"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

terça-feira, 8 de março de 2011

60- Repensar o TDAH a partir de uma perspectiva cognitiva

Introdução
Embora o diagnóstico de TDAH seja baseado nos sintomas de desatenção e/ou hiperatividade/impulsividade, a evidência sugere que crianças com TDAH também apresentam significativas deficiências cognitivas em áreas que são essenciais para o funcionamento diário, tanto na escola quanto em casa. Especificamente, pesquisas indicam que crianças com TDAH frequentemente têm problemas em:

• funções executivas (por exemplo, o planejamento de um projeto, manter a atenção na tarefa, ignorando informações irrelevantes)

• memória de trabalho (que é muitas vezes considerada uma função executiva)

• a velocidade de processamento (crianças com TDAH processam as informações de forma mais lenta do que seus pares)

No entanto, é importante notar que muitos desses processos cognitivos são frequentemente inter-relacionados. Por exemplo, problemas na memória de trabalho podem afetar negativamente outras funções executivas, ou velocidade de processamento lenta pode reduzir a habilidade de recordar e organizar as informações.

Quanto mais nova ou complexa uma tarefa, maior será a necessidade de funções executivas. Tarefas exigentes podem incluir aprender a conduzir um carro pela primeira vez ou escrever uma redação.

Funções executivas

As funções executivas contribuem tanto para o processamento dinâmico, bem sucedido, em tempo real, de momento a momento, da informação, quanto das ações de autor-regulação que ocorrem durante um longo período de tempo (como o planejamento e tomada de decisão).

Uma das maneiras mais fáceis de entender o impacto de momento a momento das funções executivas no comportamento é pensar sobre o papel do maestro de uma orquestra. Uma orquestra é composta de muitos tipos diferentes de instrumentos (oboé, clarinete, violino, e assim por diante) e cada um desses instrumentos pode ser tocado de forma independente. O papel do maestro é dinamicamente integrar e organizar os vários elementos da orquestra, de momento a momento, para alcançar a sua meta em relação à peça musical. Da mesma forma, são as funções executivas do cérebro que organizam as ações em curso e as emoções do indivíduo para guiar o comportamento intencional de momento a momento. Assim, os indivíduos com deficiências da função executiva muitas vezes têm falta de organização e de foco, e têm dificuldade de adaptar-se com flexibilidade para o contexto ou situação.

Para entender o papel que desempenham as funções executivas no comportamento de um indivíduo que ocorre em períodos de tempo mais longos, pense sobre o papel do executivo-chefe (CEO) em uma grande corporação. O CEO funciona como principal tomador de decisão, organizando, planejando, orientando e integrando as diversas ações e decisões dos departamentos das empresas. Da mesma forma, as funções executivas organizam as ações e as emoções de um indivíduo para controlar o comportamento intencional, como o planejamento, tomada de decisão e monitoramento dos resultados. As funções executivas podem ser divididas em diferentes subfunções e cada um contribui para a capacidade de um indivíduo a agir de uma dirigida e intencional modo objetivo. Estas subfunções incluem a capacidade de um indivíduo para:

• representar ou identificar um problema,

• desenvolver planos e executá-los,

• organizar a si mesmo e às atividades,

• inibir ações e regular as emoções,

• resistir a distrações e controlar a atenção,

• automonitorar-se e auto-avaliar pensamentos e ações.

Os pesquisadores examinaram uma série destas subfunções inter-relacionadas em crianças e adultos e descobriram que a capacidade das crianças para exibir funções executivas (por exemplo, ações de autorregularão e comportamento), melhora durante o desenvolvimento. No entanto, mesmo crianças muito jovens podem apresentar funções executivas, tais como a capacidade de inibir uma ação ou regular as emoções. (continua na próxima postagem) http://research.aboutkidshealth.ca/teachadhd/abc/chapter3/document_view

Nenhum comentário:

Postar um comentário