"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

terça-feira, 31 de julho de 2012

225- Simplifique sua vida de TDAH aprendendo a dizer "NÃO"


Não importa a solicitação, adultos com TDA têm dificuldade de dizer não aos outros. Aqui, descubra como adultos TDA podem evitar a sobrecarga de compromissos e a exaustão aprendendo como dizer gentilmente "não".

Por Sandy Maynard - ADDitude

Você, adulto portador de TDA, já se pegou alguma vez falando "Onde eu estava com a cabeça?", depois de ter concordado em fazer alguma coisa que você realmente não queria ou que não tinha tempo para fazer? Há coisas no TDA do adulto que tornam difícil para nós dizermos não. Em primeiro lugar, geralmente dizemos sim a algo que parece bom, antes de pensar melhor no assunto. Em segundo lugar, nosso interesse é tão variado que não conseguimos escolher - então, dizemos sim a tudo.

E há a impaciência. Não queremos esperar até que as nossas oito semanas de aula de dança terminem para nos inscrevermos em aulas de teatro. Enchemos nossa agenda com coisas importantes, interessantes e divertidas para fazer, mas ficamos muito esgotados para aproveitar cada uma delas.

Cristina conhece bem esse sentimento. Ela tem TDA e admite que adora a parte hiperativa do seu diagnóstico de TDAH. Ela tem uma reserva sem fim de energia e está sempre à toda, desde o raiar do dia até o anoitecer. É a primeira pessoa que a família e os amigos pensam em chamar quando precisam de um favor. Ela tem dificuldade de dizer não e tem uma tendência a ficar sobrecarregada de tarefas.

Cristina veio me ver depois de sua vida sair de controle. Ela estava vivendo com seis horas de sono e, além de sua agenda sobrecarregada, estava ajudando sua mãe a se mudar para um asilo da velhice. Tudo lhe parecia igualmente urgente e importante. Eis aqui algumas das poucas sugestões que eu fiz para ajudar Cristina a aprender a dizer não e a ter o controle de sua vida de volta, sem falar das oito horas de sono profundo.

Estabeleça prioridades e pratique o dizer não

1- Demore um tempo para tomar uma decisão. A impulsividade e a hiperatividade fazem dois segundos parecer uma eternidade. Respire fundo, faça uma pausa e responda: "Gostaria de pensar sobre a oferta e lhe telefonar de volta". Durma sobre o assunto se precisar.

2- Faça uma lista das prioridades - em ordem de importância. Para muitos de nós, tudo parece importante e estabelecer prioridades pode ser tão doloroso quanto tentar prestar atenção a uma aula chata. Para Cristina, entretanto, foi fácil. Ela adora sua mãe e valoriza sua relação acima de tudo. Pondo isto no topo da lista tornou mais fácil renunciar às coisas seguintes.

3- Treine dizer não às coisas fáceis. Um bom começo seria dizer aos que telefonam pedindo ou oferecendo coisas que você não quer mais ser chamada. Treine seu jeito de dizer não - civilizadamente, é claro - para o seu marido ou para o seu chefe.

Como dizer não

4- Seja breve. Uma indicação difícil para mentes que turbilhonam como o fogo em meio a uma floresta seca, mas que pode ser feita se você alentecer todos aqueles pensamentos que dançam em seu cérebro. Em vez de explicar porque você não pode ir a uma festa tarde da noite para um colega que está se mudando, diga somente, "Sinto muito, mas tenho de estar em casa mais cedo". Quanto mais razões você arrumar para dizer a alguém porque você não pode fazer algo, mais fortemente a pessoa vai tentar lhe convencer de que você pode.

5- Seja incondicional quando disser não. Usar as palavras "talvez", "mas" e "se" não dará certo. Isto acontece quando pensamos alto. É melhor pensar, decidir e falar - nesta ordem.

E, Lembre-se:

6- Não diga sim apenas para ser gentil. Alguns de nós sentimos que temos de nos exceder para tornar melhor as coisas quando tivermos perdido o controle de algo ou feito algo impróprio. Não temos. Quando solicitado a vender bilhetes de rifa diga "Não, não gosto de fazer isso, mas vou comprar alguns". É um modo de dizer não sem ofender ninguém.

7- Você não é indispensável. O mundo não vai parar se você não atender a cada vez que for solicitado. Embora seja tentador assumir novas responsabilidades para manter as coisas excitantes, resista à urgência de fazê-lo. Mesmo que você saiba que faz melhor o trabalho, deixe alguém mais fazê-lo por uma vez.

8- Você pode mudar sua mente. E se você disse sim e agora quer dizer não? Tudo bem em renunciar. Cristina já tinha concordado em co-dirigir um importante evento da comunidade quando, inesperadamente, apareceram  novas responsabilidades em relação aos cuidados com sua mãe. Quando ela juntou a coragem para falar aos outros membros da comunidade sobre recusar o trabalho, todos eles entenderam completamente - e algumas pessoas se ofereceram para tomar o seu lugar.

Serei a primeira a admitir que não é fácil dizer não. Aprendi uma coisa, entretanto, é que a honestidade e a integridade sempre são respeitadas quando aceitamos ou recusamos um convite. Quando você junta suas decisões aos seus valores, os resultados nunca são desapontadores para você, sua família ou seu amigos.

-------------------------------------------------------------------------------------------------

12 modos inteligentes de recusar (por Ramona Creel, onlineorganizing.com)

1. Estou no meio de vários projetos

2. Não fico à vontade com isto

3 Não estou assumindo mais nenhuma responsabilidade

4. Não sou a pessoa mais qualificada para este trabalho

5. Não gosto deste tipo de trabalho

6. Não tenho mais nenhum horário em minha agenda

7. Odeio dividir minha atenção entre projetos

8. Sei que você fará um excelente trabalho por si mesmo

9. Preciso deixar algum tempo livre para mim mesmo

10. Eu realmente ajudaria se fosse um outro trabalho

11. Não tenho nenhuma experiência com isso

12. Tenho outro compromisso

quarta-feira, 25 de julho de 2012

224- É TDAH ou Menopausa?



Como a menopausa afeta a memória, atenção e os relacionamentos conforme a mulher envelhece. Mais, os sintomas que você tem apresentado são relacionados com o transtorno de déficit de atenção (TDAH), menopausa ou ambos? Edward Hallowell M.D. - ADDitude - 2012

Você "tem uma certa idade" e de repente sua memória tem tantos furos que você acha que tem "cérebro de queijo suíço". Você perde coisas com mais frequência e se perde em sus pensamentos, distraída numa fração de segundo. Mulheres diagnosticadas com TDAH às vezes ficam em pânico, preocupadas com a piora dos seus sintomas. As mulheres que não foram ainda diagnosticadas com TDAH e que sentem esses sintomas muitas vezes debilitantes perguntam aos seus médicos "O que está acontecendo? Tenho TDAH ou  Alzheimer?"
Mesmo que você não tenha TDAH, a menopausa influencia tudo! Depois da "mudança", os níveis de estrogênio caem cerca de 65%, o que afeta a captação de dopamina e de outros neurotransmissores. Menos estrógeno significa níveis mais baixos de dopamina e serotonina, causando o aparecimento de sintomas parecidos com os do TDAH: dificuldade crescente para se concentrar, disfunção de memória e problemas cognitivos, e menor clareza mental. Se você tiver TDAH, a maior queda da dopamina, abaixo dos seus níveis já diminuídos, significa que os sintomas existentes vão piorar e que novos sintomas aparecerão.

Esses sintomas são da menopausa ou do TDAH?

Algumas mulheres que têm TDAH não diagnosticado por toda sua vida, com a piora dos seus sintomas, procuram os médicos procurando respostas. Mas os sintomas parecidos com o TDAH nem sempre indicam a presença do transtorno. Se os seus sintomas apareceram só recentemente (e eles não estavam presentes desde a infância), então, a menopausa é provavelmente a culpada. Fale com seu médico sobre o controle dos sintomas.
Se você foi diagnosticada com TDAH, os efeitos da menopausa sobre o transtorno geralmente vão requerer ajustes. Converse com seu médico sobre o aumento da dosagem dos medicamentos, ou tente medicamentos com duração da ação prolongada, faça mais exercícios ( o que aumenta o foco e diminui as chances de ter osteoporose) e considere a terapia hormonal. Para muitas mulheres, o melhor tratamento é o estrogênio, por 3 a 4 meses, seguido por 10 dias de progesterona.

A complicação é que 85% das mulheres sentem alguma disfunção sexual após a menopausa. Logo quando você poderia usar o humor e o apoio do seu companheiro para lidar com seu "cérebro de queijo suíço", você descobre que seu relacionamento fica mais tenso.

Siga em frente

É importante que em cada estágio de sua vida os sintomas do TDAH sejam mantidos sob controle. Isto significa trabalhar com vários profissionais - um psicólogo, um clínico geral e um ginecologista. Eduque-se a respeito do TDAH e do que está acontecendo com o seu corpo, mantenha lista de medicamentos e anote os seus sintomas. Os médicos raramente levam em conta as flutuações hormonais quando fazem um plano de tratamento.
Se você tiver dificuldade em prestar atenção, de manter-se organizada e de manter sua vida em ritmo estável, um profissional poderá prescrever um estimulante, mesmo na ausência do diagnóstico de TDAH. Mas isto deve ser feito no contexto de um plano abrangente, multimodal, que inclua tudo, desde mudanças nutricionais e exercícios até terapia de reposição hormonal. Quanto àquelas problemáticas mudanças sexuais, ajudar seu companheiro a entender que elas são normais já é um bom ponto de início.

sábado, 21 de julho de 2012

223- Não à violação dos direitos dos portadores de TDAH e Dislexia


Comunidade Aprender Criança – Dr. Marco Antônio Arruda

A criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, entre eles o direito à Saúde Mental, a fim de lhes facultar o desenvolvimento integral em todas as dimensões, física, mental, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade 1,2.
A despeito da lei, a violação dos direitos da criança é ainda nos dias de hoje praticada de forma sistemática, sem distinção de credo, raça ou classe social, tendo frequentemente como agente exatamente os indivíduos aos quais é dada a função de proteção do menor. Dessa forma, “juízes e sistema judicial, profissionais e agências de Saúde, indústria do entretenimento, mídia, políticos, igreja e mesmo pais ao redor de todo o mundo comumente estão implicados na prática de inumeráveis formas de violência contra a criança, como punições físicas severas (incluindo execuções judiciais e extrajudiciais), adoções ilegais, abuso sexual (incluindo a pedofilia, pornografia e prostituição infantil), além do trabalho infantil e a inserção de crianças e adolescentes em conflitos armados” 3-6.

Tragicamente, na medida em que a violência aos direitos da criança e do adolescente se alastra, surgem novas formas de violação. Assim vemos o autodenominado FORUM SOBRE A MEDICALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO E DA SOCIEDADE, que viola de forma flagrante os direitos inalienáveis da criança à Saúde Mental através da propagação da desinformação e celebração do caos ao não reconhecer a existência do Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) e da Dislexia. Trata-se de uma postura de transparente motivação político ideológica, sem qualquer embasamento na Ciência, completo desconhecimento do método e das evidências científicas, além de absoluto desprezo a instituições como a Organização Mundial da Saúde, que relaciona esses transtornos, bem como seus critérios diagnósticos, no Código Internacional das Doenças (CID).
O reducionismo fica patente na medida em que afirmam que esses transtornos não existem já que não são diagnosticados laboratorialmente. Algo como desconhecer a existência, o impacto e o sofrimento provocado por doenças como Autismo, Depressão, Esquizofrenia, Alzheimer e tantas outras para as quais ainda não foram identificados marcadores biológicos, presentes em todos os pacientes, que viabilizariam um diagnóstico laboratorial.

Evidências científicas advindas de uma extensa literatura dão sustentação à natureza neurobiológica do TDAH, bem como sua validade clínica 7. Desde a primeira publicação registrada na biblioteca nacional de Medicina do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (PubMed) em 1966 até os dias de hoje são mais de 18 mil artigos científicos publicados sobre esse transtorno, 1768 ensaios clínicos, 133 metanálises e 29 guias de práticas clínicas (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed). Avaliando essa vasta literatura, a Associação Médica Americana, através do seu conselho para assuntos científicos, declarou em 1998 que “o TDAH é um dos transtornos mais bem estudados e cuja validade clínica é superior a muitas outras condições médicas diagnósticas”.
Orquestrado por órgão de representação de classe e por indivíduos acometidos por delírios de vocação messiânica, o referido FORUM infringe direitos constitucionais dos portadores de TDAH e Dislexia, sejam crianças, adolescentes ou adultos. De que forma? Ao propagar a desinformação retarda as oportunidades de diagnóstico e tratamento, induz pais e portadores à interrupção de intervenções medicamentosas e não medicamentosas e aniquila qualquer possibilidade de suporte acadêmico ou promoção social dos portadores resultando em consequências trágicas provocadas pelos transtornos e bem documentadas na literatura. Perdem-se, portanto, as oportunidades de controle dos sintomas e do impacto provocado por eles.

Se o direito é universal, infelizmente o acesso ao conhecimento científico não é, nem a habilidade de compadecermos com o sofrimento alheio, seja de portadores, seja de seus familiares.
Em nosso país grande parte das crianças vive em condições de pobreza e susceptíveis a numerosos fatores de risco para a Saúde Mental e desempenho escolar, como apontou o Projeto Atenção Brasil 8. A extrapolação das taxas de prevalência de transtornos mentais (12,3%) 8 e TDAH (5.1%) 9, reveladas pelo estudo, aponta, respectivamente, para 8,3 e 3,3 milhões de crianças e adolescentes brasileiros em condições de risco. Em contrapartida, apenas 13% das crianças e adolescentes portadores de TDAH encontram-se em tratamento 10.

As causas devem ser analisadas e intervenções de várias ordens, médicas e sociais, precisam ser adotadas com a ajuda da Ciência, nunca à sua revelia ou entorpecidas por motivações político-ideológicas.

Nessa edição do Notícias do Cérebro tornamos pública nossa indignação e chamamos todos para juntar-se a nós no combate à violação dos direitos da criança à Saúde Mental. Leia a Carta de Esclarecimento à Sociedade sobre o TDAH, seu diagnóstico e tratamento com chancela de 29 associações e grupos de pesquisa, e assine a petição de apoio à mesma no http://www.peticao24.com/peticao_online_sobre_o_manifesto_de_esclarecimento_sobre_o_tdah

Não deixe de ler também o artigo do Dr. Paulo Mattos e da Dra. Vera Joffe.
Até mais!

Marco Antônio Arruda
Diretor do Instituto Glia e Comunidade Aprender Criança

Referências
1. United Nations Children’s Fund. Convention on the rights of the child. New York: United Nations Children’s Fund, 2002.
2. Presidência da República CC, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Estatuto da Criança e do Adolescente [online] 1990; LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. Available at: www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm
3. Berganza CE. Children’s right to mental health. How adults have failed youth worldwide: the Latin America case. World Psychiatry 2005; 4 (3): 158-159.
4. Duarte C, Hoven C, Berganza C et al. Child mental health in Latin America: present and future epidemiological research. Int J Psychiatry Med 2003;33:203-22.
5. Giel R, de Arango MV, Climent CE et al. Childhood mental disorders in primary health care: results of observations in four developing countries. Pediatrics 1981;68: 677-83.
6. Rohde LA, Celia S, Berganza C. Systems of care in South America. In: Remschmidt H, Belfer ML, Goodyer I (eds). Facilitating pathways: care, treatment and prevention in child and adolescent mental health. Berlin: Springer, 2004:42-51.

7. Pliszka S. Practice parameter for the assessment and treatment of children and adolescents with attention-deficit/hyperactivity disorder. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry 2007;46:894-921.Arruda, M. (2010). Projeto Atenção Brasil Retrieved June 29th., 2012, from www.aprendercrianca.com.br/aprender-crianca-2010-dp17 .
8. Arruda MA, Almeida M, Bigal ME, Polanczyk GV, Moura-Ribeiro MV, Golfeto JH. Projeto Atenção Brasil: Saúde Mental e desempenho escolar em crianças e adolescentes brasileiros. Análise dos resultados e recomendações para o educador com base em evidências científicas. Ed. Instituto Glia, Ribeirão Preto, SP, 2010.
9. Arruda MA, Querido CN, Bigal ME, Polanczyk GV. ADHD and Mental Health Status in Brazilian School-Age Children. J Atten Disord. 2012 Jun 4. [Epub ahead of print].
10. Arruda MA, Moura-Ribeiro MV, Golfeto JH, Bigal ME, Polanczyk GV. Are Psychostimulants Overprescribed in Brazilian school-aged children? Are Psychostimulants Overprescribed in Brazilian school-aged children? (2011). Paper presented at the World Congress on ADHD, Berlin.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

222- O "Mito" do TDAH: Como entender o que você ouve por aí


Esclarecimento sobre o TDAH  - Prof. Dr. Paulo Matos


As dúvidas movem a ciência e permitem o progresso, porque impulsionam os cientistas a tentar esclarecê-las. Dúvidas, portanto, representam algo inestimável e imprescindível para todas as áreas da ciência; para a medicina não é diferente. Existe atualmente um grande número de questões não esclarecidas sobre diferentes aspectos de muitas doenças; são estas dúvidas que estão ocupando os cientistas do mundo inteiro neste exato momento e vão ocupá-los por toda sua vida profissional.

E o que fazem os cientistas? Eles fazem pesquisas com critérios rigorosos para testar suas hipóteses. Para isto, devem submeter seu projeto a um comitê de ética e ter cada etapa de seu trabalho avaliada e aprovada antes mesmo de começar. Quando a pesquisa termina, os cientistas publicam os resultados em revistas especializadas, para que os conhecimentos não apenas sejam conhecidos por todos os demais cientistas, como também para que outros possam verificar os resultados e tentar reproduzi-los para confirmá-los ou rejeitá-los. A isto chama-se de método científico e é a única maneira de se controlar os conhecimentos gerados por pesquisas.

Um cientista mal intencionado publicou resultados fraudulentos? A única forma será verificar os resultados de sua pesquisa (eles são obrigatoriamente armazenados durante muitos anos). Outro tirou conclusões erradas a partir dos resultados de sua pesquisa? Basta verificar a metodologia, conferir os resultados e ver se há outras conclusões possíveis. Alguém recebeu verba de um patrocinador que potencialmente influenciou a análise dos resultados? Informações sobre verbas são obrigatórias e caso haja uma infração, nenhuma revista científica publicará mais artigos deste pesquisador. Existiu alguma fraude com os dados? É possível saber verificando os materiais originais da pesquisa e os relatórios publicados; várias revistas publicam imediatamente editoriais quando descobrem algum tipo de erro ou fraude.

Portanto, somente o método científico nos dá a segurança de que uma determinada informação é segura, porque deste modo ela pode ser analisada, verificada, confirmada ou abandonada. Para isso existem as revistas científicas especializadas que só publicam pesquisas que respeitaram o método científico e que foram previamente avaliadas por um grupo de pesquisadores imparciais e com experiência. Quando ocorrem erros, de qualquer natureza, este é o único modo de eles serem descobertos e corrigidos: através de publicações científicas padronizadas.

Agora, imagine que alguém lhe diga que “determinada doença é causada por isto ou por aquilo” ou ainda que “determinado medicamento causa este ou aquele problema”. Você aceitaria, de bom grado? Sem pedir nenhuma comprovação científica? Sem pedir para ver os artigos científicos publicados em revistas especializadas?

Como você pode saber se algo que um profissional de saúde está dizendo é verdade? Qualquer ideia pode fazer algum sentido e mesmo assim ser falsa; nem toda lógica é verdadeira, obviamente. Muitas vezes, um discurso inflamado, aparentemente bem intencionado, é cheio de conclusões que não tem qualquer fundamento científico e não se baseia em nenhum achado de pesquisa. No Brasil, frequentemente pessoas fazem discursos e até mesmo iniciam campanhas sobre saúde baseadas em suas opiniões pessoais ou suas crenças políticas; ou seja, no que elas “acham”- é o famoso “achismo”.

E quanto ao TDAH? Existem dúvidas sobre inúmeros aspectos específicos do TDAH, assim como existem com relação ao câncer, ao diabetes, ao infarto do miocárdio, ao Parkinson, etc. Mas não existe nenhuma dúvida, no meio científico, quanto a sua existência: o TDAH é um dos transtornos mais bem estudados em toda a medicina e é descrito por médicos há mais de 2 séculos.

Mas por que algumas pessoas insistem em dizer que “TDAH não existe”?

Em primeiro lugar, vamos esclarecer quem reconhece o TDAH como uma doença: a Organização Mundial da Saúde. Além disso, no Brasil, temos a Associação Médica Brasileira, a Associação Brasileira de Psiquiatria, a Academia Brasileira de Neurologia e a Academia Brasileira de Pediatria. Você não acha estranho que alguém conheça “uma verdade” que é ignorada por todas as organizações médicas?

Bem, o modo mais simples e rápido de terminar uma discussão sobre “a existência do TDAH” seria pedir que os indivíduos que negam sua existência forneçam artigos científicos que sustentem sua opinião. Mas eles jamais o farão, porque tais artigos.... não existem! O seu discurso sempre será baseado no “achismo” e sempre dará a impressão de que estão lutando por uma causa justa, para “defender” a população de algum mal terrível. Por outro lado, artigos mostrando que existem bases neurobiológicas e genéticas no TDAH somam mais de 10.000 atualmente (isto mesmo, dez mil, você leu corretamente).

Algumas pessoas, talvez, fiquem na dúvida sobre a existência do TDAH porque “todo mundo tem um pouco”. O que ocorre é que todo mundo tem alguns sintomas de TDAH; este diagnóstico é feito pela quantidade de sintomas e não na base do “tudo ou nada”. Exatamente como no diabetes, na hipertensão arterial, no glaucoma, na osteoporose, etc.: o que dá o diagnóstico é a intensidade ou quantidade.

Existem também indivíduos que acreditam que todo e qualquer problema de comportamento (TDAH nem sempre causa problemas de comportamento, ressalte-se) é causado “pela sociedade”. Geralmente estas pessoas estão fortemente envolvidas com grupos políticos que pregam intervenções do governo na sociedade (também chamada de “engenharia social”, muito comum nos regimes ditatoriais comunistas). Tais movimentos remontam à ideia comprovadamente equivocada de que os homens nascem invariavelmente bons e puros e é a sociedade que os corrompe. Estas ideias, que datam do século XVIII, não sobreviveram aos achados da genética e das neurociências, que não existiam naquela época.

Outros, ainda acreditam que todo e qualquer problema psíquico é causado por fatores psicológicos, apesar da farta literatura científica sobre as bases neurobiológicas e genéticas do TDAH. Desnecessário dizer que geralmente tais indivíduos ganham a vida fazendo tratamento psicológico para as doenças; raramente, entretanto, falam sobre o seu próprio conflito de interesses.

Por fim, ainda há aqueles que tomam conhecimento de diagnósticos errados de TDAH, de prescrições equivocadas de medicamentos, de automedicação para fins recreativos ou para aumento do desempenho em provas e passam então a dizer que “o diagnóstico é falho” ou “o tratamento é similar ao uso de uma droga”. Não é difícil enxergar que a existência destes erros em nada comprometem nem o diagnóstico nem o tratamento do TDAH. Pense nos antibióticos: eles são muito prescritos de modo errado. Usam-se antibióticos, por exemplo, para infecções de garganta com muita frequência, um uso sabidamente equivocado (elas são causadas na maioria das vezes por vírus, que não são combatidos com antibióticos). Nem por isso deve-se abolir os antibióticos, que curam e salvam vidas quando usados corretamente. O mesmo exemplo ainda serve para aqueles indivíduos que dizem que “os medicamentos para TDAH são inespecíficos e agem em qualquer pessoa”: de fato, os antibióticos matam as bactérias em qualquer um, mas só curam aqueles que estão com pneumonia.

TDAH não é um mito. Muito daquilo que se fala contrariamente ao seu diagnóstico e tratamento são simplesmente “achismos”, crenças sem fundamento objetivo ou científico; ou seja, são mitos. E mitos, definitivamente, não são algo em que você deva confiar quando se trata de sua saúde ou da saúde de seus filhos.

Paulo Matos
Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Mestre e Doutor em Psiquiatria e Saúde Mental
Pós-doutor em Bioquímica
Presidente do Conselho Científico da ABDA

quarta-feira, 18 de julho de 2012

221- TDAH - Quando você decide que é hora de terminar o casamento?


Quando você decide que é hora de terminar o casamento?
JustwannagiveupCouples With One ADHD Partner30 Comments
Olá, sou nova aqui. Hubby e eu estamos casados há 8 anos, juntos há 10 anos e temos dois filhos, de 4 e de 1 ano. Ele é o esposo com TDAH e eu não. Antes de termos os filhos, ele era definitivamente TDAH, mas não tão ruim como agora. Ele toma seu remédio durante a semana (90 mg de Adderal XR) para ajudá-lo a prestar atenção no trabalho, mas não gosta de tomá-lo nos fins de semana, para dar uma pausa livre de remédios para seu organismo. Mas eu sinto que parece que ele sofre como se fossem os sintomas de abstinência, por causa disso. Ele se torna maníaco, especialmente junto da família. Ele também fica um pouco assim perto dos amigos mas não tanto quanto perto da minha família e da dele. Acho que o que me incomoda tanto agora é que ele está ensinando ao nosso filho que está tudo bem em ficar amolando as pessoas até que elas gritem com você. Entretanto, durante a semanas, quando ele está usando os remédios, ele fica constantemente dizendo ao filho para não amolar sua irmã. Totalmente dois pesos e duas medidas e muito hipócrita. Tentei falar disso com ele na noite passada, sobre como ele se comportou mal no último final de semana, mas ele parecia que não entendia. Não sei como falar com ele porque se eu começo ele parece desligar ou não me dar atenção. Ele tente ser o centro da atenção até o ponto de gritar com as pessoas e interromper as conversas, e se comporta maldosamente comigo quando não está usando a medicação. Sinto como se o Adderal estivesse piorando o TDAH, especialmente quando ele está sem o remédio. Não quero que meus filhos cresçam pensando que seja legal ser um imbecil com as pessoas. E é exatamente isso que ele está ensinando ao nosso filho. Minha pergunta é, como eu posso ajudá-lo a controlar isso? Eu tento e dou a ele artigos para ler, livros etc., e ele não consegue prestar atenção o suficiente para os ler... ele lê o mesmo parágrafo várias vezes e não consegue aprender nada. Então, conversar não adianta, ler não adianta. Eu deveria dizer a ele que gostaria de conversar com seu médico, juntos, para ver se conseguimos descobrir outro modo de tratamento? Quando você decide que já fez tudo o que podia e desiste? Não quero isso, porque ele ainda seria uma influência sobre nossos filhos se eu o deixasse, mas, do jeito que as coisa andam atualmente, eu me sinto totalmente frustrada e o pai deles é um mal exemplo para eles. E eu não tenho nenhum apoio financeiro para cuidar deles. Poderia morar com minha família por algum tempo, e eles me sustentariam por algum período, mas eu não tenho educação universitária e nenhuma experiência de trabalho. Teria de começar do zero. É aterrorizante. Eu gostaria que ele assumisse comigo os compromissos e que lidasse com seu problema, em vez de usá-lo como uma muleta. Ele ficou verdadeiramente insuportável no último final de semana.

terça-feira, 17 de julho de 2012

220- Carta de Esclarecimento à Sociedade sobre o TDAH, seu diagnóstico e tratamento.

Brasília, 13 de Julho de 2012

Recentemente, uma série de matérias sobre o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) tem sido veiculada pela mídia jornalística não especializada. Em boa parte dessas matérias, profissionais apresentados como especialistas em saúde e educação (embora seus currículos informem não terem publicações científicas sobre o assunto) transmitem opiniões pessoais como se fossem informações científicas. Pior, suas opiniões não refletem os conhecimentos atuais sobre o transtorno, que é reconhecido pela Organização Mundial da Saúde e sobre o qual constam centenas de publicações em bancos de dados (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/) descrevendo claramente as graves consequências nas esferas acadêmica, familiar, social e profissional. Tais opiniões equivocadas são nocivas para pacientes, familiares e para a população como um todo.
A afirmação de que o TDAH “não existe”, de que os medicamentos aprovados pela ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o tratamento desse transtorno são “perigosos” e tornam as crianças “obedientes” é, na melhor das hipóteses, expressão pública de ignorância em relação ao tema, investigado cientificamente de modo extenso por pesquisadores de todo o mundo, muitos deles brasileiros. Na pior das hipóteses, configura crime porque veicula informações erradas sobre tema de saúde pública. Incontáveis Associações Médicas ao redor do mundo já se posicionaram não deixando dúvidas sobre a validade do TDAH (vide posicionamento da Associação Médica Americana em Referências no final do texto).
Tais matérias induzem os leitores à falsa conclusão que há dúvidas não apenas quanto à existência do TDAH, como sobre os benefícios do tratamento medicamentoso. Obviamente, tais textos jamais citam qualquer artigo científico, nenhum dado de pesquisa, demonstrando os tais efeitos “perigosos” ou graves. E, numa prova incontestável da natureza parcial e enganosa, em desrespeito aos princípios básicos do jornalismo, deixam de citar centenas de artigos científicos que documentam fartamente os benefícios, a eficácia e a segurança dos medicamentos usados no tratamento do TDAH. Recentemente, um grande estudo publicado no mais importante jornal Inglês de Psiquiatria documentou que o metilfenidato é a medicação mais eficaz em Psiquiatria e uma das mais eficazes em toda a Medicina (vide em Referências no final do texto).
Os sintomas que caracterizam o TDAH não são comportamentos infantis comuns, meras variações da normalidade, que médicos, pais e professores querem “controlar”. Seria o mesmo que dizer que diabete é um mero aumento de açúcar no sangue, uma simples variação do normal observado na população. Noventa e cinco por cento das crianças e adolescentes não tem a intensidade e gravidade de sintomas que os portadores de TDAH, do mesmo modo que 90% dos adultos não têm níveis elevados de açúcar. Diagnósticos são frequentemente estabelecidos pela intensidade e gravidade. A lista é grande: hipertensão arterial, glaucoma, osteoporose, hipertireoidismo, etc. Todos eles, à semelhança do que ocorre no TDAH, cursam com graves consequências para o indivíduo. Proposições do tipo “quem não esquece alguma coisa de vez em quando?” ou “quem não responde impulsivamente de vez em quando?” são, além de superficiais, irrelevantes: todos os sintomas do TDAH ocorrem em frequência e intensidade não observada em indivíduos normais.
O diagnóstico do TDAH é realizado através de entrevista clínica e há extensa literatura científica sobre a fidedignidade deste procedimento. A sugestão de que a ausência de exames complementares tornaria o diagnóstico “frágil” novamente reflete inacreditável desconhecimento de saúde mental: também não há exames para os diagnósticos de Depressão, Autismo, Transtorno do Pânico, Esquizofrenia, Transtorno Obsessivo-Compulsivo, Transtorno Bipolar, etc.
A comunidade científica Brasileira, aqui representada por mais de 20 associações e grupos de pesquisa, reitera que o TDAH pode ser diagnosticado de modo fidedigno e seu tratamento, se bem conduzido, tem grandes chances de diminuir os prejuízos que esses indivíduos apresentam ao longo da vida. Embora tratamentos não farmacológicos possam auxiliar bastante no manejo terapêutico do TDAH, todos os artigos científicos disponíveis indicam que o tratamento farmacológico é a primeira escolha para a maioria dos portadores.
Fornecer informações equivocadas e ocultar dados científicos bem documentados é dificultar ou retardar o acesso da população ao diagnóstico ou a tratamento, é a expressão de uma das mais perversas formas de discriminação social: a Psicofobia.

Referências

1. Diagnosis and Treatment of Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder in Children and Adolescents. Larry S. Goldman, MD; Myron Genel, MD; Rebecca J. Bezman, MD; Priscilla J. Slanetz, MD, MPH; for the Council on Scientific Affairs, American Medical Association - JAMA. 1998;279(14):1100-1107

2. Putting the efficacy and general medicine medication into perspective: review of meta- analysis. Stefan Leucht, Sandra Hierl, Werner Kissling, Markus Dold and John M. Davis. British Journal of Psychiatry, 2012, 200:97-106

Entidades signatárias
1 - Associação Brasileira de Psiquiatria
2 - Associação Brasileira do Déficit de Atenção
3 – Sociedade Brasileira de Pediatria
4 – Sociedade Brasileira de Neurologia Infantil
5 – Associação Brasileira de Neurologia, Psiquiatria Infantil e profissões afins
6 – Academia Brasileira de Neurologia
7 – Sociedade Brasileira de Neuropsicologia
8 – Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul
9 – Sociedade Interdisciplinar de Neurociência Aplicada à Saúde e Educação
10 – Associação Brasileira de Dislexia
11 – Ambulatório dos Estudos de Aprendizagem do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Neurologia e Pediatria)
12 – DISAPRE – Laboratório de Pesquisa em Distúrbios da Aprendizagem e da Atenção – Faculdade de Ciências Médicas - Universidade de Campinas
13 – Laboratório de Investigações Neuropsicológicas – Universidade Federal de Minas Gerais
14 – Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento – Universidade Federal de Minas Gerais
15 - Unidade de Psiquiatria da Infância e Adolescência (UPIA) da Universidade Federal do Estado de São Paulo (UNIFESP-EPM)
16 – Centro de Referência para Criança com TDAH Instituto de Pediatria e Puericultura Martagão Gesteira – Universidade Federal do Rio de Janeiro
17 – Ambulatório de Neuropsicologia Pediátrica do Serviço de Neurologia do Complexo Hospitalar Professor Edgar Santos da Universidade Federal da Bahia
18 – Ambulatório de Distúrbio de Aprendizagem da Santa Casa da Misericórdia de São Paulo
19 – GEDA - Grupo de Estudos e Pesquisa do Déficit de Atenção da Universidade Federal do Rio de Janeiro
20 – NANI – Núcleo de Atendimento Neuropsicólogo Infantil – Universidade Federal do Estado de São Paulo
21 - Comunidade Aprender Criança – Instituto Glia
22 – Núcleo de Investigações da Impulsividade e da Atenção da Universidade Federal de Minas Gerais
23 – Centro de Orientação Escolar - Hospital da Criança Santo Antonio da Santa Casa de Porto Alegre
24 – Laboratório de Clínica Cognitiva do Instituto de Psicologia da Universidade Federal da Bahia
25 - Programa de Déficit de Atenção/ Hiperatividade do Hospital de Clinicas de Porto Alegre da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
26 – Serviço de Psiquiatria Infantil da Santa Casa do Rio de Janeiro
27 - Grupo de Pesquisa em Neurodesenvolvimento, escolaridade e aprendizagem – CNPq
28 - Ambulatório de Déficit de Atenção (AMBDA) da Universidade Federal de Minas Gerais
29 – Instituto ABCD

sexta-feira, 6 de julho de 2012

219- Tenha coragem de perdoar seu esposo com TDA



Ter um companheiro com TDA não é fácil, mas perdoar - e planejar para prevenir os problemas - é um passo na direção certa. O especialista Dr. Ned Hallowell oferece conselhos de relacionamento.

Se você está casado com alguém com o déficit de atenção (TDA/TDAH), você provavelmente se terá perguntado quantas vezes terá de perdoá-lo. TDA não é fácil - para os que o têm ou para os que vivem com quem tem! Por isso que todos os casamentos TDAH podem se beneficiar de algum aconselhamento sobre o relacionamento.

Nós, que temos TDA (eu, inclusive), geralmente não aprendemos com nossos erros. Nós os repetimos seguidamente. Se a pergunta for "Quantas vezes tenho de lhe dizer?", a resposta pode ser "Centenas, no mínimo!" Isso significa que merecemos um salvo-conduto? É claro que não. O TDAH não é uma desculpa para a irresponsabilidade. É uma explicação para o comportamento, e um sinal de que a pessoa precisa aprender a assumir responsabilidades de maneira mais efetiva.

Mesmo os tratamentos mais perfeitos para o TDAH não produzem resultados perfeitos. Peça ao seu esposo TDAH para levar o lixo para fora. Ele concorda e passa pelo cesto de lixo distraído com uma nova idéia que o invadiu.

Você pede ao seu esposo que ele a elogie de vez em quando, porque acha difícil lembrá-lo de que você necessita da atenção dele. Sem jeito e envergonhado ele se desculpa e decide prestar mais e melhor atenção em você. Você sabe que ele realmente sente o que diz. Mas, ele cumpre o prometido? Não. Você pede ao seu esposo TDA para que pare de fazer compras por impulso no cartão de crédito. Novamente, algo constrangido, ele concorda. Ele não quer aumentar a dívida mais do que você. Mas, no dia seguinte, ele vê uma coisa à qual não resiste e, bingo!, um novo item foi acrescentado à conta.

O que você pode fazer? Esquecer? Divorciar-se dele? Bater na cabeça dele com um porrete?

Acabo de escrever um livro chamado "Dare to Forgive" (Tenha coragem de perdoar). Uma das afirmações que faço no livro é que o perdão não é licença para repetir o mesmo erro em seguida. Então, se você perdoa seu esposo - e eu espero que sim - você também deve estabelecer um plano para que o mesmo problema não apareça repetidamente. Se o plano não funcionar, reveja-o e tente novamente. Revisar planos é tudo o que é a vida.

Entenda que esses problemas não indicam uma desconsideração consciente de você ou da responsabilidade, mas  realmente uma desconsideração involuntária, intermitente, sobre todas as coisas. Essa é a natureza diabólica do TDAH. Tenha isso em mente (e as boas qualidades dele) quando você tiver vontade de estrangulá-lo. Enquanto ele quiser continuar a viver com você - e pode ser como um profissional, também - pode ser feito algum progresso. Vitória total? Cura completa? Não. Mas, progresso.

Conforme você notar que ele se esforça para ter um melhor comportamento, tenha compaixão. Construa o pensamento positivo e o faça crescer. Mantenha seu senso de humor. Fique em contato com outras pessoas que podem ajudar. E lembre-se de que sob a casca do TDA bate um coração e há uma mente cheia de calor, criatividade, jovialidade, e imprevisibilidade. Quase sempre há algo de bom que supera o ruim.

Até mesmo o suficiente para tornar um casamento feliz e uma vida agradável.

Este artigo foi publicado no número de abril/maio de 2004 de ADDitude

segunda-feira, 2 de julho de 2012

218- A Impulsividade do TDAH: Ajude as crianças a pensar antes de dizer ou fazer algo de que se arrependerão.



Pais de crianças com TDA/TDAH oferecem sugestões para ajudar seu filho a evitar e a controlar a fala e as atitudes impulsivas. Pelos Editores de ADDitude.

ADDitude perguntou: Como você controla a impulsividade do seu filho com TDAH para que ele não diga ou faça algo de que se arrependerá?
É um grande desafio, mas muitos de vocês tentarão conseguir isso com suas próprias estratégias inovadoras.

“Eu o encaro, olho nos olhos dele, ponho minhas mãos em seus ombros e converso com ele sobre as consequências de suas ações”. – Adrienne, Flórida

“Digo ao meu filho para que fique quieto por dois minutos e que respire fundo comigo. Esta pausa permite que ele reavalie a situação. Isto geralmente o acalma e permite que ele adote uma atitude diferente”. – Helen, Arizona

“Tenho uma conversa franca com meus filhos e explico que toda ação tem consequências, e que eles podem escolher as ações que levam a consequências positivas”. – Christine, Massachusetts

“Pedimos ao nosso filho que tente ouvir, em sua mente, o que ele quer falar alto. Se ele ficar inseguro sobre o que deveria dizer, ele não deve dizer. Também dizemos a ele que, se não for algo que ele diria ou faria na frente de Deus ou de sua avó, ele não deve dizer ou fazer”. – Karen, Wisconsin

“Eu ergo minha mão, como se fosse um sinal de pare. É um aviso para parar e pensar – para nós dois”. – Brenda, California

“Eu digo, ´Parem, parem já, olhem para mim e escutem. Falo deliberadamente, usando os seus nomes completos. Então, eles sabem que é importante”. – Cassie, Connecticut

“Meus filhos sabem que, quando eu assumo certa postura, é melhor que eles parem e reavaliem o que estão fazendo ou dizendo. Tenho de me lembrar de fazer isso a cada dia”. – Brandi, California

“Não controlo. Quem tem TDA/TDAH aprende com a dor que suas palavras ou ações provocam. Só demora mais tempo para que eles aprendam”. – Frank, California

“Geralmente digo ´Não faça isso!´ Mas se fizer, então ele perde um ou dois privilégios”. – Jodi, Texas

“Tento prever quais as situações que ela pode enfrentar e a previno. Se não for assim, geralmente não dá tempo de evitar”. – Cecilia, Minnesota

“Uso empatia. Digo ´Lembre como você se sentiu quando...´”. – Dee, Maine

“Cada vez que ele grita ou fica bravo comigo, eu lembro a ele, no auge da situação, que em uma ou duas horas ele vai se sentir mal por causa do que disse ou fez. Estou fazendo assim já há algum tempo e parece que está começando a funcionar”. – Tammy, British Columbia, Canada

“Às vezes, pergunto a ele ´Vale a pena?´ e isto faz a mágica”. – C., Kansas

“Se eu soubesse a resposta, eu a engarrafava e vendia – e faria uma fortuna!” – Debbie, New York

Este artigo apareceu no número de verão de 2011 de ADDitude.