"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Noventa e cinco por cento da população mundial têm problemas de saúde (404)

Não ter problemas de saúde aparentemente é uma ocorrência rara. De acordo com um estudo internacional, 95 por cento da população mundial têm pelo menos um problema de saúde; uma em cada três pessoas até mesmo apresenta mais de cinco doenças. Os dados foram publicados na revista “The Lancet”.
Para o estudo da carga global de doença (Global Burden of Disease Study), a equipe liderada por Theo Vos da Universidade de Washington (Seattle) analisou fontes de informação sobre problemas de saúde dos últimos 23 anos (1990 a 2013). As estatísticas variaram de doenças sérias a quadros clínicos mais brandos. Conforme o esperado, problemas de saúde em países industrializados foram diferentes daqueles dos países em desenvolvimento.
Em 2013, distúrbios musculoesqueléticos (dor nas costas, dor no pescoço, artrite) estavam entre as dores mais comuns e eram responsáveis por quase metade da sobrecarga da saúde em todo o mundo. Durante o período do estudo, o número de anos vividos com deficiência aumentou de 530 para 760 milhões de anos. A proporção de pessoas com problemas de saúde aumentou de um quinto para um terço da população mundial.
Nos países mais industrializados, os quadros clínicos mais comuns foram dor lombar, seguido de lesões devido a quedas, dor no pescoço, bronquite crônica e depressão. A esses quadros se seguiram distúrbios como perda de audição, enxaqueca, distúrbios de ansiedade, diabetes e Mal de Alzheimer. Na Europa Central, as quedas contribuíram com uma quantidade desproporcional para a sobrecarga da doença. Em onze de treze países, foram a segunda principal causa de deficiência.
Em países de baixa renda, outros problemas foram predominantes. Deficiência devido a guerras é o principal fator de contribuição à pouca saúde no Camboja, Nicarágua e Ruanda, distúrbios de ansiedade são comuns nas nações caribenhas, e o diabetes é o terceiro maior fator de deficiência no México, Nicarágua, Panamá e Venezuela. Na África Subsaariana, HIV/AIDS é o principal acionador do aumento da sobrecarga na saúde.
Um décimo da população mundial é afetada por oito causas de distúrbios crônicos: cáries (2,4 bilhões de pessoas), dor de cabeça por tensão (1,6 bilhão) e anemia por deficiência de ferro (1,2 bilhão). Estes são seguidos por doenças hereditárias: favismo (deficiência de G6PD) com 1,18 bilhão de casos, perda de audição devido à idade (1,23 bilhão), herpes genital (1,12 bilhão), enxaqueca (850 milhões) e ascaríase (800 milhões)

Nenhum comentário:

Postar um comentário