"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto."
RUI BARBOSA

sexta-feira, 12 de abril de 2013

277- TDAH - Como interromper o pensamento negativo

Auxílio para adultos que lutam contra o derrotismo.

Cinco estratégias de especialistas para lutar com o derrotismo e o pensamento negativo ligados ao TDAH. Por Michele Novotni, Ph.D.

A depressão é comum entre as pessoas com TDAH. De fato, as pessoas com TDAH são três vezes mais propensas a terem depressão do que as que não têm o transtorno.
É fácil de entender o porquê; você dificilmente se sentirá bem consigo mesmo se o esquecimento e a desorganização o fizerem sentir-se incompetente no trabalho ou em casa.

Mas, por que a pouca autoestima continua a atingir adultos com TDAH mesmo durante o seu tratamento? Para responder esta questão, voltemos aos anos sessentas, quando o psicólogo Martin Seligman, da Universidade de Pensilvânia, conduziu uma pesquisa pioneira sobre a condição psicológica atualmente conhecida como “desamparo aprendido”.
Seligman treinou um grupo de cães para associar um som particular a um choque iminente. Inicialmente, os cães ficavam presos, então, mesmo que soubessem que um choque estava a caminho, não tinham como evitá-lo. (Graças a Deus que essa crueldade atualmente está fora de voga!)[Nota do tradutor: Nem tanto, nem tanto... ]. Depois de um tempo, mesmo que suas amarras tivessem sido removidas, os cães não faziam nada para evitar o choque. Eles tinham sido convencidos de que ele era inevitável. Em outras palavras, eles tinham aprendido a serem desamparados.
Adultos com TDAH não são cães, obviamente. Mas muitos portadores de TDAH, particularmente os que foram diagnosticados mais tarde na vida, exibem desamparo aprendido. Eles passaram tantos anos fracassando em atingir todo seu potencial no trabalho, em casa e em seus relacionamentos pessoais, que acreditam que sempre vão fracassar.
Isto era certamente verdadeiro para meu cliente Mike, que trabalhava com vendas. Durante anos ele tinha ouvido que não atingia seu potencial. Não importava quanto se esforçasse, não conseguia estabelecer prioridades ou ficar em dia com seus documentos, e ainda se esquecia de compromissos. Tinha medo de que pudesse perder o emprego. Mesmo após ter iniciado o tratamento do TDAH, tinha certeza de que continuaria fracassando.
Mike estava sofrendo de desamparo aprendido. Então, eu pedi para que ele consultasse um médico e perguntasse sobre o uso de medicação antidepressiva (geralmente uma boa opção para pessoas gravemente deprimidas) e que ele indicasse algumas estratégias para ajudá-lo a se livrar do pessimismo crônico. Aqui estão elas:
Pare de pensar negativamente. Crenças erradas sobre si mesmo são os principais contribuintes para a depressão. Pare de se magoar com pensamentos como “Sou um fracasso” ou “As coisas nunca vão mudar”. Como fazer isso? Cada vez que você pensar mal de si mesmo, tente trocar o pensamento negativo por pensamentos mais positivos. Sente-se por alguns minutos e faça um inventário dos seus pontos fortes. Você é muito criativo? Você é um bom contador de histórias? Você consegue fazer uma torta de mação deliciosa? Escreva todas as coisas que puder pensar em um cartão e carregue-o consigo em sua carteira ou bolsa.
Escolha os amigos com cuidado. Passe mais tempo com pessoas que sejam apoiadoras e encorajadoras. Faça o possível para evitar as pessoas “tóxicas”.
Faça mais exercícios. A atividade física combate a depressão pelo aumento dos níveis do neurotransmissor dopamina. Exercite-se por ao menos 15 minutos, três vezes por semana (o ideal seriam 30 minutos, cinco dias por semana).
Procure expor-se ao sol. Quinze minutos de luz solar direta (nos horários adequados) podem ter um impacto enorme em seu humor.
Não espere para comemorar. Dê a si mesmo um incentivo por qualquer progresso na direção de suas metas. Convide um amigo para jantar. Contrate um massagista. Compre um novo DVD.
Mike já não está mais deprimido. Seu escritório está organizado e ele está em dia com seus compromissos. Ele não mais se preocupa em ser demitido; recentemente foi reconhecido publicamente por suas relevantes conquistas no trabalho. Tudo isso surgiu porque ele teve a coragem de acreditar que o sucesso era possível.
Você está deprimido? Seja como o Mike!
Michele Novotni
Este artigo foi publicado no número de abril/maio de 2007 de ADDitude

Nenhum comentário:

Postar um comentário