"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

segunda-feira, 2 de julho de 2012

218- A Impulsividade do TDAH: Ajude as crianças a pensar antes de dizer ou fazer algo de que se arrependerão.



Pais de crianças com TDA/TDAH oferecem sugestões para ajudar seu filho a evitar e a controlar a fala e as atitudes impulsivas. Pelos Editores de ADDitude.

ADDitude perguntou: Como você controla a impulsividade do seu filho com TDAH para que ele não diga ou faça algo de que se arrependerá?
É um grande desafio, mas muitos de vocês tentarão conseguir isso com suas próprias estratégias inovadoras.

“Eu o encaro, olho nos olhos dele, ponho minhas mãos em seus ombros e converso com ele sobre as consequências de suas ações”. – Adrienne, Flórida

“Digo ao meu filho para que fique quieto por dois minutos e que respire fundo comigo. Esta pausa permite que ele reavalie a situação. Isto geralmente o acalma e permite que ele adote uma atitude diferente”. – Helen, Arizona

“Tenho uma conversa franca com meus filhos e explico que toda ação tem consequências, e que eles podem escolher as ações que levam a consequências positivas”. – Christine, Massachusetts

“Pedimos ao nosso filho que tente ouvir, em sua mente, o que ele quer falar alto. Se ele ficar inseguro sobre o que deveria dizer, ele não deve dizer. Também dizemos a ele que, se não for algo que ele diria ou faria na frente de Deus ou de sua avó, ele não deve dizer ou fazer”. – Karen, Wisconsin

“Eu ergo minha mão, como se fosse um sinal de pare. É um aviso para parar e pensar – para nós dois”. – Brenda, California

“Eu digo, ´Parem, parem já, olhem para mim e escutem. Falo deliberadamente, usando os seus nomes completos. Então, eles sabem que é importante”. – Cassie, Connecticut

“Meus filhos sabem que, quando eu assumo certa postura, é melhor que eles parem e reavaliem o que estão fazendo ou dizendo. Tenho de me lembrar de fazer isso a cada dia”. – Brandi, California

“Não controlo. Quem tem TDA/TDAH aprende com a dor que suas palavras ou ações provocam. Só demora mais tempo para que eles aprendam”. – Frank, California

“Geralmente digo ´Não faça isso!´ Mas se fizer, então ele perde um ou dois privilégios”. – Jodi, Texas

“Tento prever quais as situações que ela pode enfrentar e a previno. Se não for assim, geralmente não dá tempo de evitar”. – Cecilia, Minnesota

“Uso empatia. Digo ´Lembre como você se sentiu quando...´”. – Dee, Maine

“Cada vez que ele grita ou fica bravo comigo, eu lembro a ele, no auge da situação, que em uma ou duas horas ele vai se sentir mal por causa do que disse ou fez. Estou fazendo assim já há algum tempo e parece que está começando a funcionar”. – Tammy, British Columbia, Canada

“Às vezes, pergunto a ele ´Vale a pena?´ e isto faz a mágica”. – C., Kansas

“Se eu soubesse a resposta, eu a engarrafava e vendia – e faria uma fortuna!” – Debbie, New York

Este artigo apareceu no número de verão de 2011 de ADDitude.