"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

sábado, 29 de dezembro de 2012

252- “Ele não admite que tenha TDAH”


 
Meu marido não quer procurar aconselhamento ou tomar remédios para seu déficit de atenção, mesmo tendo dois de nossos filhos diagnosticados com o transtorno. Seus esquecimentos, sua procrastinação e a incapacidade de cumprir as promessas para nossas crianças irritam a todos nós. Socorro! – Por Melissa Orlov.

Muitos adultos que vivem com TDAH não diagnosticado não entendem o impacto que seus sintomas causam em quem está à sua volta. O melhor jeito de lidar com isso é iniciar uma campanha gentil e paciente, mas firme, para ajudá-lo a entender como suas ações – ou falta de ação, em alguns casos – afetam você e sua família. É importante que você aborde o assunto de um jeito sem críticas e sem julgamentos. Se não for assim, você o tornará defensivo e não disposto a levar a sério sua preocupação.
Fale cuidadosamente com seu marido. Aborde o assunto dizendo: “Fiquei triste por nos atrasarmos para a festa de aniversário da minha irmã”, em vez de “Fiquei com raiva porque você nos fez chegar atrasados na festa de aniversário da minha irmã”. Diga, “Eu te amo, mas sinto que não estou tendo a atenção que preciso de você para me sentir feliz”, em vez de “Você nunca presta atenção em mim!”.

Como seus filhos foram diagnosticados com TDAH, pode ser mais fácil o seu marido pensar no assunto, já que isso está ligado a ele. Muitos adultos, depois de ler livros para aprender como ajudar seus filhos, veem seus sintomas com mais clareza e pensam a respeito dos seus problemas com uma nova perspectiva. Não cometa o erro de assumir sozinha a responsabilidade de cuidar dos desafios do TDAH dos seus filhos. Você perderá uma oportunidade de discutir as coisas com ele.