"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

domingo, 3 de março de 2013

270- O TDAH se associa ao abuso de drogas?


 
Postado por mommabear5  em ADHD Adults em Feb 07,2013 às 4:45 pm / 11 comentários

Eu me pergunto se viver com o TDAH me levou à vulnerabilidade da dependência de drogas ou se foi a dependência de drogas que me levou ao TDAH. A gente nasce com isso ou é com o tempo que ele aparece? O que acontece agora? Quais são as alternativas de tratamento do TDAH?
RESPOSTAS:
1
Você nasceu com o TDAH. Se você não o tinha quando nasceu, não o terá agora e não poderá desenvolvê-lo. [Nota do tradutor: Discordo. Até 20% dos casos de TDAH são provocados por fatores não genéticos]. Por outro lado, ter TDAH o expõe à vulnerabilidade da dependência de drogas. Somos mais impulsivos. Estamos sempre procurando mais estimulação. Sofremos mais frequentemente de dor emocional, e procuramos alívio. Vim a me dar conta que tinha TDAH, e isso foi oficialmente diagnosticado com a idade de 63 anos. Tenho uma longa lista de alcoólicos na minha família. De alguma maneira escapei disso, mas sempre tive meu conjunto de problemas que não conseguia identificar. Na infância, fui levado a correr e me tornei um “astro da estrada” e corredor de maratona. Também fui levado à Meditação Transcendental aos 20 anos de idade, principalmente porque me sentia bem e porque, acho, fazia a dor sumir. Essas duas coisas atualmente são recomendadas como modalidades de tratamento: exercício vigoroso e alguma forma de meditação. Elas, sem dúvidas, me salvaram. Boa sorte. [Postado por Ton K em Feb 07,2013 às 5:10 pm]
2
Falando de modo amplo: O TDAH é algo com que você nasceu. Geralmente é genético. Viver com o TDAH, assumindo que você nunca foi diagnosticado ou tratado profissionalmente, realmente o torna mais vulnerável à dependência de álcool e de drogas.
Danos causados ao Sistema Nervoso Central pela dependência de substâncias ilegais ou abuso de medicamentos receitados ou que não precisem de receita o deixarão com sintomas semelhantes. Eu nunca fui dependente de drogas, mas tive minha cota de bebidas por cinco anos, e parei. A depressão e os pensamentos de suicídio me levaram a pedir ajuda psicológica. Isso e o que eu aprendi com muita leitura me ajudaram tremendamente.
Como tratamento alternativo para o TDAH, acho que você quis dizer tratamento sem medicamentos. Há tratamento alternativo, mas eu lhe sugiro ajuda profissional.
Não sou médico. Minhas respostas e sugestões são baseadas em experiência pessoal como pai de uma criança com TDAH tipo desatento, com várias comorbidades, e eu, pessoalmente, diagnosticado com TDA. Além disso, trabalhei no campo da justiça criminal por 38 anos. Fiz uma boa quantidade de leituras ao longo dos anos e fiz muitas perguntas. [Postado por queen4jgro em Feb 07, 2013 às 5:59 pm]
3
A postagem de Tom K é ótima. Eu também sugiro que você leia sobre Transtornos da Integração Sensorial, porque os sintomas são semelhantes. [Postado por queen4jgro em Feb 07, 2013 às 6:00 pm]
4
Obrigado. [Postado por mommabear5 em Feb 07, 2013 às 6:11 pm]
5
Dependência também pode se desenvolver por automedicação, conforme você tenta controlar seu TDAH. [Postado por LCC em Feb 07, 2013 às 6:36 pm]
6
Concordo que essa condição médica é genética. Estatisticamente eles dizem que é 70%, embora eu ache que seja mais. Os sintomas do TDAH podem também se desenvolver depois de uma lesão cerebral. Muitas pessoas, eu acho, concordam que nasceram com ele. No que me diz respeito, tive uma longa vida de dependência de açúcar refinado, até meu diagnóstico com a idade de 49 anos. Com o uso de Ritalina, minha dependência do açúcar diminuiu. Depois de 3 meses de uso de Ritalina, comecei um regime de alto conteúdo de proteínas, carboidratos complexos, exercício, doses terapêuticas de vitaminas, minerais, óleo de peixe, aminoácidos, oligominerais e grandes quantidades de frutas, vegetais e água. Minha dependência do açúcar cessou. Foi como se o meu paladar mudasse. Eu não queria nada muito doce. Ainda gosto de alguns pedaços de chocolate escuro de alta qualidade diariamente, mas exceto isso, praticamente não uso mais açúcar refinado. Não tenho mais vontade. Isso já faz dois meses. Há pouco perdi meu gosto por vinho. Bebi Pinot Grigio por 14 anos. Absolutamente amava meu vinho, mas agora já faz duas semanas que não bebo, e não quero mais beber. De verdade, sumiu da minha mente. Nunca pensei que parasse. Mas descobri agora que meu cérebro e corpo estão quimicamente equilibrados e não quero acrescentar nada que me derrube. Vivi desequilibrado por 49 anos e não vou voltar a isso. Viver todos os dias sem nenhuma dependência é a verdadeira liberdade. Creio que seja por causa da minha dieta. Outra modalidade a ser considerada, além da medicação, é a neuroterapia. Tive 7 sessões e fiquei satisfeito com a melhora da minha capacidade de focar e manter a atenção. Mitzi. [Postado por Mitzi Maine em Feb 07, 2013 às 8:27 pm]
7
Sugiro a leitura desse livro: Scattered Minds, do Dr. Gabor Mate. (http://drgabormate.com/writings/books/scatered-minds/)
Ele tem uma perspectiva nova do TDAH. Ele próprio tem TDAH e fez muita pesquisa sobre o assunto. Eu li o livro e ele me deu muito conhecimento sobre mim mesmo, mas também para o resto de minha família, todos com TDAH, também. (Você pode imaginar o circo que é nossa casa!). Ele fala sobre o TDAH ser parcialmente hereditário e parcialmente ambiental. Ele discute como os estressores da vida e uma família instável podem ativar o TDAH. Fala sobre como pessoas com TDAH são (e elas definitivamente são) mais propensas a desenvolver algum tipo de dependência. Seja abuso de substância, compulsão pelo trabalho (ele é um autoproclamado “workaholic”), ou qualquer outro tipo de dependência. Fala sobre como nossa sociedade hiperveloz também faz pessoas não TDAH se comportarem como se tivessem TDAH, o que pode levar a erro de diagnóstico, mas, também, em minha opinião, a visão de que o TDAH não é tão grave como de fato é (porque todo mundo é assim, certo?). Também há grandes secções do livro que discutem como ajudar seus filhos a superar o TDAH e como os adultos podem se ajudar a si mesmos a superá-lo, também. Ele é muito inteligente e o livro não é difícil de ler. Não importa quanto você demore, eu recomendo a todos com TDAH que o incluam na sua pesquisa e no seu tratamento.
Falando de dependência, eu acho que fiquei dependente de coisas que eu gosto. Como o álcool. Não sou um alcoólico, mas quando bebo, sinto que não consigo controlar quanto vou beber naquela noite. O que eu quero dizer e que eu quero o efeito, mas o quero imediatamente. Então, bebo rapidamente. Isso me faz ficar logo alterado (porque não bebo muito frequentemente) e acabo ficando bêbado quando o que eu realmente queria era só ter um sentimento um pouquinho mais elevado (você sabe o quanto, um pouco antes de “alto”). Também sou assim, algumas vezes, com comida. Se descubro uma nova comida de que eu gosto, ou se tenho uma compulsão por alguma coisa doce, minha tendência é de ficar comendo isso por um tempo, e não posso parar. Embora queira. Depois, fico cansado disso ou tomo a decisão de não comprar mais nada daquilo. Mas sempre fica um sentimento de ainda querer aquela coisa por um tempo depois que decidi parar de tê-la. Parece uma série de compulsões de curta duração... seria isso uma farra duradoura? Não sei, mas definitivamente me sinto indefeso enquanto estou assim. [Postado por m ah lee em Feb 08, 2013 às 6:10 pm]
8
O Dr. Mate superou seu TDAH? O que ele recomendou? Estou curiosa. Obrigado! [Postado por Mitzi Maine em Feb 08, 2013 ás 6:10 pm]
9
Eu sugeriria a leitura de algum trabalho do Dr. Daniel Amen sobre TDAH/TDA e dependência. Ele fez SPEC scans de cérebros de pacientes que foram inicialmente encaminhados a ele por dependência a vários estimulantes e descobriu que eles estavam se automedicando para TDA/TDAH. Quando foram postos sob estimulantes terapêuticos (como Concerta ou Ritalina) e fazendo trabalho de recuperação, os dois problemas de saúde foram resolvidos. É importante lembrar que muitas vezes há um problema de saúde mental subjacente que resulta no comportamento compulsivo. Quando o problema mental é resolvido a dependência também é resolvida. [Postado por TM em Feb 09, 2013 às 5:41 pm]
10
Da observação pessoal, notei que as pessoas com TDA e  TDAH tendem a ser especialmente dirigidas para as anfetaminas, porque elas podem (temporariamente e com alto custo) propiciar um nível de foco geralmente inatingível por nós. Isso também explica porque tantos com TDA tendem a ser fumantes, grandes bebedores de café e a ter compulsão por açúcar. Isso não necessariamente significa que você será incapaz de se safar sem a reabilitação, mas significa que os que têm TDA devem ser especialmente cuidadosos sobre o uso dessas substâncias em primeiro lugar. [Postado por statichaos em Feb 09, 2013 às 8:29 pm]
11
O TDA é uma condição comórbida, significando que normalmente tem um ou mais componentes. Um componente comum é o abuso de substâncias. Temos a tendência da automedicação para ajudar-nos com os sintomas, mesmo que conscientemente não saibamos o que estamos fazendo. Das dezenas de amigos que tive com TDA, a maioria de adultos que descobriram mais tarde na vida que tinham TDA, tinha sofrido com abuso de álcool ou drogas. É como atividades de alto risco, não temos consciência de que estamos a procura do estado alterado, não necessariamente da atividade.
Somente após ter começado a ler estudos comecei a ver o padrão destrutivo. Somente então senti que a informação de que eu precisava para fazer as mudanças na minha vida que poderiam me trazer até onde estou hoje. Embora eu seja ainda um grande bebedor de café, sei por que e como parar pelo tempo que preciso. Para mim, não é a cafeína, mas uma muleta mental.
Cada um de nós tem nossos demônios. Embora eu tenha bebido muito por 15 anos, não foi difícil parar de beber. Fumar? Isso é outra história, também. Demorei 5 anos para me livrar dos cigarros, e precisou de um choque médico para conseguir o feito.
O segredo de parar qualquer coisa para as pessoas com TDA é fazer pior voltar atrás do que seguir em frente. Tive de contar a todo mundo que conhecia que eu estava parando de fumar e que se alguém me visse fumando, ganharia 100 dólares por me avisar. Paguei uma vez, para um antigo rival, e nunca mais, depois dessa. A dor do triunfo desse sujeito foi simplesmente muito grande para que eu continuasse com os cigarros.
Este é um bom lugar para obter conselhos em assuntos como tal. Você provavelmente está protegido de ser levado ao limite, como muitos de nós já fomos antes. Cada um de nós é único em nossa jornada e o que funciona para um de nós provavelmente não funcionará para outros, mas já será um começo.
Aprenda isso: as coisas importantes em sua vida que o fazem sentir a vida miserável são as mesmas coisas que, usadas corretamente, o farão invejado por seus amigos e familiares. Você encontrará seu lugar, e quando o fizer, será invencível. Como diz minha mulher, “quando ele põe na cabeça que vai fazer alguma coisa que você acha ser impossível, saia da frente ou será atropelado”. Nosso otimismo é infeccioso e pode fazer o impossível uma realidade quando todos do seu time acreditam de verdade. [Postado por Wingkeel em Feb 12, 2013 às 6:05 pm]