"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Estudantes relatam experiências com Ritalina sem receita (407)


Uso indiscriminado do medicamento é comum no vestibular e em faculdades. Marcela Donini

Depois das férias de inverno do cursinho pré- vestibular, um estudante de medicina de Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul, decidiu tomar Ritalina para melhorar o rendimento nos estudos. Ele conseguiu o medicamento com uma amiga e tomou os comprimidos por 20 dias.
Sem acompanhamento médico, ele conta que não sentiu nenhuma melhora no seu desempenho e lembra que, em dois anos de cursinho específico para medicina, viu muitos colegas usarem o remédio igualmente de forma indiscriminada, normalmente por meio de uma receita conseguida com um conhecido. “Diziam que melhorava na hora de estudar, mas sempre chegava o momento de aumentar a dose. Quando paravam de tomar, o desempenho acabava sendo menor do que antes da medicação."

Depois que passa no vestibular, boa parte dos alunos de medicina, no caso da Universidade de Santa Cruz (Unisc), seguem se automedicando. A coordenadora pedagógica do curso de medicina da instituição, Giana Diesel Sebastiany, conta que, desde quando começou a acompanhar o processo de seleção, em 2006, tem se surpreendido com o uso abusivo de Ritalina entre os estudantes. Tanto que a Comissão de Vestibular, desde 2014, mudou algumas regras no edital. Atualmente, os candidatos somente podem fazer uso de medicações durante a prova, com duração de cinco horas, mediante apresentação de receita médica.

A automedicação com Ritalina também é percebida entre os estudantes que já estão na universidade, especialmente em cursos com alto nível de exigência, como medicina. “Por serem estudantes, inclusive os da área da saúde, já deveriam saber avaliar os prós e contras do uso de medicamentos”, afirma a psicóloga do curso de medicina da Unisc, Carina Kirst.
Para ela, a questão do uso excessivo de medicamentos na busca de uma performance melhor no dia a dia está ligada à "ditadura do bem-estar". “Como se todos precisassem responder da mesma maneira positiva, ao mesmo tempo, a todas às intempéries da vida. Neste ponto, entram as medicações que atuam sobre nosso comportamento”, diz Carina.

Levando em conta esse quadro, a Unisc promove ações de conscientização e reflexão sobre o uso indiscriminado de medicações, com espaços de discussão, rodas de conversa em semanas acadêmicas dos cursos de saúde e também intervenções individuais.

Outros casos      
                                                                                                
O publicitário Guilherme Lemos, 23, usou Ritalina pela primeira vez quando precisava terminar seu trabalho de conclusão de curso da faculdade, em Porto Alegre. “Eu consegui com um amigo que tinha receita. Dava o dinheiro, e ele comprava pra mim. Ele me dava uma cartela que vinham 20 comprimidos e ficava com as outras para consumo próprio”, conta.
A maratona para se manter acordado e terminar seu trabalho levou quatro dias, tomando uma quantidade maior por dia do que se costuma recomendar, junto com café e energético. Sem nenhuma orientação médica, durante o período, ele dormia em torno de quatro horas por dia. Ele afirma que sentiu melhora na sua concentração, mas ao custo de efeitos colaterais. “Eu não conseguia comer praticamente nada, só bebia líquidos e tive taquicardia. Era um mal-estar constante”.
Guilherme voltou a tomar a medicação em outros três momentos, quando precisava terminar trabalhos com pouco prazo. “Funcionou mais nas primeiras vezes do que na última. O ruim é que eu sentia um mal-estar no estômago, algo parecido com uma cólica”, afirma. Ele afirma que amigos seus também utilizam Ritalina sem prescrição médica por curtos períodos, geralmente para estudar.

Diferentemente de Guilherme, Phelipe Nascimento, 22, tomou Ritalina para estudar para o vestibular mas não pretende fazer isso de novo. “Soube do potencial da Ritalina em uma reportagem de uma revista. Na época minha tia possuía a receita. Eu simplesmente pedi alguns e ela me deu”.
Ele usou duas vezes e conta que teve uma "grande concentração" durante cerca de meia hora, mas que depois foi diminuindo. “Não me arrependo, mas não tomaria novamente. O efeito passou muito rápido e tive taquicardia. Na minha opinião, a relação custo x benefício não vale a pena”, afirma Phelipe. O jovem passou no vestibular e hoje é estudante de Engenharia de Gestão, na Universidade Federal do ABC, em São Paulo. Mas ele garante que "não foi pelo uso da medicação".

Sem função em cérebros saudáveis    
                                                          
Uma pesquisa realizada na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em 2012, revelou que a Ritalina não produz efeito em pessoas sem o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). O estudo contou com a participação de 36 voluntários saudáveis, com idade entre 18 e 30 anos, que ingeriram um comprimido sem saber se era Ritalina ou placebo e realizavam testes de memória e atenção durante duas horas.
O desempenho de ambos foi similar, o que comprova que a Ritalina não aumenta a capacidade cognitiva de pessoas saudáveis. “O que nós observamos foi uma sensação de bem-estar geral em quem tomou uma dosagem alta, de 40mg. Elas não ficaram tão cansadas com o teste”, afirma a coordenadora  do estudo e pesquisadora do departamento de psicobiologia da Unifesp, Silmara Batistela.
Isso porque, segundo ela, a Ritalina é um estimulante cerebral, que pode aumentar o tempo de estudo, mas não a capacidade de concentração. Ela ressalta que o remédio interfere no sistema cardiovascular e, por isso, não deve ser utilizado sem orientação médica. Antes de participar da pesquisa, os voluntários passaram por uma bateria de exames que mostrou se eles poderiam tomar a medicação.
Além disso, Silmara explica que o uso da Ritalina com o objetivo de passar mais tempo estudando é um grande equívoco, já que o sono é muito importante para a consolidação da memória. “Tudo o que a pessoa estudou vai ficar pouco tempo na memória. Diferente de quando se estuda um pouco, dorme e respeita o próprio organismo”, explica. Segundo ela, o uso indiscriminado de Ritalina pode acarretar em problemas no cérebro, visto que é um órgão delicado e complexo. “Não é saudável tomar um remédio sem necessidade. As pessoas acabam desregulando algo que funcionava bem e gerando complicações a longo prazo”.

Saiba mais sobre o medicamento
 
O medicamento tem como princípio ativo o metilfenidato, substância química estimulante que ajuda a focar e contribui para a capacidade de concentração. Por isso é utilizado no tratamento do TDAH. Ainda que haja outro medicamento à base de metilfenidato para tratar o problema, o Concentra, a Ritalina é o mais tradicional e popular. Existem dois tipos do remédio: a de curta duração (Ritalina) e a de longa duração (Ritalina LA).
A primeira é eliminada do organismo em cerca de três horas; a segunda, aos poucos durante o dia, e o paciente geralmente ingere menos comprimidos por dia. As miligramas e a quantidade de comprimidos por dia são indicados pelo médico, que avalia de acordo com o peso e a idade do paciente.

Segundo dados do Boletim de Farmacoepidemiologia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), divulgados em 2013, o consumo de Ritalina aumentou 75% em pessoas com idade de 6 a 16 anos, entre 2009 e 2011, no Brasil. Contudo, esse grande salto no consumo de Ritalina também se deve a quem não tem diagnóstico de TDAH e usa o remédio com o propósito de potencializar os estudos.

Apesar de ser um medicamento controlado, que necessita de indicação médica, a Ritalina é facilmente encontrada no mercado clandestino. Em uma rápida busca pelo remédio na internet, é possível encontrar sites que vendem esta e outras medicações controladas sem receita. Mas pelos depoimentos dos estudantes, o que parece ser mais comum mesmo é a distribuição entre amigos: alguém diagnosticado com TDAH tem a receita, compra e repassa aos colegas.



http://noticias.terra.com.br/educacao/sem-receita-estudantes-relatam-uso-indiscriminado-de-ritalina,0cc8fe2d52f9432f1ee000cf59fce15339t9RCRD.html 

Nenhum comentário:

Postar um comentário