"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quinta-feira, 28 de julho de 2011

122- É Ansiedade ou TDAH?

O que você precisa saber quando avalia os sintomas e procura por um diagnóstico para o seu filho. Por Larry Silver, M.D.

Nem sempre é fácil analisar os sintomas de uma criança para fazer o diagnóstico correto.
Cerca de metade de todas as crianças com TDAH também têm uma dificuldade de aprendizagem. Depressão, transtorno obsessivo-compulsivo, dificuldades de controle da raiva, transtorno de tiques motores, transtorno bipolar ou transtorno de ansiedade. Os sintomas também podem parecer semelhantes.
Uma criança que parece ter TDAH – ela é hiperativa, impulsiva, desatenta – pode ter, em vez disso, um transtorno de ansiedade. Crianças que exibem os sintomas clássicos do transtorno de ansiedade podem ter TDAH. Distinguir entre TDAH e transtorno de ansiedade requer uma avaliação completa por profissional que esteja disposto a cavar fundo para encontrar as pistas.
Ainda, mesmo os profissionais podem interpretar mal os sintomas. Se uma criança não consegue ficar parada, não continua as tarefas, fala alto em sala de aula, ou faz comentários impróprios, eles pensam que deve ser TDAH. Se uma criança tem medos excessivos ou preocupações, deve ser transtorno de ansiedade.
O problema é que nós às vezes vemos a fumaça e não enxergamos o fogo. Ou vemos a fumaça e concluímos incorretamente o que está causando o fogo. Comportamentos são mensagens, não são diagnósticos. È tarefa do profissional clarificar as razões para os comportamentos.
Foco e Problemas de Medos
Veja Mônica, uma menina do terceiro ano, por exemplo. Sua inquietação em classe e sua incapacidade de prestar atenção no trabalho em classe levou sua professora a acreditar que ela tivesse TDAH. O seu pediatra receitou uma medicação estimulante para TDAH, mas os sintomas não melhoraram.
Recentemente, ela começou a demonstrar sinais de ansiedade: Ela tem dificuldade de pegar no sono por si mesmo, e tem medo de ficar sozinha em qualquer lugar de sua casa.
Minha avaliação informal mostrou que ela tem as habilidades de linguagem e de escrita no nível inicial do segundo grau. Mônica me disse que, se ela não sabia o que escrever ou se tinha dificuldades em sala de aula, ela ficava com medo de que a professora ficaria brava com ela.
Estudos formais confirmaram que ela não tem TDAH, mas na verdade tem uma dificuldade de aprendizagem que causou seu estado de ansiedade em casa e na escola.
Facilmente distraído e intimidado
José tinha 16 anos quando veio ao meu consultório. Seus pais o descreveram como quieto, tímido, “com medo de sua sombra”. Ele não tinha amigos e evitava esportes e outras atividades em grupo.
José ficava nervoso com pessoas que ele não conhecesse ou quando tinha de falar frente a classe. Tinha também medo de elevadores e de espações pequenos e fechados.
Seus pais disseram que José mostrava sinais de ansiedade desde a infância. Sua mãe disse que tinha comportamentos semelhantes quando era criança – e que ainda tinha. Fiquei sabendo que José ia mal na escola.
Ele se distraia com objetos e barulhos na sala de aula. Ele sonhava acordado e perdia a noção do que estava acontecendo. Também descobri que ele tinha dificuldade com organização. Meu diagnóstico foi de transtorno de ansiedade e TDAH sem tratamento, ou seja, ainda não tratados.
A Sra. Garcia, graduada por faculdade e que tinha uma posição importante em firma de consultoria, tomava medicação para ansiedade por três anos. Mas não tinha melhora: Ainda precisava de um lugar silencioso para ficar prestando atenção no que fazia. Pareceu-me que sua ansiedade e o estresse na faculdade e no trabalho vinham da desatenção.
Suspendi sua medicação para ansiedade e receitei medicação para o TDAH. Em uma semana ela podia prestar atenção e terminar seus projetos no trabalho. Sua ansiedade havia cessado.
Ansiedade: A causa ou o efeito?
O estresse e a ansiedade são parte normal de vida de crianças e de adultos. A ansiedade moderada ajuda as crianças a se esforçarem para serem bem sucedidas em casa, com os amigos e na escola.
É normal ficar ansioso quando se faz uma prova ou se participa de uma peça de teatro na escola. Espera-se que crianças e adolescentes fiquem nervosos no médico e no dentista, ou quando enfrentam situações novas. Quando o nível de ansiedade é maior do que o esperado, suspeitamos que haja um transtorno de ansiedade.
Ainda, simplesmente diminuir os sintomas proeminentes pode levar os pais e os profissionais a tomar o caminho errado. A ansiedade pode causar inquietação que pode ser interpretada como hiperatividade. Ou pode trazer preocupações e dúvidas que provocam a desatenção da criança. Conforme aumente o nível de ansiedade, a criança pode parecer estar agindo rapidamente ou irracionalmente, para diminuir o estresse. Um pai pode rotulála como impulsiva. Uma avaliação superficial pode sugerir que a criança tenha TDAH, quando o que ela realmente tem é um transtorno de ansiedade.
Um diagnóstico correto é crítico para o desenvolvimento de um plano de tratamento. Um médico ou um profissional deve determinar se a ansiedade é primária ou secundária.
Se uma criança tem dificuldade de regular o estresse e a ansiedade desde pequena, e sua ansiedade é prejudicial, ela é primária. Se um ou os dois pais se lembram de que eram ansiosos desde a infância, ou se ainda são, um diagnóstico de ansiedade é quase certo. Os transtornos de ansiedade são frequentemente genéticos.
Por outro lado, um transtorno de ansiedade pode ser secundário a dificuldades sentidas por uma criança que tenha TDAH ou uma dificuldade de aprendizagem. A ansiedade secundária ocorre em certas circunstâncias.
Mônica tornou-se ansiosa a respeito de tudo relacionado com a escola. Sua ansiedade desapareceu em semanas. Algumas crianças se tornam ansiosas depois de passarem por eventos estressantes, tais como mudar de uma cidade para outra, ou seus pais iniciarem um processo de divórcio. Na ansiedade secundária não há nenhuma história familiar do transtorno.
Qual deles você trata primeiro?
A resposta depende da descoberta das causas dos comportamentos observados. Quando uma criança mostra sinais de ansiedade, um pai ou profissional deve não assumir que ela esteja sofrendo de transtorno de ansiedade.
Eles devem tentar ir até a raiz do comportamento ansioso. Pode ser que a criança (ou adulto) tenha TDAH, e sua ansiedade seja secundária às frustrações, fracassos e feedback negativo que ela recebe na escola ou no trabalho, em casa, e com os colegas. Em tal caso, um profissional deveria tratar o TDAH enquanto trabalha nos problemas sociais, emocionais e familiares associados com o transtorno de ansiedade.
Outra possibilidade é a de que a criança tenha TDAH e transtorno de ansiedade. Se for assim, um profissional deve tratar ambos os problemas para aumentar a chance de sucesso. Se a criança estiver recebendo tratamento para a ansiedade, mas os sintomas persistem e o médico começa a suspeitar de que são causados por um TDAH não diagnosticado, ele deve tratar o TDAH e ver se os sintomas de ansiedade desaparecem.
O tratamento precisa incluir medicamentos, terapia comportamental, terapia individual, grupos de habilidades sociais e/ou aconselhamento familiar. Os pais devem lembrar-se de que o plano de tratamento eficaz sempre decorre de um diagnóstico correto.
As dúvidas do diagnóstico
Os pais precisam entender que o processo de diagnóstico pode ser ainda mais complicado durante a fase de tratamento. Foi assim para Roberto, de 10 anos de idade.
Ele foi diagnosticado como tendo TDAH e recebeu um estimulante. Dois dias depois, sua mãe ligou, dizendo que seu filho estava muito ansioso. Não dormia sozinho e chamava a sua mãe da escola, para saber se ela estava bem. Suspendi a medicação e sua ansiedade desapareceu.
Enquanto algumas crianças com TDAH podem ter um transtorno de ansiedade ou outra condição comórbida, algumas vezes o transtorno é tão pequeno que não há nenhum sintoma. Chamamos isto de subclínico. Entretanto, ao tomar um estimulante, essa condição subclínica, de nível baixo, pode ser exacerbada. Quando isto acontece, é importante lidar com o transtorno de ansiedade em primeiro lugar. Depois que ele estiver sendo tratado, geralmente será seguro reintroduzir o estimulante sem causar um surto de ansiedade.

121- É Depressão ou TDAH?

A depressão é surpreendentemente comum entre os adultos com TDAH. Felizmente, não há necessidade de sofrer em silêncio. Por Carl Sherman, Ph.D.

Primeiro, as notícias ruins: A depressão é 2,7 vezes mais prevalente entre os adultos com TDAH do que entre a população adulta em geral.
Agora, as boas notícias: Remédios eficientes para a depressão estão disponíveis, e funcionam tão bem para adultos com TDAH como para os outros adultos. Se você acha que tem esse problema, não há necessidade de sofrer.
Depressão primária versus depressão secundária
Alguns adultos com TDAH tornam-se deprimidos sem nenhuma razão aparente – a doença surge mesmo na ausência de acontecimentos ou circunstâncias desagradáveis na vida (dificuldades no trabalho, na escola, perda de emprego, problemas de relacionamento, doença crônica etc.). O risco para esta forma de depressão, conhecida como depressão primária, parece ser altamente herdado.
Cuidando da depressão secundária
Em outros casos, a depressão surge como consequência direta da frustração crônica e do desapontamento de viver com o TDAH mal ou não tratado. Algumas estimativas apontam 25% dos adultos como portadores do transtorno sem tratamento apropriado. Tais casos de depressão são chamados de secundários ao TDAH.
“Frequentemente vejo depressão em adultos cujo TDAH não foi reconhecido e tratado na sua juventude”, diz Yvonne Pennington, Ph.D., psicóloga de Atlanta, que se especializou em TDAH do adulto. “Por terem sofrido tantos golpes em sua autoestima, eles aceitaram a ideia de que são preguiçosos e estúpidos – ou não bons o suficiente para terem sucesso profissional e social”.
Separando o TDAH da depressão
Para complicar as coisas, os médicos podem confundir o TDAH como depressão. Pode ser difícil diferenciar as condições porque amos os transtornos trazem problemas de humor, esquecimento, dificuldade de prestar atenção e falta de motivação. Entretanto, há distinções sutis entre os sintomas induzidos pelo TDAH e os causados pela depressão.
EMOÇÕES  - O TDAH pode causar humores sombrios, mas eles geralmente estão ligados a revezes específicos. Os sentimentos ruins tender a ser transitórios. Em contraste, os problemas de humor associados à depressão são geralmente invasivos e crônicos, frequentemente durando semanas ou meses.
Diferente dos maus sentimentos causados pelo TDAH (que frequentemente começam a surgir na infância), a depressão tipicamente não se desenvolve até a adolescência ou mais tarde.
MOTIVAÇÃO  - Com o TDAH, parece impossível terminar qualquer coisa, porque você está “num vácuo e não pode decidir o que fazer primeiro”, diz Roberta Tsukahara, Ph.D., psicóloga de Austin. “Com a depressão, é mais do que estar letárgico e não poder iniciar qualquer atividade”.
DIFICULDADES DE SONO – Com o TDAH, o problema geralmente acontece quando se inicia o sono; a mente se recusa a “desligar”, e mantém a adição de coisas à lista de coisas a fazer no dia seguinte. Em contraste, as pessoas deprimidas adormecem rapidamente, mas acordam repetidamente durante a noite (e logo de manhã cedo). A cada despertar, a mente está cheia de pensamentos negativos e ansiosos.
O que você deve tratar primeiro
“Eu não cuido do TDAH e da depressão primária ao mesmo tempo”, diz  Lenard Adler, M.D., diretor do programa para TDAH adulto do NYC Langone Medical Center, em Nova Iorque. “Trabalho primeiro na condição que estiver causando o maior prejuízo. Os problemas causados pelo TDAH são reais, mas a depressão pode ser um risco à vida”.
Antidepressivos que são destinados a aumentar o nível dos neurotransmissores serotonina e/ou norepinefrina são o tratamento de escolha para a depressão grave. Seu médico também pode prescrever um antidepressivo se persistir uma depressão de leve a moderada, apesar das mudanças de estilo de vida e do tratamento correto par o seu TDAH.
Muitos antidepressivos funcionam bem junto com a medicação estimulante para o TDAH, assim como o não estimulante Strattera (Atomoxetina), embora pequenos ajustes  precisem ser feitos. Wellbutrin (bupropiona) é um antidepressivo que também pode ser útil no TDAH.
Na maior parte das vezes, a depressão melhora substancialmente com o primeiro antidepressivo receitado. Se ele não funcionar, um segundo provavelmente funcionará. Cerca de metade dos que tomam antidepressivos atingem um alívio completo dos sintomas depressivos.
Obtenha o alívio você mesmo
Quando a depressão é secundária ao TDAH, pouca medicação e ajustes do estilo de vida podem ser tudo o que é necessário para sair do buraco. E se a depressão persistir apesar da aderência a um medicamento para o TDAH? Os médicos reconhecem que as mudanças de estilo de vida ajudam a melhorar. Exercícios aeróbicos “têm um efeito profundo no nível de humor das pessoas com TDAH”, diz William Dodson, M.D., um psiquiatra de Denver. “Se você não consegue motivar-se por si mesmo, o exercício pode normalizar seu humor”.
Muitos portadores de TDAH sentem que seu humor piora quando eles não têm nada para fazer. “O sistema nervoso dos TDAH se alimenta de curiosidade e desafio”, diz Dodson. Para se prevenir do ócio, ele recomenda a criação de uma “caixinha de curiosidades”: Sempre que você encontrar algo interessante – um bom livro, por exemplo, ou um projeto de trabalho – ponha-o na caixinha. Na próxima vez que você estiver procurando por algo para fazer, sempre haverá algo esperando por você.
Meditação e Psicoterapia
A meditação também tem o seu lugar no tratamento da depressão. Sente-se em silêncio, com os olhos fechados, e focalize-se na sua respiração. Cada vez que você expirar, repita silenciosamente uma palavra de uma sílaba – “um” ou “paz” ou “om”. Faça isto por um minuto ou mais, ou tente isto por 10 a 20 segundos sempre que tiver dificuldade de mudar de uma atividade para outra.
Junto com, ou em vez da meditação e medicação, uma forma de psicoterapia conhecida como terapia cognitiva comportamental (TCC) demonstrou ser altamente eficiente contra a depressão. A primeira meta da TCC é permitir que o paciente identifique e reduza os pensamentos negativos intensos e frequentes – “Isto é muito difícil de fazer”, por exemplo.
O próximo passo é substituir esses pensamentos e crenças destruidores da autoestima por pensamentos mais realistas e construtivos – “Sim, é difícil. Como eu poderia tornar isso mais factível?”  Você está reconhecendo a dificuldade, mas não afundando nela. Você está se dirigindo na direção de uma ação positiva.
O objetivo é reduzir a frequência e a intensidade dos sintomas. Não espere eliminá-los completamente. Mas, você poderá controlar os sintomas que já teve, no caminho para uma vida feliz.