"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

293- TDAH - O Poder da Paciência


Déficit de atenção e impaciência andam de mãos dadas. Mantenha sua calma - e diminua seus arrependimentos - com essas dicas para ficar mais paciente. Por Sandy Maynard

A paciência é uma virtude, correto? Para os TDAHs, pode ser mais que isso. Para mim, parar, acalmar-me e ter paciência faz com que me torne mais tolerante, composto, bem humorado e que aceite as circunstâncias que estão fora do meu controle. Chamam a isso de serenidade, e algumas vezes é algo que quero em maior dose. Sei que durmo melhor à noite quando não faço por impulso escolhas que não posso mudar.

Por outro lado, a impaciência pode ser o adubo para o comportamento impulsivo - comentários rudes que não podem ser consertados ou conduta constrangedora da qual nos envergonhamos por meses. Para muitos de nós com TDAH, ter paciência parece ser inatingível.
Mas não precisa ser. Podemos fazer exercícios que fortalecem nossos "músculos da paciência". Ter paciência é desconfortável para muitas pessoas com TDAH, porque não sabemos o que fazer para ter paciência ou não exercitamos essa habilidade com frequência suficiente para que se torne um hábito. 
Acalmar-se, respirar fundo e deixar o tempo passar não é fácil e faz sentir-se desconfortável de início, mas o desconforto de fazer algo diferente desaparece à medida que o fazemos mais vezes. Muitas vezes não nos comportamos de maneira relaxada porque não nos sentimos muito relaxados. Temos de fingir para conseguir isso.

O primeiro passo é identificar as situações, atividades ou indivíduos que desafiam nossa paciência. Algumas das minhas são: permanecer na fila do correio, dirigir no tráfego congestionado, ficar sentado em reuniões aborrecidas no trabalho, ficar esperando o micro-ondas estourar toda a pipoca, ler e-mails excessivamente críticos, esperar na fila do caixa do supermercado, e/ou estar envolvido em conversas intermináveis. O segundo passo é trabalhar e desenvolver "os músculos da paciência" com exercícios.
Eis aqui algumas estratégias que funcionaram para os meus clientes:

Acalmar-se quando envolvido pelo turbilhão

Thomas tinha uma história de amassar para-choques, e seus prêmios de seguro refletiam isso. Começamos por construir seus "músculos de paciência" fazendo com que ele dirigisse com menor velocidade. Ele se comprometeu a dirigir até o trabalho nos horários fora do rush, a ficar na faixa à direita (é a mais lenta), a dirigir dentro dos limites de velocidade, e a não acelerar para se antecipar ao sinal vermelho. Foi frustrante para ele fazer tudo isso, mas ele conseguiu com a ajuda de exercícios de respiração profunda quando se sentia tenso. Ele disse que quando finalmente chegava ao trabalho, encontrar um local livre no estacionamento apinhado parecia menos incomodativo do que anteriormente porque ele tinha posto na mente o pensamento "time takes time" (demora para pegar o ritmo). Ele chega no trabalho com bom humor. Ter mais compostura permite que Thomas pense mais claramente sobre o planejamento do seu dia, e ele fica menos propenso a agredir a primeira pessoa que lhe fizer uma cobrança inesperada.

Resistir ao Pequeno Vestido Vermelho

Diane caminha por uma de suas lojas de roupas preferidas a caminho de casa, vindo do trabalho, e frequentemente começa a ver as vitrines, sem a intenção de comprar algo. A impulsividade geralmente vence quando alguma roupa a atrai. Decidimos que ela deveria ir à loja e fazer uma lista de quanto custaria se ela comprasse tudo que tivesse vontade. Nosso plano incluiu me ligar antes de entrar na loja, mandar um torpedo enquanto estivesse na loja e ligar depois de sair da loja.
Recebi um texto, depois da primeira chamada, dizendo que havia um vestido vermelho sem o  qual ela não podia viver. Sugeri que ela saísse da loja, sabendo que o vestido estaria lá no dia seguinte, e provavelmente no outro dia. Se não, o vendedor poderia trazer o vestido de outra loja ou encomendar mais um. Passaram-se dois dias e Diana me mandou um texto, dizendo que a vontade de comprar o vestido tinha passado e que ter resistido economizou seu dinheiro.

Perca o Peso Uma Garfada Por Vez

Um dos objetivos de Jerry era perder peso e, embora tivesse uma dieta saudável, ele comia depressa demais e exagerava nas calorias. Fizemos um exercício de paciência para auxiliar Jerry a comer menos. Após uma garfada, pedi que ele pusesse o garfo de lado, cruzasse as mãos no colo e esperasse poucos segundos depois de engolir antes de segurar o garfo novamente.
Ele disse que foi difícil e esquisito, porque estava acostumado a devorar a comida, mas afirmou que estava se esforçando, exceto quando estava muito faminto e não conseguia comer devagar. Para essa situação, sugeri que usasse "hashi" (pauzinhos). As duas estratégias ajudaram Jerry a degustar mais seu alimento enquanto comia menos.

Pratique a Paciência

No mundo apressado de hoje, os TDAHs têm muitas oportunidades de aumentar os "músculos da paciência". Você liga para o suporte técnico para seu computador e é posto em espera. Não ponha o telefone no viva voz e vá fazer outro trabalho. Apenas espere, prestando atenção em sua respiração e permitindo que seus músculos tensos relaxem.
A maior parte do tempo ficamos impacientes porque nosso TDAH nos faz ficarmos atrasados, e nos tornamos mais impacientes quando nos encontramos presos no tráfego ou esperando um ônibus que está atrasado. Aceite o fato de que não há nada que possa ser feito para chegarmos mais depressa, e aproveite a pressão de estar atrasado para praticar sua calma. Você chegará calmo e atrasado, em vez de estressado, rabugento e atrasado.

Sandy Maynard é uma pioneira em "coaching" para TDAH e trabalha em Washington, D.C. há duas décadas.


ADDitude/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário