"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

140- Estudo revela a biologia cerebral por trás do autocontrole

Uma nova reviravolta da neurociência sobre um estudo clássico oferece algumas pistas sobre o que faz um estudante ser capaz de permanecer por horas a fio fazendo a tarefa de casa antes de uma prova, enquanto seus colegas estão numa festa.

O estudo, publicado neste mês na edição do Proceedings of the National Academy of Science, sugere que dicas do meio ambiente podem “raptar” os mecanismos cerebrais do autocontrole em algumas pessoas e em algumas circunstâncias.
As descobertas somam-se a um corpo de pesquisa que sugere que a habilidade de um estudante em postergar a gratificação pode ser tão importante para o sucesso acadêmico como a sua inteligência – e que os educadores podem aprender logo a ensinar isso.

Mais de 40 anos atrás, pesquisadores da Stanford University liderados por Walter Mischel conduziram um agora famoso estudo sobre autocontrole. Eles pediram a crianças de 4 anos de idade, na Stanford´s Bing Nursery School, que não comessem um doce, em troca da promessa de dois doces 15 minutos mais tarde. Pouco menos de uma em três crianças passaram no assim chamado “marsmallow test”.
Nos anos seguintes, numerosos estudos de seguimento e de validação verificaram que pré-escolares que manejavam a postergação da gratificação também tinham maior probabilidade de, mais tarde, sair-se bem na escola, evitar abuso de substâncias, manter um peso saudável, e mesmo sair-se melhor em classe do que os colegas que não podiam resistir à tentação.

Os estudos de Mr. Mischel, que agora é um professor de psicologia na Columbia University, e de um corpo de outros pesquisadores ajudaram a mudar a maneira com que os acadêmicos e educadores pensam sobre o sucesso acadêmico. Em estudo separado de autocontrole, Angela L Duckworth, professora assistente de psicologia na University of Pennsylvania, descobriu que o autocontrole era um melhor previsor do desempenho acadêmico de um estudante do que o teste de QI.
Ainda assim, o cérebro tem permanecido uma peça que falta no quebra-cabeça, de acordo com B.J. Casey, diretora do Sackler Institute for Developmental Psychobiology, na Weill Cornell Medical College, em Nova Iorque. O novo estudo é o primeiro a comparar as diferenças cerebrais entre aqueles pré-escolares originais de Stanford.

“O que queríamos fazer era tentar entender como o cérebro está relacionado a este comportamento”, diz Ms. Casey, que liderou o novo estudo. A imagem cerebral, ela disse “está nos ajudando a separar o controle do impulso da sensibilidade a recompensas e a dicas sociais”.
Limitação do Marshmallow

Em um experimento clássico de ciência social, os pesquisadores testaram o autocontrole de crianças pequenas deixando-as sozinhas com um marshmallow e uma escolha: Elas podiam comer o marshmallow logo ou esperar e ganhar mais doces. Um professor de Nova Iorque explica como ele planejou o experimento para seus alunos do nível médio exercitar um pouco do autocontrole.
Controle no Cérebro

Dos 562 alunos da Bing Nurswery School que fizeram parte do estudo original de Stanford nos idos de 1960 e no início de 1970, 155 participaram de um seguimento em 1993, e 135 em outro seguimento em 2003. A equipe de Ms. Casey focalizou em 60 que consistentemente mostraram uma alta capacidade de postergar a gratificação e em outros 57 que consistentemente mostraram baixa capacidade de esperar.
Marshmallows e pretzels podem não ter o mesmo interesse para os que estão agora nos seus 40 anos, em relação ao que tinham para os pré-escolares, mas o desfrute de uma dica social positiva, tal como uma face sorridente, provou ser muito poderoso emocionalmente para os participantes adultos do estudo.

Ms. Casey e sua equipe testaram a capacidade dos participantes de apertar um botão – ou evitar apertá-lo – em resposta a imagens apresentadas de rostos felizes, com medo ou neutros. Depois de conduzir a primeira sessão de testes, a equipe solicitou a 27 dos participantes que refizessem os testes enquanto estivessem num aparelho de ressonância magnética funcional, que usa o fluxo sanguíneo para medir a atividade do cérebro.
Os pesquisadores descobriram que o cérebro parece utilizar duas áreas diferentes quando é tomada uma decisão.

Com uma questão objetiva, não emocional – é melhor ter uma coisa agora ou duas coisas em 15 minutos? – o cérebro ativa o córtex pré-frontal, que nos ajuda a tomar decisões racionais. Outras decisões são mais urgentes e mais dependentes do contexto – Devo fugir do lobo? Devo comer esta comida? – e aqui, as dicas ambientais e sociais podem ativar uma parte mais primitiva e mais profunda do cérebro, o núcleo estriado ventral, que está associado ao processamento dos desejos e das recompensas.
Por causa disso, diz Ms. Casey, as pessoas que têm dificuldade de postergar a gratificação também tendem a ser “muito, muito sensíveis às dicas ambientais”. Todos os adultos no estudo eram capazes de responder corretamente em situações neutras. As diferenças apareciam entre os adultos que podiam postergar gratificações como crianças e aqueles que não podiam durante os testes em que foram solicitados a resistir a uma forte pressão ambiental.

A maior diferença entre os dois grupos ocorreu quando os participantes foram solicitados várias vezes a apertar um botão numa apresentação de faces, quando  vissem uma face feliz, o que os pesquisadores avaliaram como uma forte dica social, e então repentinamente eram solicitados a não responder a faces felizes, numa sequência de faces. Os que demonstraram fraca postergação de gratificação quando crianças tinham muito mais probabilidade de apertar o botão em resposta a uma face feliz, mesmo quando eram orientados a não fazê-lo.
Dicas do Ambiente

“A sensibilidade a dicas do ambiente influencia a capacidade do indivíduo de suprimir pensamentos e ações, de modo que os sistemas de controle podem ser sequestrados por um sistema límbico primitivo, tornando os sistemas de controle incapazes de modular apropriadamente o comportamento”, descobriram os pesquisadores.
Os especialistas dizem que este fato pode explicar a falha no autocontrole que os pais e os professores geralmente observam nos adolescentes.

“Demonstramos pelo desenvolvimento que o controle do impulso e a sensibilidade ao ambiente são separados, o controle do impulso melhora cada vez mais à medida que você se torna mais velho”, disse Ms. Casey. “As crianças são mais impulsivas que os adolescentes, mas logo por perto da puberdade há uma sensibilidade muito maior às dicas sociais e ao ambiente, e os adolescentes são mais sensíveis às dicas sociais do que crianças ou adultos”.
Esclarecer como o controle do impulso e a sensibilidade ao ambiente trabalham juntos tem “fortes implicações” nas maneiras de intervenções com crianças e adultos que têm dificuldade com o autocontrole, ela disse.

Por exemplo, estudos iniciais descobriram que crianças pequenas podiam evitar comer um marshmallow se lhes fosse dito para focalizar em dicas “frias” como a forma e a cor, em vez de dicas “quentes”, como o sabor.
Adele Diamond, uma professora de neurociências do desenvolvimento cognitivo na University of British Columbia, em Vancouver, descobriu que pré-escolares podem aprender a esperar a vez mais eficazmente quando lhes são dadas dicas sociais concretas, tais como segurar uma figura de uma boca quando estiverem falando e uma figura de uma orelha quando estiverem ouvindo.

Mr. Mischel e Ms. Duckworth estudaram se é possível ensinar estudantes como esperar pela gratificação e melhorar o autocontrole por meio de intervenções com base na escola.
Em estudo de 2010, Ms Duckworth descobriu que estudantes do colegial que visualizavam tanto suas metas acadêmicas para um próximo exame de promoção e as armadilhas potenciais para atingir aquelas metas responderam 60% mais questões num exame prático do que colegas que não tinham feito  o exercício.

Ms. Duckworth está atualmente trabalhando em duas avaliações distintas das instruções para o autocontrole em Nova Iorque e em Philadelphia.
Em Nova Iorque, quatro escolas contratadas de nível médio dirigidas pelo Programa Knowledge Is Power, ou KIPP, uma organização de gerenciamento da educação baseada em São Francisco, começaram seu estudo piloto neste anos, incluindo notas de caráter nos boletins acadêmicos dos alunos, duas vezes no ano. Os boletins têm sete indicadores – humor, coragem, autocontrole, esperança/otimismo, curiosidade, gratidão e inteligência social – e incluem uma medida em duas partes do autocontrole do estudante levando em conta tanto o comportamento acadêmico quanto o social. Neste ano, as escolas estão testando as lições de classe sobre estratégias para melhorar o autocontrole.

Na arena
Na última semana, Mitch Brenner, o diretor assistente da KIPP Academy Middle School em Nova Iorque, usou uma dessas lições pata explicar o experimento original do Marshmallow para uma classe do 6º. Ano. Ele pediu que eles falassem sobre como teriam decidido comer ou não o doce, e como o autocontrole se relaciona com os requerimentos acadêmicos da escola.

“Estamos pedindo aos garotos que façam sacrifícios no curso de suas carreiras aqui”, disse Mr. Brenner, que está desenvolvendo aulas como parte de um estudo piloto. “Você está ocupado por longas horas, você está fazendo a tarefa de casa enquanto poderia estar jogando videogame ou assistindo TV, e isso pode ter benefícios ao longo da vida, mas pode ser difícil, particularmente para uma criança. Queremos dar a eles a exposição àquela ideia, motivá-los e ajudá-los a pensar”.
A escola KIPP também criou uma tabela de honra sobre o caráter para melhorar a sensibilidade social dos adolescentes, para melhorar em vez de impedir seu autocontrole. Os estudantes nomeiam os colegas de classe ou professores como tendo bom caráter baseados no autocontrole e em outras qualidades.

“Posso dizer aos estudantes, todos os dias, o que é coragem, o que seja o autocontrole, mas quando as crianças dão os exemplos, é de onde o poder real vem”, disse Mr. Brenner. “Algumas crianças podem ter mais dificuldade acadêmica, mas quando são aclamadas como sendo boas pessoas, isto as faz se sentirem ótimas.”
De volta á aula de autocontrole de Mr. Brenner, os estudantes tiveram seu próprios marshmallows e debateram os prós e os contras da gratificação imediata versus a gratificação postergada. Ao final da aula, Mr. Brenner deixou os estudantes comer seus marshmallows – entretanto, um deles optou por guardar os seus para mais tarde.

Por Sarah D. Sparks

Nenhum comentário:

Postar um comentário