"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

322- TDAH e TOD: Como lidar com seu filho rebelde (ADHD & ODD)


Os problemas de comportamento no TDAH (ADHD) geralmente são compartilhados com o Transtorno de Oposição e de Desafio (ODD), fazendo com que disciplinar seja um desafio. Tente essas estratégias para controlar e tratar uma criança brava e rebelde.

Mais do que rebeldia

Todo pai de criança com déficit de atenção sabe o que é lidar com os problemas de comportamento - dizer não aos pedidos ou xingamentos. Crianças com TDAH e TOD levam o comportamento desafiador e rebelde ao extremo. Eles têm um padrão de comportamento raivoso, violento e destrutivo em relação aos pais, cuidadores e outras figuras de autoridade.

TOD e TDAH: estatísticas e fatos

Quarenta por cento das crianças com TDAH também desenvolvem TOD. Antes da puberdade, o TOD é mais comum em meninos; depois da puberdade, é igualmente comum em ambos os sexos. Cerca de metade dos pré-escolares diagnosticados com TOD superam o problema na idade de oito anos. Outras crianças têm mais dificuldade de se livrar dele.

TOD e TDAH: As ligações

Os comportamentos de oposição de uma criança não são intencionais. Os especialistas acham que o TOD está ligado a uma impulsividade intensa. Não ser capaz de controlar os impulsos, combinado com o estresse e a frustração de tentar vencer os sintomas do TDAH a cada dia, leva algumas crianças a atacar física e verbalmente.

O diagnóstico do TOD é problemático

Toda criança se expressa e testa os seus limites. Pode ser difícil saber se uma criança é normalmente desafiadora ou se tem TOD. Consulte um terapeuta especializado em problemas de comportamento na infância. Ele vai pesquisar também sobre ansiedade, depressão e transtorno bipolar - cada um dos quais pode causar comportamento de oposição. Deixar o TOD sem tratamento, pode fazer com que ele evolua para Transtorno de Conduta, um problema de comportamento mais grave.

Etapas do tratamento do TOD

O tratamento se inicia com o controle dos sintomas do TDAH. Quando a hiperatividade, impulsividade e desatenção de uma criança é reduzida, geralmente há uma melhora nos sintomas do TOD. Os medicamentos estimulantes demonstraram que reduzem os sintomas do TDAH, assim como os do TOD, em até 50%.

Vá além dos estimulantes

Se uma criança não responde bem aos estimulantes, alguns médicos receitam um não estimulante, a atomoxetina (nome comercial: Strattera). Em um estudo, os pesquisadores viram que a medicação reduzia significativamente os sintomas do TOD e do TDAH. Entretanto, doses mais altas da medicação foram necessárias para controlar os sintomas.

Mude o comportamento da criança mudando o seu

O tratamento de escolha para o TOD é o treinamento dos pais. Os pais são ensinados a mudar suas reações ao comportamento da criança - bom ou mal. O treinamento envolve o uso de incentivos e punições, dando recompensas bem definidas e elogios quando seu filho coopera, e consequências para seu mal comportamento. Os terapeutas também trabalham com os pais junto às crianças para resolver dificuldades específicas.

Disciplina em três passos

Os especialistas em TOD acham que as seguintes estratégias são eficientes para os pais: Peça calmamente ao seu filho para ele fazer alguma coisa. Se ele não responder a você em dois minutos, diga a ele, gentilmente, "Eu vou pedir uma segunda vez. Você sabe o que eu lhe pedi para fazer - e as consequências se você não fizer? Por favor, tome uma decisão inteligente." Se você tiver que pedir uma terceira vez, ele sofrerá a consequência que já foi combinada de antemão - sem TV ou videogame por uma hora.

Faça todo mundo seguir o mesmo roteiro

Para a terapia de comportamento funcionar, os cuidadores da criança devem usar as mesmas estratégias de disciplina que você usa. Avós, professores, babás e ouros adultos que fiquem algum tempo com seu filho devem entender quais os incentivos e punições que você usa e, acima de tudo, usá-los consistentemente. Se algum deles facilitar o mau comportamento do seu filho, isso poderá arruinar seu programa de disciplina.

Não leve o TOD como algo pessoal

É difícil para um pai permanecer calmo quando uma criança está verbalmente abusando dele, mas não reaja. Fique calmo e emocionalmente neutro em meio aos desafios do seu filho. Crianças oposicionistas têm um radar para a hostilidade do adulto. Se elas percebem sua raiva, elas vão reagir igual.

Dê espaço para o elogio

Ajudar os pais a aprender a elogiar o bom comportamento é um dos maiores desafios que o terapeuta enfrenta. muitos pais estão tão focalizados no mal comportamento que eles param de reforçar os comportamentos positivos. Algumas dicas: Especifique o comportamento merecedor de elogio, seja entusiasmado, mas sem exagero e, termine com um gesto não verbal - um beijo na face ou um abraço.

Seja criativo e consistente

Quanto mais criatividade você aplicar no seu programa de recompensas e punições para as habilidades e necessidades do seu filho, melhor. As necessidades dele mudam conforme ele cresce. A criatividade é importante, mas a consistência é vital para o sucesso. Consistência no modo com que você trata o seu filho - estabelecimento de regras, combinação de expectativas - é a chave para eliminar os atos de oposição e desafio do seu filho.


ADDitude

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

321- TDAH - Aja contra a distração


Nove estratégias para manter seu olho - e o cérebro TDAH - no alvo.

Gatilhos da Distração

Pessoas com TDAH são especialmente inclinadas a distrações - externas e internas. Seja um colaborador que o interrompe quando você está no limite de um prazo, ou sua mente vagante, ou emoções estressantes, as distrações atrapalham o que tem de ser feito. Adote essas ações contra as distrações.

"Veja" a tarefa sendo terminada

Visualize-se terminando a tarefa. Muitos TDAHs são distraídos quando tentam dividir um trabalho em partes menores. A visualização do que fazer faz com que essas etapas sejam mais concretas. Veja o produto final e pergunte, "O que seria a metade?" "Qual seria o primeiro passo para dar o início?" Os estudos indicam que esse foco aumenta as chances de terminar o trabalho.

Fale consigo mesmo

Faça declarações positivas sobre coisas que conquistou para se ligar novamente quando ficar distraído por um trabalho difícil. Diga, "Fui capaz de terminar o trabalho quando estava escrevendo nesta mesa. Usei meu boné de baseball e ele me deixou focado. Fui capaz de trabalhar por 20 minutos seguidos". Focalizando em coisas que você já conquistou lhe dá a confiança para terminar uma tarefa difícil.

Siga seu próprio conselho

Quando você diz a si mesmo as etapas para fazer um trabalho, seu foco geralmente segue em frente. Se você estiver preenchendo um cheque e sua atenção se desviar porque você escreveu uma data errada ou uma quantia errada, faça uma pequena lista de conferência e diga para si mesmo, "OK, a data é tal. Escreva.""Devo fazer o cheque em nome de fulano. Bom. Feito". E continue dizendo para si mesmo para fazer uma pequena etapa depois da outra.

Imponha um limite às suas emoções

Os TDAHs são especialmente distraídos por sentimentos de desapontamento: "Não fui escolhido para ser promovido" ou "Não fui aceito na primeira faculdade". Sustentar esses sentimentos pode levar a um baixo rendimento no trabalho. Analise o fracasso. O fracasso não prova que você não é bom o suficiente. É somente uma experiência, não uma avaliação do seu valor como pessoa.

Corte as interrupções no começo

Uma declaração positiva afasta as interrupções desnecessárias. Coloque um sinal na sua mesa ou em sua casa que diga, "Gênio trabalhando. Por favor, deixe um recado". É preciso dizer a um chefe ou a um membro da família quando você precisa de um tempo para pensar, mesmo que sejam somente 15 minutos. Garanta seu direito por um local silencioso, protegido e livre de distrações.

Enfrente suas tarefas

Às vezes você tem de fazer a tarefa que menos gosta logo de início, para tirá-la de sua frente ou de sua mente. Assim, ela não vai distraí-lo das outras coisas que tem de fazer. Se você odeia lavar a roupa, diga, mas não se preocupe em esvaziar a máquina de lavar roupas, comece o dia lavando as roupas, e use as atividades que escolheu como motivação para seguir em frente.

O que você disse?

Muitos TDAHs não obtém indicações claras de seus chefes ou de seus cônjuges. Ou perdem informação vital quando a tarefa está sendo explicada devido à fraca capacidade de ouvir. Então eles giram suas rodas em vez de obter a informação que falta e começam o trabalho. Em vez de se preocupar em fazer feio perguntando algo que não captou, pergunte o que precisa para completar o trabalho.

Pare, olhe e escute

Se um trabalho não está indo bem, ajuste um timer para 15 ou 20 minutos e faça uma pausa, em vez de ficar distraído. Quando o timer soar, pare e diga a si mesmo "Tudo bem. Pessoas espertas podem fazer as coisas em pouco tempo". Olhe para dentro de sua mente e reveja o que ainda precisa ser feito. Talvez você decida que já fez o suficiente e volte à tarefa mais tarde. Não exagere: permita que a lógica, não as suas emoções, comande as coisas.

Junte uma equipe


Se você se distrai muito, requisite ajuda. A medicação para o TDAH dá a algumas pessoas a capacidade de parar e pensar se estão sendo prejudicadas pela distração. Outros contratam um treinador para conversar ou passar uma mensagem de texto várias vezes ao dia, para ter certeza de que estão focalizados no que estão fazendo.

ADDitude

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

320- Meu filho tem uma Dificuldade de Aprendizagem? (com ou sem TDAH)


Se o seu filho continua a ter dificuldades acadêmicas, mesmo com o tratamento para o TDAH, ele pode ser um dos 30 a 50 por cento de portadores de TDAH que também têm uma Dificuldade de Aprendizagem (DA). Os sintomas desse questionário relacionam-se principalmente com a escola elementar, que é onde as DA tendem a ser identificadas.

1- Seu filho tem dificuldade para aprender o alfabeto, rimar palavras, ou para ligar as letras aos seus sons?

2- Seu filho parece desajeitado, inepto, descoordenado, desastrado ou vive trombando nas coisas?

3- Seu filho comete muitos erros quando lê em voz alta, e repete ou faz pausas frequentemente?

4- Seu filho tem dificuldade de contar uma história na ordem certa (o que aconteceu primeiro, em segundo lugar e em terceiro lugar)?

5- Seu filho não entende o que lê?

6- Seu filho tem dificuldades com botões, ganchos, encaixes e zíperes? Tem dificuldade em amarrar os cordões dos tênis?

7- Seu filho demorou para aprender a falar e tem vocabulário limitado?

8- Seu filho tem de fato dificuldade com a soletração, dificuldade para se lembrar dos sons das letras, ou em perceber pequenas diferenças entre os sons das palavras?

9- Seu filho tem dificuldade de entender o humor, trocadilhos, histórias em quadrinhos, charges, expressões idiomáticas e sarcasmo?

10- Seu filho tem dificuldade para expor idéias por escrito?

11- Seu filho tem dificuldades para entender instruções ou ordens? Para seguir as ordens?

12- Seu filho tem dificuldade de dizer as horas ou de medir a passagem do tempo?

13- Seu filho faz confusão com os símbolos matemáticos e lê erradamente os números?

14- Seu filho pronuncia mal as palavras, ou usa palavras erradas com sons semelhantes?

15- Se filho tem dificuldade para organizar o que ele quer dizer ou para encontrar a palavra que precisa quando está escrevendo ou conversando?

16- Seu filho não segue as regras sociais de conversação, tais como não esperar sua vez, ou não ficar muito perto do seu interlocutor?

17-Seu filho não sabe como iniciar uma tarefa ou como seguir em frente depois do início?

18- Seu filho tem uma caligrafia muito ruim ou segura o lápis de modo muito desajeitado?


[A presença de um ou mais desses sintomas indica a necessidade de uma avaliação psicopedagógica ou multidisciplinar, mesmo sem a presença do TDAH.]

[Isso vale para os países nos quais a educação tem qualidade. No Brasil, pela péssima qualidade de nosso sistema educacional, que leva quase 30% dos universitários a não terem capacidade de entender um texto, sem falar nos erros ortográficos e gramaticais, é melhor, antes de procurar esses profissionais, ver se o seu filho não é mais uma vítima da "deficiência de ensinagem".]

ADDitude

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

319- DEZ COISAS QUE TODA CRIANÇA COM AUTISMO GOSTARIA QUE VOCÊ SOUBESSE


Por Ellen Nottohm (tradução livre - Andréa Simon)

1) Antes de tudo eu sou uma criança. Eu tenho autismo. Eu não sou somente "Autista". O meu autismo é só um aspecto do meu caráter. Não me define como pessoa. Você é uma pessoa com pensamentos, sentimentos e talentos. Ou você é somente gordo, magro, alto, baixo, míope. Talvez estas sejam algumas coisas que eu perceba quando conhecer você, mas isso não é necessariamente o que você é. Sendo um adulto, você tem algum controle de como se auto-define. Se quer excluir uma característica, pode se expressar de maneira diferente. Sendo criança eu ainda estou descobrindo. Nem você ou eu podemos saber do que eu sou capaz. Definir-me somente por uma característica, acaba-se correndo o risco de manter expectativas que serão pequenas para mim. E se eu sinto que você acha que não posso fazer algo, a minha resposta naturalmente será: Para que tentar?

2) A minha percepção sensorial é desordenada. Interação sensorial pode ser o aspecto mais difícil para se compreender o autismo. Quer dizer que sentidos ordinários como audição, olfato, paladar, toque, sensações que passam despercebidas no seu dia a dia podem ser doloridas para mim. O ambiente em que eu vivo pode ser hostil para mim. Eu posso parecer distraído ou em outro planeta, mas eu só estou tentando me defender. Vou explicar o porquê uma simples ida ao mercado pode ser um inferno para mim: a minha audição pode ser muito sensível. Muitas pessoas podem estar falando ao mesmo tempo, música, anúncios, barulho da caixa registradora, celulares tocando, crianças chorando, pessoas tossindo, luzes fluorescentes. O meu cérebro não pode assimilar todas estas informações, provocando em mim uma perda de controle. O meu olfato pode ser muito sensível. O peixe que está à venda na peixaria não está fresco. A pessoa que está perto pode não ter tomado banho hoje. O bebê ao lado pode estar com uma fralda suja. O chão pode ter sido limpo com amônia. Eu não consigo separar os cheiros e começo a passar mal. Porque o meu sentido principal é o visual. Então, a visão pode ser o primeiro sentido a ser super-estimulado. A luz fluorescente não somente é muito brilhante, mas ela pisca e pode fazer um barulho. O quarto parece pulsar e isso machuca os meus olhos. Esta pulsação da luz cobre tudo e distorce o que estou vendo. O espaço parece estar sempre mudando. Eu vejo um brilho na janela, são muitas coisas para que eu consiga me concentrar. O ventilador, as pessoas andando de um lado para o outro... Tudo isso afeta os meus sentidos e agora eu não sei onde o meu corpo está neste espaço.

3) Por favor, lembre de distinguir entre não poder (eu não posso fazer) e eu não posso (eu não consigo fazer). Receber e expressar a linguagem e vocabulário pode ser muito difícil para mim. Não é que eu não escute as frases. É que eu não o compreendo. Quando você me chama do outro lado do quarto, isto é o que eu escuto "BBBFFFZZZZSWERSRTDSRDTYFDYT João". Em vez disso, venha falar comigo diretamente com um vocabulário simples: "João, por favor, coloque o seu livro na estante. Está na hora de almoçar". Isso me diz o que você quer que eu faça e o que vai acontecer depois. Assim é mais fácil para compreender.
4) Eu sou um "pensador concreto" (CONCRETE THINKER). O meu pensamento é concreto, não consigo fazer abstrações. Eu interpreto muito pouco o sentido oculto das palavras. É muito confuso para mim quando você diz "não enche o saco", quando o que você quer dizer é "não me aborreça". Não diga que "isso é moleza, é mamão com açúcar" quando não há nenhum a mamão com açúcar por perto e o que você quer dizer é que isso e algo fácil de fazer. Gírias, piadas, duplas intenções, paráfrases, indiretas, sarcasmo eu não compreendo.

5) Por favor, tenha paciência com o meu vocabulário limitado. Dizer o que eu preciso é muito difícil para mim, quando não sei as palavras para descrever o que sinto. Posso estar com fome, frustrado, com medo e confuso, mas agora estas palavras estão além da minha capacidade, do que eu possa expressar. Por isso, preste atenção na linguagem do meu corpo (retração, agitação ou outros sinais de que algo está errado). Por um outro lado, posso parecer como um pequeno professor ou um artista de cinema dizendo palavras acima da minha capacidade na minha idade. Na verdade, são palavras que eu memorizei do mundo ao meu redor para compensar a minha deficiência na linguagem. Por que eu sei exatamente o que é esperado de mim como resposta quando alguém fala comigo. As palavras difíceis que de vez em quando falo podem vir de livros, TV, ou até mesmo serem palavras de outras pessoas. Isto é chamado de ECOLALIA. Não preciso compreender o contexto das palavras que estou usando. Eu só sei que devo dizer alguma coisa.

6) Eu sou muito orientado visualmente porque a linguagem é muito difícil para mim. Por favor, me mostre como fazer alguma coisa em vez de simplesmente me dizer. E, por favor, esteja preparado para me mostrar muitas vezes. Repetições consistentes me ajudam a aprender. Um esquema visual me ajuda durante o dia-a-dia. Alivia-me do stress de ter que lembrar o que vai acontecer. Ajuda-me a ter uma transição mais fácil entre uma atividade e outra. Ajuda-me a controlar o tempo, as minhas atividades e alcançar as suas expectativas. Eu não vou perder a necessidade de ter um esquema visual por estar crescendo. Mas o meu nível de representação pode mudar. Antes que eu possa ler, preciso de um esquema visual com fotografias ou desenhos simples. Com o meu crescimento, uma combinação de palavras e fotos pode ajudar mais tarde a conhecer as palavras.

7) Por favor, preste atenção e diga o que eu posso fazer ao invés de só dizer o que eu não posso fazer. Como qualquer outro ser humano não posso aprender em um ambiente onde sempre me sinta inútil, que há algo errado comigo e que preciso de "CONSERTO". Para que tentar fazer alguma coisa nova quando sei que vou ser criticado? Construtivamente ou não é uma coisa que vou evitar. Procure o meu potencial e você vai encontrar muitos! Terei mais que uma maneira para fazer as coisas.

8) Por favor, me ajude com interações sociais. Pode parecer que não quero brincar com as outras crianças no parque, mas algumas vezes simplesmente não sei como começar uma conversa ou entrar na brincadeira. Se você pode encorajar outras crianças a me convidarem a jogar futebol ou brincar com carrinhos, talvez eu fique muito feliz por ser incluído. Eu sou melhor em brincadeiras que tenham atividades com estrutura começo-meio-fim. Não sei como "LER" expressão facial, linguagem corporal ou emoções de outras pessoas. Agradeço se você me ensinar como devo responder socialmente. Exemplo: Se eu rir quando Sandra cair do escorregador não é que eu ache engraçado. É que eu não sei como agir socialmente. Ensine-me a dizer: "você esta bem?".

9) Tente encontrar o que provoca a minha perda de controle. Perda de controle, "chilique", birra, mal-criação, escândalo, como você quiser chamar, eles são mais horríveis para mim do que para você. Eles acontecem porque um ou mais dos meus sentidos foi estimulado ao extremo. Se você conseguir descobrir o que causa a minha perda de controle, isso poderá ser prevenido - ou até evitado. Mantenha um diário de horas, lugares pessoas e atividades. Você encontrar uma seqüência pode parecer difícil no começo, mas, com certeza, vai conseguir. Tente lembrar que todo comportamento é uma forma de comunicação. Isso dirá a você o que as minhas palavras não podem dizer: como eu sinto o meu ambiente e o que está acontecendo dentro dele.

10) Se você é um membro da família me ame sem nenhuma condição. Elimine pensamentos como "Se ele pelo menos pudesse…" ou "Porque ele não pode…" Você não conseguiu atender a todas as expectativas que os seus pais tinham para você e você não gostaria de ser sempre lembrado disso. Eu não escolhi ser autista. Mas lembre-se que isto está acontecendo comigo e não com você. Sem a sua ajuda a minha chance de alcançar uma vida adulta digna será pequena. Com o seu suporte e guia, a possibilidade é maior do que você pensa. Eu prometo: EU VALHO A PENA. E, finalmente três palavras mágicas: Paciência, Paciência, Paciência. Ajuda a ver o meu autismo como uma habilidade diferente e não uma desabilidade. Olhe por cima do que você acha que seja uma limitação e veja o presente que o autismo me deu. Talvez seja verdade que eu não seja bom no contato olho no olho e conversas, mas você notou que eu não minto, roubo em jogos, fofoco com as colegas de classe ou julgo outras pessoas? É verdade que eu não vou ser um Ronaldinho "Fenômeno" do futebol. Mas, com a minha capacidade de prestar atenção e de concentração no que me interessa, eu posso ser o próximo Einstein, Mozart ou Van Gogh. O que o futuro tem guardado para crianças autistas como eu, está no próprio futuro. Tudo que eu posso ser não vai acontecer sem você sendo a minha Base. Pense sobre estas "regras" sociais e se elas não fazem sentido para mim, deixe de lado. Seja o meu protetor, seja o meu amigo e nós vamos ver até onde eu posso ir. CONTO COM VOCÊ!!!

Retirado do site: http://www.autimismo.com.br/
http://img1.blogblog.com/img/icon18_wrench_allbkg.png


“O maior desafio (da educação) é conhecer cada criança como ela realmente é, saber o que ela é capaz de fazer e centrar a educação nas capacidades, forças e interesses dessa criança. O professor é um antropólogo, que observa a criança cuidadosamente, e um orientador, que ajuda a criança a atingir os objetivos que a escola – ou o distrito, ou a nação – estabeleceu".  (Howard Gardner)

318- Por que nós, com TDAH, agimos assim: Entendendo o comportamento TDAH.


Por William Dodson, M.D. 

Explicações para a compreensão dos nossos pensamentos e comportamentos - desde a preferência pela companhia de amigos TDAH até o hiperfoco durante toda a noite, e a duvidar de nossa capacidade de agir quando os outros querem nossa ação.

A vida dos TDAHs
A maioria dos TDAHs sempre soube que eles são diferentes. Os pais, professores, patrões e os amigos sempre disseram que eles não se ajustavam ao modelo normal. Disseram para que eles aprendessem e se tornassem iguais às outras pessoas. O principal obstáculo para entender o TDAH é a crença de que os TDAHs podem e devem ser como o resto das pessoas. Para os "normais" e para os TDAHs, aqui vai uma explicação do porquê dos TDAHs fazerem o que fazem.

Por que não nos damos bem em um mundo linear?
O mundo TDAH é curvo. Passado, presente e futuro nunca são separados e distintos. Tudo é agora. Os TDAHs vivem um presente permanente e têm muita dificuldade de aprender do passado ou de olhar para o futuro para ver as consequências de seus atos. "Agir sem pensar" é a definição de impulsividade, e uma das razões por que os TDAHs têm dificuldade de aprender pela experiência.

Problemas de A a Z
Os TDAHs não são bons em organização - planejar e fazer as etapas de uma tarefa em ordem certa. Trabalhos no mundo neurotípico ["normal"] têm um começo, um meio e um fim. Os TDAHs não sabem onde e como começar, porque não conseguem achar o início. Eles vão para o meio de uma tarefa e agem em todas as direções ao mesmo tempo. A organização se torna uma tarefa insustentável porque os sistemas organizacionais trabalham com linearidade, importância e tempo.

Por que ficamos oprimidos?
Os TDAHs sentem a vida de modo mais intenso do que os outros. O sistema nervoso do TDAH quer se envolver com algo interessante e desafiador. Atenção nunca é um déficit. Ela é sempre excessiva, constantemente ocupada com envolvimentos internos. Quando os TDAHs não estão na zona de conforto, no hiperfoco, eles têm muitas coisas rondando suas mentes, todas ao mesmo tempo, e por nenhuma razão aparente, como cinco pessoas falando entre si ao mesmo tempo. Nada consegue atenção sustentada e não dividida. Nada fica bem feito.

Por que sentimos o mundo todo?
Muitos TDAHs não conseguem selecionar os estímulos sensoriais. Às vezes isso está relacionado somente a um reino sensorial, como a audição. De fato, o fenômeno é chamado de hiperacusia (audição amplificada), mesmo quando a atrapalhação vem de um dos cinco outros sentidos. Por exemplo, o menor barulho na casa impede que pegue no sono. Os TDAHs têm seus mundos constantemente perturbados por sensações que os neurotípicos não percebem.

Por que gostamos de uma crise?
Às vezes, um TDAH pode atingir o limite de um prazo e produzir muito trabalho em pouco tempo. Os "mestres do desastre" podem lidar facilmente com a crise e perder o controle quando as coisas voltam a ser rotina. Balançando de crise em crise, entretanto, é uma dura maneira de viver a vida. Alguns portadores de TDAH usam a raiva para ter a descarga de adrenalina que precisam para serem produtivos. O preço que pagam por sua produtividade é tão alto que eles podem ser considerados como portadores de transtornos de personalidade.

Por que nem sempre terminamos as coisas?
Os portadores de TDAH  são iludidos e frustrados por sua intermitente habilidade de serem super-homens quando interessados, e desafiados e incapazes de iniciar e manter projetos que os aborreçam. Nunca estão confiantes de que podem se engajar quando for necessário, quando os outros esperam que o façam, quando os outros dependem de que o façam. Quando os portadores de TDAH se vêm como independentes, eles começam a duvidar de seus talentos e a sentir vergonha de não serem confiáveis.

Por que nossos motores estão sempre ligados?
Quando a maioria dos portadores de TDAH fica adolescente, sua hiperatividade se esconde. Mas ela está lá e ainda prejudica a capacidade de se ligar no ato, de ouvir as pessoas e de relaxar o suficiente para dormir. Mesmo quando tomam suas medicações, podem não ser capazes de fazer uso de seu estado acalmado. Ainda são acelerados. Na adolescência, muitos portadores de TDAH já adquiriram as habilidades sociais necessárias para disfarçar que eles não estão ligados no aqui e agora.

Por que a organização nos confunde?
A mente do TDAH é uma enorme e desorganizada biblioteca. Ela contém vasta quantidade de informação, em pedaços, não em livros completos. A informação existe em muitas formas - como artigos, vídeos, audioclipes, páginas da internet. Mas não há cartões de catalogação. Cada portador de TDAH tem sua própria maneira de guardar essa enorme quantidade de material. Itens importantes (Deus nos acuda, importantes para mais alguém) não têm nenhum lugar fixo, e podem muito bem estarem invisíveis ou completamente perdidos.

Por que podemos nos esquecer?
Para o portador de TDAH, a informação e as memórias que estiverem fora da vista estarão fora da mente. Sua mente é uma memória RAM de computador, sem nenhum acesso confiável à informação no disco rígido. A mente do TDAH está cheia de minúcias da vida ("Onde estão minhas chaves?"), então, há pouco lugar para novos pensamentos e memórias. Algo tem de ser descartado ou esquecido para dar lugar a informação nova. Geralmente a informação de que os portadores de TDAH precisam está em sua memória, mas não está disponível quando solicitada.

Por que não nos vemos claramente?
Os portadores de TDAH têm pouca autopercepção. Enquanto podem frequentemente entender bem os outros, para a média dos TDAHs é difícil saber, de momento a momento, como eles mesmos estão se saindo. Os neurotípicos interpretam isso de modo errado, como sendo insensibilidade, narcisismo, descuido ou inaptidão social. A vulnerabilidade dos TDAHs ao feedback negativo dos outros e a falta de habilidade de se avaliar no momento, pioram as coisas.

Por que somos desafiados pelo tempo?
Como os portadores de TDAH não têm uma avaliação real do tempo, tudo acontece agora ou nunca. Junto ao conceito de ordenação (o que deve ser feito em primeiro lugar; o que vem em segundo lugar) também deve haver o conceito de tempo. Oitenta e cinco por cento dos meus pacientes com TDAH não têm ou não usam um relógio de pulso. Para os TDAHs, o tempo é uma abstração sem significado. Ele é importante para as outras pessoas, mas os TDAHs nunca têm noção dele.


ADDitude

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

317- As Melhores Estratégias de Disciplina para as Crianças com TDAH (5a. e última parte)


41- Insista no contato visual.

Quando vocês olham um ao outro nos olhos, sua criança não pode ignorá-lo e prestará atenção ao que você estiver dizendo. Peça ao seu filho com TDAH para olhar para você quando for explicar porque um comportamento é mau ou quando estiver pedindo uma mudança de comportamento, como esperar com paciência ou arrumar a bagunça.

42- Gastem juntos o tempo não estruturado.

Somente 15 minutos ao dia com seu filho estabelece a base para uma forte ligação com a criança com TDAH. Quanto mais perto você estiver, mais provavelmente ele ouvirá você da próxima vez que se comportar mal.

43- Faça seu filho saber quem é o chefe.

Explique à sua criança com TDAH que jogar videogame e ver TV são privilégios que você concede a ela, não um direito dela. As crianças precisam saber que o uso do telefone, da TV e do computador tem de ser conquistado por meio de comportamento positivo e boas maneiras.

44- Explique logo de início as consequências por mau comportamento.

Ter um plano de ação claro antes de que ocorra um incidente ajudará a guiá-lo quando o mau comportamento acontecer e não será uma surpresa para o seu filho. Essas consequências devem incluir a retirada de privilégios. O realmente mau comportamento, como agredir, deve resultar eu um castigo mai longo.

45- Mantenha as consequências, não importa o quê.

Discuta o comportamento e certifique-se de que seu filho entendeu porque está errado. Um pai tem de ser cem por cento consistente na resolução de um mau comportamento. De outro modo, o comportamento poderá persistir e até mesmo piorar.

46- Estabeleça regras que você possa fazer valer.

Nunca entre numa batalha em que não possa vencer, e nunca estabeleça uma regra que não possa fazer valer. "Esteja em casa às 10 horas" é uma regra que pode ser cumprida. "Não gaste seu tempo com seu amigo Sandy, que sempre o envolve em problemas", não é. Você não pode sair junto com sua filha e escolher com quem ela vai e encontrar quando sair de casa.

47- Fique no presente.

Nada é mais contraproducente, quando estiver educando seu filho, do que trazer de volta problemas passados ou erros cometidos, quando estiver lidando com uma situação atual. Revolver o passado desvia do problema atual em causa e leva ao aumento da frustração e das hostilidades. Evite as longas preleções e o "Eu já lhe falei isso".

48- Deixe seu adolescente desabafar.

A frustração, desapontamento, ou ressentimento do seu adolescente pode rapidamente se transformar em raiva. Reconheça os sentimentos rancorosos, mas não os critique se eles estiverem sendo expressados de modo responsável - verbalmente, sem se tornarem abusivos (nenhum palavrão ou insulto). Deixe claro que existe uma grande diferença entre sentimentos de raiva e atos de raiva. Estabeleça limites firmes contra a raiva física contra pessoas ou propriedade. Se esses limites não forem respeitados, esteja preparado para chamar a polícia, se necessário. Alguma linhas não podem ser ultrapassadas.

49- Acalme sua criança antes que ela se comporte mal.

Se a sua criança começa a ficar inconveniente num restaurante ou no shopping, acalme-a pedindo que ela imagine que tem uma vela acesa pintada na palma da mão. então, faça ela segurar a mão em frente do rosto e peça a ela que apague a chama imaginária com o sopro. A respiração profunda ajusta as crianças fora de controle. Como alternativa, tenha um ou dois balões de borracha e sua bolsa e peça a ela que sopre para enchê-los.

50- Combinem um plano.

Antes de sair para a mercearia ou para o salão de videogame, pergunte à sua criança com TDAH o que a acalmaria se ela ficasse agitada. Se ela tiver mesmo um episódio, você terá um plano porque sua criança já lhe disse o que fazer. O conhecimento do plano por ela deve garantir que ela vai cooperar quando você tiver de por o plano em prática.

Fim


ADDitude

316- As Melhores Estratégias de Disciplina para as Crianças com TDAH (4a. parte)

continuação da 3a. parte (postagem 315)

31- Teste diferentes formas de disciplina.

Fique na linha divisória entre ser muito rigoroso e ser muito leniente. Faça uso da resolução de problemas e da negociação para dar ao seu filho estímulo e responsabilidade. Tente uma estratégia, avalie, e reformule conforme seja necessário.

32- Não fale muito.

Deixe as emoções se acalmarem antes de falar com seu adolescente. Sempre escute mais e fale menos.

33- Mantenha a comunicação com seu cônjuge.

Os pais devem exercer o mesmo grau de disciplina, e cada um deve apoiar o outro. Isso evita que o adolescente jogue um contra o outro.

34- Planeje com antecedência.

Saiba quais problemas são mais importantes e não são passíveis de negociação. Discuta-os e fale das suas expectativas - e estebeleça as consequências.

35- "Vou pensar nisso".

Se o seu filho disser que tem de comprar um brinquedo antes de ir para a escola, essas três palavras desviam a discussão do modo "tenho de dar uma resposta agora".

36- Ignore os problemas menores.

O lar se torna um campo de batalha quando os pais reclamam de seus filhos a respeito de tudo.

37- Não chute cachorro morto.

Se a sua criança com TDAH já pagou pelo seu delito ou por sua falha (perdeu sua nova câmara digital, por exemplo) ou foi castigada por um professor ou pela polícia, pergunte a si mesmo "Será necessária uma nova consequência, ou eu estou querendo apenas me vingar?".

38- Não encare as brigas pessoalmente.

Ignore os protestos do seu filho do tipo "você não confia em mim". Monitoramento é uma obrigação dos pais. Espere a reação e não se magoe com ela.

39- Demonstre seu amor.

Quando seu filho aparece na porta você rosna ou sorri? Você faz uma crítica ou demonstra seu afeto? Deixe seu olhos se enxerem de luz e torne suas palavras carinhosas. Deixe os problemas em banho-maria.

40- Não pergunte, fale.


Não comece suas solicitações com "Você se importaria?" ou termine-as com "OK?". Em vez disso, dê ordens simples e claras, como "Por favor, pegue seu casaco que está no chão". Se o seu filho não responder ao seu primeiro pedido, tente dizer de outra maneira. As crianças respondem de modo diferente às solicitações, assim, dizer as coisas de maneiras diferentes pode levar a uma resposta melhor da sua criança com TDAH do que repetir a pergunta várias vezes. 

continua na 317

ADDitude

315- As Melhores Estratégias de Disciplina para as Crianças com TDAH (3a. parte)

continuação da 2a. postagem (314)


21- Use a mesma estrutura básica de sentença quando passar uma ordem.

Por exemplo, "Justin, você precisa desligar a televisão", ou "Justin, você precisa por seus sapatos na sua sapateira". Quando os pais fazem isso de modo consistente, a criança logo descobre que sempre que ouvir o nome dela seguido de "você precisa...", ela deve obedecer. Se ela obedecer, ganha um ponto na direção de algum premio. Se a criança não obedecer, ela enfrenta uma consequência negativa. Tipicamente, é um castigo de ficar num canto, ou, para crianças maiores, a perda de alguns privilégios.

22- Tenha certeza de que o castigo seja correto.

Não mais de 60 segundos para cada ano de idade da criança - por exemplo, cinco minutos para uma criança de cinco anos de idade. Geralmente, 30 segundos para cada ano fazem mais sentido. O importante não é quanto tempo dure o castigo, é mostrar à criança que você, o pai, está no controle e que você pode interromper o comportamento impróprio e conquistar a obediência.

23- Encontre meios de limitar a necessidade de castigar a criança.

O assim chamado comportamento impróprio nem sempre é impróprio; ele é impróprio para um determinado local e ocasião. As crianças precisam se expressar por si mesmas, e os pais precisam tornar isso possível para elas. Se a sua criança precisa de algazarra, por exemplo, você pode ter um saco de pancadas em algum local de sua casa. Se o seu filho gosta de desmontar aparelhos, provavelmente não vai adiantar dizer para ele não fazê-lo. Em vez disso, dê a ele uma caixa de aspiradores e tostadeiras velhos, e designe um local da casa ou um espaço onde ele possa desmontá-los.

24- Lidando com a gritaria e os xingamentos.

Sente-se com a criança durante um período de calma e diga, "Sei de um monte de coisas que te deixam brava, mas agora você está fazendo coisas que não podem ser feitas dentro de casa. Então, vamos descobrir coisas que você pode fazer quando estiver zangado". Bem, pode ser que algum palavrão seja aceitável. Todas as crianças ficam com raiva dos seus pais, e as que têm TDAH são mais propensas à raiva e frustração do que as outras crianças. Então, não faz sentido falar para o seu filho não ficar bravo com você. Em vez disso, ajude-o a encontrar maneiras aceitáveis de expressar sua raiva.

25- Negocie incentivos com seu filho.

Crianças com TDAH são lentas para aprender como ajustar suas palavras e ações conforme o ambiente. Um bom meio de dar ajuda é através de um programa de incentivos ou recompensas. Para cada hora que a criança não xingar os outros, ela ganha pontos para uma recompensa. Os pais podem se sentar com sua criança e fazer cupões de recompensa. Os cupões são para alguma coisa que a criança adore fazer - ficar acordada até mais tarde num final de semana, comer pizza, ganhar 5 reais. A chave é motivar a criança a aprender a se controlar.

26- Dê ao seu filhos tarefas concretas a fazer.

Em vez de dizer ao seu filho para parar de se comportar mal, diga-lhe o que fazer. Dar a ele um trabalho específico, e uma oportunidade de ser útil, alivia sua ansiedade. Se você estiver em um restaurante fast-food, diga, "Billy, faça-me um favor e guarde uma mesa para nós perto da janela". "Sally, você poderia pegar sete pacotinhos de ketchup, oito guardanapos e quatro canudinhos?". Então, elogie o trabalho bem feito. As crianças com TDAH adoram ajudar. Requisite-as.

27- Comece a disciplina cedo.

Quanto mais você esperar, mais a criança terá de desaprender. Promova limites consistentes tão cedo quanto possível. Se você esperar até a adolescência, o desafio será muito maior.

28- Como lidar com adolescentes que perdem as coisas.

Adolescentes e estudantes do ensino médio perdem itens como carteiras, chaves, livros, óculos e documentos. Esses contratempos levam ao pânico e à culpa, o que pode tornar o adolescente defensivo. Quanto mais os pais culpam um adolescente por não ter cuidado com suas coisas, menos provável que ele escute aos conselhos dos pais. Para evitar essa cadeia de acontecimentos, espere até que as coisas estejam calmas e amistosas, e ofereça sugestões de um modo não acusador. Diga, "Sei que você tem dificuldade de achar as coisas. Isso deve ser frustrante. Tenho algumas ideias que podem ajudar, se você quiser tentar." Sugira organizar as coisas que ele costuma perder mais frequentemente. Pregue um gancho na parede ou compre um decorativo pendurador de chaves, de modo que ele possa praticar por suas chaves no local certo todas as vezes que chegar em casa.

29- Dê ao seu filho uma escolha, não uma ameaça.

Escolhas dão ao seu filho uma oportunidade de resolver seus próprios problemas. ameaças criam resposta de lute ou fuja que leva ao isolamento ou a uma discussão acalorada. Você nunca ouviu seu filho adolescente dizer, "E daí? Eu não me importo!" quando você o ameaça? Uma ameaça inclui punição como uma das escolhas. "Limpe seu quarto, ou você não poderá usar o carro. A escolha é sua". Um jeito melhor de dizer isso é, "Você precisa limpar seu quarto. Você pode fazer isso agora ou depois do jantar".

30- Desvie a atenção dele.


Você já notou quão intensos nos tornamos quando estamos focalizados no negativo? Em vez disso, mude a energia da conversa para a resolução de um problema. Se o seu filho reclama porque não pode pegar outro biscoito na padaria, mude a atenção dele do seu desejo. "Que tal assarmos uma fornada de biscoitos amanhã, em casa? Vocês, meninos, acham que podem fazer o trabalho de casa amanhã a tempo de assarmos biscoitos de chocolate? Quem quer misturar a massa e lamber a colher?" 

continua na 316

ADDitude

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

314- As Melhores Estratégias de Disciplina para as Crianças com TDAH (2a. parte)

Continuação da postagem 313

11- Estreite as ligações.

A melhor disciplina combina uma firme expectativa de como se comportar ou agir, com o respeito básico pelo valor e a dignidade do seu filho. A hora de se deitar é construtiva, escute as preocupações dele, simpatize com seus sentimentos e defenda seu filho quando necessário. Isso tudo mostrará que você é mais do que um sargento bravo. Você é um pai amoroso.

12- Reafirme seu amor.

Sempre diga ao seu filho, não importa o que ele tenha feito, o quanto você o ama. Amor e liderança são funções gêmeas dos cuidados paternais - então, torne claro que a disciplina não diminui seu afeto por ele.

13- Use a rotina para evitar as brigas pelo poder.

ÀS vezes os pais e os filhos entram em um padrão no qual as tarefas e as responsabilidades diárias viram batalhas. Em muitos casos, a criança até obedece, mas o conflito deixa todo mundo contrariado e emocionalmente esgotado. Estabeleça rotinas para ajudaras crianças a fazer as tarefas diárias junto com o trabalho de escola e a vida familiar. por exemplo, os pais devem estabelecer e cobrar - com calma e firmeza - temor regulares de estudo para cada criança. Pode levar semanas até que a criança aceite essas rotinas e as siga com consistência.

14- Imponha consequências imediatas.

Seja o caso de estar retirando os privilégios de ver TV, proibir seu filho de ir a uma festa, ou qualquer outra coisa, as consequências funcionarão melhor quando forem impostas tão logo as infrações às regras sejam cometidas. A severidade das consequências devem ser equivalentes às infrações. Exagerar nas consequências encorajará seu filho a se ressentir das regras e de sua autoridade - e gerará mais raiva e rebeldia.

15- Enfrente a desonestidade.

Para as crianças com TDAH, mentir é geralmente um mecanismo de compensação. Uma mentira pode ser um modo de encobrir o esquecimento, para evitar a crítica ou a punição, ou para evitar ter de lidar com sentimentos de culpa e de vergonha por repetidos fracassos. O primeiro passo ao lidar com a desonestidade crônica é encontrar as razões que estão por trás dela. Se o seu filho mente para evitar consequências por comportamento irresponsável, você deve monitorar esses comportamentos mais de perto e castigar qualquer ato de trapaça. Se ele mente para encobrir fracasso ou vergonha, encoraje seu filho a ser honesto - e procure ajuda apropriada de modo que ele possa superar o que seja com que estiver tendo dificuldade.

16- Faça seu filho respeitá-lo.

Deve haver muitas razões pelas quais um filho não respeite você ou suas regras. As regras são claras? Regras importantes precisam ser escritas. A criança se recusa a aceitar as regras porque ela as considera injustas? Nesse caso, as objeções da criança e as razões dos pais garantem mais discussões. Por fim, se você quiser que suas regras sejam seguidas, reforce-as consistentemente. Isso significa não se esquecer delas ou suspendê-las ocasionalmente porque você se sente culpado ou porque sua criança (ou seu cônjuge) pressionou-o a fazê-lo. Se você fizer ameaças vazias, você estará sacrificando sua credibilidade e minando sua autoridade como pai.

17- Castigando uma criança super-reativa.

Embora muitas crianças possam protestar bastante por serem castigadas, crianças com TDAH podem reagir com indignação e raivas muito intensas. Tenha em mente que a super-reação crônica ao castigo - particularmente quando intensos sentimentos de raiva ou de frustração estiverem envolvidos - pode não ser resultante do TDAH. A criança está super-reagindo porque se sente criticada? Não amada? Inadequada? Desamparada? Oprimida? Suas expectativas são muito altas e fora da realidade? Em alguns casos a raiva crônica pode indicar depressão da infância ou transtorno bipolar.

18- Seu filho o deixa descontrolado?

Faça uma auto-avaliação. Você tem sido muito crítico ou negativista em relação ao seu filho? Você se preocupa muito com os problemas e nem tanto com as soluções? As conversas têm se transformado em uma série de aulas, em vez de uma troca? Não importa a idade do seu filho, pode ser útil envolvê-lo em um processo de estabelecimento de regras domésticas e de consequências para a desobediência delas. Uma criança que se sente incluída na feitura das regras da família terá mais chance de respeitá-las.

19- Diga não com um jeito calmo e decidido.

Quando uma criança quer um segundo cone de sorvete e fica fazendo manha, não diga "Por que você tem sempre de fazer manha?". Você está dizendo ao seu filho que você é fraco e vulnerável. Para a criança, parece que há uma chance de obter o que ela quer se ela insistir. As crianças ouvem "Não" e "Talvez" ao mesmo tempo. Em vez disso, os pais de crianças com TDAH deveriam dizer não com um jeito neutro e não emocional. Diga, "Não estou nem aí". Nenhuma aula, nenhuma explicação. Isso significa para o seu filho, "Pode acreditar em mim, porque não vou mudar minha decisão. Você pode pedir 7 mil vezes e a resposta ainda será não".

20- Apague a fogueira emocional.


O que acontece se o seu calmo "não" desencadear uma birra? Fazer manha não funcionou, então é hora de embaraçá-lo na lanchonete com uma grande crise de birra. Tome essa oportunidade para lembrar ao seu filho que ele não vai escolher suas reações. Você sim. Mesmo que se sinta embaraçado, frustrado e ressentido, você não vai misturar a gritaria do seu filho com a sua. Gritar só vai aumentar o confronto. Em vez disso, assuma uma postura calma. Sente-se e cruze as pernas. Faça desenhos coloridos com giz de cor e peça ao seu filho para ajudá-lo nessa atividade. Ficar calmo diz que você está no controle da situação - não ele.

continua na 315

ADDitude