"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

268- Sobre o Transtorno de Processamento Sensorial (TPS)




Processamento sensorial (às vezes chamado de “integração sensorial”) é um termo que se refere ao modo como o sistema nervoso recebe mensagens dos sentidos e as transforma em respostas motoras e comportamentais adequadas. Se você estiver comendo um sanduíche  ou andando de bicicleta, ou lendo um livro, a realização bem sucedida dessas atividades necessita do processamento das sensações ou da “integração sensorial”.

O Transtorno do Processamento Sensorial (antigamente denominado de “disfunção da integração sensorial”) é uma condição que existe quando os sinais sensoriais não são organizados em respostas adequadas. Pioneiro da terapia ocupacional e neurocientista, A. Jean Ayres, Ph.D., ligou o TPS a um congestionamento do tráfego neurológico que impede que certas partes do cérebro recebam a informação de que precisam para interpretar a informação corretamente. Uma pessoa com TPS tem dificuldade de processar e de agir com a informação recebida por meio dos sentidos, o que cria desafios na realização das inúmeras tarefas do dia-a-dia. Incoordenação motora, problemas de comportamento, ansiedade, depressão, fracasso escolar e outros impactos podem resultar desse transtorno, se não for tratado corretamente.

Um estudo (Ahn, Miller, Milberger, McIntosh, 2004) mostrou que ao menos uma em 20 crianças tem sua vida afetada pelo TPS. Outra pesquisa, feita pelo Sensory Processing Disorder Scientific work Group (Bem-Sasson, Carter, Briggs-Gowen, 2009) sugere que uma em cada seis crianças apresentam sintomas sensoriais que podem ser suficientes para afetar aspectos das funções de sua vida diária. Os sintomas do TPS, como os da maioria dos transtornos, ocorrem em um amplo espectro de gravidade. Enquanto muitos de nós temos dificuldades ocasionais em processar a informação sensorial, para as crianças e adultos com TPS, essas dificuldades são crônicas e perturbam sua vida diariamente.

Com o que se parece o TPS

O Transtorno de Processamento Sensorial pode atingir as pessoas em um único sentido – por exemplo, somente o tato ou o movimento – ou em múltiplos sentidos. Uma pessoa com TPS pode responder exageradamente às sensações e achar que as roupas, o contato físico, a luz, o som, os alimentos ou outros estímulos sensoriais sejam insuportáveis. Outra pode responder pouco e mostrar pequena ou nenhuma reação à estimulação, mesmo a dor ou calor e frio extremos. Em crianças cujos processamentos sensoriais das mensagens dos músculos e das articulações estejam prejudicados, a postura e as habilidades motoras podem ser afetadas. Essas são as “floppy babies” (bebês hipotônicos, “moles”), que assustam os pais e as crianças que no pátio da escola são chamadas de desajeitadas ou imbecis. Outras crianças, em contraste, exibem um grande e inesgotável apetite por sensações. Essas crianças geralmente são diagnosticadas erradamente – e medicadas indevidamente – como TDAH.

O TPS geralmente é mais diagnosticado em crianças, mas pessoas que chegam à idade adulta sem tratamento também apresentam sintomas e continuam a ter suas vidas atingidas por sua incapacidade de interpretar corretamente as mensagens sensoriais.
Esses adultos podem ter dificuldade em realizar as rotinas e as atividades necessárias para o trabalho, para os relacionamentos pessoais e para a recreação. Como os adultos com TPS já lutaram muito tempo em suas vidas com essas dificuldades, eles podem apresentar depressão, insucesso profissional, isolamento social e outros efeitos secundários.
Infelizmente, o diagnóstico errado é muito comum porque os profissionais da saúde não são treinados para reconhecer os problemas sensoriais.

As causas do TPS

As causas exatas do TPS – como as causas do TDAH e de tantos outros transtornos do neurodesenvolvimento – ainda não foram identificadas. Entretanto, os estudos e as pesquisas preliminares sugerem alguns principais elementos.
O que provoca o TPS é uma pergunta que pressiona cada pai de uma criança com o transtorno. Muitos se preocupam  se são de alguma forma culpados pelos problemas de seus filhos.

“Foi algo que eu fiz?”, eles querem saber.

As causas do TPS estão entre os assuntos que os pesquisadores da “Sensory Processing Disorder Foundation” e seus colaboradores em vários lugares estão estudando. A pesquisa preliminar sugere que o TPS geralmente é herdado. Se for assim, as causas do TPS são codificadas no material genético da criança. Complicações pré-natais e do parto também foram implicadas, e fatores ambientais podem estar envolvidos.

Naturalmente, como acontece com qualquer transtorno do desenvolvimento e do comportamento, as causas do TPS são provavelmente o resultado de fatores que tanto são genéticos quanto ambientais. Somente com mais pesquisa será possível identificar o papel de cada um deles.
Um resumo das pesquisas sobre a causa e a prevalência se encontra em “Sensational Kids: Hope and Help for Children With Sensory Processing Disorder” (New York: Perigee, 2006).

Impacto emocional e outros impactos do TPS

Crianças com TPS geralmente têm problemas com as habilidades motoras e com outras habilidades necessárias para o sucesso escolar e para os eventos da infância. Como resultado, elas geralmente se tornam socialmente isoladas e sofrem de baixa autoestima e de outros problemas sociais e emocionais.
Essas dificuldades colocam as crianças com TPS em alto risco de muitos problemas emocionais, sociais e educacionais, incluindo a capacidade de fazer amigos e de ser parte de um grupo, ter fraco autorrespeito,  de fracasso acadêmico, de ser rotuladas de desajeitadas, não cooperativas, beligerantes, briguentas e fora de controle. Ansiedade, depressão, agressão ou outros problemas de comportamento podem surgir. Os pais podem ser acusados pelo comportamento dos seus filhos pelas pessoas que não estão cientes das dificuldades “escondidas” das crianças.

O tratamento eficaz para o TPS está disponível, mas muitas crianças com sintomas sensoriais são mal diagnosticadas e não corretamente tratadas. O TPS não tratado que persiste até a vida adulta pode afetar a capacidade de o indivíduo ser bem sucedido no casamento, no trabalho e no ambiente social.

Como o TPS é tratado

Muitas crianças com TPS são tão inteligentes quanto os colegas. Muitas são intelectualmente bem dotadas. Seus cérebros são simplesmente organizados de modo diferente. Elas precisam  ser ensinadas de modo adaptado ao jeito com que elas processam a informação, e precisam de atividades de lazer que sejam adequadas às suas necessidades próprias de processamento sensorial.
Depois de devidamente diagnosticadas com TPS, elas se beneficiam de um programa de tratamento de terapia ocupacional (TO) com abordagem de integração sensorial (IS). 
Quando correta e aplicada por um clínico bem treinado, a terapia auditiva (como o Sistema Auditivo Integrado) ou outras terapias complementares podem ser combinadas eficazmente com a TO-IS.
A terapia ocupacional com a abordagem da integração sensorial tipicamente se torna um ambiente sensorialmente rico, algumas vezes chamado de “OT gym”. Durante as sessões de TO, o terapeuta guia a criança em meio a atividades divertidas que são sutilmente estruturadas de modo que a criança seja constantemente desafiada, mas sempre de modo bem sucedido.
O objetivo da TO é de criar respostas apropriadas à sensação de modo ativo, com significado e divertido, para que a criança seja capaz de se comportar de uma maneira mais funcional. Com o tempo, as respostas corretas se generalizam para o ambiente além da clínica, incluindo o lar, escola e toda a comunidade. A terapia ocupacional eficaz permite, assim, que crianças com TPS tomem parte nas atividades normais da infância, tais como brincar com os amigos, gostar da escola, comer, vestir-se e dormir.
Idealmente, a terapia ocupacional para o TPS é centrada na família. Os pais são envolvidos e trabalham com o terapeuta para aprender mais sobre os desafios sensoriais dos seus filhos e os métodos de engajamento nas atividades terapêuticas (algumas vezes chamadas de “dieta sensorial”) em casa e nos outros locais. O terapeuta da criança pode propor ideias aos professores e outras pessoas fora da família e que interajam regularmente com a criança. As famílias têm a oportunidade de comunicar suas próprias prioridades para o tratamento.
O tratamento do TPS ajuda os pais e outras pessoas que vivem e trabalham com as crianças atingidas a entenderem que o TPS é real, mesmo que fique “escondido”. Com essa confirmação, eles se tornam melhores advogados dos seus filhos na escola e na comunidade.
Fonte:
Veja também o link a seguir:

13 comentários:

  1. Bom Dia,

    Antes de mais parabéns pelo Blog. Através de pesquisas na internet sobre o TPS, encontrei está página que esclareceu algumas dúvidas que tenho. Tenho um filho com 3 anos e 3 meses, que ultimamente faz birras incríveis quando visto qualquer tipo de roupa nele dizendo que estão apertadas, noto que ele sente-se realmente incomodado apesar das roupas serem muitas das vezes leves. Ele também não gosta de barulho, sente-se incomodado com o aspirador, liquidificador e até mesmo com o barulho dos colegas em sala de aula. Fora isto é uma criança normal, muito calmo, carinhoso e tem todo o seu desenvolvimento normal para esta idade. Gostaria de saber se este tipo de reação é normal do desenvolvimento infantil? Se não, por onde devo começar e que tipo de ajuda devo procurar?
    Desde já agradeço à atenção,

    Aline Horta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Tenho estes problema desde a idade do seu filho. Poderia me informar se ele também nasceu prematuramente e com pouco peso, como eu?? Obrigado. Alexandre.

      Excluir
    2. Prezado Alexandre, o filho de um amigo tem 2 anos, e tem tido dificuldades com barulhos comuns (liquidificador, enceradeira, aspirador de pó). Ele tem TPS, nasceu com 7 meses e pouco mais de um quilo.

      Excluir
  2. Obrigado pelo elogio, mas eu só traduzo os artigos ou pego emprestado os publicados em português.
    Penso que você deveria fazer uma consulta a um neuropediatra. Em São Paulo, sugiro o Dr. José Salomão Schwartzman
    Fone (11)5571-7743.

    ResponderExcluir
  3. Aline, se puder, e quiser, pode responder ao Alexandre. Dr Menegucci

    ResponderExcluir
  4. Olá meu filho já é adulto, sempre foi diferente, gostava de se isolar, não gostava de passeios, desenhava muito bem, hoje aos 24 anos ficou muito estranho, anda o tempo todo de um lado para o outro, chega a feder de tanto que soa, as vezes fala sozinho e fica bravo como se xingasse alguém, troca o dia pela noite, toma vários banhos por dia, come muito, é aficionado por pornografia e imagens e videos violentos e de desastres, é violento com animais e até gosta de ver videos com esse tema, quando preciso de ajuda ele cumpre bem o papel conclui a tarefa, pergunta se tem mais algo pra fazer a resposta sendo negativa, simplesmente volta pro mundo dele, parece que não se emociona, POR FAVOR, QUAL É O PROBLEMA DO MEU FILHO ? ?

    ResponderExcluir
  5. Há, ele também escreve o tempo todo, tá sempre escrevendo algo em um pedaço de papel, fica rindo a toa também.

    ResponderExcluir
  6. Ha alguma medicação que possa ajudar para o equilibrio sensorial?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não que eu saiba. As medicações poderão ter utilidade em algumas das complicações do transtorno (depressão, ansiedade)

      Excluir
  7. Olá Andrea, tudo bem?

    Meu sobrinho tem três aninhos e ainda não fala. É imperativo, baba muito e bate palma o tempo todo. Às vezes coloca a mão na boca como se fosse arrancar os dentes e dá um nervosinho nele. Não interage com nenhuma criança. Ele pode ser autista???

    Obrigada.

    Janaina.

    ResponderExcluir
  8. Olá! Existe tratamento medicamentoso pra esse problema SIM!
    Se a falha do processamento sensorial causa excesso de sensibilidade (ex: um calor ou frio suportáveis pras pessoas em geral podem ser insuportáveis pra quem tem esse transtorno), os medicamentos pra TDAH podem aliviar e MUITO o sofrimento.
    Digo isso por experiência própria.
    Meu problema principal é com o CALOR! Eu não SUPORTO o calor que pras pessoas em geral é suportável. Eu fico tão irritado, tão irritado, que sou capaz de matar alguém nesses momentos.

    Tem uma parte do cérebro chamada SISTEMA LÍMBICO, essa parte do cérebro que comanda as emoções humanas. Só temos e sentimos emoções por conta dessa parte do cérebro, por isso o sistema límbico é chamado de CENTRO DAS EMOÇÕES do cérebro.
    Ocorre que uma das ações dos medicamentos pra TDAH é a de SUPRIMIR essa parte do cérebro, ou seja, a pessoa SENTE MENOS as coisas (tanto coisas ruins quanto coisas boas), logo, esses incômodos sensoriais, quando são exagerados e causam MUITO sofrimento, são eficientemente resolvidos.

    É muito comum que portadores de tdah tenham distúrbio do processamento sensorial, e felizmente a medicação pra TDAH ajuda nisso TAMBÉM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você poderia, por favor, citar a sua fonte? Seria de grande ajuda para quem quiser mais informações sobre esse assunto. Obrigado.

      Excluir