"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quinta-feira, 14 de junho de 2012

215- Ter menos idade ao entrar na escola aumenta a chance de ter o diagnóstico de TDAH


O TDAH é o transtorno neurocomportamental mais comumente diagnosticado nas crianças e evidências substanciais indicam que fatores biológicos têm papel importante em seu desenvolvimento. Por exemplo, embora permaneça desconhecido o mecanismo exato pelo qual os fatores genéticos promovem risco aumentado de TDAH, a importância da transmissão genética foi documentada em vários estudos publicados.

Embora os fatores biológicos sejam amplamente considerados como importantes no desenvolvimento do TDAH, nenhum teste médico ou biológico é recomendado para uso de rotina no diagnóstico do TDAH. Em vez disso, como virtualmente todas as doenças psiquiátricas, o TDAH é definido por uma constelação de sintomas comportamentais que são geralmente relatados pelos pais ou professores de uma criança. Ainda, em quase todos os casos, é a preocupação dos pais ou dos professores sobre a capacidade de uma criança prestar atenção e de controlar seu comportamento que leva a criança a ser avaliada para o TDAH em primeiro lugar.

Embora algumas crianças mostrem comportamento bastante desatento ou hiperativo e impulsivo para serem diagnosticadas como TDAH na idade pré-escolar, geralmente é somente após a criança entrar na escola que as preocupações relacionadas com a atenção e a hiperatividade aparecem. Isto pode ser especialmente verdadeiro para os sintomas de desatenção, conforme as exigências para a atenção sustentada se tornam maiores quando a criança começa a ir à escola. Os professores podem observar como a capacidade de uma criança controlar a atenção e o comportamento se compara com toda a classe – algo que os pais tipicamente não podem fazer – e seu julgamento pode, então, ser de particular influência em como uma criança é avaliada para o TDAH e ser diagnosticada com o transtorno.

Vários fatores podem contribuir para as diferenças na habilidade das crianças em prestar atenção e a controlar seu comportamento quando começam a escola. Um fator certamente é o TDAH, porque as crianças com o transtorno serão observadas pelos professores como mais desatentas e/ou hiperativas. Outro fator – e que é frequentemente esquecido – é a idade da criança em relação à idade dos seus colegas de classe. Este é o assunto investigado nos estudos que estão resumidos abaixo.

O sistema de escolas públicas tem datas específicas em que uma criança precisa ter nascido para começar o jardim de infância. Considere duas crianças em um sistema escolar em que a data de corte seja 31 de dezembro.
José nasceu em 31 de dezembro de 2007 e, assim seria admitido no jardim de infância no outono de 2012 (nos Estados Unidos). Comparado aos demais colegas de classe que nasceram mais cedo, como 01 de janeiro de 2007, ele seria relativamente jovem. Na média, de fato, José seria 6 meses mais jovem que seus colegas.

João nasceu em 01 de janeiro de 2008 e não estaria, então, apto a entrar na escola no outono. Em vez disso, ele teria de esperar até o outono de 2013, antes de começar o jardim de infância. Assim, comparado à maioria de sua classe que teriam nascido mais tarde, até 31 de dezembro de 2008, ele seria relativamente mais velho; na média seria cerca de 6 meses mais velho.

Embora uma diferença de idade de 6 meses dificilmente possa fazer uma diferença na capacidade de prestar atenção, de responder e de controlar o comportamento crianças mais velhas e adolescentes, essa quantia faz uma grande diferença em crianças de 5 a 6 anos de idade. E, diferenças próximas de um ano, que podem existir entre as crianças mais velhas e mais novas em uma classe, poderiam estar associadas com grandes diferenças nestas dimensões (prestar atenção, responder e controlar o comportamento). Isto sugere que crianças relativamente jovens para o primeiro ano no início das aulas serão, na média, menos aptas para controlar sua atenção e seu comportamento do que os seus colegas. Como resultado, crianças jovens para o grau podem mais provavelmente serem vistas pelos professores como tendo dificuldades, que serão relatadas aos pais. Em muitos casos, isto pode levar os pais a fazer uma avaliação de seus filhos para o TDAH e potencialmente aumentar a taxa de diagnóstico e de tratamento do TDAH em crianças jovens para iniciar a escola. Há evidências de que este seja o caso?

(Nota do tradutor: nas próximas postagens veremos as respostas obtidas pelos estudos já realizados – Dr. Menegucci)

Nenhum comentário:

Postar um comentário