"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

domingo, 23 de junho de 2013

285- Salvando Meus Filhos da Escola


 
As crianças deveriam descobrir, não ignorar, seus talentos em classe, diz esse pai – mas, o nosso modelo educacional permite isso? Por David Bernstein

Quando eu estava na quarta série, nos meados dos anos setentas, minha professora avisou a classe de que eu seria um artista. A verdade era que ela achava que eu não tinha nenhum talento acadêmico que pudesse elogiar. Eu era “um menino TDAH” que não conseguia obedecer as ordens, descobrir em que página do livro nós estávamos ou entregar minha tarefa no prazo certo. Com um conhecimento do cérebro muito limitado, minha professora simultaneamente superestimava meu talento artístico e subestimava meus dotes intelectuais.

A escola, especialmente a escola elementar, não era para meninos como eu. E, 25 anos mais tarde, mesmo as melhores escolas mudaram somente um pouco. Igual a muitos outros que se desviaram da norma, eu aprendi mais explorando minhas paixões do que através da escola estruturada. Com a ajuda de inúmeros mentores, aprendi a escrever artigos rebatendo editoriais, dirigir equipes, discursar e advogar. Cuidei das ideias, não principalmente por causa da escola, mas apesar dela. A região de Washington, viva com o discurso político, era o local perfeito para exercer minhas paixões, e eu me mudei para lá quando tinha vinte anos, para assumir um emprego em escritório de advocacia.
Nossas Escolas Funcionam Realmente?

Agora, tenho dois filhos, nenhum dos quais tem um estilo comum de aprendizado. Meu adolescente vai a uma escola que é considerada uma excelente escola particular da região, com professores maravilhosos e dedicados. Mas, como qualquer outra instituição educacional nos Estados Unidos, é baseada em modelo ultrapassado.

Comecei a questionar o modelo corrente de educação quando o diretor da escola do meu filho mostrou um videoclipe de cerimônia de graduação em que Ken Robinson, orador, autor e consultor internacional em educação em artes, discutia como a educação mata a criatividade. Robinson, autor de “The Element: How Finding Your Passion Changes Everything” (O Elemento: Como o Encontro de Sua Paixão Muda Tudo), afirma que estamos usando um modelo de educação, herdado da revolução industrial, no qual as escolas são organizadas como linhas de montagem. “Educamos as crianças em grupos, como se a coisa mais importante sobre elas fosse sua data de fabricação”, afirma ele em outro vídeo sobre o assunto.

Influenciado por Robinson, o autor de best-sellers Seth Godin publicou recentemente um manifesto, “Stop Stealing Dreams” (Pare de Roubar Sonhos), sobre a necessidade de uma reforma radical da educação. Ele aponta a necessidade de um modelo pós-industrial de educação que abranja os vários estilos de aprendizagem, a paixão pelas ideias, e o que os estudantes gostam. Em uma escola assim, os professores são “coaches” que ajudam os estudantes em uma jornada do autodescobrimento. Os estudantes têm muitas chances de determinar o que estudam e como estudam, em evidente contraste com o modelo “um tamanho para todos” dos dias atuais.
Seu filho está certo quando diz que nunca usará trigonometria (a não ser que seja um entusiasta disso). Expô-lo a variedade é uma coisa, mas, forçar o mesmo assunto por 13 anos é outra coisa. No mercado moderno, a profundidade é tão importante, se não mais, que a amplitude. As escolas são dedicadas à amplitude.

A Escola Revela a Grandeza dos Nossos Filhos?
Nas escolas atuais, os “bons” estudantes obedecem, diminuindo suas expectativas de grandeza, e os restantes terminam em batalhas excruciantes contra si mesmos, seus pais (acreditem em mim quanto a isso), seus professores e uma fila de tutores. Minha função como pai, sou avisado pela escola, é reforçar o absurdo que é o sistema corrente – para fazer meus filhos entregarem tudo pontualmente - o que faço religiosamente porque parece não haver outra maneira.

Meu filho mais novo, que está no segundo ano, espirituoso e inquieto como qualquer outra criança que você crie, “ficou para trás” em leitura. Como nos disseram, ele “não é suficientemente capaz para a leitura”. Seus professores e conselheiros, amáveis e bem intencionados, insistem que ele tome medicamentos para o TDAH, para que melhore sua leitura e se iguale aos colegas de classe. Ele é um menino criativo, brilhante e independente, que, conforme minha crença, sem dúvida irá aprender a ler bem e ser bem sucedido. Ele somente não está no tempo certo para fazer isso.
Somos forçados, para usar as palavras de Ken Robinson, a “anestesiar” nosso filho para que ele possa se adaptar a um esquema antiquado na classe. A Ritalina não fará nada para que ele seja um ser humano bem sucedido, um melhor pensador ou um membro da sociedade mais produtivo. Ele vai ajudá-lo a competir com a massa, e, potencialmente, drenar seu potencial criativo. Ao forçá-lo, e a muitas crianças, a tomar esses poderosos medicamentos, as escolas privam a economia futura e a sociedade do talento criativo de que elas mais precisam.

Greg Selkoe, o CEO de 36 anos da Karmaloop – uma empresa que fica em Boston e que é uma das maiores empresas de venda a varejo online de roupas do tipo streetwear, com faturamento de mais de 130 milhões de dólares ao ano, disse em recente entrevista na “Inc. magazine”: “Fui diagnosticado com TDAH na escola primária e expulso de várias escolas antes de chegar a uma escola para crianças com problemas de aprendizagem. O que fazia com que eu não me desse bem na escola tem sido muito útil nos negócios, porque eu posso prestar atenção intensamente em algo por um curto tempo e, então, mudar o foco para a próxima coisa”.
Ainda hoje as escolas insistem que usemos medicamentos para os nossos filhos para que eles se livrem do seu útil hiperfoco.

Falei com vários educadores que percebem os problemas do sistema educacional corrente. Eles sabem que a realidade econômica exige mudanças nas escolas. Mas eles também sabem que os pais reagirão a essas mudanças, temerosos de que elas possam diminuir as chances dos seus filhos de entrarem em uma boa faculdade.
Será necessária uma liderança com ampla visão para mudar o modelo e os objetivos do sistema educacional corrente. Enquanto isso, meus filhos continuarão brigando com a escola, machucados ao longo da jornada e, como seu pai, forçados a descobrir a maioria dos seus talentos e paixões por si mesmos, fora da escola.

David Bernstein é um executivo  não assalariado que mora em Gaithersburg, Maryland. Ele tem dois filhos, com sete e quinze anos.

Este artigo foi publicado no exemplar de verão de ADDitude.

Nenhum comentário:

Postar um comentário