"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Menopausa e TDAH (417)

Menopausa e TDAH - Laura Flynn McCarthy - continuação da postagem 416

Dez anos atrás, Ranjini Pillai, M.D., de Pleasant, Carolina do Sul, fez uma histerectomia, que a levou à menopausa. [Ela deve ter feito, também, uma ooforectomia (retirada dos ovários)]. "De repente, me sentia ansiosa o tempo todo", ela conta. "Ficava cansada, desorganizada e fora de foco; não consegui raciocinar claramente".

Um mês depois da cirurgia, ela começou a usar estrogênio como tratamento de reposição hormonal, e seus sintomas melhoraram um pouco. Mas, ainda tinha problemas com a organização e com a ansiedade. Os médicos receitaram antidepressivos, o que não ajudou.

Cinco anos atrás, um médico diagnosticou-a como TDAH e receitou Strattera. "A melhora foi dramática", conta Pillai. "Meu raciocínio ficou mais claro, minha ansiedade sumiu, e tudo começou a fazer sentido". Pillai precisa de tratamento de reposição com dois hormônios (uma combinação de estrogênio e pequena quantidade de progesterona) e, duas vezes ao dia, Strattera para controlar os sintomas do TDAH. Ela aprendeu estratégias de controle do comportamento para ajudá-la a permanecer organizada e para se lembrar das coisas, tais como uma cesta perto da porta da frente, para o celular e as chaves.

"Aprendi também a delegar responsabilidades e a aceitar o fato de que não posso fazer tudo", diz Pillai. "Meu marido, agora, cuida das nossas finanças e meus dois filhos, de 23 e de 14 anos, fazem as tarefas para manter a casa funcionando, de modo que posso me dedicar ao meu trabalho e às coisas de que gosto, como cozinhar".

Efeitos Hormonais do TDAH

Na menopausa (em média aos 51 anos de idade), os níveis de estrogênio caem cerca de 65%. Há uma queda gradual que se inicia uns 10 anos antes da menopausa (conhecida como perimenopausa). A perda de estrogênio leva à diminuição dos níveis de serotonina e de dopamina no cérebro. As mulheres que estão na perimenopausa relatam mudanças de humor, tristeza, irritabilidade, cansaço, confusão mental e lapsos de memória. Esses sintomas podem ser mais intensos nas mulheres com TDAH.

"Por terem um cérebro com menos energia cognitiva para funcionar, pode ser especialmente difícil para as mulheres com TDAH manter a concentração e tomar boas decisões nessa fase da vida", diz Quinn.

Soluções: Os anticoncepcionais orais, tomados na perimenopausa, podem estabilizar os níveis hormonais e melhorar o funcionamento cerebral. Depois que a menstruação de suas pacientes parou, muitos médicos recomendam o tratamento de reposição hormonal, ao menos nos primeiros anos depois da menopausa. "As pesquisas mostram que as mulheres que recebem tratamento de reposição hormonal se desempenham melhor nos testes de cognição, assim como nos testes de memória e de capacidade de raciocínio", diz Quinn.

Para muitas mulheres, a melhor forma de tratamento é o estrogênio sozinho, por três ou quatro meses, seguido por 10 dias de progesterona. "Como no caso de Pillai, combinar o tratamento de reposição hormonal com medicação para o TDAH geralmente melhora os sintomas de modo mais eficaz", diz Quinn. Ela também diz que é importante, em cada estágio de sua vida, manter sob controle os sintomas do TDAH. Isso significa lidar com vários profissionais - um psiquiatra ou psicólogo, um clínico e um ginecologista.

Procure instruir-se sobre o TDAH e sobre o que está ocorrendo com seu corpo, manter lista de medicações, tabela de sintomas, e, acima de tudo, peça a ajuda que necessitar dos profissionais.

ADDitude



TDAH e Gravidez (416)

TDAH e Gravidez - Laura Flynn McCarthy - continuação da postagem 415

Diagnosticada com TDAH aos 29 anos de idade, Becca Keeton, de Lomita, Califórnia, tomou medicação estimulante por um ano antes de tentar engravidar. "Parei com minha medicação aos 30, quando estava grávida e cuidando de meus três filhos", diz Keeton. "Durante o primeiro mês de cada gravidez, os sintomas do meu TDAH pioravam. Na minha segunda gravidez, sofri 3 pequenos acidentes de carro - todos por minha culpa - no primeiro mês. Conforme o tempo passava, meus sintomas de TDAH melhoravam e eu também me sentia melhor enquanto amamentava meus bebês." Agora, com quarenta e poucos anos, já passados os anos de suas gravidezes, Keeton toma Adderal diariamente, e diz que aumenta a dose nos dias que antecedem seu fluxo menstrual, para controlar o sintomas de TDAH, que, tipicamente, pioram nessa época.

Efeitos Hormonais Sobre o TDAH

Virtualmente todos os níveis hormonais mudam durante a gravidez, principalmente porque a placenta produz hormônios e estimula outras glândulas - tais como as adrenais e a tireóide - a produzirem mais hormônios, também. Conforme os níveis hormonais se elevam nos primeiros meses da gravidez, as futuras mamães com TDAH sentem cansaço, mudanças de humor e ansiedade. Mas conforme os níveis de estrogênio aumentam à medida em que a gravidez progride, muitas mulheres com TDAH dizem que se sentem melhor.

"Algumas pesquisas mostram que o transtorno de pânico melhora a cada trimestre da gravidez e retorna depois do parto", diz Quinn. "É possível que um padrão semelhante ocorra com o TDAH".

Quinn assinala que, embora não haja nenhuma pesquisa mostrando que os sintomas do TDAH melhorem durante a gestação, há evidências de que isso aconteça. "Recebo cartas e resumos de casos de mulheres dizendo o quão melhor elas se sentem durante a gravidez".

Nas semanas depois do parto, os níveis de hormônios caem. Embora essa queda dos níveis hormonais possa levar a mudanças de humor, às vezes chamada de "the baby blues" (melancolia pós-parto) e a depressão pós-parto em todas as mães de "primeira viagem", as mulheres com TDAH podem ser mais propensas à depressão.

Soluções: Você e o seu médico devem reavaliar seu tratamento para o TDAH durante a gestação e quando estiver amamentando. As pesquisas mostram que alguns estimulantes usados para o tratamento do TDAH podem levar a defeitos cardíacos e outros problemas de desenvolvimento nos fetos. Bebês amamentados no peito podem desenvolver problemas de dependência mais tarde na vida, se suas mães usaram medicação estimulante enquanto amamentavam.

Alguns medicamentos antidepressivos parecem seguros para o uso durante a gravidez e a amamentação, mas você e seu médico devem discutir todas as opções e determinar qual é a melhor para você. Por causa das mudanças hormonais discutidas acima, muitas mulheres acham que parar a medicação para o TDAH permite que elas se sintam melhor.

"Além da medicação, é importante obter ajuda durante a gestação e depois que o bebê nasceu", diz Kathleen Nadeau, Ph.D., diretora do Chesapeake ADHD Center, em Maryland. "Embora as mudanças hormonais possam melhorar os sintomas do TDAH, o estresse do trabalho, da gestação, dos cuidados com os outros filhos em casa, e a ansiedade de estar pronta para o novo bebê podem contrabalançar qualquer benefício hormonal"


Na próxima postagem: A Menopausa e o TDAH

quarta-feira, 29 de julho de 2015

TDAH e os Anos Reprodutivos (415)

Laura Flynn McCarthy. (continuação da postagem 414)

"As flutuações hormonais definitivamente afetam os sintomas do meu TDAH", diz Jamie Suzanne Saunders, de 41 anos de idade, gerente de um escritório em Louisville, Kentucky. "Cerca de três dias antes da minha menstruação, e durante todo o período, eu me sinto hiperativa, desatenta e inquieta. É como se eu estivesse dirigindo em uma super-rodovia e em vez de seguir em frente, eu entrasse em um desvio e descobrisse que estava em outra rodovia com desvios igualmente interessantes. Perco meu foco e não consigo fazer nada". Diagnosticada recentemente, Saunders espera que o seu especialista em TDAH a auxilie a controlar seus sintomas, especialmente à medida em que ela se aproxime da pré-menopausa.

Efeitos Hormonais no TDAH

O ciclo menstrual tem, em média, 28 dias, contando do primeiro dia do fluxo. Nas duas primeiras semanas, conhecidas como a fase folicular, os níveis de estrogênio aumentam constantemente, enquanto os níveis de progesterona permanecem baixos.

O estrogênio promove a liberação, no cérebro, dos neurotransmissores do bem estar, serotonina e dopamina. Sem surpresa, os estudos mostram que as duas primeiras semanas do ciclo transcorrem de modo mais ameno para as mulheres com TDAH do que as duas segundas semanas, quando os níveis de progesterona se elevam. 

Durante a terceira e a quarta semana, chamada de fase lútea (ou luteínica), a progesterona diminui os efeitos benéficos do estrogênio no cérebro, possivelmente reduzindo a eficiência das medicações estimulantes.

Quinn acredita que as mulheres com TDAH sofrem de síndrome pré-menstrual (SPM) [também chamada TPM] de modo mais agudo que as mulheres que não têm o transtorno. "Sentimentos de depressão e de ansiedade tipicamente se agravam nas mulheres com TDAH durante essa fase", diz Quinn. As boas notícias? Tratar o TDAH pode melhorar também os sintomas da SPM.

Soluções: Mantenha um registro dos sintomas do seu TDAH por três meses - anotando quando eles ocorrem e pioram durante o ciclo menstrual - e tente identificar um padrão. Algumas mulheres têm problemas somente por um ou dois dias do mês, na semana anterior ao início do fluxo. Outras mulheres têm piorados os sintomas do TDAH por 10 dias ou quase, durante a fase lútea.

"Nunca compreendi como as flutuações hormonais afetavam os sintomas do meu TDAH, até que fiz um diário", diz Lori Scamardo, de 34 anos de idade, mãe de dois filhos, em Austin, Texas. Lori foi diagnosticada com TDAH há seis anos. "Cada mês, na semana anterior ao fluxo, anoto coisas como `Estou de volta ao nevoeiro` ou `Não consigo fazer nada`. Saber quando os sintomas do meu TDAH pioravam me ajudou a facilitar as coisas - aprendi que meus comportamentos eram devidos às mudanças hormonais - e me levou a desenvolver estratégias para diminuir aqueles sintomas. Eliminei a cafeína e o açúcar na semana antes do fluxo e passei a me exercitar regularmente".

A medicação pode ajudar. Tomar uma dose baixa de antidepressivo ou de medicação ansiolítica, um ou dois dias antes do fluxo, ajuda muitas mulheres a controlar os altos e baixos emocionais. Outras mulheres descobrem que aumentar ligeiramente sua medicação para o TDAH, poucos dias antes, pode fazer com que se sintam sob controle. 

Os anticoncepcionais orais melhoram os sintomas do TDAH em muitas mulheres, ao minimizar as flutuações hormonais. Três semanas de pílula formuladas somente com estrogênio, seguidas de uma semana de progesterona, sozinha, parece ser especialmente útil.

Na próxima postagem, TDAH e Gravidez.


segunda-feira, 27 de julho de 2015

Mulheres, Hormônios, e TDAH (414)

A gravidade dos sintomas do TDAH varia durante o ciclo da mulher. Saiba o que fazer para lidar com esses sintomas. Por Laura Flynn McCarthy.

Os sintomas do seu TDAH pioram em alguns dias do mês?

Seu raciocínio fica um pouco confuso na semana anterior à sua regra?

No meio do ciclo você é eficiente e organizada?

Os médicos que tratam mulheres com TDAH notaram uma correlação entre os sintomas do TDAH e as flutuações hormonais, não só mensalmente, mas por toda a vida da mulher.

"A idade média do diagnóstico para as mulheres com TDAH, que não foram diagnosticadas quando crianças, é de 36 a 38 anos", diz Patricia Quinn, M.D., diretora do National Center for Girls and Women with AD/HD (Centro Nacional para Meninas e Mulheres com TDAH) e autora de Understanding Women with ADHD (Compreendendo as Mulheres com TDAH). "Antes desse tempo, meninas e mulheres geralmente são mal diagnosticadas como tendo depressão ou transtorno de ansiedade. Mesmo que isso seja uma condição secundária, o tratamento dela não chega à raiz do problema, que é o TDAH.

Quando os médicos diagnosticam meninas e mulheres com TDAH, eles raramente levam em conta as flutuações hormonais ao fazer o plano de tratamento. Mas, os profissionais estão aprendendo cada vez mais sobre as conexões entre os hormônios e o TDAH. A seguir, analisaremos quatro estágios da vida da mulher - da puberdade até a menopausa - e descreveremos o que está acontecendo com os hormônios, dando meios de controlar os sintomas.

TDAH e Adolescência

Megan, residente em Iowa, USA, foi diagnosticada com a forma desatenta do TDAH quando tinha 10 anos de idade. Foi tratada com uma dose baixa de Adderal e foi bem nos estudos. As coisas mudaram quando Megan fez 12 anos e passou para o sétimo ano. Os hormônios produzidos pelo início da puberdade, junto às demandas da escola de nível médio, foram excessivos para que ela desse conta de suportar.

"Ela se atrasava para as aulas, esquecia de levar os livros para casa e demorava três horas para fazer as tarefas de casa, geralmente esquecendo de entregá-las na escola", lembra-se sua mãe, Susan. "Não sabíamos se o problema dela era devido a piora do TDAH, às mudanças hormonais, ao fato de ter trocado de classe e ter de lidar com seis professores diferentes, ou a uma combinação de todas essas coisas".

O médico de Megan falou para a mãe dela que, quando as meninas atingem a puberdade, elas metabolizam a medicação para o TDAH mais rapidamente. Assim, ele aumentou as dosagem de Megan. "Nos três anos seguintes, tentamos 10 drogas diferentes, em várias dosagens." Disse Susan. "As concentrações mais altas da medicação fizeram Megan emagrecer e não promoveram nenhuma melhora, então, paramos com as medicações."

Embora aumentar as doses de medicação algumas vezes ajuda os meninos quando os sintomas do seu TDAH pioram, "a experiência clínica sugere que esta abordagem geralmente falha para as garotas adolescentes", diz Quinn.

Por meio de tentativa e erro, Megan, agora com 15 anos, encontrou um modo de controlar os sintomas: uma pequena dose diária de Metadate e suplementos com óleo de peixe. "Ela não deixou de fazer nenhum trabalho escolar em um ano", diz Susan. "Ela se matriculou em cursos mais desafiadores no colegial, e está muito mais feliz. E, agora que está um pouco mais velha, não se sente incomodada de conversar sobre o que está acontecendo com seu corpo. Quando fica irritada, geniosa ou esquecida naqueles dois ou três dias do mês, posso perguntar a ela: Você está menstruada? Se ela diz que sim, sei que preciso pegar menos pesado com ela."

Efeitos Hormonais sobre o TDAH

A tempestade de hormônios, que leva à rebeldia e aos comportamentos de risco dos adolescentes, tem efeitos profundos nas garotas com TDAH, as quais tipicamente iniciam a puberdade entre as idades de nove e onze anos e têm sua primeira menstruação (menarca) entre os onze e catorze anos.

"Descobrimos que as meninas TDAH nos primeiros anos de sua adolescência têm mais problemas acadêmicos, mais comportamento agressivo, sinais mais precoces de problemas relacionados ao abuso de drogas, e taxas mais altas de depressão que as garotas que não têm o transtorno", diz Stephen Hinshaw, Ph.D., professor e chefe do departamento de psicologia da Universidade da Califórnia, em Berkeley, o qual tem estudado garotas com TDA por mais de dez anos. "Diferente dos meninos adolescentes com TDAH, que tendem a se expressar, as meninas com TDAH geralmente tendem a internalizar seus problemas. Isso faz com que suas dificuldades sejam mais facilmente ignoradas."

A mudança hormonal da puberdade - especialmente os altos níveis de estrogênio e de progesterona - pode fazer com que os medicamentos para o TDAH sejam menos eficientes. "Estudos mostraram que o estrogênio pode aumentar a resposta de uma mulher aos medicamentos com anfetamina, mas o efeito pode ser diminuído pela presença da progesterona", diz Patricia Quinn.

Soluções: Discuta com o médico de sua filha as diversas medicações e dosagens mais usuais. Pode levar um tempo para se descobrir qual funciona melhor, então, tenha paciência. Estratégias comportamentais para gerenciar o tempo e melhorar as habilidades de organização podem ajudar.

"Identifique as potencialidades de sua filha e as enfatize durante as piores épocas do ciclo dela", diz Kathleen Nadeau, Ph.D., diretora do Chesapeake ADHD Center, em Maryland. "Geralmente os professores e os outros adultos na vida de uma garota focalizam somente suas fraquezas."

Se sua filha nota que os sintomas do TDAH dela pioram em certas épocas do mês, encoraje-a a fazer o trabalho escolar antes deles começarem. Faça com que ela se prepare para uma prova importante ou para o término de um trabalho uma semana antes dessa época.

"Seja paciente com sua filha se ela se tornar briguenta ou crítica", diz Nadeau. "Em vez de gritar, sugira que ela descanse um pouco. Você estará ensinando a ela habilidades de autocontrole.


Na próxima postagem: TDAH e os anos reprodutivos

quarta-feira, 22 de julho de 2015

O metilfenidato melhoraria a qualidade de vida de crianças com epilepsia de controle difícil e TDAH comórbido (413)



13/07/2015 - Redação de Psiquiatria.com  - Revista de Neurologia - Barcelona - Espanha

A comorbidade entre transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e as epilepsias de controle difícil é frequente e afeta negativamente a qualidade de vida. A opinião generalizada de que os estimulantes podem piorar o controle das crises impediu as pesquisas de avaliação do impacto de tal tratamento nessa população. Porém, uma pesquisa recente centrou seu objetivo no efeito do metilfenidato na qualidade de vida de crianças e adolescentes com epilepsias difíceis de se tratar e TDAH como comorbidade.

Em estudo aberto, um ensaio não controlado, com análise de intenção de tratar, seguiu 30 pacientes durante seis meses. Os indivíduos receberam metilfenidato durante três meses, período no qual se ajustou a dose do fármaco e se avaliaram a epilepsia, as variáveis do TDAH e a qualidade de vida. A análise de regressão multivariada identificou as principais variáveis relacionadas ao resultado.

Somente um paciente se retirou, devido a uma piora das crises convulsivas. Depois da introdução do metilfenidato, as doses foram calculadas até 0,40 a 0,50 mg/kg/dia. Foi observada uma significativa melhora nas pontuações de qualidade de vida e uma redução significativa da frequência e da gravidade das crises. O sexo feminino, a redução dos sintomas nucleares do TDAH e a tolerabilidade para adequar as doses de metilfenidato se associaram significativamente com melhores pontuações da qualidade de vida.

Segundo os autores, esses dados preliminares sugerem que o tratamento com metilfenidato é seguro e eficiente em pacientes com TDAH e epilepsias de difícil tratamento, e impacta positivamente nos resultados da qualidade de vida.

Epilepsy Behav 2015

Radziuk AL, Kieling RR, Santos K, Rotert R, Bastos F, Palmini AL

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Auto-teste de TDAH para mulheres (412)

Você tem sinais de transtorno de déficit de atenção? Sua filha tem? Somente uma avaliação com um profissional de saúde mental poderá dizer com certeza, mas se você mesmo fizer um teste, respondendo a uma lista de sintomas, terá uma ideia sobre ter ou não o TDAH adulto. ADDitude

P1: Você se sente mal em lojas, no trabalho ou em festas?

P2: Tempo, dinheiro, papéis ou coisas estão dominando sua vida e atrapalhando sua capacidade para atingir suas metas?

P3: Os pedidos para "só mais uma coisinha" tiram você do sério?

P4: Você gasta a maior parte do seu tempo em enfrentamentos, a procura de coisas, com coisas a fazer ou escondendo coisas?

P5: Você parou de chamar pessoas para irem à sua casa por ficar envergonhada de quão bagunçada ela está?

P6: Você tem problemas para controlar seus gastos?

P7: Você frequentemente sente que a vida está fora de controle, que é impossível atingir suas demandas?

P8: Você se sente como se estivesse geralmente em um extremo ou outro de um espectro desregulado de atividades - ou muito sedentário ou em um tornado?

P9: Você "se faz passar por normal"? Você se sente como se fosse um impostor?

P10: Você sente que suas ideias são tão boas quanto, ou até melhores que as dos outros, mas é incapaz de organizá-las ou realizá-las?

P11: Você começa todos os dias com a determinação de se organizar?

P12: Você vê que outras pessoas com inteligência igual à sua o superam?

P13: Você já se sentiu egoísta porque não escreve cartões de agradecimento ou enviar votos de feliz aniversário?

P14: Todo seu tempo e sua energia estão sendo tomados pelos enfrentamentos, por tentar se manter organizado e ter tudo sob controle, sem tempo para relaxar e se divertir?


P15: Você se surpreende pela maneira com que os outros levam uma vida regular e organizada, por exemplo, com hora certa para jantar e pagar as contas no vencimento?


sexta-feira, 17 de julho de 2015

A Lacuna de gênero: Meninas e Mulheres com TDAH (411)


As meninas são diagnosticadas com TDAH muito mais tarde do que os meninos, se é que são diagnosticadas. Aqui está tudo que você precisa saber sobre o TDAH nas mulheres, de modo que você - ou sua filha - não se percam no cipoal. Pelos Editores de ADDitude.

TDAH também é para as mulheres

Meninas e meninos atualmente são diagnosticados com TDAH na taxa de 1 para 3. Isso não significa que a doença seja menos frequente nas meninas. significa que as meninas estão sendo menos diagnosticadas. Quando deixado sem diagnóstico, o TDAH pode gerar um prejuízo na saúde mental feminina e em seu bem estar geral, promovendo baixa autoestima e trauma psicológico.

Diferenças nos sintomas do TDAH

As meninas com TDAH são geralmente despercebidas porque manifestam a hiperatividade de modo diferente. Por exemplo, em sala de aula, um menino pode falar as respostas sem pensar, ficar tamborilando seu dedos ou balançando os pés, enquanto uma menina demonstra a hiperatividade falando sem parar. Uma menina que fala o tempo todo  geralmente é vista pela professora como tagarela, não como hiperativa ou problemática  - e por isso é menos provável que seja encaminhada para uma avaliação para TDAH.

TDAH desatento

Outra razão pela qual o TDAH nas meninas voa abaixo do radar é que nelas é mais provável que apareça a forma desatenta. Os sintomas desse subtipo (que incluem pouca atenção a detalhes, limitado tempo de atenção, esquecimentos e distração) tendem a provocar menos problemas e são menos perceptíveis que os sintomas do TDAH hiperativo. De modo mais simples, um menino hiperativo, que repetidamente faz barulho em sua carteira, é mais notado e recebe mais ajuda do que uma menina desatenta, que fica mexendo em seu cabelo enquanto fica com o olhar perdido na janela.

Mecanismos de compensação

Algumas meninas compensam o seu TDAH desenvolvendo estratégias que mascaram os sintomas. Para garantir que ela obtenha boas notas, uma menina pode tornar-se perfeccionista e gastar horas anotando meticulosamente cada capítulo do assunto sobre o qual vai ser examinada, ou tornar-se obsessivo-compulsiva e checar repetidamente sua mochila para ter certeza de que ela tem tudo.

Dificuldades sociais

As diferenças de gênero no TDAH também podem afetar a vida social de uma menina. As pesquisas mostram que as meninas com TDAH podem ser rejeitadas mais frequentemente do que seus colegas meninos. comparadas aos meninos, as amizades das meninas precisam de maior sofisticação e de mais manutenção. Por exemplo, dois meninos podem se encontrar no playground e começar a cavar um buraco com suas pás, e ficam amigos instantaneamente. A amizade entre as meninas requer a atenção a dicas sociais e a vínculos, algo com que as meninas com TDAH têm problemas.

O preço do TDAH nas meninas

A autoestima das meninas com TDAH também parece ser mais prejudicada do que a dos meninos com TDAH. Não é surpresa, então, que a condição possa exigir um preço da saúde emocional e do bem estar geral das meninas. Meninas com TDAH tendem a ter mais transtornos de humor, depressão, ansiedade e problemas de autoestima que as meninas sem TDAH. Meninas com TDAH correm maior risco de problemas desde baixo desempenho acadêmico até abuso de álcool e de drogas, e até mesmo de tentativas de suicídio.

A percepção pública das meninas

Meninas com o subtipo hiperativo do TDAH podem ser diagnosticadas mais precocemente, mas geralmente são mais estigmatizadas do que os meninos com o mesmo diagnóstico. Crianças no playground vêem a impulsividade e a distração como coisa de menino. Meninos são mais propensos a ganhar um salvo-conduto das outras crianças e dos professores, especialmente se os sintomas não forem muito severos. Meninos hiperativos estão somente "sendo meninos", enquanto meninas hiperativas ganham o ostracismo.

As expectativas das esposas e mães

As mulheres são ensinadas a ser "agradáveis", e geralmente são cobradas por expectativas não realistas, enquanto tentam se equilibrar entre a família e a carreira. Quando mulheres com TDAH se casam e têm filhos, muitas sentem vergonha. A sociedade espera tremendas proezas de memória e de organização das mães, desde a observação de fatos críticos em relação aos professores até a organização das refeições e programações. Sem tratamento ou ajuda, muitas mulheres se sentem ineptas.

Obtendo ajuda

Se você acredita que sua filha pode ter TDAH, não espere até que o professor reclame, antes de ir procurar a avaliação médica. Os professores geralmente procuram por hiperatividade, desorganização ou esquecimentos como sinais de TDAH antes de recomendar uma avaliação aos pais, mas o modo como o TDAH se manifesta nas meninas - falar excessivamente, baixa autoestima, preocupação, perfeccionismo, assumir riscos e curiosidade - raramente é tido como tal.

Diagnóstico no adulto: Alívio

Qualquer mulher que suspeite de ter TDAH deve se instruir sobre o transtorno e consultar um profissional de saúde mental que seja especializado no assunto. O TDAH é fortemente hereditário e muitas mulheres procuram ajuda como adultas porque uma luz se apaga quando elas têm um filho diagnosticado com TDAH. Para muitas mulheres diagnosticadas tardiamente é um alívio finalmente ter uma explicação do porquê elas são como são.

Tratamentos diferentes

O TDAH não somente se apresenta com diferentes sintomas em meninos e meninas, mas também, geralmente, requer estratégias de tratamento diferentes. Ambos os gêneros se beneficiam das medicações estimulantes, mas as meninas podem também precisar de tratamento para a ansiedade. Algumas meninas não toleram a medicação estimulante sem apoio farmacológico extra.

Espalhe a notícia

A comunidade médica está começando a despertar para o fato de que o TDAH é um grande problema para meninas e que a condição geralmente persiste até a idade adulta, porém precisamos espalhar a notícia.

ADDitude

domingo, 12 de julho de 2015

Não comer tarde da noite é bom para o cérebro - Atenção - Desatenção (410)


Por Megan Brooks

Seatle, USA - Para os "corujas" com privação de sono à noite, comer menos durante as horas mais tarde da noite pode ajudar a diminuir os déficits de concentração e de alerta que acompanham a privação de sono, segundo apontam novas pesquisas.

"Adultos consomem aproximadamente 500 calorias a mais durante as horas mais avançadas da noite, quando estão privados de sono", disse em uma declaração o investigador sênior David F. Dinges, PhD., chefe da Divisão de Sono e Cronobiologia, da Escola de Medicina Perelman, da Universidade da Pennsylvania (UPenn), na Philadelphia, USA.

"Nossa pesquisa mostrou que restringir as calorias tarde da noite ajuda a prevenir um pouco a queda no desempenho neurocomportamental que os indivíduos podem sofrer durante a privação de sono", disse o Dr. Dinges.

Andrea Spaeth, PhD, do Centro de Sono e Neurobiologia Circadiana, da UPenn, que trabalhou na pesquisa com Namni Goel, PhD, da Unidade de Psiquiatria Experimental da UPenn, apresentou os resultados aqui em SLEEP 2015: Encontro Anual da Sociedades dos Profissionais Associados do Sono.

Os pesquisadores recrutaram 44 adultos sadios, com idade de 21 a 50 anos, para participarem do seu estudo, conduzido no Laboratório de Sono e Cronobiologia da UPenn. Os pesquisadores permitiram acesso ilimitado  a comida e bebida aos participantes, durante o dia, seguido por somente 4 horas de sono por noite, por 3 noites.

Na quarta noite, 20 participantes receberam acesso contínuo a comida e bebidas, e 24 participantes tiveram permissão a beber água das 22 horas até as 4 horas da madrugada, quando foram dormir. Em cada noite, às 2 horas, todos os participantes completaram uma variedade de testes para medir sua memória de trabalho, habilidades cognitivas, sonolência, nível de estresse e humor.

Na quarta noite, os indivíduos que ficaram sem comer, tiveram melhor desempenho nos testes de tempo de reação e menos erros por falta de atenção que os seus colegas que tinham comido até tarde da noite.

Além disso, os que comeram até tarde, mostraram tempos de reação mais lentos e mais erros por falta de atenção, na quarta noite de privação de sono, quando comparados com as suas 3 primeiras noites, enquanto os que ficaram sem comer não mostraram essa queda de desempenho.

Possíveis Medidas de Compensação

Essa pesquisa sugere que o jejum tarde da noite, por curto prazo, "atenua a queda de desempenho na atenção vigilante causada pela privação do sono", segundo Dra. Spaeth.

Embora esse seja um pequeno estudo inicial, os dados sugerem a possibilidade de usar a ingestão de alimentos (ou a sua proibição)  como "possível defesa" em certas situações.

Por exemplo, "para pessoas em situações que requeiram atenção vigilante até tarde da noite, como os motoristas de caminhão, uma estratégia possível pode ser programar quando e quanto eles poderão comer. Precisamos de mais pesquisas, mas é uma possibilidade interessante."

Ela acrescentou, "Essa pesquisa também confirma que o sistema de sono-vigília e o sistema de equilíbrio de energia interagem, de modo que há troca de informações entre os dois".

Comentando sobre a pesquisa para o Medscape Medical News, Saul Rothenberg, PhD, psicólogo especialista em sono e comportamento, do North Shore-LIJ Centro de Doenças do Sono, em Great Neck, Nova Iorque, disse "uma estória tem se desenvolvido há alguns anos sobre a conexão entre os intestinos e o cérebro, e parece que um estado de necessidade metabólica aumentada está associado ao alerta, e uma necessidade metabólica diminuída, a um estado de sonolência".
"Esses achados estão na direção geral que seria esperada: comer pouco leva ao aumento do estado de alerta e pode compensar alguns dos efeitos da perda de sono", disse o Dr. Rothenberg.

The study was supported by the National Institutes of Health, the Penn Clinical and Translational Research Center, and the Department of the Navy, Office of Naval Research. The authors and Dr Rothenberg have disclosed no relevant financial relationships.
SLEEP 2015: Annual Meeting of the Associated Professional Sleep Societies: Abstract 0317. Presented June 7, 2015.

Julho/2015

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Maior exposição a um inseticida se relaciona a mais sintomas de TDAH em crianças e adolescentes (409)

Maior exposição a um inseticida se relaciona a mais sintomas de TDAH em crianças e adolescentes

Há evidências de uma ligação entre um inseticida de uso comum em casa e o transtorno por déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) em crianças e adolescentes, de acordo com uma recente pesquisa.

Os pesquisadores analisaram dados de 687 crianças de 8 a 15 anos que haviam participado de uma enquete nacional de exame de saúde e nutrição de 2000-2001. Os investigadores observaram três níveis de 3-PBA (ácido 3-fenoxibenzoico), indicador químico de exposição aos piretroides, na urina das crianças.

Os meninos com níveis detectáveis de 3-PBA na urina tinham 3 vezes mais probabilidade de sofrer de TDAH do que os que não tinham 3-PBA detectável (desvio padrão ajustado: 2,42; IC 95%: 1,06-5,57). A cada aumento de 10 vezes nos níveis de 3-PBA, nos meninos, houve um aumento de 50% do risco de hiperatividade e impulsividade, ambos sintomas do TDAH. Os efeitos sobre a desatenção não foram significativos. 

Nas meninas, os níveis de 3-PBA não se associaram a maior risco de TDAH, nem de sintomas do transtorno.

Pesquisas anteriores haviam achado que a exposição aos piretroides aumenta a hiperatividade, a impulsividade e as anomalias do sistema dopaminérgico de ratos machos.

[Environ Health 2015]
Wagner-Schuman M, Richardson JR, Auinger P, Braun JM, Lanphear BP, Epstein JN, et al.

Copiado de neurologia.com - Revista de Neurologia - Barcelona -Espanha

01/07/2015

terça-feira, 7 de julho de 2015

O Tratamento Alimentar do TDAH (408)

As pesquisas mostram que uma dieta rica em proteínas, pobre em açúcar, sem aditivos, combinada com suplementos próprios para o TDAH, pode melhorar os sintomas do TDAH. Por Sandy Newman, M.D.

Alimento para Aliviar os Sintomas

Utilizei intervenções nutricionais em centenas de pessoas com TDAH durante os últimos 24 anos. As mudanças de dieta alimentar podem resultar em melhora significativa dos sintomas de hiperatividade, da concentração, da impulsividade e até mesmo do comportamento de oposição.

Utilize Proteínas

Alimentos ricos em proteínas, tais como carne magra, carne de porco, de frango, peixe, ovos, feijão, nozes, soja e laticínios com pouca gordura, podem ter efeitos benéficos sobre os sintomas do TDAH. Alimentos ricos em proteínas são usados pelo cérebro para fabricar os neurotransmissores - substâncias químicas que as células nervosas usam para se comunicar umas com as outras. Comer proteínas no café da manhã ajudará seu filho a fabricar os neurotransmissores que o despertarão. As proteínas também previnem os aumentos da taxa de açúcar no sangue, os quais aumentam a hiperatividade.

Elimine o Açúcar

A única coisa mais importante que eu recomendo é a diminuição da quantidade de açúcar na dieta do TDAH. A ingestão de carboidratos processados simples, tais como pão, waffles, ou arroz branco, é quase a mesma coisa que alimentar seu filho com açúcar. Eles podem torná-lo irritado, estressado ou distraído. Sirva desjejuns e almoços ricos em proteínas, carboidratos complexos e fibras, em vez de açúcar, para aumentar a concentração e melhorar o comportamento.

Use Bastante Ômega-3

Ácidos graxos ômega-3, encontrados no óleo de peixe, podem melhorar a hiperatividade, a impulsividade e a concentração. As pesquisas sugerem que as crianças com TDAH têm taxas sanguíneas mais baixas de ômega-3 do que as crianças sem o transtorno. Uma pesquisa recente mostrou que 25% das crianças com TDAH têm diminuição dos sintomas depois de 3 meses de uso do suplemento. Cinquenta por cento mostraram melhora aos seis meses de uso.

Os Ômega-3: Dose Ótima e Forma

Os dois principais ácidos graxos ômega-3 contidos nos suplementos são o EPA e o DHA. Parece que muitos benefícios são derivados dos suplementos que contêm mais EPA do que DHA. Em geral a dose total diária de 700 a 1.000 mg parece boa para as crianças pequenas; de 1.500  a 2.000 mg para as crianças maiores. O melhor é a ingestão de cápsulas ou de líquido, em vez de chicletes com ômega-3.

Mantenha os Níveis de Ferro

Muitas pessoas não sabem do papel importante que o ferro exerce no controle dos sintomas do TDAH. Uma pesquisa de 2004 verificou que o nível médio de ferro nas crianças com TDAH (medido como ferritina) era de 22, comparado a 44 nas crianças sem TDAH. Outra pesquisa mostrou que o aumento dos níveis de ferro das crianças com TDAH melhorou seus sintomas, quase tanto quanto o uso de estimulantes. Entretanto, como muito ferro é perigoso, peça ao seu pediatra para medir os níveis de ferro antes de dar algum suplemento com ferro.

Dose os Níveis de Zinco e de Magnésio

Estes minerais são essenciais para uma saúde normal e podem exercer um papel importante no controle dos sintomas do TDAH. Muitas crianças com e sem TDAH não obtêm o suficiente deles na alimentação. O zinco regula o neurotransmissor dopamina e pode ajudar o metilfenidato (Ritalina, Concerta) a ter melhor efeito. O magnésio também é usado para fabricar os neurotransmissores e tem um efeito calmante sobre o cérebro. Peça ao seu médico para dosar os níveis de minerais do seu filho.

Fuja de Alimentos Químicos

Várias pesquisas sugerem que aditivos artificiais  tornam hiperativas as crianças sem TDAH e pioram as crianças hiperativas. Gatorade, cheese puffs (salgadinhos a base de milho com sabor de queijo) e doces contêm corantes artificiais e conservantes, que são encontrados também em outros alimentos. Veja a tabela de ingredientes do produto antes de comprar, para evitar os que contenham aditivos. Alimentos frescos, não industrializados, são a sua melhor escolha. Evite cereais coloridos e substitua os refrigerantes por suco cem por cento de fruta.

Cuidado com as Alergias Alimentares

Muitas crianças com TDAH são sensíveis a certos alimentos da dieta, piorando os seus sintomas. Os culpados mais comuns são laticínios, trigo e soja. Se há dois alimentos que você suspeita estarem piorando os sintomas de TDAH do seu filho, elimine um deles por duas a três semanas. Observe os sintomas do seu filho durante esse período, para ver se eles melhoram. Descubra um profissional para guiá-lo, se seu filho precisar de uma dieta restritiva.

Verifique os Problemas com o Glúten

Uma alergia ao glúten - uma proteína encontrada no trigo, centeio e cevada - pode piorar os sintomas do TDAH, além de causar uma série de outros problemas. Muitos dos pacientes com TDAH melhoram com dietas livres de glúten. Se você suspeita de que seu filho tenha alergia ao glúten, fale com seu médico e veja como eliminar o glúten da dieta. Se você for alérgico, seu médico lhe ajudará a mudar para uma dieta sem glúten.

Tente Ervas Úteis

Muitas ervas que foram recomendadas para controlar os sintomas do TDAH foram pouco pesquisadas. As que foram avaliadas e que funcionaram são uma combinação de valeriana e erva-cidreira, que parecem relaxar as crianças com TDAH, pela diminuição da ansiedade. Para melhorar a atenção, um produto chamado Nurture & Clarity pode ajudar. Há alguma evidência de que o picnogenol, retirado da casca do pinheiro americano, melhora a concentração de algumas crianças. Procure por ervas padronizadas e que sejam livres de contaminantes.

[Cuidado ao usar ervas. Lembre-se de que a estricnina, um veneno fortíssimo, também é "natural". É extraída de uma árvore, a Strychnos nux-vomica, ou Fava de Santo Inácio.]


ADDitude

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Estudantes relatam experiências com Ritalina sem receita (407)


Uso indiscriminado do medicamento é comum no vestibular e em faculdades. Marcela Donini

Depois das férias de inverno do cursinho pré- vestibular, um estudante de medicina de Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul, decidiu tomar Ritalina para melhorar o rendimento nos estudos. Ele conseguiu o medicamento com uma amiga e tomou os comprimidos por 20 dias.
Sem acompanhamento médico, ele conta que não sentiu nenhuma melhora no seu desempenho e lembra que, em dois anos de cursinho específico para medicina, viu muitos colegas usarem o remédio igualmente de forma indiscriminada, normalmente por meio de uma receita conseguida com um conhecido. “Diziam que melhorava na hora de estudar, mas sempre chegava o momento de aumentar a dose. Quando paravam de tomar, o desempenho acabava sendo menor do que antes da medicação."

Depois que passa no vestibular, boa parte dos alunos de medicina, no caso da Universidade de Santa Cruz (Unisc), seguem se automedicando. A coordenadora pedagógica do curso de medicina da instituição, Giana Diesel Sebastiany, conta que, desde quando começou a acompanhar o processo de seleção, em 2006, tem se surpreendido com o uso abusivo de Ritalina entre os estudantes. Tanto que a Comissão de Vestibular, desde 2014, mudou algumas regras no edital. Atualmente, os candidatos somente podem fazer uso de medicações durante a prova, com duração de cinco horas, mediante apresentação de receita médica.

A automedicação com Ritalina também é percebida entre os estudantes que já estão na universidade, especialmente em cursos com alto nível de exigência, como medicina. “Por serem estudantes, inclusive os da área da saúde, já deveriam saber avaliar os prós e contras do uso de medicamentos”, afirma a psicóloga do curso de medicina da Unisc, Carina Kirst.
Para ela, a questão do uso excessivo de medicamentos na busca de uma performance melhor no dia a dia está ligada à "ditadura do bem-estar". “Como se todos precisassem responder da mesma maneira positiva, ao mesmo tempo, a todas às intempéries da vida. Neste ponto, entram as medicações que atuam sobre nosso comportamento”, diz Carina.

Levando em conta esse quadro, a Unisc promove ações de conscientização e reflexão sobre o uso indiscriminado de medicações, com espaços de discussão, rodas de conversa em semanas acadêmicas dos cursos de saúde e também intervenções individuais.

Outros casos      
                                                                                                
O publicitário Guilherme Lemos, 23, usou Ritalina pela primeira vez quando precisava terminar seu trabalho de conclusão de curso da faculdade, em Porto Alegre. “Eu consegui com um amigo que tinha receita. Dava o dinheiro, e ele comprava pra mim. Ele me dava uma cartela que vinham 20 comprimidos e ficava com as outras para consumo próprio”, conta.
A maratona para se manter acordado e terminar seu trabalho levou quatro dias, tomando uma quantidade maior por dia do que se costuma recomendar, junto com café e energético. Sem nenhuma orientação médica, durante o período, ele dormia em torno de quatro horas por dia. Ele afirma que sentiu melhora na sua concentração, mas ao custo de efeitos colaterais. “Eu não conseguia comer praticamente nada, só bebia líquidos e tive taquicardia. Era um mal-estar constante”.
Guilherme voltou a tomar a medicação em outros três momentos, quando precisava terminar trabalhos com pouco prazo. “Funcionou mais nas primeiras vezes do que na última. O ruim é que eu sentia um mal-estar no estômago, algo parecido com uma cólica”, afirma. Ele afirma que amigos seus também utilizam Ritalina sem prescrição médica por curtos períodos, geralmente para estudar.

Diferentemente de Guilherme, Phelipe Nascimento, 22, tomou Ritalina para estudar para o vestibular mas não pretende fazer isso de novo. “Soube do potencial da Ritalina em uma reportagem de uma revista. Na época minha tia possuía a receita. Eu simplesmente pedi alguns e ela me deu”.
Ele usou duas vezes e conta que teve uma "grande concentração" durante cerca de meia hora, mas que depois foi diminuindo. “Não me arrependo, mas não tomaria novamente. O efeito passou muito rápido e tive taquicardia. Na minha opinião, a relação custo x benefício não vale a pena”, afirma Phelipe. O jovem passou no vestibular e hoje é estudante de Engenharia de Gestão, na Universidade Federal do ABC, em São Paulo. Mas ele garante que "não foi pelo uso da medicação".

Sem função em cérebros saudáveis    
                                                          
Uma pesquisa realizada na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em 2012, revelou que a Ritalina não produz efeito em pessoas sem o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). O estudo contou com a participação de 36 voluntários saudáveis, com idade entre 18 e 30 anos, que ingeriram um comprimido sem saber se era Ritalina ou placebo e realizavam testes de memória e atenção durante duas horas.
O desempenho de ambos foi similar, o que comprova que a Ritalina não aumenta a capacidade cognitiva de pessoas saudáveis. “O que nós observamos foi uma sensação de bem-estar geral em quem tomou uma dosagem alta, de 40mg. Elas não ficaram tão cansadas com o teste”, afirma a coordenadora  do estudo e pesquisadora do departamento de psicobiologia da Unifesp, Silmara Batistela.
Isso porque, segundo ela, a Ritalina é um estimulante cerebral, que pode aumentar o tempo de estudo, mas não a capacidade de concentração. Ela ressalta que o remédio interfere no sistema cardiovascular e, por isso, não deve ser utilizado sem orientação médica. Antes de participar da pesquisa, os voluntários passaram por uma bateria de exames que mostrou se eles poderiam tomar a medicação.
Além disso, Silmara explica que o uso da Ritalina com o objetivo de passar mais tempo estudando é um grande equívoco, já que o sono é muito importante para a consolidação da memória. “Tudo o que a pessoa estudou vai ficar pouco tempo na memória. Diferente de quando se estuda um pouco, dorme e respeita o próprio organismo”, explica. Segundo ela, o uso indiscriminado de Ritalina pode acarretar em problemas no cérebro, visto que é um órgão delicado e complexo. “Não é saudável tomar um remédio sem necessidade. As pessoas acabam desregulando algo que funcionava bem e gerando complicações a longo prazo”.

Saiba mais sobre o medicamento
 
O medicamento tem como princípio ativo o metilfenidato, substância química estimulante que ajuda a focar e contribui para a capacidade de concentração. Por isso é utilizado no tratamento do TDAH. Ainda que haja outro medicamento à base de metilfenidato para tratar o problema, o Concentra, a Ritalina é o mais tradicional e popular. Existem dois tipos do remédio: a de curta duração (Ritalina) e a de longa duração (Ritalina LA).
A primeira é eliminada do organismo em cerca de três horas; a segunda, aos poucos durante o dia, e o paciente geralmente ingere menos comprimidos por dia. As miligramas e a quantidade de comprimidos por dia são indicados pelo médico, que avalia de acordo com o peso e a idade do paciente.

Segundo dados do Boletim de Farmacoepidemiologia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), divulgados em 2013, o consumo de Ritalina aumentou 75% em pessoas com idade de 6 a 16 anos, entre 2009 e 2011, no Brasil. Contudo, esse grande salto no consumo de Ritalina também se deve a quem não tem diagnóstico de TDAH e usa o remédio com o propósito de potencializar os estudos.

Apesar de ser um medicamento controlado, que necessita de indicação médica, a Ritalina é facilmente encontrada no mercado clandestino. Em uma rápida busca pelo remédio na internet, é possível encontrar sites que vendem esta e outras medicações controladas sem receita. Mas pelos depoimentos dos estudantes, o que parece ser mais comum mesmo é a distribuição entre amigos: alguém diagnosticado com TDAH tem a receita, compra e repassa aos colegas.



http://noticias.terra.com.br/educacao/sem-receita-estudantes-relatam-uso-indiscriminado-de-ritalina,0cc8fe2d52f9432f1ee000cf59fce15339t9RCRD.html