profissionais da escola e de saúde mental envolvidos com os cuidados com a criança.

Quando da avaliação de uma criança para o TDAH, o clínico deveria incluir a avaliação para as condições comórbidas possíveis (por exemplo: condições emocionais ou comportamentais; do desenvolvimento e físicas (qualidade de evidência B/forte recomendação).

O TDAH é uma condição crônica associada a necessidades especiais de cuidados de saúde. O controle de crianças e adolescentes com TDAH deveria seguir os princípios dos modelos de cuidados crônicos e de medicina de família (qualidade de evidência B/forte recomendação).

As doses dos medicamentos para o TDAH devem ser aumentadas gradualmente para atingir o máximo de benefícios com o mínimo de efeitos colaterais (qualidade de evidência B/forte recomendação).

Implicações Clínicas

As Recomendações Revisadas da American Academy of Pediatrics para o tratamento do TDAH estenderam a faixa de idade das recomendações de 4 a 18 anos, com base em evidências emergentes. Qualquer criança de 4 a 18 anos que apresente problemas acadêmicos ou de comportamento e sintomas de desatenção, hiperatividade ou impulsividade deve ser avaliada para o TDAH. As recomendações para o tratamento do TDAH variam com base na idade do paciente.

As recomendações correntes também têm um escopo estendido, na medida em que os autores reconhecem que as intervenções comportamentais podem auxiliar as famílias das crianças com comportamentos hiperativos e impulsivos que não preenchem completamente os critérios de diagnóstico para o TDAH. A avaliação de uma criança para o TDAH deveria incluir avaliação para o controle de condições comórbidas.