"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Grande Pesquisa de Imagem Mostra Diferenças Estruturais do Cérebro em Pessoas com TDAH. - 433

Grande Pesquisa de Imagem Mostra Diferenças Estruturais do Cérebro em Pessoas com TDAH.

Áreas críticas do cérebro são menores em pessoas com TDAH, dizem os pesquisadores, provando que a condição, tão frequentemente marginalizada, deveria ser vista como um transtorno originado no cérebro. Por Devon Frye – Fevereiro de 2017


Ressonâncias magnéticas cerebrais de mais de 3 mil pessoas forneceram mais evidências de que as pessoas com TDAH têm cérebros estruturalmente diferentes das pessoas sem o transtorno, de acordo com um novo estudo promovido pelo National Institute of Health. As diferenças – que foram mais pronunciadas nas crianças do que nos adultos – tornam mais claro do que nunca que o TDAH é um transtorno do desenvolvimento cerebral e não simplesmente um rótulo, diz o artigo dos autores.

A pesquisa, publicada dia 15 de fevereiro no The Lancet, foi financiada pelo NIH, mas conduzida pelo ENIGMA Consortium, uma cooperativa internacional que se focaliza nas bases genéticas dos transtornos psiquiátricos. ENIGMA recrutou 3.242 voluntários com idades de 4 a 63 anos, 1.713 com TDAH e 1.529 sem, para fazer as ressonâncias magnéticas.

Os participantes com TDAH mostraram volumes menores em sete regiões-chave do cérebro: núcleo caudado, putamen, núcleo acumbens, pálido, tálamo, amígdala e hipocampo. Dessas regiões, muitas foram associadas ao TDAH no passado, mas a amígdala pode ser particularmente importante, apontaram os pesquisadores, porque ela tem um papel importante na memória, na tomada de decisões e no controle emocional. O hipocampo é igualmente envolvido tanto na memória de curto prazo quanto na memória de longo prazo, áreas que geralmente são deficientes nas pessoas com TDAH. Diferenças similares foram encontradas nos cérebros de pessoas com Transtorno Depressivo Maior, uma condição geralmente comórbida com o TDAH.

As variações foram maiores nas crianças, disseram os pesquisadores, e, embora muitos do grupo TDAH estivessem tomando remédios para tratar seu TDAH, isso pareceu não ter nenhum efeito nos resultados das ressonâncias magnéticas. A disparidade entre as crianças e adultos levaram os pesquisadores a fazer a hipótese de que o TDAH esteja ligado a um atraso na maturação cerebral – embora mais pesquisa longitudinal seja necessária para maior entendimento de como o cérebro muda durante o ciclo da vida.

No conjunto, embora essas diferenças sejam pequenas, disseram os pesquisadores, em alguns casos somente poucos pontos percentuais, o grande tamanho da amostra permitiu-lhes identificar padrões mais claros, confirmando estudos anteriores que chegaram às mesmas conclusões, mas cujos tamanhos pequenos das amostras os tornaram inconclusivos. Com mais de 3 mil participantes, esse foi o maior estudo dessa espécie, mostrando clara evidência de que o TDAH seja um transtorno originado no cérebro e não o resultado de falta de educação dada pelos pais ou falta de força de vontade.

" Os resultados de nossa pesquisa confirmam que as pessoas com TDAH têm diferenças em sua estrutura cerebral e, por isso, sugerem que o TDAH seja um Transtorno do cérebro", disse Martine Hoogman, Ph.D., o principal investigador da pesquisa. " Esperamos que isso ajude a reduzir o estigma de que o TDAH seja somente um rótulo para as crianças difíceis, ou que seja causado por má educação dada pelos pais. Isso, definitivamente, não é o caso, e esperamos que este trabalho contribuirá para um melhor entendimento do transtorno"
ADDitude