"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

229- Características de amizade das crianças com TDAH



Um achado consistente nos estudos que identificam crianças em risco de resultados negativos do desenvolvimento é que as dificuldades de relacionamento com os colegas permitem prever vários problemas consequentes.

Infelizmente, muitas crianças com TDAH têm dificuldade em seus relacionamentos com colegas e em estabelecer e manter amizades de alta qualidade e apoiadoras. Isto é problemático porque boas amizades ajudam em várias funções importantes para as crianças, incluindo a existência de companheirismo, o surgimento de sentimentos de valor pessoal, contribuindo para a segurança emocional, criando um contexto de autoestima, oferecendo direção e apoio, e servindo como um aliado confiável. Crianças cujos desenvolvimentos ocorrem na ausência de amizades apoiadoras não têm esses apoios importantes e podem experimentar, como resultado, um grande número de dificuldades de ajustamento.

Apesar da importância documentada de amizades saudáveis para o desenvolvimento positivo das crianças, e das dificuldades dos relacionamentos com colegas sentidas por muitas crianças com TDAH, questões importantes sobre as características de amizade em crianças com TDAH permanecem não respondidas. Assim, foi com prazer que li um estudo recentemente publicado no “Journal of Attention Disorders” [Marton et al., (2012). Características de amizade de crianças com TDAH. Journal of Attention Disorders. DOI: 10.1177/1087054712458971] que fornece informação nova sobre esse importante assunto.

Os participantes foram 92 crianças de 9 a 12 anos, 50 com TDAH e 42 para comparação, seus pais e seus professores. Sessenta e seis (66) dos participantes eram meninos e vinte e seis (26) eram meninas; a porcentagem de meninos e de meninas era semelhante entre o grupo TDAH e o grupo de comparação.

As crianças foram entrevistadas individualmente e solicitadas a identificar todos os seus “melhores amigos” na escola e fora dela, a indicar por quanto tempo mantinham amizade com cada criança identificada, com que frequência falavam com cada uma delas e com que frequência ficavam com cada uma fora da escola. Os pais e os professores foram submetidos a uma série de perguntas paralelas; isso permitiu que os pesquisadores verificassem se os “melhores amigos” identificados pelos participantes eram confirmados por outra fonte. Os pais e professores também foram questionados sobre a presença de dificuldades de aprendizagem e problemas de comportamento nos amigos identificados por seus filhos e se essas características poderiam ser comparadas entre as crianças com e sem o TDAH.

Resultados                 

Os achados mais importantes deste estudo são apresentados a seguir.

- O número de “melhores amigos” reportados pelas crianças com e sem TDAH não eram diferentes.

- O número de “melhores amigos” que eram corroborados pelos pais ou professores era menor para crianças com TDAH do que para as crianças do grupo de comparação. Em média, crianças com TDAH tinham 3 amigos confirmados, comparados a 4 amigos para as crianças do grupo de comparação.

- Entre os meninos, os que tinham TDAH tinham porcentagem substancialmente mais alta de amigos com problemas de comportamento e de aprendizagem em relação às crianças do grupo de controle (43% versus 16%). Nenhuma diferença foi encontrada entre as meninas.

- A duração média da amizade dos amigos confirmados era significativamente mais curta para as crianças com TDAH do que para as crianças do grupo controle – cerca de 10 meses a menos, com base nos relatos das crianças, e de 14 meses a menos, com base nos relatos dos pais.

- Embora a quantidade de contato telefônico com os melhores amigos fosse semelhante em ambos os grupos, as crianças com TDAH tinham significativamente menos contato direto com amigos fora da escola. Isto foi encontrado tanto no relato das crianças quanto no relato dos pais.

Resumo e implicações

Embora as crianças com TDAH não relatassem menos amigos que as outras crianças, elas podem ter superestimado seus amigos com base no fato de que seus pais e professores confirmaram menor número de amizades. Entretanto, mesmo assim, é positivo notar que elas tinham só um pouco menos de amigos em média do que as outras crianças, e que quase todas tinham amigos confirmados. De fato, nesta amostra, somente 3 das 50 crianças com TDAH não tinham nenhuma amizade.

Outros aspectos destes dados também eram notáveis. Em primeiro lugar, entre os meninos, uma porcentagem significativamente maior de amigos de crianças com TDAH tinha problemas de aprendizagem e de comportamento, de acordo com os pais e os professores. Isto não é necessariamente negativo, mas indica que meninos com TDAH são mais propensos a ter amigos que estejam de algum modo com dificuldades. Ter amigos com problemas significativos de comportamento pode promover ou exacerbar comportamentos negativos entre os meninos com TDAH e as crianças pode reforçar mutuamente essas tendências um no outro.

Também é importante que as amizades entre crianças com TDAH fossem de duração mais curta do que para as outras crianças em cerca de um ano. Para crianças dessa faixa de idade, isto é substancial e pode refletir maior renovação de amizades nas crianças com TDAH. É importante porque “... um ano a mais de amizades pode contribuir para maior cordialidade, proximidade, companheirismo, e melhor ajustamento escolar entre os amigos.” Este seria um assunto importante a ser examinado mais cuidadosamente em pesquisas subsequentes. Também seria interessante verificar se essa tendência em direção a amizades mais curtas em crianças com TDAH também é encontrada entre os adolescentes.

Também foi encontrado que as crianças com TDAH têm menos contato com seus amigos fora da escola. Isto pode ocorrer por uma variedade de razões. Por causa do seu humor desafiador, as crianças com TDAH podem requerer maior supervisão e assim serem menos propensas a serem convidadas às casas dos amigos. Os pais podem estar mais preocupados com o comportamento de seus filhos quando não podem monitorá-los, e, assim, serem mais relutantes em permitir os encontros fora de casa.

Não importando a razão deste achado, níveis menores de contato direto sugere que as amizades entre crianças com TDAH podem fornecer menor companheirismo e menos oportunidades de desenvolvera espécie de aproximação entre amigos que encoraja autoafirmação e a criação de apoio emocional. Este é outro assunto a ser verificado mais cuidadosamente em pesquisa subsequente.

É importante notar que os achados discutidos acima refletem as diferenças encontradas em média entre crianças com e sem TDAH e as conclusões não se aplicam a todas as crianças com TDAH, muitas das quais podem atuar muito bem em seus relacionamentos sociais. Com em todos os estudos, seria importante replicar esses achados em nova amostra, para estabelecer melhor a confiabilidade desses resultados.

Quando crianças com TDAH estão tendo dificuldades em seus relacionamentos com os colegas, é importante saber se há alguma abordagem promissora para ajuda-las. Uma abordagem particularmente interessante envolve ter pais que assumam o papel de tutores de amizade para seus filhos, o que se baseia na noção de que os pais podem desempenhar um papel importante na criação de oportunidades sociais para seus filhos, organizando dias de encontros para eles e treinando seus filhos para que o encontro de brincadeiras corra bem.

Eu revisei um estudo com esta abordagem em um número anterior de Attention Research Update e o aconselho a vê-lo. Você pode encontrar o artigo em www.helpforadd.com/2010/november.htm

David Rabiner, Ph.D.
Research Professor
Dept. of Psychology & Neuroscience
Duke University
Durham, NC 27708