"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quarta-feira, 25 de junho de 2014

344- Níveis de ferro no cérebro podem fornecer informações sobre TDAH


APA - 24/06/2014

Durante anos, o número de diagnósticos de transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) aumentou continuamente - por consequência, a prescrição de medicamentos psicoestimulantes também aumentou. Medindo os níveis de ferro no cérebro, cientistas americanos agora esperam ter encontrado uma nova técnica de diagnóstico não invasiva que pode ajudar a prever o transtorno com mais precisão. O estudo foi publicado na revista “Radiology”.
Pesquisadores da Universidade da Carolina do Sul (Charleston) examinaram o nível de ferro em 22 crianças com TDAH, assim como em um grupo controle com 27 crianças sadias. Doze dos pacientes com TDAH nunca tomaram nenhuma medicação para tratar o transtorno. Os pesquisadores mediram o nível de ferro usando imagem de correlação de campo magnético, para o qual basta uma amostra de sangue e não é necessário agente de contraste.
Os níveis de ferro no cérebro foram significativamente mais baixos em crianças com TDAH que não estavam em tratamento do que em crianças em tratamento e em sujeitos saudáveis. Entre os dois últimos, os níveis de ferro foram comparáveis, indicando que a terapia medicamentosa pode normalizar os níveis de ferro. Em todos os três grupos, o nível de ferro no resto do organismo estava normal.
O diagnóstico clínico pode melhorar com a ajuda deste biomarcador, principalmente nos casos limite (borderline), disse a autora do estudo Vitria Adisetiyo. Entretanto, os resultados ainda precisam ser confirmados em estudos maiores.
[AVISO IMPORTANTE: NÃO ADIANTA DAR FERRO PARA AS CRIANÇAS. O TRATAMENTO É O TRADICIONAL, COM PSICOESTIMULANTES]

UNIVADIS - MSD