"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

306- TDAH e superdotação? Estudantes duas vezes excepcionais.


 
Uma criança com déficit de atenção e comorbidade com dificuldades de aprendizagem pode também ser um aluno superdotado (ou 2e. nas escolas americanas. Nota do tradutor). Você sabe como descobrir um aluno 2e. e ajudá-lo a realizar todo o seu potencial?

Por Lynne Ticknor

Muitos pais e professores não sabem que uma criança pode ser superdotada e ter dificuldades de aprendizagem, uma combinação chamada "duas vezes excepcional" ou 2e. Debra Hori, uma terapeuta educacional, não sabia. Seu filho Ben, foi diagnosticado com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) aos oito anos de idade, mas demorou três anos para descobrirem que seu QI e suas habilidades verbais eram muito acima da média. "Ele foi testado e pontuou na faixa da superdotação", diz Hori. "Decidi matriculá-lo em outra escola, com as acomodações para todas as necessidades dele", ela explica. "Fez uma enorme diferença".

Crianças intelectualmente superdotadas, com necessidades especiais, geralmente sofrem muito na escola. Seus dons mascaram suas necessidades especiais, e suas necessidades especiais escondem sua capacidade acadêmica. Como resultado, elas são geralmente rotuladas como "preguiçosas", "desmotivadas" ou "vadias".

Vários fatores contribuem para a demora no diagnóstico dos estudantes superdotados. A desatenção e os outros sintomas do TDAH podem resultar em notas mais baixas nos testes usados para determinar a indicação para programas para alunos superdotados. Mais, os professores têm menor probabilidade de notar os sintomas do TDAH em alunos que não são bagunceiros, Os pais são céticos em relação ao diagnóstico de TDAH quando sabem que seu filho é brilhante. É bom lembrar que um QI alto, sozinho, não é suficiente para ter sucesso na escola. A memória de trabalho, dizem os especialistas, é um índice melhor do que qualquer resultado de teste.

Como atingir as necessidades de aprendizado de alunos superdotados com dificuldades de aprendizado.

"De modo diverso dos estudantes normais, os alunos 2e. - alunos superdotados que têm TDAH e dificuldades de aprendizagem - têm dificuldade de transpor seus pensamentos para o papel, escrever legivelmente, fazer os cálculos corretamente, permanecer organizados e seguir as instruções passo a passo", diz Linda Neumann, editora e co-publisher de 2e: Twice-Exceptional Newsletter. "Eles parecem distraídos ou preguiçosos, mas estão se esforçando muito".

Como resultado, muitos dos assim chamados alunos 2e. se sentem burros e acabam odiando a escola. "Pode ser devastador quando um aluno sabe que é inteligente mas não é capaz de atingir seu potencial", diz Chris Dendy, que fez um DVD, Real Life ADHD, para crianças e adolescentes.

Colocar as crianças com TDAH e superdotadas com outras crianças superdotadas e, às vezes, uma estratégia automática mas errada. Sem o trabalho da escola que atinja suas necessidades cognitivas, as crianças superdotadas com TDAH têm dificuldade de manter a atenção e frequentemente desenvolvem maus hábitos de trabalho. Por outro lado, alguns alunos superdotados evitam os alunos 2e. por sua falta de habilidades sociais e de organização.

Estudantes duas vezes excepcionais precisam de um programa que desenvolva seus talentos ao mesmo tempo que acomoda suas fraquezas, diz Susan Baum, Ph.D., educador, pesquisador e autor de "To Be Gifted and Learning Disabled" (Ser superdotado e ter dificuldades de aprendizagem"). Crianças superdotadas com TDAH precisam de aprendizagem acelerada, mesmo quando estiverem trabalhando as habilidades cognitivas que apóiam o ritmo mais rápido. Elas devem ter um "currículo diferenciado", com opções nas quais aprendam e como aprendem.

Os professores e os pais devem garantir que um aluno 2e. tenha as habilidades de suporte para gerenciar suas tarefas e para compensar suas fracas funções executivas.

Trabalhe com a escola para garantir os serviços para seu filho. Alguns estudantes superdotados precisam de mais tempo do que os outros alunos para completar suas tarefas. Eles geralmente se beneficiam do uso de tecnologia de suporte, como um processador de texto portátil ou uma calculadora.

"Todos os problemas de Ben não desapareceram quando ele foi para uma nova escola, mas sua postura na vida melhorou significativamente", diz Debra Hori. "Tive meu filho de volta, e isso foi o suficiente para mim".

Cinco Dicas para Pais de Crianças Superdotadas com TDAH.

1- Confie nos seus instintos. Você conhece seu filho melhor do que qualquer pessoa. Não assuma que os profissionais saibam mais porque eles têm credenciais.

2- Confie no seu filho. Se ele diz que não consegue fazer alguma coisa, não assuma que ele esteja sendo preguiçoso ou teimoso, e não acredite em quem diz que ele é.

3- Não ignore os dons enquanto tenta consertar a  falta de habilidades. Crianças superdotadas ficam deprimidas quando não são capazes de aprender coisas novas.

4- Não ignore a falta de habilidades enquanto cultive os dons. As crianças ficam frustradas e deprimidas se elas são constantemente obrigadas a fazer coisas que não conseguem fazer.

5- Saiba que seu filho pode ser admitido em um programa para superdotados e também em um IEP [Programa Educacional Individual] ou no 504 Plan [Plano de ensino das escolas americanas para alunos com dificuldades de aprendizagem]. Alunos superdotados com TDAH podem ter os serviços do IDEA.

[the United States Individuals with Disabilities Education Act ("IDEA") 1997]

{"transportation and such developmental, corrective, and other supportive services as are required to assist a child with a disability to benefit from special education..."[section 300.24(a)].}

Meredith G. Warshaw, M.S.S, M.A., www.uniquelygifted.org   

305- TDAH também pode estar ligado a circunstâncias econômicas


O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) pode não ter somente causas genéticas - ele pode ser induzido por circunstâncias sociais e econômicas. Isso foi indicado em um estudo britânico publicado no "Journal of Child Psychology and Psychiatry".

Pesquisadores da Universidade de Exeter analisaram os dados do estudo Millennium Cohort, que incluiu 19.500 crianças no Reino Unido. Ele mostrou que mais crianças portadoras de TDAH vinham de famílias abaixo da linha de pobreza do que observado na população geral.
A renda média familiar nas famílias com crianças portadoras de TDAH foi menor do que nas famílias sem crianças com TDAH. Pais que viviam em moradias sociais tinham uma probabilidade três vezes mais alta de ter um filho com TDAH em comparação com os pais residentes em casa própria. A escolaridade e a idade das mães também tiveram seu papel: os filhos de mães com diploma universitário e das mães mais velhas sofriam menos frequentemente de TDAH; os filhos de pais solteiros, mais frequentemente.
"Algumas pessoas acreditam que o TDAH em crianças traz desvantagens para a situação econômica da família, mas não encontramos nenhuma evidência dessa teoria", enfatizou a autora principal, Ginny Russell.

UNIVADIS - MSD