"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

domingo, 30 de março de 2014

328- Os Sete Tipos de TDA e Como Tratar Cada Um Deles


Por Daniel G. Amen, double-board certified psychiatrist

"Um tratamento não serve para todo mundo"

Como fundador de seis clínicas (Amen Clinics), trago uma abordagem multidisciplinar para o diagnóstico e o tratamento de transtornos com base cerebral, incluindo o TDA e as condições coexistentes. Durante cerca de vinte anos tenho usado as imagens cerebrais obtidas pelo SPECT, junto com outras técnicas de diagnóstico, para desenvolver planos de tratamento individualizados para cada paciente. Logo no início, descobri por meio de padrões do SPECT que o déficit de atenção não é um transtorno único ou simples.

Meu TDA não é o seu TDA

TDA, ansiedade, depressão, transtorno bipolar, autismo e outras condições não são transtornos simples ou únicos. Eles são de vários tipos. O TDA afeta muitas áreas do cérebro - o córtex pré-frontal e o cerebelo, principalmente, mas também o cíngulo anterior, os lobos temporais, os gânglios da base e o sistema límbico. Os sete tipos de TDA que eu estudei são baseados em três neurotransmissores: dopamina, serotonina e GABA.

1- O TDA clássico

Esse é o tipo mais fácil de identificar: os sintomas principais são desatenção, distratibilidade, hiperatividade, desorganização e impulsividade. As imagens do cérebro mostram atividade cerebral normal em repouso e atividade diminuída especialmente no córtex pré-frontal durante uma tarefa que exija concentração. As pessoas com esse tipo de TDA têm diminuição do fluxo sanguíneo cerebral no córtex pré-frontal, cerebelo e gânglios da base (estes últimos ajudam a produzir o neurotransmissor dopamina).

Tratamento do TDAH clássico

Aqui, o objetivo é aumentar os níveis de dopamina, que aumenta o foco. Eu faço isso com medicação estimulante (Ritalina, Adderal, Venvanse, Concerta) ou com suplementos estimulantes como rhodiola, chá verde, ginseng e o amino-ácido L-tirosina. Muita atividade física também ajuda a aumentar a dopamina, assim como o óleo de peixe, que é mais rico em EPA (ácido eicosapentaenóico) que em DHA (ácido docosaexaenóico), ambos componentes do ômega 3.

2- O TDA Desatento

Esse tipo, assim como o tipo clássico de TDA, foi descrito no DSM (The Diagnostic and Statistical Manual of Mental Deseases) desde 1980. Esse tipo é associado a baixa atividade no córtex pré-frontal e baixos níveis de dopamina. Os sintomas são baixa capacidade de atenção, distratibilidade, desorganização, procrastinação. As pessoas com esse tipo não são hiperativas ou impulsivas. Elas podem ser introvertidas e sonharem acordadas bastante. As meninas têm esse tipo tanto quanto, ou mais ainda que, os meninos

Tratamento do TDA desatento

O TDA desatento geralmente responde ao tratamento. Geralmente é possível mudar o curso da vida de uma pessoa se ela for tratada de modo conveniente. A meta, assim como com o tipo clássico, é aumentar os níveis de dopamina. Eu utilizo os suplementos como o aminoácido L-tirosina, que é um dos formadores da dopamina. Tomado em jejum dá um efeito melhor. Geralmente receito um estimulante como Adderal, Venvanse ou Concerta. Indico dieta rica em proteínas e com pouco hidrato de carbono, e exercitar-se regularmente.

3- O TDA superfocalizado

Os pacientes com esse tipo têm todos os sintomas principais do TDA, além de grande dificuldade de mudar o foco da atenção. Eles ficam presos em padrões de pensamentos ou comportamentos negativos. Há uma deficiência em serotonina e em dopamina no cérebro. Quando o cérebro é escaneado, você vê que há muita atividade na área denominada giro cingulado anterior, que é a caixa de câmbio do cérebro. Essa superatividade torna difícil ir de pensamento em pensamento, de tarefa em tarefa, e ser flexível.

Tratamento do TDA superfocalizado

A meta é aumentar os níveis de serotonina e de dopamina no cérebro. O tratamento é complicado. Pessoas com o TDA superfocalizado se tornam mais ansiosas e preocupadas quando tomam medicação estimulante. Eu uso em primeiro lugar os suplementos - L-triptofano, 5-HTP, açafrão  e inositol. Se os suplementos não ajudam os sintomas, receito Effexor, Pristiq ou Cymbalta. Evito a dieta rica em proteína nesse tipo de TDA, que pode piorar esses pacientes. O treinamento com neurofeedback é outra arma útil.

4- O TDA do lobo temporal

Esse tipo de TDA tem os sintomas principais do TDA mais os sintomas do lobo temporal (TL). O lobo temporal está localizado sob a nossa têmpora, e está envolvido com a memória, aprendizagem, estabilidade do humor e o processamento visual dos objetos. Pessoas com esse tipo têm dificuldades de aprendizagem, de memorizar e problemas de comportamento, tais como raiva súbita, agressividade e leve paranóia. Quando o cérebro é escaneado, há anormalidades nos lobos temporais e atividade diminuída no córtex pré-frontal.

Tratamento do TDA do lobo temporal

Eu utilizo o ácido gama-aminobutírico (GABA) para diminuir a atividade neuronal e inibir as células nervosas de dispararem demais ou erraticamente. Tomar magnésio - cerca de 80% da população tem níveis baixos desse mineral - ajuda na ansiedade e na irritabilidade. Medicamentos anticonvulsivantes geralmente são receitados para auxiliar na instabilidade do humor. Para os problemas de memória e de aprendizagem, eu uso gingo ou vinpocetina.

5- O TDA límbico

Esse tipo parece uma combinação de distimia ou tristeza crônica de baixo nível com o TDA. Os sintomas são mau humor, baixa energia, frequentes sentimentos de desamparo ou de culpa excessiva, e crônica baixa autoestima. Não é depressão. Esse tipo é causado por muita atividade no sistema límbico do cérebro (o centro de controle do humor), e baixa atividade no córtex pré-frontal, seja concentrado em uma tarefa ou em repouso.

Tratamento do TDA límbico

Os suplementos que funcionam melhor para esse tipo de TDA são DL-fenil-alanina (DLPA), L-tirosina, e SAMe (s-adenosil-metionina). Wellbutrin é o medicamento de minha preferência nesse tipo de TDA. Os pesquisadores acham que ele funciona por aumento da dopamina. Imipramina é outra opção para esse tipo. Exercício, óleo de peixe e a dieta correta auxiliarão uma pessoa com TDA límbico a melhor controlar os sintomas.

6- O TDA anel de fogo

Pacientes com esse tipo não têm um córtex pré-frontal hipoativo, como no TDA clássico e no desatento. Todo o cérebro é hiperativo. Há muita atividade em todo o córtex cerebral e em muitas outras partes do cérebro. Eu o denomino de "TDA plus". Os sintomas incluem sensibilidade ao barulho, à luz, ao tato (como no autismo); períodos de comportamento maldoso, incomodativo; comportamento imprevisível; fala rápida; ansiedade e medo. Nos escaneamentos cerebrais, parece um anel de hiperatividade ao redor do cérebro.

Tratamento do TDA anel de fogo

Os estimulantes, por si mesmos, podem piorar os sintomas. Eu começo com uma dieta de eliminação, se suspeito de que uma alergia esteja em jogo, e aumento os neurotransmissores GABA e serotonina por meio de suplementos e medicamentos, se for necessário. Receito suplementos de GABA, 5-HTP e L-tirosina. Quando receito medicação, começo com um dos anticonvulsivantes. Os medicamentos para pressão alta, guanfacina e clonidina, podem ser úteis, acalmando toda a hiperatividade geral.

7- TDA ansioso

As pessoas com esse tipo têm os sintomas principais do TDA e são ansiosas, tensas, têm sintomas de estresse físico como dor de cabeça e dor de estômago, prevêem o pior e ficam paralisadas em situações que provocam ansiedade, especialmente quando podem ser objeto de crítica. Quando o cérebro é escaneado, há alta atividade nos gânglios da base, grandes estruturas na profundidade do cérebro, que ajudam a produzir dopamina. Esse é o oposto da maioria de tipos de TDA, nos quais há baixa atividade nessa região.

Tratamento do TDA ansioso

A meta do tratamento é promover o relaxamento e aumentar os níveis de GABA e de dopamina. Os estimulantes para o TDA, tomados isoladamente, tornam os pacientes mais ansiosos. Eu uso, primeiro, um conjunto de suplementos "calmantes" - L-theanina, relora, magnésio e "holy basil" (Ocimum tenuiflorum). Dependendo do paciente, receito os antidepressivos tricíclicos imipramina ou desipramina, para diminuir a ansiedade. Neurofeedback também funciona para diminuir os sintomas de ansiedade, especialmente para acalmar o córtex pré-frontal.



Dr. Daniel G. Amen  -  ADDitude

26 comentários:

  1. Olá. Gostaria muito de saber se é possivel uma pessoa ter TDAH , porém sem ter dificuldades de aprendizado, e ser uma pessoa considerada "inteligente" pelas outras ao redor? Já passei por diversos profissionais e o diagnostico deles não batem. Tenho extrema dificuldade com concentração e com atividades monótonas ,e meu foco é amplo. É como se eu prestasse atenção em tudo um pouco. Portanto, nao consigo focar em alguma atividade q demanda concentração. Mas tenho boa capacidade de aprendizado, mesmo sem conseguir manter a atenção em aulas ou livros por mais que 3 minutos. Possui algum comentário a respeito disso? Ajudaria muito... Muito obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Henrique
      Este artigo do Dr. Amen é um tanto "criativo demais". Os estudos acadêmicos identificam três tipos de TDAH, a saber: TDAH com predomínio da hiperatividade e impulsividade; TDAH com predomínio da desatenção; TDAH do tipo combinado (reunião dos dois primeiros em uma só pessoa).
      Quanto à sua pergunta, á resposta é SIM. O TDAH é apenas um aspecto da atividade cerebral de uma pessoa. Se ela tiver a sorte de ser muito inteligente e premiada pela natureza com muitas habilidades motoras, sociais e cognitivas, ela poderá ter muito sucesso na vida, apesar do TDAH. Infelizmente isso acontece com poucos. No seu caso, valeria a pena consultar um especialista experiente e tentar um tratamento medicamentoso para saber se o seu desempenho seria melhor. Vale lembrar que nem todo portador de TDAH precisa tomar remédio.

      Excluir
    2. Olá,
      Sou portador de TDAH e acho que é possível dizer que sou uma pessoa inteligente. Sou doutor em Física e professor universitário de Física, Matemática e programa em uma universidade de respeito. Tenho 32 anos, sempre sofri pra conseguir estudar e me sentia mal por isso. O que fiz foi entender quais os melhores métodos de estudo para mim. Hoje em dia, com medicamento, nem sei dizer o quanto minhas capacidades aumentaram, acredito que graças ao auto-conhecimento.

      Excluir
    3. Obrigado por seu depoimento, Junior Koch.

      Excluir
  2. Muito obrigado! Vou prosseguir então com um bom especialista. Isso realmente sempre me intrigou , porque tenho bom desempenho nas atividades sociais e intelectuais. (So que quando era mais novo, tinha grandes problemas disciplinares na escola, apesar de tirar nota máxima em quase tudo, pois não conseguia ficar quieto durante a aula ou atividades monótnonas). Apesar de sentir uma extrema dificuldade de foco, penso que tenho uma boa capacidade de raciocínio, criatividade, interpretação, etc. Mas acredito que teria uma qualidade de vida muito melhor se conseguisse focar mais... ganharia mais a confiança das pessoas e poderia gastar menos tempo para completar determinadas atividades.

    ResponderExcluir
  3. Olá Dr, no exemplo do TDAH superfocalizado,informa que no tratamento nao é indicado dieta rica em proteína, poderia me dizer qual delas se refere, animal ou vegetal?

    ResponderExcluir
  4. Olá! Carol.
    A diferença entre proteína animal e vegetal está na composição dos aminoácidos. Há aminoácidos chamados essenciais, que não estão presentes em todas as proteínas vegetais.
    Quanto ao papel das proteínas no tratamento do TDAH, o Dr Amen não cita nenhum trabalho científico que sirva de base para as conclusões dele. Assim, como já comentei na resposta para o Henrique, acho esse psiquiatra muito criativo para o meu gosto. Ele tem seis clínicas para tratamento do TDAH. Parece ser meio comerciante demais.
    Como eu aviso logo no cabeçalho do meu blog, nem sempre concordo com o que os autores dos artigos publicados dizem. No caso das proteínas, acho que não há base científica que apoie essa conclusão e, assim, eu não faço nenhuma restrição alimentar para os meus pacientes.
    Obrigado por seu interesse. Se você descobrir algum artigo científico sobre esse assunto, por favor me mande por e-mail. Muito obrigado. Dr. Menegucci

    ResponderExcluir
  5. Boa Noite, poderia me informar o nome de algum médico especialista em Tdah em Porto Alegre, consultei c uma Neurologista q me diagnosticou c o transtorno, além da Ritalina La me encaminhou p psicoterapia (TCC), resumindo o psicólogo suspeitou q eu não tenho TDAH, então me encaminhou p um Psiquiatra q em uma conversa disse q além do TDAH tenho Transtorno Bipolar. Estou apreensiva e não sei em q diagnóstico confiar, por favor se puder me ajudar lhe agradeço muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Noite, Francieli
      Entre no site da ABDA - www.tdah.org.br
      Lá, você vai ver, logo no alto, uma barra horizontal de menus.
      Um deles é sobre profissionais para tratamento. Há um sub-menu para médicos.
      Há um mapa do Brasil, com os estados com profissionais cadastrados.
      Clique no Rio Grande do Sul e verá uma lista de profissionais de Porto Alegre.
      Boa Sorte!

      Excluir
  6. Bom dia Doutor. Desde a infância, tenho a mente negativa, e sempre tive problemas de aprendizagem, principalmente nas tarefas práticas. Sou também muito desatento, e muito ansioso. Os psiquiatras têm me receitado antidepressivos,mas sem resultados. Gostaria de ter sua opinião, se devo procurar um neuro para uma avaliação de possível tdah. grato. João.

    ResponderExcluir
  7. Jota, você precisa de um diagnóstico. Procure um médico que entenda de TDAH e que faça o seu diagnóstico. Boa sorte!

    ResponderExcluir
  8. Olá, meu filho foi diagnosticado com déficit de atenção sem hiperatividade, meu marido também tem. Moramos no Japão, e apesar de desconfiar desde os seus 7 anos o diagnóstico só foi fechado agora, aos 10 anos. Ele começou ainda semana a tomar concerta 18mg, a um ano faz Kumon de matemática e japonês, faz natação uma vez por semana e prática bastante esporte na escola e está fazendo diariamente exercícios cerebrais pelo método supera, ele toma suplemento de minerais e vitaminas além de ter uma dieta rica em proteínas.
    Como mãe é muito angustiante ver uma criança tão inteligente não conseguir avançar bem nos estudos por causa da falta de concentração.
    Gostaria de saber se na idade dele eu posso fazer a suplementação com L-tirosina e se sim qual a dosagem adequada.
    Agradeço desde já, Fabricia

    ResponderExcluir
  9. Não tenho experiência clínica com suplementação. Seria mais prudente esperar pelos efeitos do tratamento atual e. depois de um tempo razoável ( digamos, 6 meses) experimentar a L-tirosina. Eu tentaria 500 mg 3 vezes ao dia, longe das principais refeições.

    ResponderExcluir
  10. Olá, Boa Noite,
    Tenho TDA com hiper foco, faço uso da medicação venvanse em torno de 6 meses. Mas os efeitos colaterais me incomodam muito.Já tomei o Pristiq, mas com o tempo perdeu a eficácia. O mau humor a irritabilidade e a depressão mesmo com a medicação ainda predominam.Os suplementos citados acima- L-triptofano, 5-HTP, açafrão e inositol ajudariam? Gostaria de parar o venvanse pelo seu alto custo.
    Desde Já, grata pela atenção

    ResponderExcluir
  11. Fernanda, qual a dosagem do Venvanse? Qual a maior dosagem de Pristiq que você usou? Segundo o Dr Amen, nesse tipo de TDA, os estimulantes pioram o quadro. Ele também diz que esse tipo é de difícil tratamento. Infelizmente, não tenho experiência com esse tipo de TDAH e nem com os suplementos. Ele cita o Cymbalta (duloxetina) como alternativa. Você tem certeza de que esse tipo de TDAH é o que você tem? Você não tem TOC como comorbidade? Fale com seu médico.

    ResponderExcluir
  12. Bom,quando estou envolvida em uma tarefa que prende a minha atenção não consigo me desconectar dela e qualquer distração me irrita, já fiquei mais de 8 horas concentrada , o problema é que quando consigo mudar de tarefa ,não retorno mais para qualquer outra que ficou inacabada. O que me incomoda mais é o mal humor e a irritação.Em uma aula,assimilo rapidamente o conteúdo e perco o interesse rapidamente tb.
    Sou rotulada como grossa, por não ter paciência em esperar as pessoas assimilarem ou entender as coisas.Sem medicação sinto sono excessivo.
    Uso 50 mg do venvanse.
    Sou acompanhada por psiquiatra, deveria fazer avaliação com um neurologista? Isso ajudaria a ter um diagnostico mais certo? ou não?
    Obrigada pela Atenção

    ResponderExcluir
  13. Olá, O TOC é caracterizados por pensamentos obsessivos ou compulsões movimentos repetitivos e rituais.
    Bom, tenho uma imensa dificuldade de seguir rotina e de realizar coisas que precisamos fazer todos dias e não gosto de coisas repetitivas. Minha concentração é em não parar enquanto não solucionar um problema. Por exemplo:formatar ou consertar um computador, eu não consigo parar porque já acabou meu horário de trabalho, se eu já estiver começado ou tenho que ir até o final.Mas os desafios precisam ser diferentes!Tenho uma necessidades enorme de novos desafios!!!!
    De qualquer forma vou conversar com o meu médico.
    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que a melhor opção é conversar mais com seu psiquiatra. Não me parece que um neurologista terá condições de ajudá-la. Boa sorte, Fernanda.

      Excluir
  14. Obrigada por essa matéria e pela oportunidade de tirar dúvidas, a maioria do material encontrado apenas consta o que é o transtorno mas não apresenta uma possível solução! Olá meu nome é Karla e tenho um filho de 9 anos com diagnóstico a 1 ano de déficit de atenção tipo desatento, desde os 4 anos começamos a perceber dificuldades na escola e choro muito fácil. Há cerca de 6 meses ele tem feito acompanhamento com psicóloga uma vez por semana mas sinto que as dificuldades com a aprendizagem tem aumentado e não vejo melhora significativa. Seria recomendado o uso de medicamentos? ou devo esperar mais tempo?

    ResponderExcluir
  15. Eu procuraria um especialista em TDAH e, com toda certeza, iniciaria o tratamento medicamentoso imediatamente.

    ResponderExcluir
  16. Me identifiquei muito com os tipos 2,4 e 5.Eu sou muito desatento, viajo acordado sempre, e, também tenho uma instabilidade de humor, sinto que meus dias são chatos e nada me faz rir, mas RARAMENTE acontece que acordo um dia agitado e bem humorado, e tudo parece ser divertido e engraçado.Não sei como minha cabeça funciona e queria um diagnóstico preciso e que não fosse muito caro, pois já fui no psicólogo e ela mesma cobrou 1500 reais caso eu queira fazer um diagnóstico cognitivo comportamental(não me recordo se é esse o nome)e meus pais não tinham condições de pagar. Agora eu, procurei outro psicólogo que fez alguns testes - ainda não saiu os resultados - mas estou pouco esperançoso de que vai dar o resultado que eu preciso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu já comentei acima, não digo amém a tudo que o Dr. Amém diz. Que tal você procurar um médico especialista nesse tipo de diagnóstico? Entre no site da ABDA www.tdah.org.br e logo na primeira página verá uma barra horizontal de menus. Nela há uma indicação de profissionais para o diagnóstico e tratamento. Ao clicar nesse item, vai aparecer o mapa do Brasil, com os estados nos quais há médicos incritos na ABDA como especialistas em TDAH. Se o seu estado estiver lá, com a cor laranja, clique em cima dele e vai aparecer uma lista de profissionais. Faça sua escolha e Boa sorte!

      Excluir
  17. Boa noite Dr! Tenho uma filha de 3 anos foi diagnosticada com tdah, mas os proficionais não conseguem IndyCar uma medicaçao que tenha um efeito positivo. Ja tomou Neuleptil, Ritalina 1.5 mg zap 2.5mg risperidona 0,75no 2× so dia. Estou preocupada pois dois deles tiveram efeito muito negativo zap ritalina. O risperidona e o neuleptil não mudou em nada no comportamento agressivo nem na anciedade e na hiperatividade. Ja não sei oque fazer ela está cada dia pior.

    ResponderExcluir
  18. Diagnosticar TDAH com 3 anos de idade é tarefa para especialistas muito competentes. Procure na ABDA alguém que possa fazer o diagnóstico correto.

    ResponderExcluir