"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Como o exercício melhora a função cerebral (385)


O exercício é um dos melhores presentes que você pode dar ao seu cérebro como um adulto com transtorno de déficit de atenção (TDA e TDAH). Por Edward Hallowell, M.D.

Eu odeio passar fio dental nos meus dentes. É chato, demora muito tempo. Mas, sempre que eu penso em não passar o fio dental, penso no que meu dentista me disse uma vez: "Você não precisa passar o fio dental em todos os seus dentes - somente nos que você quiser manter".

O exercício é como passar o fio dental. Pode ser chato, e toma muito tempo. Além disso, pode ser difícil de fazer, especialmente conforme eu fico mais velho. Mas eu sei que o exercício é um dos melhores presentes que eu posso dar para o meu cérebro TDAH.

Todos sabemos que a atividade física é boa para o corpo. Mas o exercício também aumenta o fluxo de sangue para o cérebro, estimulando a liberação de compostos que o cérebro adora, incluindo os fatores de crescimento e uma substância conhecida como fator neurotrópico derivado do cérebro (BDNF), que promove o crescimento de novas células nervosas (neurônios). Essas substâncias mantêm o cérebro operando com sua maior eficiência.

Dr. John Ratey, meu amigo de longa data e co-autor, tem passado décadas estudando os benefícios psicológicos do exercício. Ele lhe dirá que o exercício feito regularmente é um antidepressivo natural e um agente contra a ansiedade. Ele lhe dirá que sessões prolongadas e puxadas aumentam os níveis sanguíneos de endorfina, opiáceos naturais que diminuem a dor enquanto aumentam as sensações de bem estar. Ele também lhe dirá que mesmo uma caminhada pode ser suficiente para aumentar os níveis de dopamina, que regula nossas sensações de recompensa, motivação e atenção.

Atividades físicas que envolvam coordenação e movimentos complexos, tais como as artes marciais e o basquetebol, promovem conexões entre os neurônios do cerebelo. Essa é uma região que controla, entre outras coisas, nossas interações sociais. Não é demais dizer que o exercício pode, por fim, nos ajudar a fazer amigos.

O que isso significa para as pessoas com TDAH? Significa que podemos pensar no exercício como um componente essencial do tratamento - algo que torna mais fácil sustentar o foco mental por longos períodos de tempo. Você deixa de ir ao médico por causa de uma agenda apertada? É claro que não. Você não deveria fugir dos exercícios, também.

Se o seu filho tiver TDA, tenha certeza de que sua escola não tente discipliná-lo mantendo-o dentro da sala durante o intervalo, ou forçando-o a se sentar sob castigo. Quando seu filho se comporta mal, sua penalidade deveria envolver alguma coisa que fosse produtiva e fisicamente ativa, como amontoar as folhas ou correr ao léu.

Finalmente, tenha certeza de que seu filho não seja banido dos esportes atléticos por causa do mau desempenho acadêmico. Tanto os esportes como os estudos acadêmicos são essenciais para o desenvolvimento da criança. A escola nega às crianças sem regras a instrução acadêmica por causa do mau desempenho esportivo?

É melhor se exercitar por 30 minutos a cada dia. Você não tem de correr maratonas ou se tornar um fisiculturista. E você não tem de ir até uma academia; as evidências sugerem que caminhadas rápidas fazem o milagre, tanto para crianças quanto para adultos. Mas qualquer que seja o exercício que você fizer, estabeleça suas sessões como uma rotina diária. De outro modo, você poderá ver seu tempo perdido em situações sem objetivo, quando poderia estar lá fora fazendo algo muito mais benéfico.


ADDitude