"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

sexta-feira, 6 de julho de 2012

219- Tenha coragem de perdoar seu esposo com TDA



Ter um companheiro com TDA não é fácil, mas perdoar - e planejar para prevenir os problemas - é um passo na direção certa. O especialista Dr. Ned Hallowell oferece conselhos de relacionamento.

Se você está casado com alguém com o déficit de atenção (TDA/TDAH), você provavelmente se terá perguntado quantas vezes terá de perdoá-lo. TDA não é fácil - para os que o têm ou para os que vivem com quem tem! Por isso que todos os casamentos TDAH podem se beneficiar de algum aconselhamento sobre o relacionamento.

Nós, que temos TDA (eu, inclusive), geralmente não aprendemos com nossos erros. Nós os repetimos seguidamente. Se a pergunta for "Quantas vezes tenho de lhe dizer?", a resposta pode ser "Centenas, no mínimo!" Isso significa que merecemos um salvo-conduto? É claro que não. O TDAH não é uma desculpa para a irresponsabilidade. É uma explicação para o comportamento, e um sinal de que a pessoa precisa aprender a assumir responsabilidades de maneira mais efetiva.

Mesmo os tratamentos mais perfeitos para o TDAH não produzem resultados perfeitos. Peça ao seu esposo TDAH para levar o lixo para fora. Ele concorda e passa pelo cesto de lixo distraído com uma nova idéia que o invadiu.

Você pede ao seu esposo que ele a elogie de vez em quando, porque acha difícil lembrá-lo de que você necessita da atenção dele. Sem jeito e envergonhado ele se desculpa e decide prestar mais e melhor atenção em você. Você sabe que ele realmente sente o que diz. Mas, ele cumpre o prometido? Não. Você pede ao seu esposo TDA para que pare de fazer compras por impulso no cartão de crédito. Novamente, algo constrangido, ele concorda. Ele não quer aumentar a dívida mais do que você. Mas, no dia seguinte, ele vê uma coisa à qual não resiste e, bingo!, um novo item foi acrescentado à conta.

O que você pode fazer? Esquecer? Divorciar-se dele? Bater na cabeça dele com um porrete?

Acabo de escrever um livro chamado "Dare to Forgive" (Tenha coragem de perdoar). Uma das afirmações que faço no livro é que o perdão não é licença para repetir o mesmo erro em seguida. Então, se você perdoa seu esposo - e eu espero que sim - você também deve estabelecer um plano para que o mesmo problema não apareça repetidamente. Se o plano não funcionar, reveja-o e tente novamente. Revisar planos é tudo o que é a vida.

Entenda que esses problemas não indicam uma desconsideração consciente de você ou da responsabilidade, mas  realmente uma desconsideração involuntária, intermitente, sobre todas as coisas. Essa é a natureza diabólica do TDAH. Tenha isso em mente (e as boas qualidades dele) quando você tiver vontade de estrangulá-lo. Enquanto ele quiser continuar a viver com você - e pode ser como um profissional, também - pode ser feito algum progresso. Vitória total? Cura completa? Não. Mas, progresso.

Conforme você notar que ele se esforça para ter um melhor comportamento, tenha compaixão. Construa o pensamento positivo e o faça crescer. Mantenha seu senso de humor. Fique em contato com outras pessoas que podem ajudar. E lembre-se de que sob a casca do TDA bate um coração e há uma mente cheia de calor, criatividade, jovialidade, e imprevisibilidade. Quase sempre há algo de bom que supera o ruim.

Até mesmo o suficiente para tornar um casamento feliz e uma vida agradável.

Este artigo foi publicado no número de abril/maio de 2004 de ADDitude