"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quarta-feira, 29 de julho de 2015

TDAH e os Anos Reprodutivos (415)

Laura Flynn McCarthy. (continuação da postagem 414)

"As flutuações hormonais definitivamente afetam os sintomas do meu TDAH", diz Jamie Suzanne Saunders, de 41 anos de idade, gerente de um escritório em Louisville, Kentucky. "Cerca de três dias antes da minha menstruação, e durante todo o período, eu me sinto hiperativa, desatenta e inquieta. É como se eu estivesse dirigindo em uma super-rodovia e em vez de seguir em frente, eu entrasse em um desvio e descobrisse que estava em outra rodovia com desvios igualmente interessantes. Perco meu foco e não consigo fazer nada". Diagnosticada recentemente, Saunders espera que o seu especialista em TDAH a auxilie a controlar seus sintomas, especialmente à medida em que ela se aproxime da pré-menopausa.

Efeitos Hormonais no TDAH

O ciclo menstrual tem, em média, 28 dias, contando do primeiro dia do fluxo. Nas duas primeiras semanas, conhecidas como a fase folicular, os níveis de estrogênio aumentam constantemente, enquanto os níveis de progesterona permanecem baixos.

O estrogênio promove a liberação, no cérebro, dos neurotransmissores do bem estar, serotonina e dopamina. Sem surpresa, os estudos mostram que as duas primeiras semanas do ciclo transcorrem de modo mais ameno para as mulheres com TDAH do que as duas segundas semanas, quando os níveis de progesterona se elevam. 

Durante a terceira e a quarta semana, chamada de fase lútea (ou luteínica), a progesterona diminui os efeitos benéficos do estrogênio no cérebro, possivelmente reduzindo a eficiência das medicações estimulantes.

Quinn acredita que as mulheres com TDAH sofrem de síndrome pré-menstrual (SPM) [também chamada TPM] de modo mais agudo que as mulheres que não têm o transtorno. "Sentimentos de depressão e de ansiedade tipicamente se agravam nas mulheres com TDAH durante essa fase", diz Quinn. As boas notícias? Tratar o TDAH pode melhorar também os sintomas da SPM.

Soluções: Mantenha um registro dos sintomas do seu TDAH por três meses - anotando quando eles ocorrem e pioram durante o ciclo menstrual - e tente identificar um padrão. Algumas mulheres têm problemas somente por um ou dois dias do mês, na semana anterior ao início do fluxo. Outras mulheres têm piorados os sintomas do TDAH por 10 dias ou quase, durante a fase lútea.

"Nunca compreendi como as flutuações hormonais afetavam os sintomas do meu TDAH, até que fiz um diário", diz Lori Scamardo, de 34 anos de idade, mãe de dois filhos, em Austin, Texas. Lori foi diagnosticada com TDAH há seis anos. "Cada mês, na semana anterior ao fluxo, anoto coisas como `Estou de volta ao nevoeiro` ou `Não consigo fazer nada`. Saber quando os sintomas do meu TDAH pioravam me ajudou a facilitar as coisas - aprendi que meus comportamentos eram devidos às mudanças hormonais - e me levou a desenvolver estratégias para diminuir aqueles sintomas. Eliminei a cafeína e o açúcar na semana antes do fluxo e passei a me exercitar regularmente".

A medicação pode ajudar. Tomar uma dose baixa de antidepressivo ou de medicação ansiolítica, um ou dois dias antes do fluxo, ajuda muitas mulheres a controlar os altos e baixos emocionais. Outras mulheres descobrem que aumentar ligeiramente sua medicação para o TDAH, poucos dias antes, pode fazer com que se sintam sob controle. 

Os anticoncepcionais orais melhoram os sintomas do TDAH em muitas mulheres, ao minimizar as flutuações hormonais. Três semanas de pílula formuladas somente com estrogênio, seguidas de uma semana de progesterona, sozinha, parece ser especialmente útil.

Na próxima postagem, TDAH e Gravidez.