"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

sábado, 4 de agosto de 2012

227- Não livre Arbítrio


A escolha, como autocontrole, exerce poder de veto sobre os impulsos.

Por Michael Shermer (Scientific American, August 2012, Skeptic pg. 73)
Recentemente, em um restaurante, enfrentei muitas tentações: uma forte cerveja escura, um petisco de escargot amanteigado, um bife marmorizado e uma torta de queijo. As redes neurais do meu cérebro, que evoluíram para produzir a emoção da fome de alimentos doces e gordurosos, que no meio ambiente dos nossos ancestrais eram raros e energéticos, estavam disparando impulsos elétricos para que eu fizesse aquelas escolhas. Competindo com elas, havia sinais de outras redes neurais que evoluíram para me tornar cuidadoso a respeito de minha saúde futura, em particular como eu vejo a imagem do meu corpo por uma questão de status entre os homens e de atração em relação às mulheres, e em quanto eu me sentiria lerdo depois de uma refeição rica, e, também, em quanto teria de me exercitar para queimá-la. Acabei pedindo uma cerveja light, salmão e uma salada com vinagrete, e dividi ao meio, com minha companhia, uma torta leve de chocolate.
Estava eu livre para fazer essas escolhas? Segundo o neurocientista Sam Harris no seu novo livro Free Will (Livre Arbítrio) (Free Press, 2012), eu não estava. “Livre Arbítrio é uma ilusão”, escreve Harris. “Nossas escolhas simplesmente não são feitas por nós”. Cada etapa da cadeia de eventos acima é totalmente determinada por forças e condições que não são de minha escolha, desde as minhas preferências evoluídas do paladar até minhas preocupações aprendidas sobre status social, as vias causais  foram estabelecidas por meus ancestrais e por meus pais, pela cultura e sociedade, grupos de colegas e amigos, mentores e professores, e a contingência histórica, indo até meu nascimento, e antes.

A neurociência apoia esta crença. O recém-falecido fisiologista Benjamim Libet observou, em registros de EEG (eletroencefalograma) de indivíduos engajados em tarefas que requeriam que apertassem um botão cada vez que sentissem vontade, que meio segundo antes que a decisão fosse conscientemente feita o córtex motor se tornava ativo. As pesquisas estenderam o tempo entre a ativação subcortical do cérebro e a consciência da decisão para um total de sete a dez segundos. Uma nova pesquisa encontrou atividade em uma pequena aglomeração de 256 neurônios que permitia aos cientistas prever com 80% de acerto qual seria a escolha do indivíduo antes que ele mesmo soubesse. Muito parecido com isso, logo antes que eu ficasse consciente da minha escolha do cardápio, parte do meu cérebro já havia feito a escolha. “Pensamentos e intenções emergem de causas que estão em segundo plano, ou das quais não temos consciência e sobre as quais não temos nenhum controle consciente”, conclui Harris. “Não temos a liberdade que pensamos ter”.
Muito verdadeiro. Mas, se definimos livre arbítrio como “o poder de fazer de outro jeito”, a escolha de vetar um impulso em relação a outro é “não livre arbítrio”. O não livre arbítrio é o poder de veto sobre inúmeros impulsos neurais que nos induzem a fazer algo de alguma maneira, de modo que a nossa decisão de fazer de outra maneira seja uma escolha real. Eu poderia ter escolhido o bife – e escolhi – mas me engajando em certas técnicas de autocontrole que me lembravam de outros impulsos competitivos, escolhi uma seleção em lugar da outra.

O apoio para esta hipótese pode ser encontrado em um estudo de 2007 no Journal of Neuroscience, feito pelos neurocientistas Marcel Brass e Patrick Haggard, que empregaram  uma tarefa semelhante à usada por Libet, mas na qual os indivíduos podiam vetar sua decisão inicial de apertar o botão até o último momento. Os cientistas descobriram uma área específica do cérebro chamada córtex frontomedial dorsal esquerda que se tornava ativada durante esta inibição intencional de uma ação: “Nossos resultados sugerem que a rede neural do cérebro humano para a ação intencional inclui uma estrutura de controle para a inibição auto-induzida ou para a suspensão de ações intencionais”. Isto é não livre arbítrio.
Além disso, um sistema tem “graus de liberdade”, ou uma faixa de opções que podem resultar de sua complexidade e do número de variáveis que intervêm. Formigas têm poucos graus, ratos têm mais, chimpanzés muito mais ainda, humanos o mais que todos. Algumas pessoas – psicopatas, portadores de lesão cerebral, os gravemente deprimidos ou os dependentes químicos – têm menos graus do que outros, e a lei se ajusta para a sua diminuída capacidade de responsabilidade legal e moral.

Esses impulsos neurais que vetam, em um complexo sistema com muitos graus de liberdade, são parte do universo determinístico. Pensar a vontade como um componente da rede causal permite-nos recolocar a responsabilidade em seu lugar correto na sociedade civil.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

226- Desenvolvimento do Cérebro na Infância: Aprendizado e Comportamento


Professora Dra. Maria Valeriana Moura-Ribeiro

O desenvolvimento físico geral na criança tem efeito importante para as competências e habilidades na vida adulta. Evidências crescentes de investimentos no período inicial da vida da criança, nas gestantes envolvendo o concepto, repercutem na cognição, aprendizado e comportamento.

A melhoria das condições nutricionais, do controle de infecções, da redução numérica de integrantes da família, condicionou redução da mortalidade; melhorou a expectativa de vida; aumentou a estatura média da população, com benefícios visíveis no adulto.
Que fatores relacionados à vida inicial, beneficiariam a saúde mental e física das crianças no transcorrer da primeira infância?
Na formação normal do sistema nervoso e, em particular do neocórtex humano, está bem caracterizada a multiplicação neuronal (neuronogênese), migração (radial, horizontal), amadurecimento neural glial, dos vasos sanguíneos, mielinização, organização de redes neurais com progressivo aumento da conectividade nas idades chaves de crianças.
As vivências envolvendo fenômenos adversos em idade precoce (intra útero e nos primeiros anos de vida) podem interferir no constructo biológico estrutural e funcional, modificando constituintes neuroquímicos.
Conhecendo a multiplicidade de áreas inter-relacionadas, com funcionalidade dinâmica bioquímica (neurotransmissores, aminoácidos, micro elementos) é possível compreender o impacto de experiências com agentes agressores em qualquer das etapas (embrionária, fetal e neonatal).

As pesquisas realizados em animais e seres humanos, têm oferecido evidencias substanciais dos efeitos da nutrição, das experiências nos primeiros anos de vida, sobre o desenvolvimento cerebral, com repercussão nas habilidades de enfrentamentos, comportamento e, na saúde geral, nos estágios evolutivos sequenciais da vida.

O desenvolvimento cerebral normal e as experiências no transcorrer da primeira infância, têm sido melhor compreendidas com estudos da psiconeuroendocrinologia e psiconeuroimunologia. Estímulos sensoriais externos ou internos ao cérebro, através do sistema glandular, hipotálamo-pituitário-adrenal (HPA), podem determinar produção ampliada de corticosteróides e comprometimento expressivo do sistema nervoso autônomo.
Os níveis e a duração desses esteróides no sangue afetam sistemas e órgãos, incluindo o cérebro, que por sua vez, por retro alimentação, regula a liberação de esteróides.
Nesse processo, existe comprometimento de circuitos neurais envolvendo hipocampo e sistema límbico, e dessa forma, influenciando o comportamento, a função cognitiva com envolvimento dos mecanismos de memória. O hipocampo constitui estrutura participante ativa, não somente do sistema límbico-hipotalâmico-pituitária-adrenal-cortical, como também do córtex pré-frontal. Os níveis elevados, crônicos de esteróides, podem causar perdas de neurônios no hipocampo, com repercussão na memória e comportamento.

Vários estudos realizados em animais, e observações em seres humanos, têm conclusivamente revelado que as conexões e o amadurecimento cerebral, se mantêm com dinamicidade expressiva durante os primeiros anos de vida.
No entanto, esta situação pode ser substancialmente afetada pela redução de estímulos recebidos no transcorre do neurodesenvolvimento, com projeção na qualidade do aprendizado acadêmico.
Todavia, esses efeitos não são radicais, podendo ocorrer reversão funcional dinâmica frente aos estímulos direcionados à reabilitação nos períodos sensíveis, em função da organização de novas interconexões neuronais. Essas constatações têm sido validadas em experimentos envolvendo circuitos sensoriais, visuais, auditivos, entre outros.

Os recentes estudos através de imagens no cérebro humano (ressonância magnética funcional, tratografia e tomografia por emissão de pósitron), têm revelado que o desenvolvimento cerebral é muito ativo nos primeiros anos de vida, com declínio dessa atividade na segunda década, registrando valores funcionais semelhantes aos evidenciados nos adultos.
Concomitantemente, é necessário reconhecer a influência, sobre a primeira infância, da interação de genes, ambiente e efeitos imunológicos. Nessa abordagem, estudos em macacos Rhesus, sob condição de estresse, caracterizou o desenvolvimento de ansiedade e depressão, particularmente quando separado da mãe. Nessa situação, foram identificados elevados níveis de esteróides, baixo níveis de serotonina no cérebro, com comprometimento do ritmo circadiano.

Concluindo, o desenvolvimento inicial no ser humano, depende das experiências precoces, recebendo influência da nutrição e dos estímulos proporcionados pelos pais e ambiente.
REFERÊNCIAS
Chugani HT, Phelps ME, Mazziotta JC, 1987. Positron Emission Tomography Study of Human Brain Functional Development. Annals of Neurology 22(4):487-97.
Moura-Ribeiro MVL, 2012. Primeiras Experiências e Consequência no Neurodesenvolvimento de Crian-ças. In:Riechi e Moura-Ribeiro: Desenvolvimento de Crianças Nascidas Pré-Termo / Interface Biopsicos-social. Ed. Revinter.